St Ives (Cornualha)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
St Ives
Stives1.jpg
Flag of Cornwall.svg
Dados Gerais
Nação  Inglaterra
 Reino Unido
População 11.165 habitantes
Website St. Ives Town Council
Localização
St Ives está localizado em: Reino Unido
St Ives
50° 21' 1" N 5° 48' 0" O
Cidade do Reino Unido Reino Unido

St Ives (em córnico: Porth Ia, “Enseada da Santa Ia”[1]), é uma cidade costeira, uma paróquia civil e um porto da Cornualha.

A cidade está ao norte de Penzance e a oeste de Camborne, na costa do Mar Celta]. No passado era uma cidade dependente da pesca. O declínio da atividade pesqueira, por sua vez, levou à uma mudança na balança comercial e a cidade de se tornou um resort de férias, chegando a levar o prêmio de melhor cidade costeira do Reino Unido no British Travel Awards em 2010 e 2011.[2][3][4]

St Ives foi incorporado por Carta Régia em 1639.[5][6] A cidade tornou-se um reduto de vários artistas. Foi nomeada como a melhor cidade do litoral galês em 2007 pelo The Guardian.[7]

Não confundir com a vila de St Ive, uma vila no sudeste de Cornualha.

História[editar | editar código-fonte]

A origem da cidade é atribuída À lenda sobre a chegada da santa irlandesa à região, Ia da Cornualha, no século V da era comum. Acredita-se que Ia era uma princesa irlandesa, irmã de Erc de Slane e tornou-se mártir e evangelista da igreja entre os séculos V e VI na região da Cornualha.[8][9] Acredita-se que a pousada The Sloop Inn, que fica no cais e onde também havia um pub de pescadores, date de 1312, o que a torna uma das pousadas mais antigas da Cornualha.[10][11]

A cidade foi palco de uma atrocidade durante a Revolta do Livro de Oração de 1549. O marechal inglês Anthony Kingston esteve em St Ives e convidou o burgomestre John Payne, para almoçar em uma estalagem. Antes, ele pedira que John instalasse uma forca do lado de fora, enquanto almoçassem. Em seguida, o burgomestre e o marechal caminharam até à forca e Kingston o ordenou a colocar o pescoço na corda. Ele foi enforcado por ter se mostrado um "rebelde".[12][13]

Durante a Guerra Anglo-Espanhola, em 1597, dois navios espanhóis, um barco e uma pinaça se encaminharam para St Ive buscando abrigo quando uma tempestade dispersou a frota espanhola. Eles foram capturados pelo navio inglês Warspite, comandado por Sir Walter Raleigh, que também fora danificado pela tempestade. As informações dadas pelos prisioneiros foram vitais para se conhecer os objetivos da frota espanhola.[14][15]

Pesca[editar | editar código-fonte]

Desde a Idade Média que a pesca era importante para a cidade. Foi um dos mais importantes portos da costa da Cornualha. A data da construção do píer original é desconhecida, mas sabes que que a cidade já o tinha quando foi pela primeira vez referenciado pelo cronista e topógrafo William Worcester, em 1478.[16] O pier foi reconstruído por John Smeaton entre 1766 e 1770 depois de cair em desuso.[16] Posteriormente, ele foi prolongado. O mirante octogonal com cúpula pertence ao projeto original de Smeaton.[16]

A. K. Hamilton Jenkin escreveu como os pescadores da cidade reservavam o domingo religiosamente como dia de descanso. St Ives era um porto de pesca bastante agitado e a pesca com rede era o método usual de pesca. A rede de cerco era realizada por um conjunto de três barcos de tamanhos diferentes, os dois maiores carregando redes de cerco de tamanhos diferentes. O número total de tripulantes era entre dezessete ou dezoito. No entanto, isso chegou ao fim em 1924.[16]

Na década de 1747-1756, o número total de sardinhas despachadas dos quatro principais portos da Cornualha de Falmouth, Fowey Penzance e St Ives tinha uma média de 30.000 barris anualmente (um total de 900 milhões de peixes). Capturas muito maiores foram feitas em 1790 e 1796. Em 1847, as exportações de sardinhas da Cornualha totalizaram 40.883 barris ou 122 milhões de peixes, enquanto o maior número já feito em uma rede de cerco foi 5.600 barris em St Ives, em 1868.[17] A maior parte da produção foi exportada para a Itália: por exemplo, em 1830, 6400 barris foram enviados para os portos do Mediterrâneo. De 1829 a 1838, a média anual desse comércio era de 9000 barris.[17] Depois que a temporada de cavala da primavera terminava, a frota pesqueira seguia para o norte. Em julho de 1882, noventa barcos e seiscentos homens estavam envolvidos na pesca de arenque escocês.[17]

Ainda que a pesca comercial esteja bastante reduzida, o porto ainda está em uso, muitas vezes para passeios de barco de lazer, pesca turística e passeios de um dia às colônias de focas próximas nas Carrack Rocks e em outros locais ao longo da costa.[18] Recentemente, uma classe de barcos de pesca vitorianos exclusivos de St Ives, conhecida como "jumbo", foi replicada pelo construtor de barcos Jonny Nance para comemorar a herança marítima da cidade. Os jumbos de hoje são operados pela St Ives Jumbo Association.[18]

Referências

  1. «List of Place-names agreed by the MAGA Signage Panel» (PDF). Cornish Language Partnership. Maio 2014. Consultado em 11 de janeiro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 29 de julho de 2014 
  2. «British Travel Awards 2010». The British Travel Awards. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  3. «The BTA winners». Just About Travel. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  4. «St Ives wins travel award». The Queens Hotel St. Ives. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  5. «Stories of Old St Ives, Cornwall». St Ives Cornwall. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  6. «St. Ives». History of Parliament. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  7. Mike Herd (ed.). «St Ives named best seaside town». The Guardian. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  8. British History Online (ed.). «Ives, St. - Ixworth-Thorpe». A Topographical Dictionary of England. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  9. Mills, A. D. (1996). The Popular Dictionary of English Place-Names. [S.l.]: Parragon Book Service Ltd and Magpie Books. p. 282 
  10. Gillilan, Lesley (2009). Cornwall and the Isles of Scilly. [S.l.]: Crimson Publishing. p. 290. ISBN 1854584243 
  11. Fodor's 1992 Affordable Great Britain. [S.l.]: Fodor's Travel Publications. 1992. p. 162. ISBN 067902140X 
  12. «KINGSTON, Anthony (by 1512-56), of Cadleigh, Devon and Painswick, Glos.». History of the Parliament. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  13. «The Prayer Book Conflict timeline». Cornwall Forever. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  14. Wallace, Willard Mosher (1959). Sir Walter Raleigh. [S.l.]: Princeton University Press. p. 155 
  15. Edwards, Edward (1868). The Life of Sir Walter Ralegh: Letters Volume 2. [S.l.]: Macmillan & Company. p. 186–88 
  16. a b c d Noall, Cyril. The Book of St Ives. [S.l.]: Barracuda Books Limited. p. 59. ISBN 0860230376 
  17. a b c Hamilton Jenkin, A.K. (1945). Cornwall and its people: Cornish seafarers, Cornwall and the Cornish, Cornish homes and customs. Cornualha: J.M. Dent & Sons. p. 487 
  18. a b «St.Ives Jumbo Association - Home». Stivesjumbo.com. Consultado em 18 de outubro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre St Ives (Cornualha)
Ícone de esboço Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.