Josef Stalin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Stalinistas)
Ir para: navegação, pesquisa
Josef Stalin
Иосиф Виссарионович Сталин (em russo)
იოსებ სტალინი (em georgiano)
Stalin em 1942.
Secretário-geral do
Partido Comunista da União Soviética
Período 3 de abril de 1922
a 5 de março de 1953
Antecessor(a) Vyacheslav Molotov
Sucessor(a) Nikita Khrushchov
Primeiro-ministro da União Soviética
Período 6 de maio de 1941
a 5 de março de 1953
Antecessor(a) Vyacheslav Molotov
Sucessor(a) Georgy Malenkov
Comissário do Povo para Defesa
Período 19 de julho de 1941
a 3 de março de 1947
Primeiro-ministro Ele mesmo
Antecessor(a) Semyon Timoshenko
Sucessor(a) Nikolai Bulganin
Dados pessoais
Nascimento 18 de dezembro de 1878
Gori, Geórgia
Império Russo
Morte 5 de março de 1953 (74 anos)
Moscou, RSFS da Rússia
Prêmio(s) Pessoa do Ano (1939 e 1942)
Cônjuge Ekaterina Svanidze (1903 a 1907)
Nadezhda Alliluyeva (1919 a 1932)
Partido Partido Comunista da União Soviética
Religião Ateísmo
(anteriormente Ortodoxo Georgiano)
Profissão Ativista e político
Assinatura Assinatura de Josef Stalin
Serviço militar
Apelido(s) Koba
Lealdade União Soviética
Serviço/ramo Forças Armadas Soviéticas
Anos de serviço 1943 - 1953
Graduação Marechal (1943 - 1945)
Generalíssimo (1945 - 1953)
Comandos Todas as forças armadas soviéticas (comandante-supremo)
Batalhas/guerras Segunda Guerra Mundial

Josef Vissariónovitch Stalin,[nota 1][1] (em russo: Иосиф Виссарионович Сталин), nascido Iossif Vissariónovitch Djugashvili (em georgiano: იოსებ ბესარიონის ძე ჯუღაშვილი, transl. Iosseb Bessarionis dze Djuğashvili; em russo: Иосиф Виссарионович Джугашвили, transl. Ióssif Vissariónovitch Djugashvíli; pronúncia ajuda · ficheiro · ouvir; Gori, 18 de dezembro de 1878Moscou, 5 de março de 1953) foi secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética e do Comitê Central a partir de 1922 até a sua morte em 1953, sendo assim o líder da União Soviética.

Sob a liderança de Stalin, a União Soviética desempenhou um papel decisivo na derrota da Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial (1939 - 1945) e passou a atingir o estatuto de superpotência, após rápida industrialização e melhoras nas condições sociais do povo soviético. Durante esse período, o país também expandiu seu território para um tamanho semelhante ao do antigo Império Russo. Apesar dos progressos e avanços conquistados, o regime de Stalin também foi marcado por violações constantes de direitos humanos, massacres, expurgos e execuções extra-judiciais de milhares de pessoas e fome. Estima-se que entre 20 e 60 milhões de pessoas tenham morrido durante seus trinta anos de governo.[2][3]

Durante o XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética, em 1956, o sucessor de Stalin, Nikita Khrushchov, apresentou seu Discurso secreto oficialmente chamado "Do culto à personalidade e suas consequências", a partir do qual iniciou-se um processo de "desestalinização" da União Soviética.

Biografia

Ver artigo principal: Era Stalin (1927-1953)

Nascido em uma pequena cabana na cidade georgiana de Gori, filho da costureira Ketevan Geladze (1858-1937) e do sapateiro Besarion Jughashvili (1849 ou 1850 - 1909), o jovem Stalin teve uma infância difícil e infeliz.

Chegou a estudar em um colégio religioso de Tiflis, capital georgiana, para satisfazer os anseios de sua mãe, que queria vê-lo seminarista.

Mas logo acabou enveredando pelas atividades revolucionárias contra o regime tsarista. Na juventude, adotou o nome Koba mas também era conhecido como David, Nijeradze, Chijikov, Ivanovitch e, antes da I Guerra Mundial, mudou seu nome definitivamente para Stalin (homem de aço).[4] Era portador de deficiências físicas (seu pé esquerdo tinha dois dedos grudados e o braço esquerdo era mais curto que o direito) por este motivo, foi dispensado do serviço militar, não lutando na guerra.[5]

Stalin em 1902.
Cartão de informações sobre Josef Stalin do arquivo da Okhrana de São Petersburgo (c.1911).

Nos anos de 1901 e 1902, tornou-se membro em Tíflis, em comitês de Batumi do POSDR. Em 1901, depois de uma manifestação organizada por ele e reprimida violentamente pelas autoridades, tentou sem sucesso eleger-se líder do já combalido POSDR de Tíflis.[6] Neste mesmo ano, foi expulso do partido de forma unânime pelos Mencheviques, acusado de caluniador e agente provocador.[6] Em 1901, Stalin, enquanto na clandestinidade, organizava greves e manifestações, agitando os trabalhadores em Baku nas fábricas de Alexander Mantáshev.[7] Em 1903, aliou-se a Vladimir Lenin e aos outros Bolcheviques, que planejavam a Revolução Russa.[8]

Entre 1902 e 1913 foi preso seis vezes, fugindo 4 vezes, em 1906 a 1907 supervisionou as desapropriações no Cáucaso. Segundo alguns historiadores organizou assaltos, sendo acusado de participar indiretamente na "expropriação do banco de Tíflis em 1907" na qual 40 pessoas foram mortas, responsavel direto foi o revolucionário Kamó[9] sendo Stalin "Koba" acusado de envolvimento por uma Menchevique Tatiana Vulikh, de acordo com o livro de Simon Sebag Montefiore.[9]

Supostas acusações de Mencheviques indicam que Stalin seria um agente da polícia secreta tsarista (Okhrana), o que explicaria suas várias fugas da prisão.[6] Sob diversos codinomes, trabalharia como agente duplo para o regime tsarista.[6]

Stalin chegou ao posto de secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética entre 1922 e 1953 e, por conseguinte, o chefe de Estado da URSS durante cerca de um quarto de século, transformando o país numa superpotência.

Antes da Revolução Russa de 1917, Stalin era o editor do jornal do partido, o Pravda ("A Verdade"), jornal que foi fundado por Leon Trotsky como uma publicação social-democrata e editado em Viena até o dia 12 de abril de 1912, quando passou a ser editado em São Petersburgo e a sua edição sendo efetivamente controlada por dia por Molotov e Stalin antes de sua prisão em março de 1913.[10] Stalin teve uma ascensão rápida, tornando-se em novembro de 1922 o Secretário-geral do Comitê Central, um cargo que lhe deu bases para ascender aos mais altos poderes. Após a morte de Lenin, em 1924, tornou-se a figura dominante da política soviética – embora Lenin o considerasse inapto para um cargo de comando (ver: Testamento de Lenin), ele ignorava a astúcia de Stalin, cujo talento quase inigualável para as alianças políticas lhe rendera tantos aliados quanto inimigos. Seus epítetos eram "Guia Genial dos Povos"[11][12] e "O Pai dos Povos".

Lênin elogiaria Stalin pela sua obra O Marxismo e o Problema Nacional e Colonial. Nessa obra Stalin estabelecia os fundamentos do programa nacional do Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR), e citava os problemas nacionalistas de conflitos interétnicos, de lutas nacionais e revolucionárias na Rússia da época, e que a Democracia formal ajudava, cujo parlamento era o principal.[13][14]

De acordo com Alan Bullock,[15] uma discordância com Stalin em qualquer assunto tornava-se não uma questão de oposição política, mas um crime capital, uma prova, ipso facto, de participação em uma conspiração criminosa envolvendo traição e a intenção de derrubar o regime Soviético.

Lenin sofreu um derrame em 1922, forçando-o a semi-aposentadoria em Gorki. Stalin foi visitá-lo diversas vezes, agindo como seu intermediário com o mundo exterior,[16] mas a dupla brigou devido divergências políticas e sua relação deteriorou-se.[16] Lenin ditou cada vez mais notas depreciativas sobre o comportamento político de Stalin[17] no que se tornaria seu testamento. Ele criticou a visão política de Stalin, as maneiras rudes, o poder excessivo e ambição, e sugeriu que Stalin deveria ser removido do cargo de Secretário Geral.[16][18]

Durante a semi-aposentadoria de Lenin, Stalin forjou uma aliança com Kamenev e Grigory Zinoviev contra Trotski. Esses aliados impediram o testamento de Lenin de ser lido no XII Congresso do Partido, em abril de 1923.[16][17]

Lenin morreu de um ataque cardíaco em 21 de janeiro de 1924.[17] Após a morte de Lenin, uma luta pelo poder começou, que envolveu os sete membros do Politburo:[19] Nikolai Bukharin, Lev Kamenev, Alexei Rykov, Joseph Stalin, Mikhail Tomsky, Leon Trotsky, Grigory Zinoviev.

