Suicídio coletivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Suicídio coletivo ou suicídio em massa ocorre quando um grupo de pessoas cometem suicídio simultaneamente. Este tipo de suicídio por vezes ocorre em contextos religiosos. Grupos que se sintam perseguidos podem recorrer ao suicídio em massa quando estão prestes a serem capturados.

Pactos de suicídio também são uma forma de suicídio em massa que às vezes são planejadas ou realizadas por pequenos grupos de pessoas, talvez deprimidos ou sem esperança. Suicídios coletivos têm sido utilizados como uma forma de contestação política, o que mostra que eles também podem ser utilizados como uma ferramenta de reivindicação.[1]

Suicídio coletivos históricos[editar | editar código-fonte]

  • Durante o final do século II aC, os teutões marcham para o sul através Gália, juntamente com os seus vizinhos, os cimbros, e atacando a Itália Romana. Depois de várias vitórias para os exércitos invasores, os cimbros e teutões foram então derrotados por Caio Mário em 102 aC, na Batalha de Águas Sêxtias (perto da atual Aix-en-Provence). Seu Rei, Teutobod, foi aprisionado. As mulheres capturadas cometeram suicídio em massa, que passaram para lendas romanas de heroísmo germânico: pelas condições da rendição, 300 de suas mulheres casadas deveriam ser entregues aos romanos. Quando as matronas teutonas ouviram falar desta estipulação, primeiro pediram ao cônsul que pode ser separado para ministrar nos templos de Ceres e Vênus; então, quando elas não conseguiram obter o seu pedido, elas mataram seus filhos e, na manhã seguinte, foram todas encontradas mortas nos braços uma das outras. Elas se enforcaram durante a noite.[2]
  • No final dos quinze meses do cerco de Numância, no verão 133 a.C., a maioria dos numantinos foi derrotada. No entanto, ao invés de se renderem, eles preferiram cometer suicídio e incendiar a cidade.
  • Os 960 membros da comunidade judaica sicária em Masada cometeram suicídio coletivo em 73 dC, para evitarem serem conquistados e escravizados pelo Império Romano. Cada homem matou sua esposa e filhos, em seguida, os homens tiraram a sorte e mataram uns aos outros até o último homem se matar.[3] Alguns estudiosos modernos têm questionado esse relato dos acontecimentos.[4][5]
  • A prática ocasional de suicídio em massa conhecida como Jauhar era realizada nos tempos medievais por mulheres das comunidades de Rajput na Índia, quando a queda de uma cidade sitiada por invasores muçulmanos era certa, a fim de evitar a captura e a desonra. Os casos mais conhecidos de Jauhar são as três ocorrências no forte de Chittaur no Rajastão em 1303, 1535 e 1568.[6]
  • Em 1336, quando o castelo de Pilėnai (na Lituânia) foi sitiada pelo exército dos Cavaleiros Teutônicos, os defensores, liderados pelo duque Margiris, perceberam que era impossível defender-se por mais tempo e tomaram a decisão de cometer suicídio coletivo, bem como deixar o castelo em chamas, para destruir todos os seus bens e qualquer coisa que pudesse ter valor ao inimigo.[7]
  • Durante o Grande Cisma da Igreja Russa, aldeias inteiras de Velhos Crentes atearam fogo contra si mesmas até a morte em um ato conhecido como "batismo de fogo".[8]
  • Durante o domínio turco da Grécia e pouco antes da Guerra da Independência Grega, as mulheres de Souli, perseguidas pelos otomanos, subiram ao monte Zalongo, jogaram seus filhos sobre o precipício e, em seguida, saltaram para evitar a captura - um evento conhecido como a "Dança de Zalongo".[9]
  • A Alemanha foi atingida por uma série de ondas de suicídios durante os últimos dias do regime nazista. As razões para estas ondas de suicídios eram várias e incluíam os efeitos da propaganda nazista, o exemplo do suicídio de Adolf Hitler, o apego das vítimas com os ideais do Partido Nazista, estupros em massa feitos principalmente pelo Exército Vermelho, uma reação à perda da Segunda Guerra Mundial e, consequentemente, a ocupação aliada antecipado da Alemanha nazista.[10]
  • Em 1 de maio de 1945, cerca de 1.000 moradores de Demmin, Alemanha, cometeram suicídio em massa após o Exército Vermelho saquear a cidade.[11]
  • Um suicídio coletivo ritual de Bali é chamado de puputan e o maior deles ocorreu em 1906-1908, quando os reinos de Bali enfrentaram as forças coloniais holandesas. A raiz balinesa da palavra é o termo puput, que significa "terminar". É um ato mais simbólico do que estratégico; os balineses são "um povo cujo gênio para o teatro é insuperável" e um Puputan é visto como "o último ato de uma trágica dança dramática".[12]
  • O Japão é conhecido por seus séculos de tradição de suicídio, como seppuku cerimonial dos guerreiros kamikazes que atiravam seus aviões em navios de guerra dos Aliados durante a Segunda Guerra Mundial. Durante esta mesma guerra, as forças japonesas anunciaram ao povo de Saipan que as tropas estadunidenses estavam indo para torturá-los e assassiná-los. Em um esforço desesperado para evitar isto, o povo de Saipan cometeu suicídio em massa, principalmente ao saltar em ribanceiras próximas.

