Star Trek (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Star Trek
 Estados Unidos
2009 •  cor •  127 min 
Direção J. J. Abrams
Produção J. J. Abrams
Bryan Burk
Roteiro Roberto Orci
Alex Kurtzman
Baseado em Star Trek, criado por
Gene Roddenberry
Elenco Chris Pine
Zachary Quinto
Karl Urban
Zoë Saldaña
Simon Pegg
John Cho
Anton Yelchin
Bruce Greenwood
Eric Bana
Leonard Nimoy
Gênero Ação-aventura
Música Michael Giacchino
Direção de arte Scott Chambliss
Direção de fotografia Daniel Mindel
Figurino Michael Kaplan
Edição Maryann Brandon
Mary Jo Markey
Companhia(s) produtora(s) Bad Robot Productions
Spyglass Entertainment
Distribuição Paramount Pictures
Lançamento 8 de maio de 2009
Idioma Inglês
Orçamento US$ 150 milhões[1]
Receita US$ 385.680.446[1]
Cronologia
Último
Star Trek Nemesis
Star Trek
Into Darkness
Próximo
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o filme de 2009. Para o filme de 1979, veja Star Trek: The Motion Picture.

Star Trek é um filme norte-americano de ação-aventura lançado em 2009 dirigido por J. J. Abrams, escrito por Roberto Orci e Alex Kurtzman, e produzido por Abrams e Bryan Burk. É o décimo primeiro longa-metragem da franquia Star Trek e um reboot que apresenta os personagens da série de televisão original interpretados por um novo elenco. O filme segue James T. Kirk e a tripulação da USS Enterprise enquanto combatem Nero, um romulano do futuro que deseja destruir a Federação dos Planetas Unidos. A história se passa em uma realidade alternativa, criada em uma tentativa de libertar o filme da continuidade já estabelecida da franquia enquanto simultaneamente preservava elementos das história originais.

A ideia de uma história de origem de Star Trek apareceu em 1968, quando o criador Gene Roddenberry anunciou planos de produzir uma prequela da série de televisão. O conceitou ressurgiu na década de 1980 quando foi proposto primeiro pelo produtor Harve Bennett e depois pelo roteirista David Loughery, porém ambas acabaram rejeitadas por diferentes motivos. O produtor Rick Berman e o roteirista Erik Jendresen escreveram um roteiro não produzido de ideia similar depois do fracasso comercial de Star Trek Nemesis e o cancelamento da série Star Trek: Enterprise. Gail Berman da Paramount Pictures conseguiu convencer Leslie Moonves da CBS Corporation a permitir a produção de um novo longa depois da separação desta da Viacom. Orci e Kurtzman, ambos fãs da franquia, foram chamados para escrever o roteiro enquanto Abrams foi abordado para produzir e depois dirigir. Os roteiristas se inspiraram em romances e dissertações, além da própria série de televisão original.

A equipe redesenhou a Enterprise, figurinos e objetos de cena baseados nas versões da série original, tentando ao mesmo tempo atualizá-los e deixá-los mais realistas. As filmagens começaram em novembro de 2007 e duraram até março do ano seguinte. O filme foi rodado em várias locações nos estados da Califórnia e Utah. Abrams queria evitar o máximo possível utilizar telas azuis e verdes para efeitos visuais, optando por empregar cenários físicos e locações. Os efeitos visuais foram produzidos pela Industrial Light & Magic, que utilizou totalmente naves geradas em computação gráfica, diferentemente de filmes anteriores da franquia. O compositor Michael Giacchino incorporou o tema clássico de Alexander Courage em sua trilha, enquanto o projetista de som Ben Burtt tentou reproduzir vários dos efeitos sonoros da série original para uso no filme.

Star Trek recebeu uma grande campanha de divulgação nos meses que precederam sua estreia, envolvendo parcerias comerciais com outras empresas, produtos temáticos e histórias em quadrinhos aprofundando seu enredo. Ele recebeu exibições especiais em várias cidades ao redor do mundo como Austin, Sydney e Calgary. O filme estreou comercialmente em 8 de maio de 2009, recebendo críticas muito positivas que elogiaram o desenvolvimento dos personagens e a história de forma geral. Star Trek foi um sucesso de bilheteria, arrecadando mais de 385 milhões de dólares mundialmente. Ele foi indicado a diversos prêmios, vencendo o primeiro Oscar da história da franquia na categoria de Melhor Maquiagem.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

No século XXIII, a nave romulana Narada emerge de um buraco negro e ataca a nave estelar USS Kelvin da Federação dos Planetas Unidos. O comandante romulano Nero traz o capitão Richard Robau a bordo, matando-o depois deste não reconhecer o "Embaixador Spock". A Narada volta a atacar a Kelvin e seu primeiro oficial George Kirk assume o comando, ordenando a evacuação total da nave. Kirk se sacrifica ao colidir a Kelvin contra a Narada enquanto sua esposa Winona Kirk dá à luz um filho, James T. Kirk.[2]

Dezessete anos depois, Spock é aceito na Academia de Ciências de Vulcano, porém decide entrar na Frota Estelar pois o conselho da instituição considera sua mãe humana Amanda como uma "desvantagem". Na Terra, James T. Kirk torna-se um adulto inteligente porém imprudente. Ele acaba conhecendo o capitão Christopher Pike após uma briga de bar, que o encoraja a entrar na Academia da Frota Estelar. Kirk aceita e fica amigo do médico Leonard McCoy.[2]

Três anos depois, Kirk trapaça no teste do Kobayashi Maru e é levado a julgamento por Spock. A audiência é interrompida por um sinal de socorro do planeta Vulcano, com os cadetes sendo mobilizados para as naves estelares; McCoy e Kirk conseguem entrar na USS Enterprise, comandada por Pike e com Spock como primeiro oficial. Kirk percebe que a "tempestade elétrica" observada perto de Vulcano é similar a uma ocorrida antes do ataque contra a Kelvin, conseguindo convencer Pike que tudo é uma armadilha.[2]

A Enterprise descobre que a frota foi destruída e que a Narada está perfurando um buraco até o núcleo de Vulcano. Pike é forçado a se render, passando o comando para Spock e promovendo Kirk a primeiro oficial. O piloto Hikaru Sulu, o engenheiro chefe Olson e Kirk realizam um salto espacial até a plataforma de perfuração. Olson morre, porém Kirk e Sulu conseguem desativar a perfuratriz. Nero mesmo assim consegue jogar uma substância conhecida como "matéria vermelha" dentro do núcleo do planeta, criando um buraco negro que destrói Vulcano. Spock consegue resgatar o alto conselho vulcano e seu pai Sarek, porém sua mãe Amanda fica para trás e morre.[2]

A Narada segue para a Terra e Nero tortura Pike tentado obter os códigos de defesa. Spock abandona Kirk no planeta Delta Vega depois deste tentar um motim. Kirk acaba encontrando o Embaixador Spock, que revela ter vindo de 129 anos no futuro. Nesse futuro, o planeta Romulus foi ameaçado por uma supernova; Spock tentou usar a "matéria vermelha" para criar um buraco negro artificial e salvar o planeta, porém falhou e o Romulus foi destruído junto com a família de Nero. A Narada e a nave de Spock foram pegas no buraco negro e viajaram para o passado, criando uma linha do tempo alternativa. Nero capturou Spock e o deixou em Delta Vega para assistir a destruição de Vulcano.[2]

Kirk e o Embaixador Spock encontram um posto avançado da Frota Estelar e conhecem Montgomery Scott. Kirk e Scott teletransportam-se para a Enterprise com a ajuda do Spock mais velho. Kirk segue o conselho do Embaixador Spock e provoca o Spock mais novo a atacá-lo, com este reconhecendo estar emocionalmente comprometido e passando o comando da nave para Kirk. A Enterprise se esconde dentro de Titã, com Kirk e Spock teletransportando-se a bordo da Narada, que está perfurando o núcleo da Terra. Kirk resgata Pike e Spock destrói a perfuratriz com a nave do Embaixador Spock, atraindo a Narada para longe do planeta. A Enterprise aparece e resgata Kirk, Spock e Pike enquanto a nave do Embaixador Spock colide com a nave de Nero, inflamando a "matéria vermelha". Kirk se oferece para ajudar Nero, porém este recusa e a Enterprise abre fogo, destruindo a Narada enquanto ela é consumida pelo buraco negro.[2]

Kirk é algum tempo depois promovido a capitão e recebe o comando da Enterprise, com Pike sendo promovido a contra-almirante. Spock encontra o Embaixador Spock, que convence sua versão mais jovem a permanecer na Frota Estelar e fazer o que é certo em vez do que é lógico. Spock decide permanecer e torna-se o primeiro oficial de Kirk, com a Enterprise partindo para novas missões.[2]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