Novamente, Kamenev e Zinoviev ajudaram a manter o testamento de Lenin de vir a público. A partir daí, as disputas de Stalin com Kamenev e Zinoviev se intensificaram. Trotsky, Kamenev e Zinoviev ficaram cada vez mais isolados, e acabaram sendo expulsos do Comitê Central e, em seguida, do próprio partido.[16] Kamenev e Zinoviev foram posteriormente readmitido, mas Trotsky foi exilado da União Soviética.

Purgas e deportações

A "Grande Purga" ou "Grande Expurgo"

Ver artigo principal: Grande Expurgo
Stalin, Lenin e Kalinin, em 1919.
Coletivização, como parte da Deskulakização. Um desfile com os cartazes: "Vamos liquidar os Kulaks como classe" e "Tudo pela luta contra os sabotadores da agricultura."
Sergei Kirov e Stalin em 1934.

Em 1928 iniciou um programa de industrialização intensiva e de coletivização da agricultura soviética (plano quinquenal), impondo uma grande reorganização social e provocando a fome - genocídio na Ucrânia (Holodomor), em 1932 - 1933. Esta fome foi imposta ao povo ucraniano pelo regime soviético, tendo causado um mínimo de 4,5 milhões de mortes na Ucrânia, além de 3 milhões de vítimas noutras regiões da U.R.S.S..[20] Nos anos 1930 consolidou a sua posição através de uma política de modernização da indústria. Como arquitecto do sistema político soviético, criou uma poderosa estrutura militar e de policiamento. Mandou prender e deportar opositores, ao mesmo tempo que cultivava o culto da personalidade como arma ideológica.

A ação persecutória de Stalin, supõe-se, estendeu-se mesmo a território estrangeiro, uma vez que o assassinato de Leon Trótski, então exilado no México é creditado a ele. Por mais que Trótski tomasse todas as providências para proteger-se de agentes secretos, Ramón Mercader, membro do Partido dos Comunistas da Catalunha, foi para o México e conseguiu ganhar a confiança do dissidente, para executá-lo com um golpe de picareta. No momento do assassinato, Trótski escrevia uma biografia reveladora sobre Stalin.[6] Esta seria uma das motivações para o crime, uma vez que o dirigente soviético desejava ocultar seu passado pré-revolucionário (ver: divergências entre Stalin e Trotsky).[6]

Desconfiando que as reformas econômicas que implantara produziam descontentamento entre a população, Stalin dedicou-se, nos anos 1930, a consolidar seu poder pessoal. Tratou de expulsar toda a oposição política. Se alguém lhe parecesse indesejável desse ponto de vista, ele se encarregava de desacreditá-lo perante a opinião pública.

Em 1934, Sergei Kirov, principal líder do Partido Comunista em Leningrado - e tido como sucessor presuntivo de Stalin - foi assassinado por um anônimo, Nikolaev, de forma até agora obscura; muitos consideram até hoje que Stalin não teria sido estranho a este assassinato. Seja como fôr, Stalin utilizou o assassinato como pretexto imediato para uma série de repressões que passaram para a história como o "Grande Expurgo". No dia 1 de dezembro de 2009 foi divulgado um diário de Nikolaev. Segundo a qual se supôs, que Nikolaev decidiu se vingar de sua demissão feita por Kirov do Instituto de História Party, depois que ele ficou desempregado.[21]

Estes deram-se no período entre 1934 e 1938 no qual Stalin concedeu tratamento duro a todos que tramassem contra o Estado soviético, ou mesmo supostos inimigos do Estado. Entre os alvos mais destacados dessa ação, estava o Exército Vermelho: parte de seus oficiais acima da patente de major foi presa, inclusive treze dos quinze generais-de-exército. Entre estes, Mikhail Tukhachevsky foi uma de suas mais famosas vítimas. Sofreu a acusação de ser agente do serviço secreto alemão. Com base em documentos entregues por Reinhard Heydrich, chefe do Serviço de Segurança das SS, Tukhachevsky foi executado, além de deportar muitos outros para a Sibéria. Com isso foi enfraquecido o comando militar soviético; ou seja, Stalin acreditou nas informações de Heydrich, e sua atitude acabou debilitando a estrutura militar russa, que no entanto conseguiu resistir ao ataque das tropas da Alemanha.

O principal instrumento de perseguição foi a NKVD. De acordo com Alan Bullock,[15] o uso de espancamentos e tortura era comum, um fato francamente admitido por Khrushchev em seu famoso discurso posterior à morte de Stalin, onde ele citou uma circular de Stalin para os secretários regionais em 1939, confirmando que isto tinha sido autorizado pelo Comitê Central em 1937.

Depurações

Nikolai Yezhov chefe da NKVD no período 1936-38, foi também vítima do stalinismo em 1940. Este é o detalhe de uma fotografia maior onde Yezhov aparece ao lado de Stalin. Posteriormente, a fotografia original foi adulterada para remover sua imagem (ver: falsificações de fotografias na União Soviética). Como Chefe da NKVD, ele assinou um decreto que levou ao fuzilamento de 681.000 pessoas no período mais intenso conhecido como "a era Yezhov".[22][23].

Tinha como objetivo a eliminação de supostos inimigos do governo. Milhares de cidadãos entre eles políticos e militares foram presos, torturados e condenados a morte.

A condenação dos contra-revolucionários nos julgamentos de 1937-38 depois das depurações no Partido, exército e no aparelho estatal, tem raízes na história inicial do movimento revolucionário da Rússia.

Milhões de pessoas participaram no quê acreditavam ser uma batalha contra o czar e a burguesia. Ao ver que a vitória seria inevitável, muitas pessoas entraram para o partido. Entretanto nem todos haviam se tornado bolcheviques porque concordavam com o socialismo. A luta de classes era tal que muitas vezes não havia tempo nem possibilidades para pôr à prova os novos militantes. Até mesmo militantes de outros partidos inimigos dos bolcheviques foram aceitos depois triunfo da revolução. Para uma parcela desses novos militantes foram dados cargos importantes no Partido, Estado e Forças Armadas, tudo dependendo da sua capacidade individual para conduzir a luta de classes.

Eram tempos muito difíceis para o jovem Estado soviético e a grande falta de comunistas, ou simplesmente de pessoas que soubessem ler, o Partido era obrigado a não fazer grandes exigências no que diz respeito à qualidade dos novos militantes. De todos estes problemas formou-se com o tempo uma contradição que dividiu o Partido em dois campos - de um lado os que queriam reduzir o socialismo para atuação de fortalecimento da URSS, ou seja, socialismo em um só país, por outro lado, aqueles que defendiam a ideia de que o socialismo deveria ser espalhado por todo o mundo e que a URSS não deveria se limitar a si própria. A origem destas últimas ideias vinha de Trótski, que foi caçado por Stalin após assumir o poder da URSS.

Trótski foi com o tempo obtendo apoio de alguns dos bolcheviques mais conhecidos. Esta oposição unida contra os ideais defendidas pelos marxistas - Stalinistas, eram uma das alternativas na votação partidária sobre a política a seguir pelo Partido, realizada em 27 de dezembro de 1927. Antes desta votação foi realizada uma grande discussão durante vários anos e não houve dúvida quanto ao resultado. Dos 725.000 votos, a oposição só obteve 6.000 - ou seja, menos de 1% dos militantes do Partido apoiaram a Oposição trotskista.

Deportações

Antes, durante e depois da Segunda Guerra, Stalin conduziu uma série de deportações em grande escala que acabaram por alterar o mapa étnico da União Soviética. Estima-se que entre 1941 e 1949 cerca de 3,3 milhões de pessoas foram deportadas para a Sibéria ou para repúblicas asiáticas. Separatismo, resistência/oposição ao governo soviético e colaboração com a invasão alemã eram alguns dos motivos oficiais para as deportações.

Primeira página de uma lista de 346 pessoas a serem executadas. No alto, Stalin escreveu "за" (sim). O 12º nome é do escritor judeu-russo Isaac Babel.

Durante o governo de Stalin os seguintes grupos étnicos foram completamente ou parcialmente deportados: ucranianos, polacos, coreanos, alemães, tchecos, lituanos, arménios, búlgaros, gregos, finlandeses, judeus entre outros. Os deportados eram transportados em condições espantosas, frequentemente em caminhões de gado, milhares de deportados morriam no caminho. Aqueles que sobreviviam eram mandados a Campos de Trabalho Forçado.

