Sérgio Porto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Stanislaw Ponte Preta)
Sergio-porto.jpg

Sérgio Marcus Rangel Porto (Rio de Janeiro, 11 de janeiro de 192330 de setembro de 1968) foi um cronista, escritor, radialista, comentarista, teatrólogo, jornalista, humorista, ex-funcionário do Banco do Brasil e compositor brasileiro. Era mais conhecido por seu pseudônimo Stanislaw Ponte Preta.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Sérgio começou sua carreira jornalística no final dos anos 40, atuando em publicações como as revistas Sombra e Manchete e os jornais Última Hora, Tribuna da Imprensa e Diário Carioca. Nesse mesmo período Tomás Santa Rosa também atuava em vários jornais e boletins como ilustrador. Foi aí que surgiu o personagem Stanislaw Ponte Preta e suas crônicas satíricas e críticas, uma criação de Sérgio juntamente com Santa Rosa - o primeiro ilustrador do personagem -, inspirado no personagem Serafim Ponte Grande de Oswald de Andrade. Porto também contribuiu com publicações sobre música e escreveu shows musicais para boates, além de compor a música "Samba do Crioulo Doido" para o teatro rebolado.

Foi também o criador e produtor do concurso de beleza As Certinhas do Lalau, onde figuravam vedetes de primeira grandeza, como Anilza Leoni, Diana Morel, Rose Rondelli, Maria Pompeo, Irma Alvarez e muitas outras.

Conhecedor de Música Popular Brasileira e jazz, ele definia a verdadeira MPB pela sigla MPBB - Música Popular Bem Brasileira. Era boêmio, de um admirável senso de humor e sua aparência de homem sisudo escondia um intelectual peculiar capaz de fazer piadas corrosivas contra a ditadura militar e o moralismo social vigente, que fazem parte do FEBEAPÁ - Festival de Besteiras que Assola o País, uma de suas maiores criações.

FEBEAPÁ[editar | editar código-fonte]

FEBEAPÁ - Festival de Besteiras que Assola o País tinha como característica simular as notas jornalísticas, parecendo noticiário sério. Era uma forma de criticar a repressão militar já presente nos primeiros Atos Institucionais (que tinham a sugestiva sigla de AI). Um deles noticiou a decisão da ditadura militar de mandar prender o autor grego Sófocles, que morrera havia séculos, por causa do conteúdo subversivo de uma peça encenada na ocasião.

Satirizando o colunista Jacinto de Thormes (pseudônimo de Maneco Muller), Porto, na pele de Stanislaw, criou uma seção chamada "As Certinhas do Lalau", onde cada edição falava de uma musa da temporada, e muitas vedetes e atrizes foram eleitas "certinhas" pela pena do jornalista.

Alcançou a fama por seu senso de humor refinado e a crítica mordaz aos costumes nos livros Tia Zulmira e Eu e FEBEAPÁ. Sua jornada diária nunca era inferior a 15 horas de trabalho. Escrevia para o rádio, para a TV, onde chegou a apresentar programas, e também para revistas e jornais, além de idealizar seus livros, mas o excesso de obrigações seria demais para o cardíaco Sérgio Porto, que morreu de infarto aos 45 anos de idade.

O senso de humor prevaleceu até o último instante de vida, momentos antes de falecer, quando disse suas últimas frases, dirigindo-se à sua empregada: Tunica, estou apagando. Vira o rosto prá lá que não quero ver mulher chorando perto de mim.[2]

Porto não viveu para presenciar o Ato Institucional Número Cinco, mas em sua memória um grupo de jornalistas e intelectuais fundou o semanário O Pasquim em 1969.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Como Stanislaw Ponte Preta[editar | editar código-fonte]

Como Sérgio Porto[editar | editar código-fonte]

Com seu próprio nome o autor publicou apenas quatro obras:[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Sérgio Porto

Referências

  1. "Sérgio Porto, o retrato do presente" - O Estado de S. Paulo, 16 de setembro de 2008
  2. «Sérgio Porto morre após dizer à empregada que ia se 'apagar'». Jornal do Brasil: 16. 1 de outubro de 1968. Consultado em 17 de dezembro de 2018 
  3. Álvaro Costa e Silva (9 de novembro de 2014). «Livro comovente traz Sergio Porto sem seu 'heterônimo'». Folha de S.Paulo. Consultado em 6 de março de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]