O elenco principal junto com o diretor J. J. Abrams (sentado). Da esquerda para a direita: Cho, Saldaña, Quinto, Pine, Yelchin, Urban e Pegg.
  • Chris Pine como James T. Kirk, um cadete da Frota Estelar. Pine descreveu seu primeiro teste como "horrível" pois ele não conseguia se levar a sério como um líder.[3] J. J. Abrams não viu o primeiro teste e apenas deu um segundo teste para Pine junto com Quinto depois do agente do ator ter conversado com a esposa do diretor. Quinto apoiou a escolha de Pine pois ambos se conheciam por frequentarem a mesma academia. Pine enviou uma carta para William Shatner após conseguir o papel, recebendo uma resposta de aprovação. O ator assistiu episódios clássicos da série de televisão e leu enciclopédias sobre o universo de Star Trek, porém parou ao temer que dessa forma ele estaria meramente copiando o original. Pine sentiu que precisava mostrar o "humor, arrogância e determinação" de Kirk mas não o estilo de fala de Shatner, algo que teria se aproximado de uma imitação.[4] O ator comentou que ficou impressionado de como a interpretação de Shatner era caracterizada pelo humor.[5] Pine em vez disso resolveu incorporar elementos de Tom Cruise em Top Gun e Harrison Ford como Indiana Jones e Han Solo.[6] Chris Pratt também fez testes para o papel.[7]
  • Zachary Quinto como Spock, o primeiro oficial da Enterprise. Quinto expressou interesse no papel devido à dualidade meio-vulcana e meio-humana do personagem,[3] além do modo em que "ele constantemente está explorando a noção de como evoluir de uma maneira responsável e como evoluir de uma maneira respeitosa. Eu acho que essas são as coisas que nós como sociedade, e certamente o mundo, poderíamos implementar".[8] O ator ouviu falar sobre o filme e revelou seu interesse em participar durante uma entrevista para o Pittsburgh Post-Gazette em dezembro de 2006; o artigo circulou muito e acabou atraindo a atenção de Abrams.[9] Quinto usou uma camiseta azul e penteou seu cabelo para baixo durante seu teste de elenco a fim de se sentir mais parecido com Spock.[4] Ele grudou seus dedos juntos com o objetivo praticar a saudação vulcana, depilou suas sobrancelhas e tingiu o cabelo para o papel.[3] O ator reproduziu muitos dos maneirismos do personagem, como sua quietude e o modo como Nimoy andava com as mãos nas costas.[4] Quinto comentou que a transformação física o ajudou na interpretação,[3] brincando que "Eu me senti como um nerd. Me senti que tinha doze anos de novo. Você olha para aquelas fotos e vê o corte de tigela. Não há dúvidas que eu nasci para fazer o papel de Spock. Eu estava usando aquele visual por uns bons quatro ou cinco anos". O filme estabelece uma relação romântica entre Spock e Uhura, algo que nunca esteve presente na série original ou nos filmes.[4] Adrien Brody também teve discussões com Abrams sobre interpretar o personagem.[10]
  • Leonard Nimoy como Embaixador Spock, embaixador da Federação dos Planetas Unidos em Romulus e a versão original do personagem. Nimoy era um antigo amigo dos pais de Abrams,[11] porém só conheceu o diretor durante as filmagens. Quinto assistiu alguns episódios da série original durante os intervalos de filmagens, porém Nimoy foi sua principal fonte sobre o personagem.[5] Abrams e os roteiristas se encontraram com o ator em sua casa; Roberto Orci lembra que Nimoy passou uma "sensação de 'Quem são vocês e o que vocês estão aprontando?'" antes que a equipe lhe contasse o quanto ele era importante. Nimoy permaneceu em silêncio e sua esposa Susan Bay posteriormente contou que depois da conversa ele tinha ficado sentado em sua cadeira muito emocionado pela decisão de voltar ao papel após recusar muitas outras oportunidades.[12] A produção teria de ser atrasada e o roteiro reescrito caso o ator não tivesse gostado da história.[13] Nimoy mais tarde comentou: "Esta foi a única vez que eu ouvi um cineasta dizer, 'Não podemos fazer este filme sem você e não o faremos sem você'".[14] Ele ficou "genuinamente animado" pela escala do roteiro e o detalhamento das histórias dos personagens,[8] dizendo "Já tratamos de [Spock ser meio-vulcano, meio-humano], mas nunca com a grande visão geral que este roteiro tem de toda a história do personagem, o crescimento do personagem, o começo do personagem e a chegada do personagem na tripulação da Enterprise".[15] Abrams comentou que "foi surreal dirigi-lo como Spock, porque que diabos eu estou fazendo aqui? Este cara tem feito isso por quarenta anos".[16]
  • Karl Urban como Leonard McCoy, um médico a bordo da Enterprise. Assim como Pine, Urban disse que assumir o papel "é um caso de não fazer alguma espécie de imitação ou cópia de carbono, mas na verdade pegar a verdadeira essência do que DeForest Kelley fez e honrar isso e trazer algo novo para o jogo". O ator era um fã da franquia desde os sete anos de idade e foi atrás ativamente do papel após redescobrir a série original em DVD junto com seu filho.[17] Urban foi escalado depois de seu primeiro teste, que ocorreu dois meses depois de ter conhecido Abrams. O ator disse que estava feliz por interpretar um papel com muito humor, algo que não tinha feito desde o filme The Price of Milk, pois estava cansado de papéis orientados para a ação. Urban brincou que McCoy poderia ser "um pouco bipolar!" depois de perguntado o motivo do personagem ser tão rabugento.[18] Orci e Alex Kurtzman haviam anteriormente colaborado com o ator na série Xena: Warrior Princess.[19]
  • Zoë Saldaña como Nyota Uhura, a oficial de comunicações da Enterprise. Abrams pediu para Saldaña interpretar o papel depois de ter visto e gostado dos trabalhos da atriz. Ela nunca tinha assistido a série original mesmo tendo interpretado uma fã no filme The Terminal, concordando em participar depois do diretor tê-la elogiado. Saldaña comentou: "Para um ator, é tudo o que você precisa, é tudo o que você quer. Receber reconhecimento e respeito de seus colegas". A atriz se encontrou com Nichelle Nichols, que lhe explicou como havia criado o passado de Uhura e elaborado seu nome.[20] A mãe de Saldaña era uma fã de Star Trek e enviava mensagens de voz para a filha durante as filmagens dando conselhos sobre a personagem.[21] O filme estabelece oficialmente que o primeiro nome de Uhura é Nyota, algo nunca revelado na série ou nos filmes mas mencionado em romances.[22] Sydney Tamiia Poitier também fez teste para o papel.[23]
  • Simon Pegg como Montgomery Scott, um engenheiro da Frota Estelar servindo em Delta Vega. Abrams ofereceu o papel a Pegg por e-mail. O ator teve a ajuda de sua esposa Maureen, que nasceu em Glasgow, para poder alcançar o sotaque escocês do personagem, porém Pegg pensava que Scott era de Linlithgow e dessa forma deveria soar mais como um escocês da costa leste. Como resultado o sotaque utilizado foi uma mistura de ambos, porém tendendo mais para o som de Glasgow.[24] O ator também teve o auxilio de Chris Doohan, filho de James Doohan, e Tommy Gormley, o primeiro assistente de direção.[25] Pegg descreveu Scott como o esteriótipo positivo do escocês, comentando que "Escoceses são as primeiras pessoas a rir que eles bebem e brigam um pouco" e que o personagem vinha de uma longa linhagem de engenheiros e inventores escoceses, como John Logie Baird e Alexander Graham Bell. Anos antes de assumir o papel, seu personagem na série Spaced tinha brincado afirmando que todos os filmes ímpares de Star Trek eram uma "merda", com Pegg dizendo que o "Destino me colocou em um filme para me mostrar que eu estava falando besteira".[26]
  • John Cho como Hikaru Sulu, o piloto da Enterprise. Abrams estava preocupado em escalar um ator coreano-americano para o papel de um japonês, porém George Takei lhe garantiu que Sulu tinha a intenção de representar toda a Ásia a bordo da Enterprise, então o diretor seguiu em frente e contratou Cho.[27] O ator reconheceu que "há certos papéis que você nunca vai pegar [sendo ásio-americano], e um deles é vaqueiro. [Interpretar Sulu] é a realização desse sonho – ir para o espaço". Cho citou a masculinidade do personagem como sendo um ponto importante e passou duas semanas treinando luta.[28] O ator acabou sofrendo um pequeno machucado no pulso durante as filmagens, porém garantiu que não foi nada grave.[29] James Kyson Lee originalmente também estava interessado em interpretar o papel, porém já que tanto ele quanto Quinto eram membros do elenco da série Heroes, os produtores disseram a Lee que não desejavam perder outro membro do elenco durante três meses.[30]
  • Anton Yelchin como Pavel Chekov, o navegador da Enterprise. Assim como o resto do elenco, Yelchin teve a liberdade para escolher quais elementos da interpretação de seu predecessor ele gostaria de incorporar. O ator decidiu trazer o sotaque criado por Walter Koenig de substituir os "v"s por "w"s, apesar de Abrams e Yelchin acharem que esse era um traço mais comum em sotaques poloneses do que russos.[31] Ele descreveu Chekov como um personagem peculiar, tendo sido um russo colocado na série de televisão "no meio da Guerra Fria". Yelchin comentou sobre "uma cena em que eles estão falando com Apolo [que diz], 'Eu sou Apolo'. E Chekov fica, 'E eu sou o Czar de Todas as Rússias' [...] Eles davam para ele essas falas. Quero dizer, [Chekov] realmente era o personagem mais bizarro".[32]
  • Eric Bana como Nero, um minerador romulano do futuro e o comandante da Narada. Bana filmou suas cenas mais para o final da produção. O ator afirmou que "eu não era um grande trekkie quando criança",[33] nunca tendo assistido os filmes.[34] Bana mesmo assim gostava da série, porém comentou que não teria aceitado o papel se não tivesse gostado do roteiro, que ele descreveu como "sensacional" depois de ter lido.[35] O ator conhecia Abrams anteriormente pois os dois compartilhavam o mesmo agente.[36] Bana improvisou a maneira de falar de Nero.[37]
  • Bruce Greenwood como Christopher Pike, o capitão da Enterprise. Greenwood assistiu "The Cage", o episódio piloto original da série de televisão, e observou a interpretação de Jeffrey Hunter e os dilemas enfrentados pelo personagem. O ator comentou que decidiu incorporar a sensibilidade de Hunter em vez de algum maneirismo,[38] também afirmando que as visões de mundo de sua versão eram bem diferentes do original: "[O Pike de Hunter] estava muito dividido sobre se queria ou não voltar e ter uma vida autêntica pequena ou uma vida grande de um comandante. Este não é o dilema do Capitão Pike [deste filme] ... Ele não tem uma luta interna como o Pike antigo tinha. Porém ele tem segundas opiniões e dúvidas sobre como a Frota Estelar está treinando seus oficiais e o tipo de oficiais que ela produz".[39]

Outros membros secundários do elenco incluem Ben Cross e Winona Ryder como Sarek e Amanda Grayson, os pais de Spock;[40][41] e Chris Hemsworth e Jennifer Morrison como George e Winona Kirk, os pais de James T. Kirk.[42] Além deles, Faran Tahir interpretou o capitão Richard Robau da USS Kelvin,[43] Greg Ellis fez o engenheiro chefe Olson da Enterprise[44] e Clifton Collins Jr. atuou como Ayel, o braço direito de Nero.[45]

Papéis menores incluem Tyler Perry como almirante Richard Barnett,[46] Rachel Nichols como Gaila,[42] Deep Roy como Keenser[47] e Chris Doohan como um técnico do teletransporte.[48] Wil Wheaton, interprete de Wesley Crusher na série Star Trek: The Next Generation, fez a voz de vários romulanos da Narada.[49] Majel Barrett, esposa de Gene Roddenberry, o criador de Star Trek, voltou para seu papel como a voz do computador da Enterprise, que ela completou as gravações apenas duas semanas antes de morrer em dezembro de 2008.[50] Vários atores tiveram seu tempo em tela muito reduzido ou completamente cortado, incluindo Brad William Henke como o padrasto de Kirk,[51] Spencer Daniels como Samuel Kirk, o irmão mais velho de James T. Kirk;[52] e Victor Garber como um interrogador klingon.[53]

Orci e Kurtzman escreveram uma cena para Shatner, em que o Embaixador Spock entregaria ao seu eu mais jovem uma mensagem de aniversário gravada pelo Kirk original. Kurtzman comentou que "Era basicamente um desejo de feliz aniversário sabendo que Spock estava indo para Romulus, e Kirk provavelmente estaria morto nessa altura", e no final a mensagem se transformaria no monólogo "Onde nenhum homem jamais esteve" narrado por Shatner.[54] Entretanto, Shatner queria um papel tão importante quanto o de Nimoy e não apenas uma ponta.[55] O Kirk original tinha morrido ao final do filme Star Trek Generations e o ator sugeriu canonizar seu romance em que Kirk era ressuscitado, porém Abrams achou que se Shatner acompanhasse Nimoy, o filme seria sobre a ressurreição de Kirk e não sobre a apresentação de novas versões dos personagens antigos.[56] Nimoy não tinha gostado da morte do personagem em Generations, mas também sentiu que voltar com Kirk seria prejudicial ao novo filme.[13]

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Gene Roddenberry, o criador de Star Trek, disse na World Science Fiction Convention de 1968 que estava desenvolvendo um filme que seria uma prequela da série de televisão original, porém nada se deu.[58] Este conceito só foi ressurgir em meados da década de 1980, quando os produtores Ralph Winter e Harve Bennett submeteram uma proposta para uma prequela durante o desenvolvimento daquilo que se tornaria Star Trek IV: The Voyage Home pois William Shatner inicialmente não estava disposto a retornar ao papel de James T. Kirk, porém a ideia foi abandonada assim que o ator teve suas exigências aceitas e concordou em voltar.[59] O roteirista David Loughery escreveu uma história chamada The Academy Years após a finalização de Star Trek V: The Final Frontier, porém esta acabou arquivada devido objeções de Roddenberry e dos fãs. Em vez disso, o filme que foi encomendado mantinha o elenco original e acabou se tornando Star Trek VI: The Undiscovered Country. O produtor executivo da franquia Rick Berman e o roteirista Erik Jendresen começaram a desenvolver um novo filme chamado Star Trek: The Beginning em fevereiro de 2005, depois do fracasso financeiro do filme Star Trek Nemesis e do cancelamento da série Star Trek: Enterprise. A história envolvia um novo conjunto de personagens liderados por Tiberius Chase, um ancestral de Kirk, e se passaria durante a guerra entre a Terra e Romulus – após os eventos de Enterprise mas antes da série original.[60]

Abrams inicialmente foi abordado apenas para produzir o filme, porém depois aceitou o cargo de diretor.