Em fevereiro de 1956, no XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética, Nikita Khrushchov condenou as deportações promovidas por Stalin, em seu relatório secreto. Nesse momento começa a chamada desestalinização, que, de chofre, engloba todos os partidos comunistas do mundo. Na verdade, esta desestalinização foi a afirmação de que Stalin cometeu excessos graças ao culto à personalidade que fora promovido ao longo de sua carreira política. Para vários autores anticomunistas, teria sido somente neste sentido que teria havido desestalinização, porquanto o movimento comunista na URSS deu prosseguimento à prática stalinista sem a figura de Stalin. De fato, a desestalinização não alterou em nada o caráter unipartidário do estado soviético e o poder inconteste exercido pelo Partido e pelos seus órgãos de repressão, mas significou também o fim da repressão policial em massa (a internação maciça de presos políticos em campos de concentração sendo abandonada, muito embora os campos continuassem como parte do sistema penal, principalmente para presos comuns), a cassação de grande parte das sentenças stalinistas e o retorno e reintegração à vida quotidiana de grande massa de presos políticos e deportados. A repressão política, muito embora tenha continuado, não atingiu jamais, durante o restante da história soviética, os níveis de violência do stalinismo, principalmente porque foi abandonada a prática das purgas internas em massa no Partido.

As deportações acabaram por influenciar o surgimento de movimentos separatistas nos estados bálticos, no Tartaristão e na Chechênia, até os dias de hoje.

Estimativas do número de vítimas

Exumação em 1943 de uma vala comum de oficiais polacos mortos pelo NKVD na floresta de Katyn em 1940.

Antes do colapso da União Soviética em 1991, os investigadores que tentavam contabilizar o número de vítimas do regime estalinista produziram estimativas que oscilavam entre os 3 e 60 milhões.[24] Após a dissolução da União Soviética, os arquivos históricos passaram a estar disponíveis para consulta. O número oficial de vítimas de execuções entre 1921 e 1953 foi de 799 455 pessoas[25] ao qual se juntam 1,7 milhões de pessoas no gulag e 390 000 de deslocações forçadas. Isto corresponde a um número total de 2,9 milhões de vítimas em todas as categorias segundo os registos oficiais.[26]

Os registos oficiais soviéticos não apresentam números detalhados para algumas categorias de vítimas, como as deportações étnicas ou a dos alemães no período pós-II guerra mundial.[27] Eric D. Weitz afirmou que, "Por volta de 1948, de acordo com o Livro Negro do Comunismo, a taxa de mortalidade entre as 600 000 pessoas deportadas do Cáucaso entre 1943 e 1944 atingia os 25%.[28][29] Entre as exclusões dos dados do NKVD estão o massacre de Katyn, massacres de prisioneiros nas áreas e os fuzilamentos em massa de desertores do Exército Vermelho em 1941. O NKVD executou 158 000 soldados por deserção durante a guerra,[30] e os destacamentos de bloqueio vários milhares.[31] Além disso, as estatísticas oficiais da mortalidade nos gulag excluem as mortes de prisioneiros que tivessem ocorrido após a sua libertação, mas que fossem resultado das condições severas dos campos.[32] Alguns historiadores acreditam que os números oficiais das categorias registadas pelas autoridades soviéticas são pouco fidedignos e incompletos.[33][34][35]

Os historiadores que trabalharam com dados divulgados após o colapso da União Soviética estimaram que o total de vítimas esteja entre os 4 e os 10 milhões de pessoas, não incluindo aqueles que morreram nas grandes fomes.[36][37][38] O historiador russo Vadim Erlikman, por exemplo, estima os seguintes valores de vítimas: 1,5 milhões por execução; 5 milhões nos gulag; 1,7 milhões nas deportações (de um total de 7,5 milhões deportados); e 1 milhão de prisioneiros de guerra e civis alemães.[39] Alguns historiadores também incluem entre as vítimas da repressão de Estaline a morte de 6 a 8 milhões de pessoas na grande fome de 1932-1933. No entanto, esta categorização é controversa, uma vez que os historiadores divergem na questão desta fome ter sido deliberada, enquanto parte da campanha de repressão contra os kulaks,[40][41][42][43][44] ou se se tratou apenas de um efeito colateral na luta pela coletivização forçada.[45][46][47] No caso das vítimas da fome de 1932-33 serem incluídas, estima-se então que possam ser atribuídas ao regime de Estaline, no mínimo, 10 milhões de mortes – 6 milhões da fome e 4 milhões de outras causas.[48]

Alguns historiadores recentes sugerem um total provável de 20 milhões de vítimas, citando totais de vítimas muito mais elevados a partir de execuções, gulags, deportações e outras causas.[34][49][50][51][29][52][43][42] Se forem acrescentadas às estimativas de Erlikman os seis milhões de vítimas da fome de 1932-33, por exemplo, o total estimado de vítimas será de 15 a 17 milhões. Ao mesmo tempo, o investigador Robert Conquest, reviu a sua estimativa original de 30 para 20 milhões de vítimas.[53] Conquest afirma também que, embora os números precisos possam nunca vir a ser conhecidos, pelo menos 15 milhões de pessoas foram executadas ou forçadas a trabalhar até à morte nos campos.[53]

Documento para o prisioneiro do Gulag que trabalhou na construção do Canal Moscou-Volga. O documento está no idioma russo. Ele confirma que este homem trabalhou muito bem e, portanto, agora a NKVD vai deixá-lo viver em qualquer lugar na URSS.
Carteira de motorista emitida para o prisioneiro do Gulag. Janeiro de 1941.

Entretanto, esses números devem ser maiores, pois os arquivos soviéticos são omissos em vários aspectos: por exemplo, eles não abrangem as várias Transferências populacionais na União Soviética.[34] Esta é uma omissão relevante, pois, de acordo com Eric D. Weitz,[54] a taxa mortalidade das mais de 600.000 pessoas deportadas do Cáucaso entre 1943 e 1944 chegava a 25%, o que acrescentaria mais 150.000 vítimas mortas.[29]

Grigori Zinoviev discursando (centro). Zinoviev, que fora um dos líderes mais influentes do partido comunista soviético, foi executado por ordem de Stalin após um julgamento-espetáculo.

Outros dados que não constam dos arquivos da NKVD incluem o controverso e famoso Massacre de Katyn, bem como diversos outros de menor repercussão em áreas ocupadas. Também não constam as execuções de desertores pela NKVD durante a guerra, que se estima em 158.000 execuções.[30][55]

Além disso, as estatísticas oficiais de mortalidade nos Gulags excluem as mortes ocorridas logo após a libertação dos prisioneiros, mas cuja morte estava ligada ao tratamento recebido naqueles campos de trabalho forçado.[56]

A ideia de que os arquivos guardados pelas autoridades soviéticas são incompletos e não refletem a totalidades das vítimas é apoiada por diversos historiadores, a exemplo de Robert Gellately e Simon Sebag Montefiore.[51][57][58] Segundo eles, além dos registros não serem abrangentes, é altamente provável, por exemplo, que suspeitos presos e torturados até a morte durante investigações não sejam contabilizados como execução (não são contados como vítimas de pena de morte).[51]

Após a extinção do regime comunista na União Soviética, historiadores passaram a estimar que, excluindo os que morreram por fome, entre 4-10 milhões de pessoas morreram sob o regime de Stalin.[2][37][38] O escritor russo Vadim Erlikman, por exemplo, faz as seguintes estimativas:[59]

Quantidade de pessoas Razão da morte
1,5 milhão Execução
5 milhões Gulags
1,7 milhão Deportados¹
1 milhão Países ocupados²

¹ Erlikman estima um total de 7,5 milhões de deportados.

² Diz respeito aos mortos civis durante a ocupação russa.

Este total estimado de 9 milhões, para alguns pesquisadores, deve ainda ser somado a 6-8 milhões dos mortos na fome soviética de 1932-1933, episódios também conhecidos como Holodomor. Existe controvérsia entre historiadores a respeito desta fome ter sido ou não provocada deliberadamente por Stalin para suprimir opositores de seu regime.[41] Muitos argumentam que a fome ocorreu por questões circunstanciais não desejadas por Stalin ou que foi uma consequência acidental de uma tentativa de forçar a coletivização naquelas áreas afetadas pela fome.[46][60] Todavia, também existem argumentos no sentido contrário, de que a fome foi sim provocada por Stalin. Para a última corrente, uma prova de que a fome foi provocada seria o fato de que a exportação de grãos da União Soviética para a Alemanha Nazista aumentou consideravelmente no ano de 1933, o que provaria que havia alimento disponível.[42][43][44] Esta versão da história é retratada pelo documentário The Soviet Story.