Suicídios por motivos religiosos[editar | editar código-fonte]

Suicídios conhecidos[editar | editar código-fonte]

Templo do Povo (1978)[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Jonestown, Templo do Povo e Jim Jones
Fotografia aérea dos corpos dos seguidores de Jim Jones após o massacre

Em 17 de novembro de 1978, os 909 habitantes de Jonestown, Guiana,[13] incluindo 304 crianças, morreram de envenenamento por cianeto, principalmente em torno pavilhão principal do assentamento.[14] Isto resultou no maior número de civis estadunidenses mortos em um ato deliberado até os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.[15] O FBI recuperou mais tarde uma gravação de áudio de 45 minutos do suicídio em andamento.[16]

Na gravação, Jones diz aos membros do Templo que a União Soviética, país com o qual o culto tinha negociado um êxodo em alguns meses, não iria levá-los após os assassinatos do congressista Leo Ryan e de membros da imprensa.[17] A razão dada por Jones para cometer suicídio foi consistente com a sua declaração anterior sobre agências de inteligência que supostamente conspiravam contra o Templo, ao dizer que eles iriam "atirar em alguns dos nossos bebês inocentes" e "torturar nossos filhos, torturar alguns dos nossos membros, torturar nossos idosos".[17]

Jones e vários membros passaram então a argumentar que o grupo deveria cometer um "suicídio revolucionário" ao beber suco de uva com cianeto e sedativos.[17] Quando os membros gritaram, aparentemente, Jones aconselhou: "Parem com essa histeria! Este não é o caminho para as pessoas que são socialistas ou comunistas morrer. Este não é jeito que nós vamos morrer. Devemos morrer com um pouco de dignidade."[17] Jones podia ser ouvido dizendo: "não tenha medo de morrer" e que a morte é "apenas uma passagem para outro plano" e que é "uma amiga".[17] No final da fita, Jones conclui: "Nós não cometemos suicídio; cometemos um ato de suicídio revolucionário para protestar contra as condições de um mundo desumano."[17]

Jones foi encontrado morto em uma cadeira de praia com um tiro na cabeça, ferimento que o legista guianense Cyrill Mootoo declarou ser consistente com uma ferida de bala auto-infligida.[18]

Templo Solar (1994-1997)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ordem do Templo Solar

De 1994 a 1997, os membros da Ordem do Templo Solar iniciaram uma série de suicídios em massa, o que levou a cerca de 74 mortes. As cartas de despedida foram deixadas por membros, afirmando que eles acreditavam que a morte seria uma fuga das "hipocrisias e opressão deste mundo." Adicionado a isso, eles sentiam que estavam "indo para Sirius." Registros apreendidos pela polícia de Quebec mostraram que alguns membros tinham pessoalmente doado mais de 1 milhão de dólares para o líder do grupo, Joseph Di Mambro. Houve também uma outra tentativa de suicídio em massa dos membros restantes, que foi frustrada no final de 1990. Todos as tentativas de suicídio/assassinato ocorreu por volta das datas dos equinócios e solstícios, o que provavelmente indica alguma relação com as crenças do grupo.[19][20][21][22][23]

Heaven's Gate (1997)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Heaven's Gate

Em 27 de março de 1997, 39 seguidores da seita Heaven's Gate morreram em um suicídio coletivo em Rancho Santa Fe, Califórnia, que faz fronteira com San Diego. Essas pessoas acreditavam que, de acordo com os ensinamentos de seu grupo, através de seus suicídios sair de "seus navios humanos" de modo que suas almas poderiam ir em uma viagem a bordo de uma nave espacial que acreditavam estar seguindo o cometa Hale-Bopp.[24] Alguns membros masculinos do grupo foram submetidos a castração voluntária, em preparação para a vida eles acreditavam que os aguardava após o suicídio.[25]

Em 30 de março de 1997, Thomas Nichols, irmão mais novo da atriz Nichelle Nichols,[26] foi encontrado morto em seu trailer na Califórnia, em uma carta ele diz: "Eu estou indo para a nave espacial com Hale-Bopp para estar com aqueles que vieram antes de mim". Através do uso de gás propano para acabar com sua vida, Nichols, como os membros da Heaven's Gate, com a cabeça coberta por um saco de plástico e sua parte superior do tronco coberto com uma mortalha púrpura. A conexão de Nichols com o grupo era desconhecida. Em maio de 1997, dois membros da Heaven's Gate que não estavam presentes no suicídio tentaram novamente se matar. Um conseguiu, mas o outro entrou em coma por dois dias e, em seguida, se recuperou.[27] Em fevereiro de 1998, o sobrevivente, Chuck Humphrey, cometeu suicídio.[28]