O conglomerado de mídia Viacom, dona da Paramount Pictures, separou-se em 2005 da CBS Corporation, que manteve as propriedades televisivas da Paramount, incluindo os direitos da marca Star Trek. Gail Berman, então presidente da Paramount, convenceu Leslie Moonves, diretor executivo da CBS, a permitir ao estúdio dezoito meses a fim de desenvolver um novo filme de Star Trek antes que a emissora reconquistasse os direitos de produzir uma nova série de televisão; em troca, a CBS ficaria com os direitos de merchandising. Berman abordou os roteiristas Roberto Orci e Alex Kurtzman sobre ideias para um novo longa, pedindo após o término das filmagens de Mission: Impossible III que o diretor J. J. Abrams atuasse como produtor.[61] Abrams, Orci e Kurtzman, mais os produtores Bryan Burk e Damon Lindelof, achavam que a franquia já tinha explorado o suficiente dos acontecimentos depois da série original.[62] Orci e Kurtzman se consideravam fãs[63] e achavam que alguns dos romances de Star Trek tinham valor canônico, apesar de Roddenberry nunca tê-los considerado parte da cronologia oficial da franquia.[64] A companhia Bad Robot Productions de Abrams produziu o filme, tornando-se a primeira empresa a financiar um filme de Star Trek junto com a Paramount.[65] A Level 1 Entertainment de Bill Todman, Jr. também seria uma co-produtora, porém foi substituída em 2008 pela Spyglass Entertainment como parceira financiadora.[66]

Abrams não havia assistido Nemesis porque sentia que a franquia tinha se "desconectado" da série original.[67] Na opinião dele, Star Trek era sobre Kirk e Spock enquanto as outras séries eram "aventuras espaciais separadas com o nome Star Trek". Abrams reconheceu que preferia os filmes de Star Wars quando criança.[68] Ele comentou que seu conhecimento geral não muito aprofundado sobre a franquia lhe deixou como a pessoa adequada para introduzir Star Trek para novatos,[69] além de que iria fazer um filme otimista por ser uma pessoa otimista, algo que seria um contraste refrescante com filmes como The Dark Knight.[3] Abrams adorava o foco em exploração da franquia e a ideia da Primeira Diretriz, que proíbe a Frota Estelar de interferir no desenvolvimento de mundos menos avançados, porém afirmou que a série original "nunca teve os recursos para realmente mostrar a aventura" devido ao orçamento limitado.[70] Abrams inicialmente se envolveu no projeto apenas na capacidade de produtor pois queria ajudar Orci, Kurtzman e Lindelof.[61]

Abrams aceitou em fevereiro de 2007 a oferta da Paramount para dirigir o filme, também permanecendo como produtor.[71] Ele explicou que decidiu dirigir o projeto pois, após ler o roteiro, percebeu que "ficaria dolorosamente invejoso de quem quer que aparecesse e dirigisse o filme".[72] Orci e Kurtzman afirmaram que seu objetivo era ter uma história que impressionasse um fã casual como Abrams.[73] O diretor falou que tinha ficado nervoso "com todos esses rostos tatuados e orelhas pontudas, armas bizarras e linguistas romulanos, com diálogos sobre 'Zonas Neutras' e 'Frota Estelar', [porém] eu sabia que iria funcionar pois o roteiro que Alex [Kurtzman] e Bob [Orci] escreveram era tão emocional e relacionável. Eu não amava Kirk e Spock quando comecei esta jornada – mas eu os amo agora".[3]

Roteiro[editar | editar código-fonte]

Nós somos de mundos diferentes, Alex [Kurtzman] nasceu aqui [nos Estados Unidos] e eu nasci na Cidade do México e vivi lá até os nove anos. Kirk e Spock são opostos de mundos diferentes. Somos nós em suma. Nós somos atraídos pelo outro devido ao que cada um carece. A história deste filme é sobre dois caras que são tão opostos que eles talvez terminassem se estrangulando, mas em vez disso eles criam um laço e crescem juntos. Somos nós. Podemos ir para velocidade de dobra juntos.

— Roberto Orci sobre o contexto emocional do filme.[12]

Orci afirmou que conseguir Leonard Nimoy para o filme foi muito importante, "Ter ele sentado em uma fogueira compartilhando suas memórias jamais seria cortado", enquanto o elemento da viagem no tempo foi algo que esteve presente na história desde o início do desenvolvimento.[74] Kurtzman complementou dizendo que a viagem no tempo criava risco, diferentemente de outras prequelas em que os espectadores "sabem como todos morreram".[75] Os roteiristas reconheceram que a viagem no tempo tinha sido usada demasiadamente em outras séries, porém neste caso servia para um bom propósito ao criar uma linha do tempo alternativa com um novo conjunto de aventuras para os personagens originais sem o peso de toda a cronologia anterior.[76] Abrams escolheu os romulanos como vilões por acreditar que eles tinham aparecido na série menos que os klingons, salientando que era "divertido" a espécie se encontrar com Kirk antes do que fora estabelecido na série original.[77] Orci e Kurtzman também achavam que seria retrógrado demonizar os klingons depois deles terem se tornado heróis a partir das séries de televisão posteriores, enquanto a presença dos romulanos continuaria a história de Spock a partir de sua última aparição cronológica no episódio em duas partes "Unification" de Star Trek: The Next Generation.[76] O episódio "Balance of Terror" da série original, em que a USS Enterprise é a primeira nave a ver um romulano em mais de cem anos, serviu como uma das influências para o novo filme.[63] Orci reconheceu que foi difícil encontrar uma boa explicação para a viagem no tempo sem que ela parecesse um artifício, como Nero indo para o passado a fim de assassinar Kirk.[78]

Orci salientou que apesar da viagem no tempo permitir a alteração de alguns elementos da história pregressa de Kirk como seu primeiro encontro com os romulanos, os roteiristas não podiam usá-la como muleta e modificar tudo, tentando abordar o filme o máximo possível como uma prequela. O tempo de serviço de Kirk na USS Farragut, um grande ponto do episódio original "Obsession", foi cortado pois era considerado irrelevante na história de como o personagem conheceu Spock.[74] Havia uma cena em que Kirk conhecia Carol Marcus, personagem que apareceu em Star Trek II: The Wrath of Khan, porém acabou cortada pois o filme precisava de mais tempo para introduzir seus personagens principais.[54][79] Alguns artifícios foram necessários para conseguir reunir toda a tripulação, algo que Orci e Kurtzman queriam explicar com o Embaixador Spock dizendo que era um jeito da linha do tempo tentar se concertar, destacando o tema de destino. A fala acabou sendo muito difícil de escrever e foi cortada.[76][80]

Orci (cima) e Kurtzman (baixo) desejavam que a história pudesse ser aproveitada tanto por fãs da franquia quanto por novatos.

Os cineastas procuraram inspiração em romances como Prime Directive, Spock's World e Best Destiny a fim de preencher buracos no cânone estabelecido; Best Destiny explora particularmente o passado de Kirk e nomeia seus pais.[63][74][81] Uma das ideias que foi justificada através dos romances foi ter a Enterprise sendo construída na superfície da Terra, um conceito que surgiu para a equipe após terem encontrado uma arte de fã que mostrava a nave em uma doca terrestre. Orci enviou a ilustração para Abrams com o objetivo de mostrar o quão realista poderia ser.[82] Orci explicou que partes da Enterprise seriam construídas na Terra devido à gravidade artificial empregada na nave e o requerimento que ela pudesse alcançar a velocidade de dobra, dessa forma as calibrações das máquinas seriam realizadas exatamente no poço gravitacional que deveria ser simulado.[83] A equipe achou que não existia problemas em colocar a Enterprise sendo construída em Iowa pois o cânone era ambíguo sobre se ela realmente tinha sido construída em São Francisco, porém isto foi resultado da viagem no tempo em vez de ser algo com a intenção de reproduzir um acontecimento da linha do tempo original.[75] Abrams comentou que a continuidade da própria série original era por vezes inconsistente.[5]

Os roteiristas afirmaram que queriam que o público geral gostasse do filme tanto quanto os fãs da franquia, para isso removendo as baboseiras tecnológicas, deixando-o cheio de ação e lhe dando o simples título de Star Trek para indicar aos novatos de que não precisavam assistir qualquer um dos filmes anteriores para poder aproveitar este.[84] Abrams via o humor e o apelo sexual como dois aspectos integrais e populares da série que precisavam ser mantidos.[69] Orci disse quer ser realista e ser sério eram coisas diferentes uma da outra.[82] Abrams, Burk, Lindelof, Orci e Kurtzman eram fãs de The Wrath of Khan e também citaram o episódio "Yesterday's Enterprise" de The Next Generation como uma influência.[63] As esposas de Abrams, Lindelof, Orci e Kurtzman foram consultadas regularmente sobre o roteiro a fim de deixar as personagens femininas o mais fortes possíveis.[85] A aprovação de Katie Abrams das personagens femininas foi parcialmente um dos motivos que fizeram Abrams aceitar o cargo de diretor.[86]

Orci e Kurtzman leram dissertações acadêmicas sobre a série de televisão para se inspirarem;[62] eles perceberam comparações entre Kirk e Spock com arquétipos shakespearianos e que a relação dos dois ecoava a amizade entre John Lennon e Paul McCartney.[63] Os roteiristas também disseram que na criação deste filme acabaram sendo influenciados por Star Wars, particularmente no ritmo. Orci afirmou que "Eu quero sentir o espaço, eu quero sentir a velocidade e eu quero sentir todas as coisas que se perdem um pouco quando Star Trek torna-se muito imponente".[73] Star Wars permeou-se no modo que os dois escreveram as cenas de ação,[75] enquanto Burk notou que a relação inicialmente fria entre Kirk e Spock se assemelhava como "Han Solo não era amigo de ninguém quando eles iniciaram sua jornada".[87] Spock e Uhura foram colocados em uma relação romântica devido à pequenos indícios incluídos nos primeiros episódios da série mostrando um interesse dela.[80] Orci queria apresentar capitães fortes da Frota Estelar, dizendo que a maioria dos capitães da série e dos filmes eram "bodes expiatórios" incluídos para que Kirk parecesse melhor em comparação.[85]

A USS Kelvin foi nomeada em homenagem ao avô de Abrams e também ao físico e engenheiro britânico lorde William Thomson, 1º Barão Kelvin. Seu capitão Richard Robau foi nomeado por causa do tio cubano de Orci: o roteirista teorizou que o personagem nasceu em Cuba e cresceu no Oriente Médio.[82] Uma referência aos trabalhos anteriores de Abrams foi a bebida Slusho, que Uhura pede no bar quando conhece Kirk. O diretor tinha criado a bebida para a série Alias e ela reapareceu na campanha de divulgação do filme Cloverfield. Tagruato, o dono da bebida, também vem de Cloverfield e apareceu em um prédio de São Francisco.[48] A "máteria vermelha" de Star Trek assume a forma de uma bola vermelha, um tema recorrente do episódio piloto de Alias.[88]

Arte[editar | editar código-fonte]

O diretor de arte do filme foi Scott Chambliss, um colaborador de longa data de Abrams. Chambliss trabalhou junto com um grande grupo de ilustradores conceituais, incluindo James Clyne, Ryan Church, John Eaves e o desenhista de criaturas Neville Page.[89] Abrams afirmou que uma das dificuldades em representar o futuro era de que boa parte da tecnologia moderna fora inspirada pela série original e isso fez dela algo datado. Dessa forma a direção de arte precisava ser consistente com a série de televisão e ao mesmo tempo parecer mais avançada do que a tecnologia do mundo real que se desenvolveu a partir do programa.[62] "Todos nós temos um iPhone que faz mais do que um comunicador", comentou Abrams, "Eu acho que há certas coisas que você não pode realmente agarrar, o que é quase um estilo kitsch. Isso precisa ir se será algo que você acreditará ser real".[90] O mestre de objetos de cena Russell Bobbitt colaborou com a Nokia para recriar o comunicador original, criando um protótipo de cinquenta mil dólares. Outro objeto recriado para o filme foi o tricorder. Bobbitt comprou um objeto original da série, porém os atores acharam que ele era muito grande para ser carregado nas filmagens das cenas de ação, então o consultor técnico Doug Brody o redesenhou para ser menor.[91] Os feisers foram desenhados como canos acionados por molas que giram e brilham quando as configurações mudam de "matar" para "tontear".[3] O carro protótipo Aptera 2e foi usado em locação durante as filmagens.[92]

A ponte da Enterprise manteve o disposição da original, mas recebeu várias alterações para parecer mais moderna e refletir o otimismo de Star Trek.