Sendo assim, se o número de vítimas da fome for incluído, chega-se a um número mínimo de 10 milhões de mortes (mínimo de 4 milhões de mortos por fome e mínimo de 6 milhões de mortos pelas demais causas expostas). No entanto, Steven Rosefielde tem como mais provável o número de 20 milhões de mortos,[61] Simon Sebag Montefiores sugere número um pouco acima de 20 milhões, no que é acompanhado por Dmitri Volkogonov (autor de Stalin: Triunfo e Tragédia), Alexander Nikolaevich Yakovlev, Stéphane Courtois e Norman Naimark.[29][34][49][50][52] O pesquisador Robert Conquest recentemente reviu sua estimativa original de 30 milhões de vítimas para cerca de 20 milhões, afirmando ainda ser muitíssimo pouco provável qualquer número abaixo de 15 milhões de vidas ceifadas pelo regime de Stalin.[53]

Fome na Ucrânia

Vítima do Holodomor numa rua da cidade ucraniana de Carcóvia.

As políticas de fome lançadas sobre a Ucrânia, o chamado Holodomor, foi um genocídio[62] implementado e arquitetado pelo governo soviético durante o regime de Stalin, mirando o povo ucraniano com fins políticos e sociais.[63][64][65] As estimativas atuais do número de mortos pela fome na Ucrânia variam de 2,2 milhões de pessoas[66][67] até 4 ou 5 milhões.[68][69][70]

Em janeiro de 2010, uma corte ucraniana considerou Josef Stalin e outros líderes soviéticos culpados de genocídio por "organizar deliberadamente fomes na Ucrânia entre 1932 e 1933".[71] Porém a corte não buscou outras atitudes devido ao fato "dos suspeitos já estarem mortos".[72]

Gareth Jones, um jornalista galês, que foi um dos primeiros a divulgar o Holodomor, revelou a verdadeira extensão da fome e o fracasso do regime de Stalin para entregar alimentos a população, enquanto exportava grãos para outros países.[73][74][75] Ele escreveu um relatório, que foi mal recebido por parte da imprensa, já que alguns intelectuais e jornalistas da época eram supostamente simpatizantes do Regime Soviético.

Em 31 de março de 1933, o New York Times publicou o depoimento de Jones reescrito por Walter Duranty confirmando que as mortes por doenças, devido à insuficiente nutrição, eram altas e que na Ucrânia, no norte do Cáucaso e na região do rio Volga havia escassez de alimentos, o titulo sensacionalista e ironico foi "Russos estão com fome, mas não estão famintos".[76] Dois anos após o artigo ser publicado, Jones foi morto por bandidos chineses no interior da Mongólia - assassinado, que de acordo com sua família foi uma trama de Moscou para puni-lo.[77]

Em 1987, Douglas Tottle, ativista sindical publicou um livro sobre o genocídio da fome soviética de 1932-1933 na Ucrânia, alegando que várias fotos publicadas originalmente nos anos de 1930 pela imprensa nazista eram fraudulentas,[78][74] e que tais fotos foram depois divulgados em artigos de jornais como Daily Express de 1934 e também em 1935[79] pelo Chicago American, sendo fotos da época da fome russa de 1921 e segundo o ativista sindical é propaganda de anticomunistas, ex-nazistas e de nacionalistas ucranianos,[80][81][82] O livro foi editado em 1987, antes da extinção do regime comunista e da posterior abertura dos arquivos guardados pelas autoridades soviéticas que confirmaram o Holodomor. Atualmente há consenso dos historiadores, relativamente à natureza genocidária do Holodomor.[83][84][85][86][87][88][89][90]

Atualmente, quase 40 países, incluindo Brasil, Estados Unidos, Espanha e Argentina, reconhecem o Holodomor como um genocídio. Já o atual governo russo é sensível ao assunto e dificilmente emite notas oficiais a respeito.[carece de fontes?]

O Pacto Ribbentrop-Molotov

Stalin foi caracterizado como sendo um antifascista,[91] de acordo com o trabalho de diversos historiadores, tais como a historiadora polaco-americana e autora especialista na história polonesa e russa moderna Anna M. Cienciala, do historiador italiano Domenico Losurdo[carece de fontes?] e do belga Ludo Martens[carece de fontes?]. No início 1939, a União Soviética tentou formar uma aliança contra a Alemanha nazista com o Reino Unido, França, Polónia e Roménia, mas diversas dificuldades, incluindo a recusa da Polónia e da Roménia de permitir direitos de trânsito pelos seus territórios das tropas soviéticas, como parte de segurança colectiva,[92] levaram ao fracasso das negociações.

Vice-Ministro das Relações Exteriores do Reino Unido Cadogan registrou em seu diário: "O primeiro-ministro (Chamberlain) afirmou que preferia renunciar a assinar uma aliança com os soviéticos." O slogan dos conservadores era naquela época: "Para viver, a Grã-Bretanha, o bolchevismo deve morrer."[93]

Os soviéticos, com o fracasso das negociações, mudaram a sua posição anti-alemã. Portanto, em 23 de agosto de 1939, Stalin e Viatcheslav Molotov encontram-se com Joachim von Ribbentrop, Ministro das Relações exteriores da Alemanha Nazista, e é celebrado em Moscou um pacto entre a União Soviética e a Alemanha Nazista, pelo qual os dois países comprometeram-se a não se atacarem militarmente e não intervirem em caso de invasão a um terceiro.[94] Este pacto de não-agressão ficou conhecido como Pacto Ribbentrop-Molotov, nome dos Ministros do Exterior alemão e soviético (ver: negociações sobre a adesão da União Soviética ao Eixo). O pacto incluía um "protocolo adicional secreto", hoje público, que traçava um esboço da divisão territorial posteriormente concretizada na Polônia (considerando os rios Vístula, San e Narew).[94] Tendo a garantia de que a União Soviética não retaliaria, uma semana após a celebração do pacto, Adolf Hitler invadiu a Polônia e 16 dias depois ocorreu a Invasão Soviética da Polónia.[95] Stalin esperava ganhar tempo e reorganizar a força industrial-militar da qual a União Soviética não poderia prescindir com vistas a um confronto com a Alemanha Nazista que para alguns sempre fora inevitável.[96] E Hitler estava ansioso por evitar um confronto imediato com os soviéticos, pois naquele momento ocupar-se-ia de Reino Unido e França.[96] O Pacto Molotov-Ribbentrop assegurou em setembro de 1939 a divisão do território polonês entre os nazistas e os soviéticos.[97]

Mas a invasão da União Soviética pelas forças alemãs, em 1941, levou-o a aliar-se ao Reino Unido e depois aos Estados Unidos (após ataque a Pearl Harbor) durante a Segunda Guerra Mundial. Sob a sua ferrenha direção, o exército soviético conseguiu fazer recuar os invasores — não sem perdas humanas terríveis (ver: Crimes de guerra soviéticos) — e ocupar terras na Europa Oriental, contribuindo decisivamente para a derrota da Alemanha Nazista.[98]

Seus críticos, como Leon Trótski, este que não tinha relações próximas com a Alemanha Nazista[carece de fontes?], como escudo contra o socialismo soviético, denunciaram o pacto com o governo nazista como uma traição imperdoável e mais um dos crimes do stalinismo contra o movimento operário internacional[carece de fontes?].

Com a sua esfera de influência alargada à metade oriental da Europa, nos chamados Estados Operários, Stalin foi uma personagem-chave do pós-guerra. Subjugando países como a República Democrática Alemã, Polônia, Tchecoslováquia, Bulgária, Hungria e a Roménia, estabeleceu a hegemonia soviética no Bloco de Leste e rivalizou com os Estados Unidos na liderança do mundo.

Stalin e Ribbentrop na assinatura do pacto.
Avanço das forças da Alemanha Nazista e da URSS sobre a Polônia.
Linha de demarcação entre as forças militares alemãs e soviéticas, após a invasão da Polónia em Setembro de 1939, conforme pré-demarcado no Pacto Ribbentrop-Molotov.

Benefícios

Foto Polêmica:[99]"Ônibus da Vitória" com um retrato de Stalin sobre o Dia da Vitória (9 de maio), em São Petersburgo, 5 de maio de 2010).

