Suécia na primeira metade do séc. XIX

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A primeira metade do séc. XIX na Suécia foi marcada na vida política interna pelo fim do regime absolutista e a sua substituição por uma monarquia constitucional, onde o poder ficava dividido entre o rei, o governo e o parlamento.[1][2]
Igualmente marcante na vida política externa, foi a perca da Finlândia para a Rússia em 1809. Quase em jeito de compensação, o Reino Unido e a Rússia permitiram então à Suécia anexar a Noruega em 1814, cedida à força pelo Reino da Dinamarca e Noruega. Foi assim formada uma união pessoal dos dois países - os Reinos Unidos da Suécia e Noruega, ou mais simplesmente a União Suécia-Noruega (Svensk-norska unionen).

Com a elevação do marechal francês Jean-Baptiste Bernadotte a novo rei da Suécia, adotando nome de Carlos XIV João (Karl XIV Johan), uma nova dinastia entrou em cena: a Casa de Bernadotte, no trono do país até aos nossos dias.[3]
Este período da história da Suécia acabou na altura em que o velho parlamento das classes sociais (fyrståndsriksdagen) foi abolido, e deu lugar ao parlamento de duas câmaras (tvåkammarriksdagen) em 1866.[4]

Monarcas da Suécia: 1800-1866[editar | editar código-fonte]

Cronologia[editar | editar código-fonte]

A Suécia perde a Finlândia e ganha a Noruega.
O rei Gustavo IV Adolfo num desenho de Albert Edelfelt
O rei Carlos XIV João (Karl XIV Johan; nascido como Jean-Baptiste Bernadotte)
  • 1818 - O marechal francês Jean-Baptiste Bernadotte é coroado rei da Suécia com o nome de Carlos XIV João (Karl XIV Johan), iniciando a Casa de Bernadotte, no trono da Suécia até aos nossos dias.[9]
  • 1827 - A Terceira Reforma Agrária (laga skifte) entrou em vigor, concentrando as parcelas agrícolas de um proprietário num só terreno. Como consequência, aumentou a produção de cereais, ao mesmo tempo que os camponeses suecos aumentaram a sua procura de bens de consumo. A população do país aumentou quase um milhão de habitantes.[2]
  • 1866 - O Parlamento das Classes Sociais (fyrståndsriksdagen) - Nobreza, Clero, Burguesia e Camponeses - é subststituído pelo Parlamento de Duas Câmaras (tvåkammarriksdagen) - Primeira Câmara e Segunda Câmara.[10][11]

Referências

  1. Dick Harrison. «Statskuppen 1809» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 29 de abril de 2015 
  2. a b Larsson, Lars-Ove (1993). «1800-talet». Vem är vem i svensk historia. Från år 1000 till 1900 (em sueco). Estocolmo: Prisma. p. 142-144. 208 páginas. ISBN 91-518-3427-8 
  3. Sten Skansjö. «Jean Baptiste Bernadotte» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 29 de abril de 2015 
  4. Anders Sannerstedt e Nils Andrén. «Riksdagen» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 29 de abril de 2015 
  5. «Finska kriget» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 7 de julho de 2014 
  6. «Statskuppen 1809» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 7 de julho de 2014 
  7. «Statskuppen 1809» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 7 de julho de 2014 
  8. «Svensk–norska unionen» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 7 de julho de 2014 
  9. «Karl XIV Johan» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 7 de julho de 2014 
  10. «Ståndsriksdag» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 7 de julho de 2014 
  11. «Riksdagen» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 7 de julho de 2014 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Era Gustaviana
Suécia na primeira metade do séc. XIX
1809 - 1866
Sucedido por
Modernização da Suécia