Chambliss manteve a mesma disposição da ponte de comando da série original, porém a alterou esteticamente com cores mais brilhantes a fim de refletir o otimismo de Star Trek. A tela visualizadora foi transformada em uma janela em que imagens poderiam ser projetadas com o objetivo de deixar o espaço algo mais palpável. Abrams comparou os desenhos com o trabalho modernista realizado por Pierre Cardin nos cenários do filme 2001: A Space Odyssey, que assim como a série eram da década de 1960.[93] O diretor brincou que a nova ponte fez a Apple Store parecer "fora de moda". Mais corrimões foram adicionados à pedido de Abrams para que a ponte parecesse mais segura,[3] com o cenário tendo sido construído sobre giroscópios a fim que os balanços de quando a nave entra em dobra ou é atacada fossem mais realistas.[93] O diretor escolheu dar uma aparência altamente industrial para a engenharia da Enterprise; ele explicou para o ator Simon Pegg que fora inspirado pelo RMS Titanic, um navio elegante em que existia uma "entranha incrível".[94]

Abrams escolheu Michael Kaplan como figurinista pois este não tinha assistido nenhum dos filme anteriores, significando que abordaria as roupas a partir de um ângulo novo. Kaplan seguiu o esquema de cores da série para os uniformes de Frota Estelar, com camisetas de baixo e calças cinzas (quase pretas) e por cima camisetas coloridas indicando a posição do tripulante. Membros do ramo de comando usavam dourado, membros das divisões médica e de ciência usavam azul e membros de área de operações (técnicos, engenheiros e pessoal de segurança) vestiam vermelho. O figurinista queria que as camisetas fossem mais sofisticadas do que as originais e assim escolheu estampar o símbolo de formato em delta da Frota Estelar por toda a roupa.[93] Kirk vestiu apenas a camiseta de baixo durante a maior parte do filme para mostrar que era ainda um cadete.[3] Kaplan moldou os uniformes da Kelvin a partir de filmes de ficção científica das décadas de 1940 e 1950 para contrastar com os uniformes da Enterprise que eram baseados em criações da década de 1960.[93] Na opinião de Abrams, "Os figurinos eram um microcosmo de todo o projeto, que era como pegar algo que é meio bobo e deixá-lo parecer real. Mas como você faz figurinos parecerem legítimos com aquelas cores quase primárias?"[95]

Lindelof comparou a facção romulana do filme à piratas com suas cabeças carecas e tatuadas e roupas desorganizadas. A nave Narada era puramente prática com seus maquinários visíveis, diferentemente da Enterprise e sua tripulação que receberam uma apresentação respeitável em nome da Federação dos Planetas Unidos.[96] Chambliss foi muito influenciado para a Narada pela arquitetura de Antoni Gaudí, que criava edifícios que pareciam estar do avesso: uma atmosfera agourenta foi criada ao expor a fiação da nave de maneira que ela parecesse ossos ou ligamentos. O interior da Narada foi criado a partir de seis peças de cenário que podiam ser rearranjadas para criar ambientes diferentes.[93] Os atores que interpretaram os romulanos tiveram três próteses aplicadas em suas orelhas e testa, enquanto Eric Bana tinha uma quarta prótese para a marca de mordida em sua orelha que se estende até a nuca.[97] Os romulanos deste filme não tinham os cumes em forma de "V" em suas testas que estavam presentes em todas as suas aparições desde a série original. Page queria que honrar essa característica ao dar cicatrizes ritualísticas para a tripulação de Nero, formando queloides similares aos cumes em "V". Esta ideia acabou sendo abandonada.[98] Kaplan queria roupas antigas, gastas e rasgadas para os romulanos devido ao seu passado minerador, encontrando tecidos de aparência gordurosa em um mercado de pulgas. O figurinista foi atrás dos fabricantes, que eram de Bali na Indonésia, e os contratou para criar seus desenhos.[3]

Barney Burman supervisionou a maquiagem dos alienígenas: sua equipe teve de correr com a criação de muitas das espécies pois originalmente a maioria dos desenhos iria aparecer apenas em uma cena no final das filmagens. Abrams considerou que a cena era muito similar à sequência da cantina em Star Wars e decidiu espalhar os alienígenas por todo o filme.[97] Um pingo também foi colocado na cena em que Montgomery Scott é apresentado.[48] Maquiagens digitais e físicas foram usadas para os alienígenas.[99]

Filmagens[editar | editar código-fonte]

As filmagens de Star Trek começaram em 7 de novembro de 2007[100] e terminaram em 27 de março de 2008;[101] entretanto, a segunda unidade continuou filmando até abril de 2008 em Bakersfield na Califórnia, que serviu de locação para a casa de infância de Kirk em Iowa.[102] Filmagens também ocorreram na prefeitura de Long Beach na Califórnia,[103] San Rafael Swell em Utah[104] e na Universidade do Estado da Califórnia em Northridge, esta última usada como locação para a Academia da Frota Estelar.[105] O estacionamento do Dodger Stadium em Los Angeles foi usado como a superfície de gelo do planeta Delta Vega e também para a perfuratriz romulana. Os cineastras mostraram interesse na Islândia para as cenas de Delta Vega, porém acabaram abandonando a ideia; Chambliss gostou do desafio de filmar cenas com neve no sul da Califórnia. Cenas do exterior de Vulcano foram feitas nas Vasquez Rocks, uma locação usada em vários episódios da série original. Uma fábrica da Budweiser em Van Nuys foi usada como a engenharia da Enterprise, enquanto uma usina de energia em Long Beach serviu como a engenharia da Kelvin.[93]

A Biblioteca Oviatt na Universidade do Estado da Califórnia em Northridge foi usada como a Academia da Frota Estelar.

Abrams afirmou após o começo da greve dos roteiristas dos Estados Unidos de 2007–2008 que ele próprio não prestaria serviços de escrita ao filme e iria participar dos protestos, também não esperando que a greve afetasse sua direção da produção.[106] Abrams e Lindelof poliram o roteiro uma última vez algumas semanas antes do começo da greve e das filmagens.[107] O diretor ficou frustrado por não poder alterar falas durante a greve, enquanto normalmente eles poderiam improvisar novas ideias durante os ensaios, porém Lindelof reconheceu que a equipe talvez pudesse redublar algumas falas durante a pós-produção.[108] Orci e Kurtzman puderam permanecer nas filmagens sem quebrar a greve pois também eram os produtores executivos do filme; ambos podiam "fazer caretas e expressões engraçadas aos atores sempre que estes tinham um problema com uma fala e meio que acenar quando tinham algo melhor".[109] Abrams foi capaz de alterar uma cena em que Spock enfrenta seis romulanos de uma luta mano a mano para um tiroteio, tendo achado que já havia muita porrada no filme.[9]

Abrams escolheu filmar Star Trek com uma película de 35 mm no formato anamórfico após discussões sobre se eles deveriam usar câmeras digitais de alta definição. O diretor e o diretor de fotografia Daniel Mindel concordaram que a escolha de película deu ao filme uma sensação realista e de tela grande, além do visual orgânico que desejavam. Abrams e Mindel usaram lens flares durante toda a filmagem a fim de criar uma atmosfera otimista e a sensação de que outras atividades estavam ocorrendo fora do campo de visão da câmera, algo que deixaria o universo de Star Trek parecer mais real. O diretor comentou: "Há algo sobre esses brilhos, especialmente em um filme que pode potencialmente ser incrivelmente estéril, computadorizado e supercontrolado. Há algo simples e incrivelmente imprevisível e lindo sobre eles". Mindel trabalhou na criação de mais lens flares ao apontar uma lanterna ou espelhos em direção da lente da câmera, ou ainda utilizando duas câmeras simultaneamente e assim dois conjuntos de iluminação diferentes.[110] A editora Mary Jo Markey mais tarde revelou que Abrams não tinha contado para ela e sua colega Maryann Brandon sobre os brilhos, com as duas entrando em contato com os cineastas para perguntar o motivo do filme estar tão superexposto.[111]

A equipe de produção manteve uma grande segurança ao redor do filme. O ator Karl Urban revelou que "[Há um] nível de segurança e segredo que todos nós fomos forçados a adotar. Quero dizer, é realmente uma loucura meio paranoica, mas meio que justificada. Nós não temos permissão de andar em público em nossos figurinos e temos de ser rebanhados para todo lugar nesses carrinhos de golfe que estão completamente ocultos e cobertos com lonas pretas. A segurança é imensa. Você sente que sua liberdade é um grande desafio".[112] Atores como Jennifer Morrison recebiam roteiros apenas com suas cenas.[113] O roteiro de filmagens foi protegido ferozmente até mesmo com o elenco principal. Pegg afirmou que "Eu li [o roteiro] com um segurança perto de mim".[114] O filme usou o título falso de Corporate Headquarters para despistar atenção.[115] Algumas poucas pessoas de fora da produção receberam permissão de visitar as filmagens, incluindo Rod Roddenberry,[116] Ronald D. Moore,[117] Jonathan Frakes, Walter Koenig, Nichelle Nichols, Ben Stiller, Tom Cruise e Steven Spielberg, com este último também tendo dado alguns conselhos para Abrams sobre as sequências de ação.[86]

Abrams deu de presente ao elenco caixas contendo pequenos telescópios, que permitia que eles lessem os nomes de cada constelação que apontavam. John Cho comentou: "Eu acho que [Abrams] queria que cada um de nós olhasse um pouco diferente para as estrelas". O diretor cortou na edição algumas das cenas de Kirk e Spock quando crianças, incluindo uma do segundo quando bebê, além de todo um subenredo envolvendo Nero sendo aprisionado pelos klingons e sua fuga; a ausência do vilão durante boa parte da vida de Kirk confundiu muitas pessoas para quem Abrams mostrou um corte bruto do filme.[70] Outras cenas cortadas explicavam que o Kirk adolescente roubou o carro antigo de seu padrasto pois tinha sido forçado a limpá-lo antes de um leilão, e que a garota orion que Kirk seduziu na academia abriu sem saber um e-mail que permitiu que ele trapaceasse no teste do Kobayashi Maru.[80]

Efeitos[editar | editar código-fonte]

A Industrial Light & Magic e a Digital Domain estavam entre as várias companhias que criaram os mais de mil planos com efeitos visuais do filme.[118] Os supervisores de efeitos visuais foram Russell Earl e Roger Guyett, com este último tendo anteriormente colaborado com Abrams em Mission: Impossible III e também atuado como diretor da segunda unidade em Star Trek. Abrams evitou o máximo possível filmar usando apenas telas azuis ou verdes pois elas "me deixam insano", em vez disso usando-as para aumentar a escala dos cenários e das locações.[62] A sequência em Delta Vega necessitou da mistura de neve digital com neve real.[119]

A nova USS Enterprise foi redesenhada para parecer mais moderna e ao mesmo tempo manter a aparência geral da série original.

Star Trek foi o primeiro filme da Industrial Light & Magic a usar completamente apenas naves digitais.[119] Abrams queria que a Enterprise fosse uma mistura do desenho da série original e o desenho reformado dos filmes. O diretor tinha boas memórias sobre a revelação da nave em Star Trek: The Motion Picture pois tinha sido a primeira vez que ela pareceu real e tangível. Ele comentou que "se você vai fazer Star Trek, há muitas coisas que você não pode mudar. A Enterprise é uma marca visual para muitas pessoas. Então se você vai fazer a Enterprise, é melhor que ela pareça com a Enterprise, porque de outra forma, o que você está fazendo?"[120] O padrão iridescente do casco em The Motion Picture foi mantido a fim de dar profundidade para a nave, enquanto o modelador Roger Goodson também aplicou o padrão "Aztec" da USS Enterprise-D de The Next Generation. Goodson afirmou que Abrams desejava trazer uma estética "Hot Rod" para a nave. Guyett queria que ela tivesse mais partes móveis, algo que veio de sua insatisfação quando criança sobre o desenho da Enterprise: a nova antena defletora podia expandir-se, enquanto as barbatanas nas naceles separavam-se quando estavam para entrar em dobra.[121] A Enterprise foi originalmente desenhada por Church com as mesmas dimensões da original, 370 metros de comprimento, porém ela acabou dobrando de tamanho para 718 metros para poder parecer "maior".[122] A Narada tinha oito quilômetros de comprimento e vários de largura.[93] Os artistas de efeitos visuais simularam os lens flares com o objetivo de manter a consistência na direção de fotografia do filme.[119]

Carolyn Porco da NASA foi consultada sobre as imagens e ciências planetárias.[123] Os animadores recriaram realisticamente como uma explosão se pareceria no espaço: pequenos estouros que sugam para dentro e deixam os destroços de uma nave flutuando. O mesmo programa de explosão foi usado durante a implosão do planeta Vulcano a fim de simular sua ruptura, com os animadores compondo manualmente várias camadas de rochas e vento sendo sugadas para o núcleo do planeta.[119] Diferentemente de outros filmes e séries de Star Trek, o efeito do teletransporte forma um redemoinho em vez de pequenas manchas.[31] Abrams concebeu a ideia para enfatizar a noção dos teletransportes como feixes que podem pegar e mover as pessoas, diferentemente de um sinal composto por átomos embaralhados.[118]

A companhia Lola Visual Effects trabalhou em 48 planos do filme, incluindo algumas animações para Bana e Nimoy. O primeiro precisava de grandes danos nos dentes, que foram suficientes o bastante para substituir completamente a boca do ator em algumas das imagens. A boca do segundo foi reanimada em sua primeira cena com Kirk depois de uma sessão de redublagem. Os cineastas filmaram Nimoy enquanto este regravava suas falas para que dessa forma pudessem realizar uma rotoscopia em sua boca e colocá-la no filme, até mesmo recriando as condições de iluminação, porém a equipe de efeitos percebeu posteriormente que precisavam também recriar digitalmente os lábios do ator por causa da luz tremulante criada pela fogueira no cenário.[118]

Música[editar | editar código-fonte]