Ainda que considerado por muitos historiadores como uma figura prejudicial na história da União Soviética, outros consideram-o como um líder que trouxe diversos benefícios para a nação.[100][101]

A sua campanha de industrialização e coletivização, ainda que tenha causado diversas crises, promoveu o avanço da economia soviética e o progresso do país a uma superpotência, nas honras pela vitória na guerra contra o nazismo também está o nome de Stalin, o grandes progressos nas áreas da educação, principalmente no combate contra o analfabetismo, e da saúde, com as campanhas de formação médica, também foram conquistas do governo de Stalin.[carece de fontes?]Roy Medvedev, crítico ferrenho de Stalin, afirmou que antes de seu governo, o país convivia com a força do arado primitivo, e décadas depois, o país passou a conviver com os ruídos de reatores nucleares, de forma a estampar o rápido desenvolvimento da União Soviética.[102]

Opinião sobre Stalin na antiga União Soviética

Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde maio de 2012)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Mais informações: Descomunização na Rússia
Stalin em 1945.

Apesar do colapso da União Soviética, na Rússia moderna, há um anseio muito forte por Stalin e sua política. Testemunha-se em enquetes de opinião pública, a ideia da qual, Stalin é considerado pelos russos como uma das figuras mais populares e importantes da história,[103] mas também contínua a popularidade no Partido Comunista, de que o governo de Stalin, foi considerado o principal período na história da Rússia. Uma das estruturas locais do Partido Comunista organizou uma campanha de outdoors promovendo os métodos de Stalin, como a melhor receita para a crise econômica (Voronezh, Junho de 2009).[104]

Autoridades russas também realizam movimentos, planejados, em demonstração do uso de nostalgia para o período que se alega ser o auge da União Soviética. No segundo semestre de 2008 foi emitido um livro de história aprovado pelos professores, segundo a qual Stalin agiu "totalmente racional" através da realização de execuções e expurgos de milhões de cidadãos soviéticos na década de 30 a fim de permitir a modernização do país. O sentimento por Stalin também é forte na Geórgia, em Gori há um museu dedicado a ele [105] sendo muito bem sucedido.[106] Há também uma rua com o nome de Stalin e uma estação ferroviária.

Stalin e religião

A relação de Stalin com a religião é complexa.[107] Por um lado ele adotou a mesma posição que Lenin e Marx, segundo a qual a religião é um ópio que precisa ser removido a fim de que a sociedade comunista ideal possa ser construída. Neste sentido, Stalin promoveu o ateísmo nas escolas, a propaganda antirreligiosa massiva e editou leis contrárias a religião.

Segundo Pospielovsky, no final da década de 1930 era perigoso envolver-se publicamente com qualquer religião na União Soviética, pois havia uma "campanha de perseguição" movida contra estas.[108]

A perseguição contínua aos religiosos durante a década de 30 resultou na quase extinção da Igreja Ortodoxa Russa: vários templos foram demolidos e cerca de 10.000 padres, monges e freiras foram perseguidos e executados. Estima-se ainda que mais de 100.000 religiosos foram mortos durante as purgas de 1937-1938.[50]

Apesar de tudo isto, alguns historiadores, como Vladislav Zubok e Constantine Pleshakov, sugerem que "o ateísmo de Stalin manteve-se enraizado em alguma vaga ideia de Deus da natureza".[109] Apontam como evidência disto vários fatos, por exemplo: Stalin reabriu as igrejas russas durante a Segunda Guerra Mundial seguindo um sinal que ele acreditava ter recebido dos céus. Ainda, Stalin nunca foi contra a religião fora da União Soviética e por várias vezes chegou a apoiar facções religiosas no exterior, como foi o caso dos separatistas muçulmanos de Uyghur Ili, que fundaram uma teocracia islâmica no Turquestão.

Morte

Na manhã de 1 de março de 1953, depois de um jantar que durou a noite toda e ter visto um filme, Stalin chegou à sua casa em Kuntsevo, a 15 km a oeste do centro de Moscovo com o Ministro do Interior, Lavrentiy Beria, e os futuros ministros Georgy Malenkov, Nikolai Bulganin e Nikita Khrushchev, retirando-se para o quarto para dormir. À tarde, Stalin não saiu do quarto.

Embora os seus guardas estranhassem que ele não se levantasse à hora usual, tinham ordens estritas para não o perturbar e deixaram-no sozinho o dia inteiro. À cerca das 22 horas Peter Lozgachev, o Commandante de Kuntsevo, entrou no quarto e viu Stalin caído de costas no chão perto da cama, com o pijama e ensopado em urina. Assustado, Lozgachev perguntou a Stalin o que aconteceu, mas só obteve respostas ininteligíveis. Lozgachev usou o telefone do quarto para chamar oficiais, dizendo-lhes que Stalin tinha tido um ataque e pedia que mandassem doutores para a residência de Kuntsevo imediatamente. Lavrentiy Beria foi informado e chegou algumas horas depois, mas os doutores só chegaram no início da manhã de 2 de março, mudando as roupas da cama e deitando-o. O acamado líder morreu quatro dias depois, em 5 de março de 1953, aos 74 anos de idade de hemorragia cerebral (derrame), em circunstâncias ainda pouco esclarecidas, sendo embalsamado a 9 de março. Avtorkhanov desenvolveu uma detalhada teoria, publicada inicialmente em 1976, apontando Beria como o principal suspeito de tê-lo envenenado. Todavia, outros historiadores ainda consideram que Stalin morreu de causas naturais.[carece de fontes?]Nikita Khrushchov escreveu em suas memórias que, imediatamente após a morte de Stalin, Lavrenty Beria teria começado a "vomitar seu ódio (contra Stalin) e a zombá-lo", e que quando Stalin demonstrou sinais de consciência, Beria teria se colocado de joelhos e beijado as mãos de Stalin. No entanto, assim que Stalin ficou novamente inconsciente, Beria imediatamente teria se levantado e cuspido com nojo.[34]

Em 2003, um grupo de historiadores russos e americanos anunciaram sua conclusão de que Stalin ingeriu varfarina, um poderoso veneno de rato que inibe a coagulação sanguínea e predispõe a vítima à hemorragia cerebral (derrame). Como a varfarina é insípida ela provavelmente teria sido o veneno utilizado. No entanto, os fatos exatos envolvendo a morte de Stalin provavelmente nunca serão conhecidos.[110]

O período imediatamente anterior ao seu falecimento, nos meses de fevereiro-março de 1953, foi marcado por uma atividade febril de Stalin nos preparativos de uma nova onda de perseguições e campanhas repressivas, exceção até para os padrões da era stalinista. Tratava-se do conhecido complô dos médicos: em 3 de janeiro de 1953, foi anunciado que nove catedráticos de medicina, quase todos judeus e que tratavam dos membros da liderança soviética, tinham sido "desmascarados" como agentes da espionagem americana e britânica, membros de uma organização judaica internacional, e assassinos de importantes líderes soviéticos.

Manifestação de luto por Stalin (Rostock, Alemanha Oriental, 9 de março de 1953).

Tratava-se da preparação de um novo julgamento-espetáculo, desta vez com claros traços de anti-semitismo, que certamente levaria a um pogrom nacional, e que implicaria, segundo Isaac Deutscher, na auto-destruição das próprias raízes ideológicas do regime, razão pela qual a morte de Stalin pareceu a muitos ter sido provocada pelos seus seguidores imediatos, claramente alarmados diante da iminente fascistização promovida por Stalin. O fato de que Beria estivesse alheio à preparação deste novo expurgo fêz com que ele fosse apresentado como possível autor intelectual do suposto assassinato de Stalin; o fato é, no entanto, que Stalin era idoso e que sua saúde, desde o final da Segunda Guerra Mundial, era precária; aqueles que tiveram contato pessoal com ele nos seus últimos anos lembram-se do contraste entre sua imagem pública de ente semi-divino e sua aparência real, devastada pela idade. Simon Sebag Montefiore considera que, apesar de Stalin haver recebido assistência atrasada para o derrame que o vitimaria, a tecnologia médica da época nada poderia fazer por ele em termos terapêuticos.

Seu corpo ficaria exposto no mesmo salão que Lenin até o XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética (PCUS), realizado as portas fechadas em fevereiro de 1956, no qual Nikita Khrushchov, seu sucessor, denunciou no chamado "relatório secreto" as práticas stalinistas, particularmente o chamado "culto à personalidade".

Malenkov assume o governo após a morte de Stalin mas, devido às posições que defendia, foi forçado a renunciar à liderança do Partido em 13 de março, sendo sucedido por Nikita Khruschev em setembro.

Após o XX Congresso do PCUS o corpo de Stalin foi enterrado próximo aos muros do Kremlin,[111] sendo o túmulo mais visitado ali. Seu epíteto era "O Pai dos Povos".

Uma década após a morte de Stalin, sua política seria defendida e até seguida em parte por parte do novo secretário-geral, Leonid Brejnev, que após a saída de Khrushchov, tentaria "reabilitar" o nome de Stalin.

