Submarino Nautilus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde setembro de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada no artigo «Nautilus (1800 submarine)» na Wikipédia em inglês e também na página de discussão. (setembro de 2017)
Nautilus
Réplica do Nautilus em tamanho natural. Museu naval Cité de la Mer, França.
Carreira  França
Fabricante Designado por Robert Fulton
Batimento de quilha Estaleiro Perrier em Rouen
Características gerais
Comprimento 6,48 m (21,3 ft)
Boca 1,93 m (6,33 ft)
Propulsão Força humana por via de manivela ou vela quando emergido

Nautilus - foi o submarino projetado por Robert Fulton.

Designado entre 1793 e 1797[1]:36, durante a Primeira República Francesa pelo inventor estadunidense Robert Fulton, com 6,50m de comprimento, estrutura de ferro coberta com placas de cobre e leme para controle vertical, ele permitia que quatro passageiros ficassem submersos até 6 horas, apresentava ainda torre de observação e propulsores operados manualmente.

Financiado por Napoleão, o inventor contudo, não agradou. Mesmo depois de afundar uma escuna de quatro mastros, os franceses cortaram seu patrocínio em 1804.

No ano seguinte Fulton tentou vender o Nautilus aos britânicos, ao afundar o veleiro de 3 toneladas. Os ingleses não se impressionaram. O motivo da recusas era a incapacidade do submarino acompanhar a velocidade das esquadras navais, perdendo seu diferencial estratégico.

Sua criação, o Submarino Nautilus, foi o primeiro a oferecer a possibilidade de afundar navios inimigos através do disparo de bólidos explosivos recheados de pólvora.

Em 1800, adicionou uma nova palavra ao dicionário naval: torpedo.

Nautilus

Segunda embarcação planejada[editar | editar código-fonte]

Sabendo que a França não demonstrava grande interesse, os britânicos decidiram ter controle sobre aquele perigoso equipamento pagando à Fulton £800 para ir à Inglaterra (seu destino original antes de ir para a França) e desenvolver um segundo Nautilus para eles. A vitoria de Trafalgar tornou seu trabalho menos perigoso, e ele foi ignorado até que partiu, com frustração, para América em outubro de 1806. Ele deixou os seus papéis de submarinos com o cônsul estadunidense em Londres. Ele nunca perguntou por eles, nunca se referiu ao trabalho do Nautilus, e os artigos ficaram inéditos até 1920.[1]:43-49

Corte seccionado do design do submarino de 1806.

Aqueles papéis mostravam que o seu Nautilus britânico foi planejado com um comprimento de 11 metros (36,1 pés), boca de 3 metros (9,84 pés) com tripulação para 6 homens e autonomia de 20 dias no mar. A superfície superior foi provida com 30 compartimentos de "carcaça". O casco era uma imitação de uma Chalupa com um mastro convencional e velas para quando não estava submergido. Sua hélice de duas pás permaneceu movida por manivela à força humana, dobrado para fora da água quando na superfície para reduzir o arrasto. Quando submergido o ar era transportado para o seu interior através de dois canos de ventilação simplificados, e a iluminação vinha da torre de comando. Contudo, nada disto foi construído.[1]:49-50

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Burgess, Robert Forrest (1975). Ships Beneath the Sea. McGraw-Hill. ISBN 978-0-07-008958-7.
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.