A música de Star Trek foi composta por Michael Giacchino, o colaborador mais frequente de Abrams. O compositor admitiu uma pressão pessoal ao escrever a trilha sonora: "Eu cresci escutando todas aquelas músicas maravilhosas [de Star Trek], e isso em parte me inspirou a fazer o que eu faço [...] Você entra assustado. Você espera fazer o seu melhor. É uma daquelas coisas onde o filme irá me dizer o que fazer".[124] A primeira abordagem de Giacchino foi criar uma espécie de "música espacial" que o público esperaria ouvir em um filme como este, porém Abrams não gostou do resultado por não achar que se adequava ao produto que estava sendo criado. O compositor só conseguiu encontrar uma nova linha de pensamento para a trilha depois de Lindelof lhe ter aconselhado que "nós estamos simplesmente fazendo um filme sobre dois caras que se conhecem e tornam-se amigos, não há mais nada que você precisa saber ... espaço é irrelevante".[125] Giacchino sentiu que a história do filme era uma jornada pessoal para Kirk, "sobre o vazio deste personagem e o que ele precisa fazer para se encontrar, compreender quem é e tornar-se uma pessoa melhor".[126]

Para o compositor foi importante a distinção que o novo filme era um reboot da série original e não uma continuação; por este motivo Giacchino usou apenas pequenos pedaços do tema original de Alexander Courage ao longo do filme até a versão completa aparecer nos créditos finais.[127] Houve grandes discussões sobre utilizar músicas anteriores da franquia, com todas as tentativas de Giacchino de trazer algo antigo não funcionando na opinião dele e dos cineastas. O compositor comentou que "se você vai tirar toda a música de Star Trek, a única coisa que você mantém é o tema original de Alexander Courage, para mim isso é Star Trek". Giacchino e Abrams também decidiram usar o tema clássico apenas ao final pois era o momento que toda a tripulação estava reunida na ponte,[125] como uma recompensa por tudo que os personagens tinham passado.[128]

As gravações da trilha sonora ocorreram nos estúdios da Sony em Culver City com uma orquestra de 107 pessoas e um coral de quarenta vozes. Um erhu foi tocado por Karen Han para ser usado o tema de Spock,[129] que foi durante um tempo considerado para ser o tema principal do filme.[125] Uma gravação distorcida foi empregada como o tema dos romulanos.[129] A gravadora Varèse Sarabande lançou na época da estreia do filme um álbum com apenas 45 minutos da música, contendo também um livreto com os créditos da trilha e uma nota de Abrams. No ano seguinte foi lançada uma edição em dois discos de luxo e limitada à cinco mil cópias com toda a música do filme.[128]

Efeitos sonoros[editar | editar código-fonte]

Burtt queria manter-se fiel à série original, procurando reproduzir vários dos efeitos sonoros antigos.

Os efeitos sonoros foram criados por Ben Burtt. Ele inicialmente foi chamado por Abrams para a exibição de um corte bruto do filme, oferecendo alguns conselhos e ideias para a equipe que o levaram a ser convidado a participar da produção. O projetista acabou sendo creditado como "Efeitos Sonoros Especiais e Montagens", trabalhando em mais de quatrocentos sons, além de projetar e pré-mixar diversas das sequências do filme. O processo de criação normalmente envolvia sessões diárias com Abrams em que Burtt mostraria efeitos no contexto dos diálogos e música; depois o trabalho era passado para o supervisor de edição de som Mark Stoeckinger, com a mixagem final sendo avaliada por Abrams, Burtt, Stoeckinger e os mixadores Paul Massey, Andy Nelson e Anna Behlmer, com a palavra final sendo do diretor.[130]

Burtt afirmou que adorava os sons da série original, comentando que "Eles articulavam sons para toda a nave – cada sala soava diferente, e cada peça de equipamento tinha um som único [...] Se alguém apertava um botão no console, ele fazia uma pequena melodia musical. Havia uma sensibilidade na criação das coisas que tinham um sentimento emotivo para eles", algo que influenciou muito seu pensamento na criação dos efeitos deste filme. O projetista queria que Star Trek soasse como um filme clássico de ficção científica e que se mantivesse próximo da série de televisão. Burtt empregou as mesmas técnicas usadas na série na criação de seus novos sons, desejando manter a sensitividade musical e não apenas prestar uma homenagem ao original, mas expandir e traduzir os conceitos da década de 1960 em algo maior e mais poderoso.[130]

O projetista teve seis semanas para realizar seu trabalho, um tempo pequeno pois normalmente em outros projetos Burtt começaria a pensar nos sons antes mesmo do início das filmagens.[130] Enquanto os sons dos feisers da série original tinham sido inspirados pelo filme The War of the Worlds, Burtt os fez soar mais como as armas laser de Star Wars, pois a representação dos feisers eram mais parecidas com disparos de balas do que como feixes únicos de energia. O projetista tentou reproduzir os sons clássicos dos torpedos fotônicos e do motor de dobra: o primeiro foi criado com a mistura de uma mola e um disparo de canhão, enquanto o segundo foi feito da mesma maneira que o original através de um oscilador. Burtt queria recriar o tom cintilante do teletransporte da série, usando assim badaladas de sinos com muita reverberação.[131]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

A data de estreia original de Star Trek era 25 de dezembro de 2008, porém a Paramount anunciou em fevereiro do mesmo ano que o filme fora adiado até 8 de maio de 2009, já que o estúdio achou que mais pessoas iriam assisti-lo no verão do que no inverno norte-americano. O filme foi praticamente finalizado ao final de 2008.[132] A decisão da Paramount veio depois de executivos terem visitado as filmagens e assistido copiões, percebendo que o produto poderia ser atrativo para um público bem maior. Apesar dos cineastas gostarem da data de lançamento no natal, Lindelof reconheceu que o adiamento daria mais tempo para que os efeitos visuais fossem aprimorados.[108] Os meses entre a finalização da produção e o lançamento permitiu que autor Alan Dean Foster assistisse o filme antes de escrever sua romantização, mas o romance mesmo assim continha cenas ausentes do corte final.[133] O audiolivro foi narrado por Quinto.[134]

Urban, Pine, Burk, Quinto, Abrams, Bana e Cho na estreia na Ópera de Sydney, 7 de abril de 2009.

Uma exibição pública surpresa do filme aconteceu em 6 de abril de 2009 em um cinema da cidade de Austin no Texas, contando com a presença de Orci, Kurtzman e Lindelof. O evento foi divulgado como uma exibição de The Wrath of Khan seguida por uma prévia de dez minutos do novo filme. A projeção pareceu estar com defeito depois de decorridos alguns minutos do início de The Wrath of Khan, então logo em seguida Nimoy apareceu no palco e perguntou para o público se "vocês não preferem assistir o filme novo?"[135] Várias outras estreias ao redor do mundo ocorreram após a exibição surpresa de Austin, com a primeira acontecendo no dia seguinte na Ópera de Sydney na Austrália.[136] A cidade de Vulcan no Canadá fez campanha por quase dois anos para que a estreia ocorresse lá, porém já que a cidade não tinha um cinema, a Paramount organizou uma loteria em que trezentos habitantes foram levados para uma pré-estreia em Calgary.[137]

Divulgação[editar | editar código-fonte]

O primeiro trailer do filme estreou nos cinemas em janeiro de 2008 junto com as cópias de Cloverfield, mostrando a Enterprise em construção. O próprio Abrams dirigiu a primeira parte do trailer em que um trabalhador retira seus óculos de proteção. Soldadores profissionais foram contratados para essas filmagens.[138] As vozes da década de 1960 que tocam sobre as imagens tinham a intenção de ligar Star Trek com o presente; o discurso do presidente John F. Kennedy sobre ir à Lua foi particularmente escolhido devido às similaridades com o personagem de Kirk e porque a fala tinha basicamente iniciado a Corrida Espacial. Orci explicou que "Se nós realmente tivermos uma Federação, eu acho que as palavras de Kennedy estarão inscritas em algum lugar".[83]

A Paramount enfrentou dois obstáculos para promover o filme: a falta de familiaridade da franquia com a "geração MySpace" e o desempenho relativamente fraco dos filmes anteriores na bilheteria internacional. Abrams viajou pela Europa e América do Norte seis meses antes do lançamento carregando 25 minutos de imagens. O diretor comentou que a grande campanha de divulgação começou incomumente cedo, porém isso ocorreu pois o adiamento permitiu que ele mostrasse mais cenas completas do que seria o normal. Abrams sempre divulgou seus projetos sem muito alarde, porém concordou com o estúdio de que era necessário remover o "estigma de Star Trek".[139] Abrams frequentemente exagerou sua preferência por outras séries e franquias quando criança, com afirmações como por exemplo "Eu não sou um fã de Star Trek" ou "este filme não é necessariamente feito para fãs de Star Trek". Orci comparou essa abordagem com o episódio "A Matter of Honor" de The Next Generation, em que William Riker é transferido a bordo de uma nave klingon: "Naquela nave quando alguém responde para você, ou você enche a pessoa de porrada ou perde o respeito de sua tripulação, que é o protocolo, enquanto em uma nave da Federação isso seria um crime. Então nós precisamos dar a [Abrams] um pouco de liberdade, quando ele está viajando a 'galáxia' naquele lugar onde eles não conhecem Trek, dizer as coisas que precisam ser ditas a fim de trazer as pessoas para o nosso lado".[82]

Parceiros promocionais do filme incluíam a Nokia, Verizon Wireless, Kellogg's, Burger King e Intel Corporation, além de várias outras companhias especializadas em decoração, vestuário, joias, itens de presente e perfumes.[140][141] A Playmates Toys também lançou produtos relacionados ao filme a partir de março de 2009, consistindo em bonecos dos personagens em tamanhos diferentes, uma miniatura da Enterprise, réplicas de objetos de cena e conjuntos; havia também uma réplica da ponte de comando, porém era necessário comprar bonecos especiais com cadeiras e consoles a fim de complementar o cenário da ponte que só vinha com a cadeira do capitão, o chão, a tela visualizadora e o console principal.[142] A Master Replicas,[143] Mattel, Hasbro e Fundex Games também promoveram o filme através de jogos de cartas, jogos de tabuleiro, bonecos e outros tipos de brinquedos. Algumas dessas eram baseadas em filmes e séries anteriores de Star Trek em vez do filme novo.[141][144] A CBS também criou uma linha de produtos própria sobre a franquia chamada "Quogs", que incluíam camisetas, relógios, bonecos e outros itens contendo versões caricaturadas dos personagens.[145]

Além da romantização escrita por Alan Dean Foster,[133] a história do filme foi complementada por duas minisséries de quadrinhos publicadas pela IDW Publishing. A primeira se chamava Star Trek: Countdown e teve quatro edições escritas por Mike Johnson e Tim Jones, e ilustradas por David Messina. Os escritores trabalharam junto com Abrams, Orci e Kurtzman para garantir que a história fosse fiel ao filme.[146] Countdown se passa no universo original de Star Trek e mostra os eventos que levaram o Embaixador Spock a tentar salvar Romulus, contando ainda com participações dos personagens Jean-Luc Picard, Data e Geordi La Forge de The Next Generation.[147] O segundo quadrinho chamava-se Star Trek: Nero e foi produzido pela mesma equipe de Countdown com envolvimento de Orci e Kurtzman, também possuindo quatro edições e mostrando o que o vilão Nero fez durante os 25 anos que separaram seu ataque contra a Kelvin e o ataque contra Vulcano.[148] Uma adaptação em quadrinhos em seis partes do filme baseada no roteiro original foi lançada em 2010, possuindo a inclusão de cenas deletadas como o nascimento de Spock e o confronto de Kirk com seu padrasto.[147]

Home video[editar | editar código-fonte]

O filme foi lançado em DVD e Blu-ray em 4 de novembro de 2009 no Brasil,[149] 16 de novembro no Reino Unido[150] e em 17 de novembro na América do Norte.[151] A Paramount organizou uma festa no Observatório Griffith em Los Angeles para celebrar a estreia do home video, tendo a presença de vários membros do elenco.[152] O lançamento vendeu 5,7 milhões de cópias de DVD e 1,1 milhões de Blu-ray em sua primeira semana norte-americana, ficando na primeira posição dos mais vendidos.[153] Star Trek acabou sendo o sexto DVD mais vendido de 2009 nos Estados Unidos com pouco mais de seis milhões de unidades,[154] alcançando a primeira posição entre os Blu-rays com 2,6 milhões de cópias vendidas.[155] Em 2010 o filme vendeu 783 mil DVDs[156] e 560 mil Blu-rays.[157]