Em 1965, em uma comemoração dos vinte anos da Grande Guerra Patriótica, sob aplausos, citou pela primeira vez positivamente o nome de Stalin após sua morte, e disse que iria usar o mesmo título que usava o antigo líder, Secretário-Geral, o que na época era algo intolerável; realmente, Brejnev fora impedido por forças maiores de realizar a reabilitação de Stalin, mas seguiu uma política que se estruturava bastante nas raízes do Stalinismo, chamada Brejnevismo, que defendia a burocracia no estado, o culto da personalidade, a hegemonia soviética e o expansionismo do país, uma das poucas diferenças, era a invocação da paz pela parte desta doutrina; ficaria conhecida como "neostalinismo" e "doutrina Brejnev".[113]

Em 1979, centenário de seu nascimento, a mando de Leonid Brejnev, seu túmulo foi reformado e um busto do antigo líder erguido sobre ele, tornando-se um túmulo de herói nacional.

Família

A primeira esposa de Stalin, Ekaterina Svanidze, morreu em 1907, apenas quatro anos após seu casamento. Eles tiveram um filho, Yakov Dzhugashvili, que atirou em si mesmo por causa do tratamento duro de Stalin sobre ele, mas sobreviveu. Depois disso, Stalin disse: "Não consegue sequer atirar direito."[34] Yakov serviu no Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial e foi capturado pelos alemães. Eles ofereceram trocá-lo pelo Marechal de Campo Friedrich Paulus, que havia se rendido depois da Batalha de Stalingrado, mas Stalin recusou a oferta.[114] Depois, alega-se que Yakov morreu, em uma cerca elétrica no campo de concentração de Sachsenhausen, pelos guardas que vigiavam o campo, quando tentava escapar. Alguns dizem que cometeu suicídio, mas isso não foi provado.[115] Yakov teve um filho, Yevgeny, que foi recentemente notável por defender o legado de seu avô em tribunais russos. Yevgeny é casado com uma mulher georgiana, tem dois filhos, e netos.[116]

Sua segunda esposa foi Nadezhda Alliluyeva que morreu em 1932, oficialmente de doença. Ela pode ter cometido suicídio, atirando-se depois de uma briga com Stalin, deixando uma nota de suicídio que, segundo a sua filha era "em parte pessoal, em parte política." [117][118][119] De acordo com Biografia A&E, há também uma crença entre alguns russos que Stalin assassinou sua esposa após a briga, o que aparentemente aconteceu em um jantar em que Stalin sarcasticamente acendeu cigarros pela mesa para ela. Os historiadores também afirmam que a morte da esposa, finalmente, "cortou sua ligação da realidade". Com ela, Stalin teve um filho, Vasily Dzhugashvili, e uma filha, Svetlana Alliluyeva.

Vasili seguiu carreira militar na Força Aérea Soviética, morrendo em consequência do abuso de álcool em 1962, no entanto, isto ainda está em discussão. Distinguiu-se na Segunda Guerra Mundial como um hábil aviador.

Segundo Svetlana, a morte da mãe "afastara da alma de Stalin os últimos vestígios de calor humano."[120] Deixou a URSS em 1967 para visitar a Índia, onde solicitou asilo político na embaixada americana em Nova Deli.[121] A KGB elaborou um plano para assassiná-la que não foi levado adiante.[121] Adotou o nome Lana Peters [122] e morreu em 2011 nos Estados Unidos.[123]

A mãe de Stalin, cujo funeral ele não compareceu, morreu em 1937. Alega-se que Stalin guardava rancor de sua mãe por obrigá-lo a entrar no seminário.

Ekaterina "Kato" Svanidze, primeira esposa de Stalin.
Stalin e Nadezhda Alliluyeva.
Com os filhos, Vasili e Svetlana, em 1935.

Ver também

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Josef Stalin
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Josef Stalin

Bibliografia

  • Volkogonov, Dmitri. Stalin – triunfo e tragédia. Ed. Nova Fronteira em 2 vols.
  • Deutscher, Isaac. Stalin. Uma biografia política. Civilização Brasileira, 2006.
  • Lewin, Moshe. The Soviet Century.
  • Medvedev, Zhores A. Um Stalin desconhecido. Rio de Janeiro: Record, 2006.
  • Montefiore, Simon Stalin: A corte do czar vermelho. Companhia das Letras, 2006.
  • Montefiore, Simon O jovem Stalin. Companhia das Letras, 2008.
  • Tremain, Rose. Stalin. Rio de Janeiro: Renes, 1975. 160 p. (História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial; líderes; 11).
  • Deutscher, Isaac. Trotski - O profeta armado 1879-1921. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2005
  • Deutscher, Isaac. Trotski - O profeta desarmado 1921-1929. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2005
  • Deutscher, Isaac. Trotski - O profeta banido (1929-1940). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2006

