Statu quo (Terra Santa)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Artigo 62 do Tratado de Berlim (1878):
"Os direitos concedidos à França são expressamente reservados, sendo bem entendido que o status quo com relação aos Lugares Sagrados não será seriamente afetado de forma alguma."
A Escada imóvel. Detalhe da fotografia da fachada da porta principal da Igreja do Santo Sepulcro, Jerusalém, 2011

O Statu quo, ou Status quo de sítios da Terra Santa, é um entendimento entre as comunidades religiosas a respeito de nove locais religiosos compartilhados em Jerusalém e Belém.[1] Outros Lugares Sagrados em Israel e Palestina não foram considerados sujeitos ao Status Quo porque as autoridades de uma religião ou de uma comunidade dentro de uma religião estão em posse reconhecida ou efetiva.[2]

Foi resultado de um decreto do sultão otomano Osmã III em 1757,[3] que preservou a divisão de propriedade e responsabilidades de vários locais importantes para cristãos, muçulmanos e judeus para seus atuais donos ou proprietários e representou acordos entre as várias religiões para que nada pudesse ser mudado do jeito que estava sem perturbar o equilíbrio da ordem em manter os locais religiosos para visitas de peregrinos. Um outro firmão emitido em 1852 e outro de 1853 reafirmou as provisões do decreto de 1757.[4] As disposições reais do status quo nunca foram formalmente estabelecidas em um único documento, mas o resumo de 1929 preparado por L. G. A. Cust, funcionário público do Mandato Britânico, O Status quo nos Lugares Sagrados, tornou-se o texto padrão sobre o assunto.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Quando os gregos iniciaram uma tomada do Domingo de Ramos em vários locais da Terra Santa em 1757,[6] os otomanos sustentaram subsequentemente seu status quo.[7]

Este status quo para Jerusalém significava que certos status para os Locais Sagrados seriam mantidos e seriam reconhecidos como permanentes ou pelo menos como as coisas deveriam ser. A cidade foi dividida em quatro quadras. O Monte do Templo tornou-se um lugar sagrado dos muçulmanos, e a Igreja do Santo Sepulcro, bem como vários outros locais cristãos, foram reconhecidos como pertencentes ao mundo cristão. Apesar das discussões sobre quem controlaria quais aspectos desses locais, o status quo permaneceu praticamente intacto desde o século XVIII até o presente. Embora as alegações de que esse status quo estava sendo violado levaram aos tumultos na Palestina de 1929, ele não foi alterado, e os bairros e áreas permanecem mais ou menos na mesma medida em que estiveram dentro dos muros de Suleiman.

Um outro decreto de 1853,[8] na esteira dos eventos que levaram à Guerra da Crimeia, solidificou a divisão territorial existente entre as comunidades e estabeleceu um status quo para os arranjos "permanecerem para sempre", causou diferenças de opinião sobre a manutenção e até mesmo pequenas mudanças,[9] incluindo desacordo sobre a remoção de uma escada exterior sob uma das janelas; esta escada permaneceu na mesma posição desde então.

Impacto[editar | editar código-fonte]

Comissão de Conciliação das Nações Unidas para o papel do trabalho palestino nos Lugares Santos

Sob o status quo, nenhuma parte do que é designado como território comum pode ser reorganizada sem o consentimento de todas as comunidades. Isso muitas vezes leva à negligência de reparos muito necessários quando as comunidades não conseguem chegar a um acordo entre si sobre a forma final de um projeto. Tal desacordo atrasou a renovação da maioria dos locais de peregrinação, e também onde qualquer mudança na estrutura pode resultar em uma mudança no status quo, desagradável para uma ou mais das comunidades.

Sítios[editar | editar código-fonte]

O status quo se aplica a nove locais em Jerusalém e Belém:[1]

Contestado entre denominações cristãs[editar | editar código-fonte]

  1. Igreja do Santo Sepulcro e suas dependências, Jerusalém
    1. Deir es-Sultan, no topo da Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém
  2. Sepulcro de Maria, Jerusalém
  3. Basílica da Natividade, Belém
  4. Capela da Gruta do Leite, Belém (não existem registros)[10]
  5. Capela do Campo do Pastor, Belém (não existem registros)[10]

Contestado entre denominações cristãs e islâmicas[editar | editar código-fonte]

  1. Capela da Ascensão, Jerusalém

Contestado entre denominações judaicas e cristãs[editar | editar código-fonte]

  1. Muro das Lamentações, Jerusalém
  2. Tumba de Raquel, Belém

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]