Star Trek foi lançado em três versões diferentes: DVD simples, DVD duplo e Blu-ray triplo; todas as versões continham áudio Dolby Surround 5.1, porém o DVD vinha com imagem em tela panorâmica enquanto o Blu-ray tinha resolução 1080p. Os conteúdos extras incluíam diversos documentários de bastidores, erros de gravação, cenas deletadas e uma faixa de comentários em áudio com Abrams, Burk, Lindelof, Orci e Kurtzman.[158] O filme foi relançado em Blu-ray no dia 9 de setembro de 2014 em uma edição especial chamada Star Trek: The Compendium junto com sua sequência Star Trek Into Darkness; esta versão vinha com os mesmos extras do lançamento original.[159] Um relançamento Blu-ray com resolução de ultra-alta definição e som Dolby Atmos ocorreu em 14 de junho de 2016.[160] Star Trek também foi relançado em 1 de novembro de 2016 em um pacote especial triplo junto com Into Darkness e sua segunda sequência Star Trek Beyond.[161]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

As exibições oficiais da Star Trek começaram nos Estados Unidos às 19h de 7 de maio de 2009,[162] arrecadando quatro milhões de dólares no primeiro dia. O filme estreou ganhando 79.204.300 de dólares na bilheteria norte-americana e 35,5 milhões em outros países ao final do primeiro fim de semana de exibição. Ele ultrapassou Star Trek: First Contact como a maior estreia de um filme da franquia na história, levando em conta tanto bilheterias não ajustadas e ajustadas pela inflação. Ele arrecadou 8,5 milhões de dólares apenas em salas IMAX, quebrando o recorde anterior de 6,3 milhões de The Dark Knight em sua abertura.[163] O filme tornou-se o longa da franquia Star Trek de maior bilheteria nos Estados Unidos e Canadá, superando The Voyage Home e The Motion Picture. Seus números apenas da primeira semana foram suficientes para superar os desempenhos individuais de The Final Frontier, The Undiscovered Country, Insurrection e Nemesis.[164] Star Trek encerrou sua exibição nos cinemas dos Estados Unidos em 1 de outubro, tendo arrecadado um total de 257.730.019 de dólares e ficando na sétima posição das maiores bilheterias norte-americanas de 2009. Internacionalmente o filme arrecadou 127.950.427, ficando com um total mundial de 385.680.446 de dólares.[1] A Paramount ficou satisfeita com o desempenho estrangeiro,[165] mesmo ele representando apenas 33,2% da arrecadação total do filme,[1] pois Star Trek historicamente nunca foi uma franquia de grandes ganhos fora dos Estados Unidos.[165]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Star Trek foi aclamado pela crítica especializada. O agregador de resenhas Rotten Tomatoes indica um índice de aprovação de 95% e uma nota média de 8,2/10 baseado em 333 críticas, com o consenso sendo: "Star Trek reacende a franquia clássica com ação, humor, uma história forte e visuais brilhantes, e irá agradar tanto trekkies tradicionais quanto novos fãs".[166] Já no Metacritic, que cria uma nota a partir de uma média aritmética ponderada, o filme tem uma aprovação de 82/100 baseada em 46 resenhas.[167]

A edição, cinematografia e efeitos especiais são uma obra prima, como era de se esperar – elogio extra vai para a mixagem de som espantosamente detalhada – porém assim são os mesmos aspectos de Wolverine, e aquele filme em comparação era um tédio sem alegria. O que eleva o filme de Abrams para o éter é o acerto de seu elenco e interpretação, desde a Uhura de Saldana, finalmente uma personagem importante depois de todos estes anos, para o leal e dispéptico McCoy de Urban, até o grandiosamente cômico Scotty de Simon Pegg, a reimaginação mais radical de um regular de Star Trek.

— Ty Burr, The Boston Globe[168]

Ty Burr do The Boston Globe deu a Star Trek uma nota perfeita de quatro estrelas, descrevendo-o como "ridiculamente satisfatório" e "a melhor prequela de todas". Ele elogiou o desenvolvimento dos personagens, acreditando que "emocionalmente, Star Trek acerta todos os seus alvos, funcionando como uma reunião familiar que se estende por décadas e meios de entretenimento, até mesmo borrando a divisão entre público e programa". Burr continuou: "Negociando com afeições da cultura popular mantidas por mais de quarenta anos, Star Trek faz o que o reinício de uma franquia raramente faz. Nos lembra o motivo de amarmos estes personagens para começar".[168] Owen Gleiberman da Entertainment Weekly deu ao filme uma nota "A–", comentando que Abrams "cria uma história de origem que evita qualquer indício das chatices das origens".[169] Opiniões similares foram expressadas por Peter Travers da Rolling Stone, que deu uma nota 3,5/4. Ele achou que as atuações foram o ponto alto do filme, afirmando que a performance de Pine era de qualidade de uma estrela de cinema. Da mesma forma, Travers disse que a interpretação de Quinto era "afiada" e "intuitiva", sentindo que o ator "deu alma ao filme".[170] Manohla Dargis do The New York Times escreveu que "Star Trek [...] não é apenas uma reimaginação agradável da série de ficção científica favorita do seu tio nerd. Também é um testamento do poder mitificante da televisão, como uma fonte de histórias fundamentais que contamos sobre nós mesmos, quem somos e de onde viemos".[171] Dana Stevens da Slate sentiu que o filme era "um presente para aqueles de nós que amávamos a série original, aquele corpo de trabalho inteligente, vacilante e idealista que foi ao ar para quase nenhum sucesso comercial entre 1966–69 e desde então tornou-se um arquétipo da ficção científica e objeto de adoração".[172] Tom Huddleston da Time Out de uma nota 4/5 e elogiou as qualidades estéticas de Star Trek, como o desenho da Enterprise, e elogiou as interpretações do elenco. Ele escreveu: "O elenco é igualmente forte: Quinto traz um charme irônico a um personagem de outra forma calculista, enquanto Pine empodera sua performance de uma maneira otimista, senão Shatneriana".[173]

A química entre Pine e Quinto também foi bem recebida. Gleiberman sentiu que os dois emularam a mesma conexão de Shatner e Nimoy enquanto o filme progredia.[169] Tim Robey do The Daily Telegraph teve uma percepção similar: "O filme mapeia a relação dos dois [...] de uma maneira agradavelmente oblíqua [...] É o principal evento, dramaticamente falando, mas sempre há algo mais enormemente urgente para comandar sua atenção, seja o pedido de socorro de Vulcano ou os contínuos alvoroços daqueles malditos romulanos".[174] Burr opinou que Abrams teve uma compreensão acertada da relação entre Kirk e Spock, afirmando que "Pine faz Kirk um ótimo menino imprudente, mas Quinto é algo especial – uma figura estranhamente calma, assustada por uma tristeza mais pesada que o original de Roddenberry. Os dois colocam o outro no chão e indicam todas as histórias por vir".[168] Similarmente, Peter Bradshaw do The Guardian expressou: "A história de Kirk e Spock é trazida de volta a vida excitantemente por uma nova geração: Chris Pine e Zachary Quinto, que entregam performances inspiradas, totalmente inconscientes e amáveis, com poder, paixão e um bom tempo cômico".[175]

Alguns críticos foram bem menos positivos sobre Star Trek. Keith Phipps da The A.V. Club deu ao filme uma nota "B+" e escreveu que ele era "uma reconsideração sobre o que constituiu Star Trek, uma que tira a enfase dos conceitos inebriantes e virtudes humanas claramente afirmadas em favor de ação de tirar o fôlego pontuada por estouros de emoções. Talvez nem seja imediatamente reconhecível para os fãs veteranos".[176] Da mesma forma, Roger Ebert do Chicago Sun-Times afirmou que "os anos de Gene Roddenberry, quando histórias talvez brincassem com questões sobre ciência, ideias e filosofia, foram substituídos por histórias reduzidas a ação barulhenta e colorida". Ebert acabou dando uma nota 2,5/4.[177] Marc Bain da Newsweek opinou que "A última versão de cinema de Star Trek [...] é mais músculo do que cérebro, e descarta na maior parte enigmas éticos complicados em favor de sequências de ação e efeitos visuais".[178] Juliet Lapidos da Slate comentou que o filme, com sua "cena de tortura Hollywood padrão", falhou em ficar a altura do padrão intelectual alcançado pelo episódio "Chain of Command, Part II" de The Next Generation, cujo tratamento fa questão ela achou mais sofisticado e pertinente para o debate sobre o uso de técnicas melhoradas de interrogatório por parte dos Estados Unidos.[179]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Star Trek foi indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Edição de Som para Alan Rankin e Mark Stoeckinger; Melhor Mixagem de Som para Anna Behlmer, Peter J. Devlin e Andy Nelson; e Melhores Efeitos Visuais para Burt Dalton, Russell Earl, Roger Guyett e Paul Kavanagh; vencendo o prêmio de Melhor Maquiagem para Barney Burman, Mindy Hall e Joel Harlow,[180] o primeiro filme da franquia a vencer um Oscar.[181] Ele teve três indicações aos Prêmios Empire, vencendo Melhor Ficção Científica/Fantasia.[182] Star Trek também venceu o Prêmio Hollywood de Melhor Filme,[183] ganhou seis Prêmios Scream,[184] dois Prêmios Saturnos[185] e o Prêmio do Sindicado dos Atores para Melhor Elenco de Dublês em um Filme.[186] Além disso, Star Trek foi nomeado um dos dez melhores filmes de 2009 pela National Board of Review.[187]

O filme também foi indicado a diversos outros prêmios. Michael Giacchino foi indicado ao Prêmio Grammy de Melhor Álbum de Trilha Sonora para um Filme, Televisão ou Outra Mídia Visual, categoria que ele acabou vencendo por seu trabalho em Up.[188] Star Trek foi indicado a três categorias Prêmios People's Choice,[189] e cinco nos Prêmios Teen Choice.[190] Abrams, Orci e Kurtzman também foram indicados ao Prêmio Hugo de Melhor Apresentação Dramática, Forma Longa.[191]