Notas

  1. Em português é algumas vezes referido como José Estaline

Referências

  1. «Tribunal de Kiev condena José Estaline». RTP. 13 de janeiro de 2010 
  2. a b Getty, Rittersporn, Zemskov (1993). «Victims of the Soviet Penal System in the Pre-War Years: A First Approach on the Basis of Archival Evidence» (PDF). The American Historical Review. 98 (4): 1017–1049. JSTOR 2166597. doi:10.2307/2166597 
  3. Ghosh, Palash (5 de março de 2013). «How Many People Did Joseph Stalin Kill?». International Business Times 
  4. «Stalin, o fantasma inquietante». educaterra.terra.com.br. EducaTerra. Consultado em 30 de abril de 2017 
  5. Sklarz, Eduardo (1 de novembro de 2004). «A grande farsa de Stálin -». Guia do Estudante. Consultado em 30 de abril de 2017 
  6. a b c d e f Kersaudy, François (março de 2008). «Stalin: Uma lenda fabricada sob medida». História Viva. Consultado em 30 de abril de 2017 
  7. «Барбюс А. Сталин». www.sovunion.info. sovunion.info. Consultado em 30 de abril de 2017 
  8. «Иосиф Виссарионович Сталин». www.hrono.ru. Consultado em 30 de abril de 2017 
  9. a b Montefiore, Simon Sebag; Soares, Pedro Maia. O Jovem Stalin. [S.l.]: Companhia Das Letras. ISBN 9788535912531 
  10. «Главный редактор, ответственный редактор». pseudology.org. Consultado em 30 de abril de 2017 
  11. Martens, Ludo. «Um Outro Olhar Sobre Stáline». www.marxistsfr.org. Consultado em 1 de maio de 2017 
  12. «Stalin é pop - Tsunami de Biografias». JB Online. 29 de setembro de 2007. Consultado em 1 de maio de 2017 
  13. Stalin, Joseph (1 de janeiro de 1935). Marxism and the National and Colonial Question (em inglês). [S.l.]: International Publishers 
  14. Costa, Wanderley Messias da (1 de janeiro de 2008). Geografia Política e Geopolítica:Discursos sobre o Território e o Poder. [S.l.]: EdUSP. ISBN 9788531410741 
  15. a b Bullock, Alan (1 de janeiro de 1998). Hitler and Stalin: Parallel Lives (em inglês). [S.l.]: Fontana Press. ISBN 9780006863748 
  16. a b c d e Service, Robert (4 de setembro de 2008). Stalin: A Biography (em inglês). [S.l.]: Pan Macmillan. ISBN 9780330476379 
  17. a b c McCauley, Martin (1 de maio de 2017). Stalin and Stalinism (em inglês). [S.l.]: Pearson/Longman. ISBN 9780582505872 
  18. Kenez, Peter (1 de maio de 2006). A History of the Soviet Union from the Beginning to the End (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9781139451024 
  19. Hough, Jerry F.; Fainsod, Merle (1 de janeiro de 1979). How the Soviet Union is Governed (em inglês). [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 9780674410305 
  20. Conquest, Robert (1 de janeiro de 1987). The Harvest of Sorrow: Soviet Collectivization and the Terror-famine (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780195051803 
  21. «Мотивом убийства Кирова названа месть». lenta.ru. 1 de dezembro de 2009 
  22. Gregory, Paul R. (1 de janeiro de 2008). Lenin's Brain and Other Tales from the Secret Soviet Archives (em inglês). [S.l.]: Hoover Press. ISBN 9780817948122 
  23. Jansen, Marc; Petrov, Nikita (1 de novembro de 2013). Stalin's Loyal Executioner: People's Commissar Nikolai Ezhov, 1895-1940 (em inglês). [S.l.]: Hoover Institution Press. ISBN 9780817929060 
  24. «Twentieth Century Atlas - Death Tolls». necrometrics.com. Consultado em 6 de maio de 2017 
  25. Milne, Seumas (12 de setembro de 2002). «The battle for history». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  26. Whetcroft, Stephen G. (1 de março de 1999). «Victims of Stalinism and the Soviet Secret Police: The Comparability and Reliability of the Archival Data-Not the Last Word». Europe-Asia Studies. 51 (2): 315–345. ISSN 0966-8136. doi:10.1080/09668139999056 
  27. Montefiore 2004, p. 649.
  28. Weitz, Eric D. (1 de janeiro de 2003). A Century of Genocide: Utopias of Race and Nation (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 9780691009131 
  29. a b c d Courtois, Stéphane (1 de janeiro de 1999). Livre Noir Du Communisme: Crimes, Terreur, Répression (em inglês). [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 9780674076082 
  30. a b Nagorski, Andrew (5 de abril de 2006). «Recording a Hidden History». The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286 
  31. Roberts 2006, p. 98.
  32. Ellman, Michael (1 de novembro de 2002). «Soviet Repression Statistics: Some Comments». Europe-Asia Studies. 54 (7): 1151–1172. ISSN 0966-8136. doi:10.1080/0966813022000017177 
  33. Applebaum 2003.
  34. a b c d e f Montefiore, Simon Sebag (18 de dezembro de 2007). Stalin: The Court of the Red Tsar (em inglês). [S.l.]: Knopf Doubleday Publishing Group. ISBN 9780307427939 
  35. Gellately 2007, pp. 256, 584.
  36. Getty, J. A.; Rittersporn, G. T. and Zemskov, V. N. (1993). «Victims of the Soviet Penal System in the Pre-war Years». American Historical Review. 98 (4): 1017–49. doi:10.2307/2166597. Cópia arquivada em 11 de junho de 2008 
  37. a b Wheatcroft, Stephen (1996). «The Scale and Nature of German and Soviet Repression and Mass Killings, 1930–45» (PDF). Europe-Asia Studies. 48 (8): 1319–1353. JSTOR 152781. doi:10.1080/09668139608412415 
  38. a b Wheatcroft, Stephen (1990). «More light on the scale of repression and excess mortality in the Soviet Union in the 1930s» (PDF). Soviet Studies. 42 (2): 355–367. JSTOR 152086. doi:10.1080/09668139008411872 
  39. Poteri narodonaseleniia v XX veke Spravochnik (em Russian). Москва: Russkaia panorama. 1 de janeiro de 2004. ISBN 9785931651071 
  40. Ellman, Michael (2007). «Stalin and the Soviet Famine of 1932–33 Revisited» (PDF). Europe-Asia Studies. 59 (4): 663–693. doi:10.1080/09668130701291899 
  41. a b Ellman, Michael (2005). «The Role of Leadership Perceptions and of Intent in the Soviet Famine of 1931–1934» (PDF). Routledge. Europe-Asia Studies. 57 (6): 823–41. doi:10.1080/09668130500199392 
  42. a b c Naimark, Norman M. (25 de dezembro de 2011). Stalin's Genocides (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 0691152381 
  43. a b c Rosefielde, Steven (16 de dezembro de 2009). Red Holocaust (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 9781135195175 
  44. a b Snyder, Timothy (2 de outubro de 2012). Bloodlands: Europe Between Hitler and Stalin (em inglês). [S.l.]: Basic Books. ISBN 9780465032976 
  45. «The Industrialisation of Soviet Russia» (PDF). Palgrave Macmillan. 5 – The Years of Hunger: Soviet Agriculture, 1931–1933. 2004 
  46. a b Davies, R.; Wheatcroft, S. (3 de abril de 2004). The Years of Hunger: Soviet Agriculture, 1931–1933 (em English) 2004 edition ed. [S.l.]: Palgrave Macmillan. ISBN 9780333311073 
  47. Andreev, E. M. (1 de janeiro de 1993). Naselenie Sovetskogo Soiuza: 1922-1991 (em Russian). [S.l.]: Nauka. ISBN 9785020134799 
  48. Rosefielde, Steven (1997). «Documented Homicides and Excess Deaths: New Insights into the Scale of Killing in the USSR during the 1930s» (PDF). Communist and Post-Communist Studies. 30 (3): 321–333. PMID 12295079. doi:10.1016/S0967-067X(97)00011-1 
  49. a b Volkogonov, Dmitri (1 de maio de 1999). Autopsy For An Empire: The Seven Leaders Who Built the Soviet Regime (em inglês). [S.l.]: Simon and Schuster. ISBN 9781439105726 
  50. a b c Yakovlev, Alexander N. (10 de abril de 2004). A Century of Violence in Soviet Russia (em inglês). [S.l.]: Yale University Press. ISBN 0300103220 
  51. a b c Gellately, Robert (11 de novembro de 2009). Lenin, Stalin, and Hitler: The Age of Social Catastrophe (em inglês). [S.l.]: Knopf Doubleday Publishing Group. ISBN 9780307537126 
  52. a b Brent, Jonathan (1 de janeiro de 2009). Inside the Stalin Archives: Discovering the New Russia (em inglês). [S.l.]: Scribe Publications. ISBN 9781921372827 
  53. a b c Conquest, Robert (1 de janeiro de 2008). The Great Terror: A Reassessment (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780195316995 
  54. Weitz, Eric D. (2003). A Century of Genocide: Utopias of Race and Nation (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 9780691009131 
  55. Roberts, Geoffrey (2006). Stalin's Wars: From World War to Cold War, 1939-1953 (em inglês). [S.l.]: Yale University Press. ISBN 0300112041 
  56. Ellman, Michael (2002). «Soviet Repression Statistics: Some Comments» (PDF). Europe-Asia Studies 
  57. Applebaum, Anne; Tavares, Ibraima DaFonte; Vilela, Maria (2003). GULAG - Uma História dos Campos de Prisioneiros: Soviéticos. [S.l.]: Editora Sinergia. ISBN 9788562540097 
  58. Nove, Alex (abril de 1990). «How many victims in the 1930s?». SOVIET STUDIES. Consultado em 25 de maio de 2017 
  59. Vadim Erlikman (2004). Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004: Russkai︠a︡ panorama. ISBN 5-93165-107-1 
  60. Андреев, Е. М.; Дарский, Л. Е.; Харькова, Татьяна Леонидовна (1993). Население Советского Союза: 1922-1991 (em russo). [S.l.]: "Наука 
  61. Rosefielde, Steven (1997). «Documented Homicides and Excess Deaths: New Insights into the Scale of Killing in the USSR during the 1930s» (PDF). Communist and Post-Communist Studies - University of California. Consultado em 25 de maio de 2017 
  62. Findings of the Commission on the Ukraine Famine. [S.l.]: Famine Genocide. 19 de abril de 1988 
