Suely Rolnik

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Suely Rolnik é psicoterapeuta, crítica cultural (nas revitas Parachute, canadense, Zehar, espanhola, etc.), professora e integrante do Núcleo de Estudos da Subjetividade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo além de professora convidada do Programa de Estudos Indepentendes do Museu de Arte Contemporânea de Barcelona (MacBa). Nasceu em São Paulo.[1]

Suas pesquisas e trabalhos acadêmicos são dedicados às políticas de subjetivação através de uma perspectiva transdisciplinar (após os anos 1990, além de refletir sobre a arte contemporânea e sua interface com a política e a clínica terapêutica. Foi orientanda de Marilena Chauí em sua tese de doutoramento.

Atualmente é professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, coordenadora e participante do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica desta instituição.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • ROLNIK, S. ; PELBART, Peter Pál . Gilles Deleuze. 1. ed. São Paulo: EDUC, 1996.
  • ROLNIK, S. (Org.) . Nous sommes le moule. A vous de donner le souffle. Lygia Clark, de l oeuvre à l événement / Nós somos o molde. A vocês cabe o sopro. Lygia Clark, da obra ao acontecimento. Nantes: Musée de Beaux-Arts de Nantes, 2005.
  • ROLNIK, S. ; GUATTARI, Félix . Molecular Revolution in Brazil. Nova York: Semiotext/MIT, 2007.
  • ROLNIK, S. ; GUATTARI, Félix . Micropolitiques. Paris: Le Seuil (Collection Les empêcheurs de penser em rond), 2007.
  • ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2014.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]