Referências

  1. a b c d «Star Trek (2009)». Box Office Mojo. Consultado em 21 de julho de 2016. 
  2. a b c d e f g Abrams, J. J.; Orci, Roberto; Kurtzman, Alex (2009). Star Trek (Filme). Estados Unidos: Paramount Pictures. 
  3. a b c d e f g h i j Jensen, Jeff (18 de outubro de 2008). «'Star Trek' movie: Inside scoop!». Entertainment Weekly. Consultado em 19 de setembro de 2016. 
  4. a b c d Jurgensen, John (2 de janeiro de 2009). «Boldly Revisiting Roles». The Wall Street Journal. Consultado em 19 de setembro de 2016. 
  5. a b c Pascale, Anthony (28 de fevereiro de 2009). «Wondercon 09: Star Trek Panel Detailed Report & Pictures». TrekMovie. Consultado em 19 de setembro de 2016. 
  6. Aftab, Kaleem (18 de março de 2008). «Exclusive: Trek Star Reveals Captain Kirk Inspiration». IGN. Consultado em 19 de setembro de 2016. 
  7. Feeney, Nolan (14 de julho de 2014). «Chris Pratt Was Turned Down for Roles in Star Trek and Avatar». Time. Consultado em 19 de setembro de 2016. 
  8. a b Pascale, Anthony (14 de abril de 2008). «Grand Slam XVI: Two Spocks Rock The House». TrekMovie. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  9. a b Pascale, Anthony (5 de maio de 2009). «EXCLUSIVE: Interview with Zachary Quinto». TrekMovie. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  10. Horowitz, Josh (26 de setembro de 2007). «Adrien Brody Confirms He Was Almost Mr. Spock». MTV. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  11. «Leonard Nimoy Talks Tees, Trek And More, Part 2». Star Trek. 10 de maio de 2012. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  12. a b Boucher, Geoff (29 de março de 2009). «'Star Trek' writing pair cling on to their partnership». Los Angeles Times. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  13. a b Holtreman, Vic (13 de abril de 2008). «Hungry For More Star Trek Details? Here You Go!». Screen Rant. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  14. Boucher, Geoff (11 de maio de 2009). «Leonard Nimoy: ‘Star Trek’ fans can be scary». Hero Complex. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  15. «Exclusive: A Conversation with Trek's Two Spocks». TV Guide. 15 de abril de 2008. Arquivado desde o original em 21 de outubro de 2008. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  16. «Abrams and Orci On Fan Reaction + Bob Meets Brannon». TrekMovie. 16 de janeiro de 2009. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  17. Goldman, Eric (9 de janeiro de 2008). «Karl Urban: From Comanche Moon to Star Trek». IGN. p. 2. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  18. Battersby, Shandelle (9 de abril de 2009). «Interview: Karl Urban on Star Trek and beyond». The New Zealand Herald. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  19. Pascale, Anthony (28 de setembro de 2007). «Karl Urban Up For ‘Star Trek’ Role (But Not Villain) + Casting & Plot Updates». TrekMovie. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  20. Morales, Wilson (29 de janeiro de 2009). «Zoe Saldana sheds a little light on playing 'Uhura'». BlackFilm.com. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  21. Carroll, Larry (22 de abril de 2009). «New 'Star Trek' Cast Took Cues From The Classic Series». MTV. Arquivado desde o original em 22 de abril de 2009. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  22. «Star Trek Author Vonda McIntyre Reveals How Sulu Got His First Name». TrekMovie. 2 de julho de 2010. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  23. Yamato, Jen (1 de agosto de 2007). «Exclusive: Sydney Tamiia Poitier on Critics, Grindhouse, and the Final Frontier». Rotten Tomatoes. Arquivado desde o original em 12 de outubro de 2008. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  24. Synnot, Siobhan (25 de abril de 2009). «Simon Pegg interview». Scotland on Sunday. Consultado em 21 de setembro de 2016. 
  25. McLean, Craig. (26 de abril de 2009). "Simon Pegg can still boldly go ... to East Kilbride". The Sunday Times.
  26. Biba, Erin (21 de julho de 2007). «Simon Pegg's Geek Roots Show in Spaced». Wired. Consultado em 21 de setembro de 2016. 
  27. Fritz, Steve (21 de janeiro de 2009). «From 'Trek' to 'Wars', Part 2: George Takei on Star Trek». Newsarama. Consultado em 21 de setembro de 2016. 
  28. Tenuto, John (16 de dezembro de 2007). «John Cho: Sulu Is A Badass». TrekMovie. Consultado em 21 de setembro de 2016. 
  29. Pascale, Anthony (17 de março de 2008). «Cho Injured On Trek Set [UPDATED w/ Pics]». TrekMovie. Consultado em 21 de setembro de 2016. 
  30. Rudolph, Ileane (29 de outubro de 2007). «Heroes Preview: Ando's Secret Superpower Desire». TV Guide. Consultado em 21 de setembro de 2016. 
  31. a b «JJ Abrams On The New Star Trek Trailer». Empire. 21 de novembro de 2008. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  32. White, Cindy (28 de janeiro de 2008). «Young Chekov Talks Trek». IGN. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  33. Alder, Shawn (11 de fevereiro de 2008). «Eric Bana Boldly Goes on About New 'Star Trek'». MTV. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  34. «Eric Bana Has Never Seen a Star Trek Movie». MTV. Jacks, Brian. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  35. «Bana calls 'Star Trek' role irresistible». UPI. 29 de fevereiro de 2008. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  36. Pascale, Anthony (6 de fevereiro de 2008). «Bana Spoofs Star Trek Plot Details». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  37. Mitchell, Peter (10 de março de 2009). «Bana dons face tattoos for new role». Ninemsn. Arquivado desde o original em 10 de março de 2009. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  38. Pascale, Anthony (6 de maio de 2009). «EXCLUSIVE: Interview with Bruce Greenwood». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  39. «Bruce Greenwood Contrasts His Pike With Original». TrekMovie. 28 de abril de 2010. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  40. Pascale, Anthony (18 de novembro de 2007). «Ben Cross Is Sarek». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  41. Pascale, Anthony (8 de novembro de 2007). «Winona Ryder is Amanda Grayson». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  42. a b Pascale, Anthony (17 de dezembro de 2007). «Nichols Is An Orion + Morrison Is Kirk’s Mom». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  43. Pascale, Anthony (9 de dezembro de 2008). «Exclusive Interview: Roberto Orci On All The Latest With Star Trek (and more)». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  44. Pascale, Anthony (19 de fevereiro de 2008). «Greg Ellis Joins Star Trek Cast». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  45. Pascale, Anthony (14 de agosto de 2008). «Collins Confirms Star Trek Villain Details». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  46. Pascale, Anthony (31 de dezembro de 2007). «Tyler Perry To Appear In Star Trek + Plot Spoilers [UPDATED w/ more from AICN & UGO]». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  47. Pascale, Anthony (7 de junho de 2010). «Deep Roy Hopes Keenser Will Return For Star Trek Sequel». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  48. a b c Lee, Patrick (29 de abril de 2009). «Don't blink! We unearth a few Star Trek easter eggs». Sci Fi Wire. Arquivado desde o original em 7 de dezembro de 2009. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  49. «How J.J. Abrams snuck Wesley Crusher into Star Trek!». Sci Fi Wire. 4 de novembro de 2009. Arquivado desde o original em 9 de novembro de 2009. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  50. Pascale, Anthony (18 de dezembro de 2008). «Majel Barrett-Roddenberry Passes Away». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  51. Weintraub, Steve (13 de setembro de 2008). «Brad William Henke talks about his role in STAR TREK». Collider. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  52. Trotter, Charles (29 de janeiro de 2008). «The Young Kirks: Actors Cast To Play Young Jim and George Kirk». TrekMovie. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  53. «Star Trek Movie Deleted Klingon Scene Available Online + DVD/Blu-ray Debuts In Some Countries». TrekMovie. 27 de outubro de 2009. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  54. a b Woerner, Meredith (11 de maio de 2009). «The Shatner Scene You Never Saw In Abrams' Star Trek». io9. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  55. Neuman, Clayton (8 de setembro de 2008). «Masters of SciFi – J.J. Abrams on Reviving Frankenstein in Fringe and Adhering to Canon With Star Trek». AMC. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  56. Keck, Will (21 de janeiro de 2008). «Celeb Watch: Shatner's gone there before, but new 'Trek' isn't on frontier». USA Today. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  57. Fernandez, Jay A. (19 de fevereiro de 2009). «'Star Trek': Enterprise marketing». The Hollywood Reporter. p. 2. Arquivado desde o original em 23 de fevereiro de 2009. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  58. Reeves-Stevens, Judith & Garfield (1995). The Art of Star Trek Pocket Books [S.l.] p. 155. ISBN 0-671-89804-3. 
  59. Shatner, William; Kreski, Chris (1995). Star Trek Movie Memories (Nova Iorque: HarperTorch). p. 276. ISBN 0-06-109329-7. 
  60. Hughes, David (2008). The Greatest Sci-Fi Movies Never Made Titan Books [S.l.] pp. 35, 37, 44–46. ISBN 978-1-84576-755-6. 
  61. a b Itzkoff, Dave (23 de abril de 2009). «New Team Retrofits the Old Starship». The New York Times. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  62. a b c d Pascale, Anthony (25 de janeiro de 2008). «Star Trek Cast & Crew Fan Chat Transcript + Pictures From The Set [UPDATED]». TrekMovie. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  63. a b c d e Pascale, Anthony (4 de outubro de 2007). «Interview – Roberto Orci On Why He Is A Trekkie & Making Trek Big Again». TrekMovie. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  64. Krutzler, Steve (7 de junho de 2006). «Abrams Cohorts Emphasize Respect for Mythology in Trek XI, Say Script Will Contain Old and New». TrekWeb. Arquivado desde o original em 9 de julho de 2006. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  65. Pascale, Anthony (5 de dezembro de 2007). «Paramount Updates Star Trek Credits & Official Synopsis + Adds Production Partner». TrekMovie. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  66. Pascale, Anthony (30 de dezembro de 2008). «Super High Resolution Images For ‘Star Trek’ 2009». TrekMovie. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  67. (julho de 2006) "Can J.J. Abrams save Star Trek?". Empire p. 56.
  68. Leyland, Matthew. (abril de 2009). "Bold New Enterprise". Total Film p. 72.
  69. a b Boucher, Geoff (29 de janeiro de 2009). «‘Star Trek’ director J.J. Abrams on tribbles and the ‘Galaxy Quest’ problem». Hero Complex. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  70. a b Dyer, James. (maio de 2009). "The Prime Director". Empire: 76–79.
  71. Siegel, Tatiana (24 de fevereiro de 2007). «Abrams takes helm of 'Star Trek'». The Hollywood Reporter. Arquivado desde o original em 8 de maio de 2008. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  72. Goldman, Eric (16 de maio de 2008). «Abrams Talks Trek, Cloverfield 2». IGN. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  73. a b Hart, Hugh (2 de outubro de 2008). «Star Trek Writers Brace for Impact». Wired. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  74. a b c Pascale, Anthony (11 de dezembro de 2008). «EXCLUSIVE: Bob Orci Explains How The New Star Trek Movie Fits With Trek Canon (and Real Science)». TrekMovie. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  75. a b c Lee, Patrick (26 de março de 2009). «Orci & Kurtzman: Why they don't call Star Trek a reboot». Sci Fi Wire. Arquivado desde o original em 27 de março de 2009. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  76. a b c Pascale, Anthony (30 de abril de 2009). «INTERVIEW: Star Trek Writers Alex Kurtzman & Roberto Orci». TrekMovie. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  77. O'Hara, Helen (14 de novembro de 2008). «Klingon Subplot Revealed». Empire. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  78. «Star Trek: Behind the Scenes». The Hollywood Reporter. 2009. Consultado em 23 de setembro de 2016. 
  79. Lee, Patrick (24 de março de 2009). «Orci & Kurtzman: What familiar Star Trek bits will you see in the new movie?». Sci Fi Wire. Arquivado desde o original em 27 de março de 2009. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  80. a b c Goldsmith, Jeff. (16 de maio de 2009). "Star Trek Q&A". Creative Screenwriting.
  81. Jensen, Jeff (17 de outubro de 2008). «Inspirations for a whole new Enterprise». Entertainment Weekly. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  82. a b c d Pascale, Anthony (9 de dezembro de 2008). «Exclusive Interview: Roberto Orci On All The Latest With Star Trek (and more)». TrekMovie. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  83. a b Pascale, Anthony (19 de janeiro de 2008). «Interview – Orci Answers Questions About New Star Trek Trailer». TrekMovie. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  84. Horowitz, Josh (8 de março de 2007). «'Star Trek' Writers Talk Direction, Technobabble – But Not Matt Damon». MTV. Arquivado desde o original em 10 de março de 2007. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  85. a b Pascale, Anthony (8 de outubro de 2007). «Interview – Orci Talks Casting, Characters, Canon…and Kirks». TrekMovie. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  86. a b Pascale, Anthony (13 de abril de 2008). «Grand Slam XVI: Highlights From Orci Q&A». TrekMovie. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  87. Cairns, Bryan (23 de março de 2009). «To Boldy Go ... 'Star Trek' Executive Producer Bryan Burk». Newsarama. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  88. «Star Trek Magazine #17 Preview + Scott Chambliss Interview Extract». TrekMovie. 20 de março de 2009. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  89. Cotta Vaz, Mark (2009). Star Trek: The Art of the Film Titan Books [S.l.] 
  90. Topel, Fred (5 de setembro de 2008). «J.J. Abrams on TV's Fringe». SuicideGirls. Arquivado desde o original em 9 de abril de 2009. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  91. Holtreman, Vic (24 de março de 2009). «Exclusive Interview With The Man Behind Star Trek’s Props». Screen Rant. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  92. Vespe, Eric (18 de março de 2008). «Why do these shots from the filming of "Corporate Headquarters" look suspiciously like the Starfleet Academy?». Ain't It Cool News. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  93. a b c d e f g "Notas da produção". StarTrekMovie.com. Paramount Pictures, 2009.