  63. «Statement by Pope John Paul II on the 70th anniversary of the Famine». Skrobach. Consultado em 23 de agosto de 2008 
  64. «Expressing the sense of the House of Representatives regarding the man-made famine that occurred in Ukraine in 1932–1933». US House of Representatives. 21 de outubro de 2003. Consultado em 23 de agosto de 2008 
  65. Yaroslav Bilinsky (1999). «Was the Ukrainian Famine of 1932–1933 Genocide?». Journal of Genocide Research. 1 (2): 147–156. doi:10.1080/14623529908413948 
  66. Meslé, France; Pison, Gilles; Vallin, Jacques (junho de 2005). «France-Ukraine: Demographic Twins Separated by History». www.ined.fr (em inglês). Population and Societies. Consultado em 28 de maio de 2017 
  67. Meslé, France; Vallin, Jacques (2003). Mortalité et causes de décès en Ukraine au XXe siècle (em francês). [S.l.]: INED. ISBN 9782733201527 
  68. «Consequências demográficas do Holodomor em 1933 na Ucrânia. Census de 1937 na Ucrânia». Instituto de História de Kiev. 2003. Consultado em 28 de maio de 2017 
  69. G. Wheatcroft, Stephen (2001). «Evidência demográfica das tragédias em vilarejos soviéticos entre 1931–1833». Consultado em 28 de maio de 2017 
  70. «The famine of 1932–33». Ukraine: Britannica.com. Consultado em 25 de junho de 2010 
  71. «Kyiv court accuses Stalin leadership of organizing famine». Kyiv Post. 13 de janeiro de 2010. Consultado em 28 de maio de 2017 
  72. «Ukraine court finds Bolsheviks guilty of Holodomor genocide». sputniknews.com (em inglês). Sputnik. 13 de janeiro de 2010. Consultado em 28 de maio de 2017 
  73. Brown, Mark (12 de novembro de 2009). «1930s journalist Gareth Jones to have story retold». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  74. a b «1933 Ukrainian Famine Photos from Ammnede's 1936 'Human Life in Russia'.». www.garethjones.org. garethjones. Consultado em 28 de maio de 2017 
  75. Ammende, Ewald (28 de maio de 2017). Human Life in Russia (em inglês). [S.l.]: Read Books. ISBN 9781406737691 
  76. Walter Duranty (31 de março de 1933). «RUSSIANS HUNGRY, BUT NOT STARVING; Deaths From Diseases Due to Malnutrition High, Yet the Soviet Is Entrenched». The New York Times: 13. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2009 
  77. Mark Brown (13 de novembro de 2009). «1930s journalist Gareth Jones to have story retold». The Guardian (em inglês). Consultado em 3 de agosto de 2013 
  78. Tottle, Douglas (1987). Fraud, Famine and Fascism: The Ukrainian Genocide Myth from Hitler to Harvard (em inglês). [S.l.]: Progress Books. ISBN 9780919396517 
  79. M. Basile, Paul; Toloczko Markewycz, Luba V. (20 de março de 1983). «Special Issue: The Great Famine in Ukraine 1932-33» (PDF). The Ukranian Weekly. Consultado em 28 de maio de 2017 
  80. «The Thomas Walker Affair - Fake Ukrainian Famine Photos - But Was He a Soviet Stooge?». www.garethjones.org. Consultado em 28 de maio de 2017 
  81. Serbyn, Roman (13 de outubro de 2007). «Competing Memories Of Communist And Nazi Crimes In Ukraine». yumpu.com 
  82. Tattle, Douglas. «Full text of "Fraud, Famine and Fascism"». www.archive.org (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2017 
  83. «Les génocides dans l'histoire». Le Monde diplomatique (em francês). 6 de julho de 2004 
  84. «Symposium in 70th anniversary of the Great Famine in Ukraine in 1932-1933». ECPUU - European College of Polish and Ukrainian Universities. 14 de dezembro de 2003. Consultado em 2 de junho de 2017 
  85. Mace, James (21 de outubro de 2003). «The Great Famine-Genocide in Soviet Ukraine (Holodomor)». ArtUkraine. Consultado em 1 de junho de 2017 
  86. «Ucraina, storia di un genocidio» (PDF). fondazione liberal. Consultado em 1 de junho de 2017 
  87. Sapper, Manfred (2004). Vernichtung durch Hunger: der Holodomor in der Ukraine und der UdSSR (em alemão). [S.l.]: BWV, Berliner Wiss.-Verlag. ISBN 9783830508830 
  88. «Stalin, le Carestie Sovietiche e il Holodomor Ucraino». Fondazione Istituto Gramsci. 16 de fevereiro de 2005. Consultado em 2 de junho de 2017 
  89. «Colloque, à l'occasion du 70e anniversaire de la Famine-Génocide de 1932-33 en Ukraine». France-Ukraine. 21 de novembro de 2003. Consultado em 2 de junho de 2017 
  90. Graziosi, Andrea (3 de setembro de 2005). «Conference on Soviet Totalitarianism in Ukraine: History and Legacy». Consultado em 2 de junho de 2017 
  91. Pons, Silvio (2002). Stalin and the Inevitable War: 1936-1941 (em inglês). [S.l.]: Psychology Press. ISBN 9780714651989 
  92. Cienciala, Anna M. (2004). «The Coming of the War and Eastern Europe in World War II». University of Kansas 
  93. «Сиполс В.Я. Дипломатическая борьба накануне второй мировой войны». militera.lib.ru. Consultado em 2 de junho de 2017 
  94. a b Sužiedėlis, Saulius (1989). «The Molotov-Ribbentrop Pact: The Documents». www.lituanus.org. Lithuanian Quartely Journal of Arts and Sciences. Consultado em 2 de junho de 2017 
  95. «Modern History Sourcebook: The Molotov-Ribbentrop Pact, 1939». sourcebooks.fordham.edu. Consultado em 2 de junho de 2017 
  96. a b Wettig, Gerhard (2008). Stalin and the Cold War in Europe: The Emergence and Development of East-West Conflict, 1939-1953 (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 9780742555426 
  97. Brackman, Roman (23 de novembro de 2004). The Secret File of Joseph Stalin: A Hidden Life (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 9781135758400 
  98. Roberts, Geoffrey (2006). Stalin's Wars: From World War to Cold War, 1939-1953 (em inglês). [S.l.]: Yale University Press. ISBN 0300112041 
  99. Ônibus com imagem de Stalin causa polêmica na Rússia - Diário do Grande ABC - dgabc.com.br, (05/05/2010)
  100. Martens, Ludo (agosto de 2009). «Um Outro Olhar Sobre Stáline» (PDF) 
  101. Medvedev, Zhores A.; Medvedev, Roy (2006). Um Stalin Desconhecido. [S.l.]: Record. ISBN 9788501071323 
  102. Volkogonov, Dmitri. Os Sete Chefes do Império Soviético. [S.l.]: Nova Fronteira. ISBN 9788520921050 
  103. «Stalin trzecią najbardziej popularną postacią historyczną w Rosji». Gazeta Wyborcza. 30 de dezembro de 2008 
  104. Janicki, Kamil (10 de setembro de 2008). «Stalin zrobił dokładnie to, co należało». Histmag.org 
  105. a b Georgian Museums - Ioseb Stalin Museum. (em inglês) Acessado em 12/08/2017.
  106. Janicki, Kamil; Kijas, Artur (2009). Źródła nienawiści: konflikty etniczne w krajach postkomunistycznych (em polaco). [S.l.]: Instytut Wydawniczy Erica. ISBN 9788389700803 
  107. Avalos, Hector (2005). Fighting Words: The Origins of Religious Violence (em inglês). [S.l.]: Prometheus Books. ISBN 9781591022848 
  108. Pospielovsky, Dimitry V. (19 de janeiro de 1988). Soviet Antireligious Campaigns and Persecutions: Volume 2 of a History of Soviet Atheism in Theory and Practice and the Believer (em inglês). [S.l.]: Springer. ISBN 9781349190027 
  109. Zubok, Vladislav Martinovich; Pleshakov, Konstantin (1996). Inside the Kremlin's Cold War: From Stalin to Khrushchev (em inglês). [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 9780674455313 
  110. Brent, Jonathan; Naumov, Vladimir (15 de junho de 2010). Stalin's Last Crime: The Plot Against the Jewish Doctors, 1948-1953 (em inglês). [S.l.]: Harper Collins. ISBN 9780062013675 
  111. «Josef Stalin (1878 - 1953)». www.findagrave.com. Find A Grave Memorial. Consultado em 2 de junho de 2017 
  112. - Традиции сталинизма как идеологии и практики будоражат воображение влиятельных политических сил
  113. Kort, Michael (1996). The Soviet Colossus: History and Aftermath (em inglês). [S.l.]: M.E. Sharpe. ISBN 9780765628459 
  114. «Historical Notes: The Death of Stalin's Son». Time (em inglês). 1 de março de 1968. ISSN 0040-781X 
  115. Butler, Desmond (17 de dezembro de 2001). «Ex-Death Camp Tells Story Of Nazi and Soviet Horrors». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  116. Knipp, Steven (17 de dezembro de 2006). «Stalin's legacy lives in Georgia: Grandson defends notorious Soviet leader's actions». SFGate 
  117. Amis, Martin (17 de setembro de 2014). Koba the Dread: Laughter and the Twenty Million (em inglês). [S.l.]: Knopf Doubleday Publishing Group. ISBN 9781101910269 
  118. Ulam, Adam Bruno (2007). Stalin: The Man and His Era (em inglês). [S.l.]: Tauris Parke Paperbacks. ISBN 9781845114220 
  119. Alliluyeva, Svetlana (21 de junho de 2016). Twenty Letters to a Friend: A Memoir (em inglês). [S.l.]: HarperCollins. ISBN 9780062442611 
  120. Ebon, Martin. «Livro: Os Grandes Lideres Kruschev». Estante Virtual. Consultado em 2 de junho de 2017 
  121. a b Martin, Douglas (28 de novembro de 2011). «Stalin's Daughter Dies at 85». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  122. «Lana Peters dies at 85; Josef Stalin's daughter, author». Los Angeles Times (em inglês). 29 de novembro de 2011. ISSN 0458-3035 
  123. Alandete, David (28 de novembro de 2011). «La única hija de Stalin muere a los 85 años en el anonimato y la pobreza». EL PAÍS (em espanhol) 
Precedido por
Vladimir Lenin
Secretário-Geral do
Partido Comunista da União Soviética

1924 — 1953
Sucedido por
Nikita Khrushchov
Precedido por
Adolf Hitler
Pessoa do ano
1939
Sucedido por
Winston Churchill
Precedido por
Franklin Delano Roosevelt
Pessoa do ano
1942
Sucedido por
George Marshall