  94. Pascale, Anthony (3 de maio de 2009). «TrekMovie Hollywood Premiere Video Interviews w/ Trek Celebs (Past & Present)». TrekMovie. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  95. O'Hara, Helen (28 de outubro de 2008). «Empire Star Trek Cover». Empire. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  96. Sampson, Mike (15 de outubro de 2008). «EXCL: STAR TREK PIC!». JoBlo. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  97. a b Nazzaro, Joe (6 de abril de 2009). «FX artists create new aesthetic for ‘Star Trek’ franchise». Makeup Mag. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  98. Desowitz, Bill (15 de maio de 2009). «Creature Designer Neville Page Talks 'Star Trek'». Animation World Network. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  99. Lee, Patrick (20 de março de 2009). «Star Trek “doctor” reveals details of Kirk's birth in Abrams' film». Sci Fi Wire. Arquivado desde o original em 23 de março de 2009. Consultado em 25 de setembro de 2016. 
  100. Pascale, Anthony (7 de novembro de 2007). «‘Star Trek’ Begins Shooting Today». TrekMovie. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  101. Pascale, Anthony (27 de março de 2008). «Star Trek Wraps». TrekMovie. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  102. Pascale, Anthony (9 de abril de 2008). «Producer Talks ‘Iowa’ Shoot + VIDEO Of Scene Being Shot». TrekMovie. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  103. Eakins, Paul. (19 de dezembro de 2007). "Council Returns after 'Trek'". Long Beach Press-Telegram.
  104. «Motion Picture Incentive Fund». EdcUtah Economic Review. 13 de janeiro de 2009. Arquivado desde o original em 19 de janeiro de 2009. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  105. Pascale, Anthony (18 de março de 2008). «CSUN Transformed Into Academy? [UPDATED]». TrekMovie. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  106. Littleton, Cynthia; Schneider, Michael (5 de novembro de 2007). «WGA strike hits the streets». Variety. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  107. Svetkey, Benjamin (8 de novembro de 2011). «Writers' strike: Imagining the worst-case scenario». Entertainment Weekly. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  108. a b Pascale, Anthony (1 de março de 2008). «Exclusive Interview: Damon Lindelof On New Release Date and Trek Appealing To Wider Audience». TrekMovie. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  109. Billington, Alex (14 de janeiro de 2009). «Kicking Off 2009 with Writers Alex Kurtzman and Roberto Orci - Part Two: Transformers 2». FirstShowing.net. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  110. Goldman, Michael (20 de abril de 2009). «Back on Trek: How J.J. Abrams led the Star Trek revival». Millimetre. Arquivado desde o original em 2 de maio de 2009. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  111. Tapley, Christopher (18 de fevereiro de 2010). «The crafts of ‘Star Trek’». In Contention. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  112. Rogers, Troy. (20 de dezembro de 2007). "Karl Urban Talks Comanche Moon Mini-series and Star Trek". The Dead Bolt.
  113. «Morrison and Nichols Talk a little Trek». TrekMovie. 23 de abril de 2008. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  114. «Simon Spills On Star Trek». Sky Living. 6 de dezembro de 2007. Arquivado desde o original em 13 de maio de 2012. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  115. Trotter, Charles (6 de novembro de 2007). «‘Star Trek’ Extras Open Casting Call – Looking For ‘Unique Faces’». TrekMovie. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  116. Madsen, Dan (24 de março de 2009). «Mania Exclusive Interview: Eugene Roddenberry, Jr.». Mania. Arquivado desde o original em 25 de março de 2009. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  117. Pascale, Anthony (24 de junho de 2008). «Exclusive Interview: Ron Moore Talks Movies (Past and Future)». TrekMovie. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  118. a b c Desowitz, Bill (12 de maio de 2009). «Where No 'Star Trek' Has Gone Before». Animation World Network. Consultado em 27 de setembro de 2016. 
  119. a b c d McGorry, Ken (1 de maio de 2009). «'Star Trek' Returns». Post Magazine. Consultado em 27 de setembro de 2016. 
  120. Jensen, Jeff (11 de novembro de 2008). «'Star Trek': An exclusive first look at the Enterprise». Entertainment Weekly. Consultado em 27 de setembro de 2016. 
  121. «How ILM came up with the new Enterprise for J.J. Abrams' Trek». Sci Fi Wire. 17 de abril de 2009. Arquivado desde o original em 18 de abril de 2009. Consultado em 27 de setembro de 2016. 
  122. Jaeger, Alex. (1 de julho de 2009). "Star Trek". Cinefax (118).
  123. Pascale, Anthony (11 de fevereiro de 2008). «Exclusive Interview With Carolyn Porco – Star Trek’s New Science Advisor». TrekMovie. Consultado em 27 de setembro de 2016. 
  124. White, Cindy (1 de novembro de 2007). «Trek Score Will Keep Theme». Sci Fire Wire. Arquivado desde o original em 2 de fevereiro de 2008. Consultado em 27 de setembro de 2016. 
  125. a b c Pascale, Anthony (8 de setembro de 2010). «VIDEO & Highlights: Michael Giacchino On Star Trek Music, Sequel, & more». TrekMovie. Consultado em 27 de setembro de 2016. 
  126. «Deluxe Soundtrack For Star Trek Into Darkness Released + Giacchino Contrasts ST09 & STID Scores». TrekMovie. 28 de julho de 2014. Consultado em 27 de setembro de 2016. 
  127. «Michael Giacchino boldly goes his own way for ‘Star Trek’ score». CSO Sounds & Stories. 7 de agosto de 2015. Consultado em 27 de setembro de 2016. 
  128. a b Clemmensen, Christian (18 de junho de 2010). «Star Trek (Michael Giacchino)». Filmtracks. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  129. a b Goldwasser, Dan (21 de abril de 2009). «Michael Giacchino hits warp speed with his score to Star Trek». ScoringSessions.com. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  130. a b c Kunkes, Michael (maio-junho de 2009). «The Audio Explorations of Ben Burtt». Editors Guild Magazine. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  131. Kunkes, Michael (13 de maio de 2009). «More Sound Trekking with Ben Burtt». Editors Guild Magazine. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  132. Germain, David (15 de janeiro de 2008). «'Star Trek' Boldly Goes To Summer 2009 In Schedule Shift». StarPulse.com. Arquivado desde o original em 18 de fevereiro de 2008. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  133. a b Pascale, Anthony (12 de fevereiro de 2009). «Alan Dean Foster Writing Star Trek Movie Adaptation». TrekMovie. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  134. Pascale, Anthony (19 de março de 2009). «ST09 Tidbits (Spocks Edition): Nimoy Supports Vulcans [UPDATED] + Quinto Reads Audiobook & Appears in GQ». TrekMovie. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  135. Pascale, Anthony (6 de abril de 2009). «Austin, TX Fans Get Surprise Showing of Star Trek Movie [UPDATE 2: First Reviews In]». TrekMovie. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  136. «Star Trek to get Sydney premiere». BBC News. 20 de março de 2009. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  137. Pascale, Anthony (20 de março de 2009). «ST09 Tidbits (T-48 days): Vulcan Gets A ‘Yes’ + New Esurance Contest + New Kellogg’s Promos + more». TrekMovie. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  138. Trotter, Charles (21 de janeiro de 2008). «Trek Welder Talks Teaser Shoot». TrekMovie. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  139. Fernandez, Jay A.; Kit, Borys (21 de fevereiro de 2008). «"Star Trek" promo blasting off six months early». Reuters. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  140. Stanley, T. L. (16 de abril de 2009). «Paramount forges 'Star Trek' tie-ins». The Hollywood Reporter. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  141. a b Pascale, Anthony (28 de janeiro de 2009). «CBS Announces New Star Trek Licenses – Including Monopoly, Uno, Apparel, Fragrances + more [UPDATED]». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  142. Tenuto, John (23 de janeiro de 2009). «Exclusive Details On Playmates Full Line Of Star Trek Movie Toys + Hi Res Images». TrekMovie. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  143. Tenuto, John (26 de janeiro de 2008). «Corgi Announces Star Trek Movie License». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  144. Tenuto, John (19 de janeiro de 2009). «Star Trek Hot Wheels Coming In May». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  145. Tenuto, John (12 de fevereiro de 2009). «CBS Introduces Star Trek QUOGS – New Cartoon-style TOS Character Designs For Multiple Products». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  146. Pascale, Anthony (17 de outubro de 2008). «Exclusive Details On Star Trek Movie Prequel Comic Book Series». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  147. a b Scheips, Rich (24 de agosto de 2016). «TrekMovie Presents: A Look At The Kelvin Timeline In Comics, Part One». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  148. Pascale, Anthony (17 de junho de 2009). «Star Trek Nero Comic To Cover Nero’s Lost Years – Exclusive Preview». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  149. «Detalhes do Blu-ray duplo de Star Trek no Brasil!». Blog do Jotacê. 4 de novembro de 2009. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  150. «Star Trek XI (2-Disc Edition) - with Free Comic Book (Exclusive to Amazon.co.uk) [DVD]». Amazon.com. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  151. Kleinschrodt, Michael (19 de julho de 2009). «'Star Trek' DVDs will beam up on Nov. 17». NOLA.com. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  152. Pascale, Anthony (17 de novembro de 2009). «Photos From Paramount Star Trek Blu-ray/DVD Release Party». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  153. Arnold, Thomas K. (25 de novembro de 2011). «'Star Trek' tops video charts». The Hollywood Reporter. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  154. «Top-Selling DVDs in the United States 2009». The Numbers. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  155. «Top-Selling Blu-rays in the United States 2009». The Numbers. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  156. «Top-Selling DVDs in the United States 2010». The Numbers. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  157. «Top-Selling Blu-rays in the United States 2010». The Numbers. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  158. Pascale, Anthony (17 de julho de 2009). «Complete Details On Star Trek Movie Blu-Ray and DVD Sets». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  159. Pascale, Anthony (23 de junho de 2014). «New ‘Compendium’ Blu-ray Set Compiles Star Trek 2009 + Into Darkness IMAX + New Bonus Features [UPDATE: Available For Pre-order]». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  160. Wright, Matt (12 de abril de 2016). «STAR TREK and STAR TREK INTO DARKNESS on 4K Ultra HD Blu-ray in June». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  161. Wright, Matt (20 de setembro de 2016). «Star Trek Beyond comes to home video November 1». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  162. Sciretta, Peter (13 de abril de 2009). «Star Trek on May 7th». /Film. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  163. Calabria, Rosario T. (11 de maio de 2009). «Final Numbers In – Star Trek Breaks Franchise & IMAX Records + Outperforming Batman Begins». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  164. «Star Trek Movies». Box Office Mojo. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  165. a b Pascale, Anthony (1 de julho de 2009). «ST09 Tidbits: Last Day in Top 10? + More Khan Debate + More Trek/Wars + more». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  166. «Star Ttrek (2009)». Rotten Tomatoes. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  167. «Star Trek». Metacritic. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  168. a b c Burr, Ty (5 de maio de 2009). «Movie Review: Star Trek». The Boston Globe. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  169. a b Gleiberman, Owen (8 de maio de 2009). «Star Trek». Entertainment Weekly. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  170. Travers, Peter (6 de maio de 2009). «Star Trek». Rolling Stone. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  171. Dargis, Manohla (7 de maio de 2009). «A Franchise Goes Boldly Backward». The New York Times. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  172. Stevens, Dana (5 de maio de 2009). «Go See Star Trek». Slate. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  173. Huddleston, Tom (5 de maio de 2009). «Star Trek». Time Out. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  174. Robey, Tim (7 de maio de 2009). «Star Trek review». The Daily Telegraph. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  175. Bradshaw, Peter (8 de maio de 2009). «Star Trek». The Guardian. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  176. Phipps, Keith (7 de maio de 2009). «Star Trek». The A.V. Club. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  177. Ebert, Roger (6 de maio de 2009). «Star Trek». Chicago Sun-Times. RogerEbert.com. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  178. Bain, Marc (5 de maio de 2009). «Has Star Trek Lost Its Moral Relevance?». Newsweek. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  179. Lapidos, Juliet (7 de maio de 2009). «There Are Four Lights!». Slate. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  180. «The 82nd Academy Awards / 2010». Oscars. Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  181. Pascale, Anthony (7 de março de 2010). «Star Trek Wins Oscar For Makeup + Pine & Saldana Present – Report + Photos & Video». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  182. «Best Sci-Fi/Fantasy». Empire. 2010. Arquivado desde o original em 21 de outubro de 2010. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  183. Pascale, Anthony (27 de outubro de 2009). «Star Trek Wins Hollywood Movie Award». TrekMovie. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  184. «Scream Awards 2009 Winners». Spike. 1 de setembro de 2011. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  185. Reynolds, Simon (25 de junho de 2010). «In Full: Saturn Awards 2010 - Movie Winners». Digital Spy. Consultado em 29 de setembro de 2016. 
  186. «The 16th Annual Screen Actors Guild Awards». Screen Actors Guild. Consultado em 30 de setembro de 2016. 
  187. «Up In the Air named 2009's Best Film by the National Board Review». National Board of Review. 3 de dezembro de 2009. Arquivado desde o original em 13 de agosto de 2010. Consultado em 30 de setembro de 2016. 
  188. «Best Score Soundtrack Album For Motion Picture, Television Or Other Visual Media». Prêmio Grammy. Academia Nacional de Artes e Ciências de Gravação. Consultado em 30 de setembro de 2016. 
  189. «2010: Winners & Nominees». People's Choice Awards. Consultado em 30 de setembro de 2016. 
  190. West, Kelly. «Nominations Posted For 2009 Teen Choice Awards». Cinema Blend. Consultado em 30 de setembro de 2016. 
  191. «2010 Hugo Award Nominees – Details». Prêmios Hugo. 4 de abril de 2010. Consultado em 30 de setembro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]