Movimento para a Restauração dos Dez Mandamentos de Deus (2000)[editar | editar código-fonte]

Em 17 de março de 2000, 778 membros do Movimento para a Restauração dos Dez Mandamentos de Deus morreram em Uganda.[29] A teoria de que todos os membros morreram em um suicídio coletivo foi alterada para um assassinato em massa quando corpos em decomposição foram descobertos em poços com sinais de estrangulamento, enquanto outros tinham ferimentos de faca.[30] O grupo havia divergido da Igreja Católica Romana, a fim de enfatizar o apocalipticismo e as alegada aparições marianas.[31]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Holology: Mass Suicide
  2. Lucius Annaeus Florus, Epitome 1.38.16–17 and Valerius Maximus, Factorum et Dictorum Memorabilium 6.1.ext.3
  3. Masada and the first Jewish revolt against Rome: Near East Tourist Industry, Steven Langfur 2003
  4. Shaye J.D. Cohen. The significance of Yavneh and other essays in Jewish Hellenism. [S.l.: s.n.] p. 143 
  5. Zuleika Rodgers, ed. (2007). Making History: Josephus And Historical Method. [S.l.]: BRILL. p. 397 
  6. Rajasthan: Monique Choy, Sarina Singh p.231 ISBN 1-74059-363-4, Lonely Planet Publications, Oct 2002 [1]
  7. GEDIMINO LAIŠKAI: The Letters of Gediminas, the Great Duke of Lithuania (appr. 1275 – 1341)
  8. Coleman, Loren (2004). The Copycat Effect: How the Media and Popular Culture Trigger the Mayhem in Tomorrow's Headlines. New York: Paraview Pocket-Simon and Schuster. p. 46. ISBN 0-7434-8223-9 
  9. Memorials and Other Papers:Thomas de Quincey, ISBN 0-14-043015-6
  10. "Suicides: Nazis go down to defeat in a wave of selbstmord". Life Magazine, 14 May 1945. Accessed 10 April 2011.
  11. Lakotta, Beate (5 de março de 2005). «Tief vergraben, nicht dran rühren» (em alemão). SPON. Consultado em 16 de agosto de 2010. 
  12. Pringle, Robert (2004). Bali: Indonesia's Hindu Realm; A short history of. Col: Short History of Asia Series. [S.l.]: Allen & Unwin. ISBN 1-86508-863-3 
  13. Who Died?, Alternative Considerations of Jonestown, San Diego State University
  14. 1978: Mass suicide leaves 900 dead. BBC, 18 de novembro de 2005
  15. Rapaport, Richard, Jonestown and City Hall slayings eerily linked in time and memory, San Francisco Chronicle, 16 de novembro de 2003
  16. Jim Jones, "Transcript of Recovered FBI tape Q 42". Alternative Considerations of Jonestown and Peoples Temple. Jonestown Project: San Diego State University.
  17. a b c d e f "Jonestown Audiotape Primary Project". Alternative Considerations of Jonestown and Peoples Temple. San Diego State University.
  18. Guyana Inquest — Interviews of Cecil Roberts & Cyril Mootoo (PDF), consultado em 23 de fevereiro de 2010. 
  19. THE SOLAR TEMPLE, Religious Tolerance.org, Acessado em 13 de outubro de 2007
  20. Sloan, Jennifer (1999). «Order of the Solar Temple». University of Virginia. Consultado em 16 de janeiro de 2015.. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2007 
  21. Tragedy Of The Solar Temple Cult Stephen Dafoe & Templar History Magazine, 2002, Retrieved 2007-10-13
  22. Solar Temple: A cult gone wrong, CBC News, Acessado em 13 de outubro de 2007
  23. Katherine Ramsland, Death Journey, Crime Library, , Acessado em 13 de outubro de 2007
  24. Jonathan Broder, Suicide in San Diego – Were cultists recruited on the Web?, Salon/March 28, 1997
  25. "Some members of suicide cult castrated", CNN, March 28, 1997,but how ever there mass suicide brought new members that reformed the religious group in 2010-present but know one knows where they are located at.
  26. http://www.nndb.com/people/712/000023643/
  27. "Two More Search For Heaven's Gate", The Associated Press, May 6, 1997
  28. "Ex-Heaven's Gate member is found dead", Associated Press, 21 de fevereiro de 1998
  29. Cult in Uganda Poisoned Many, Police Say New York Times 28 de julho de 2000
  30. New Vision, "Kanungu Dead Poisoned", Matthias Mugisha, July 28, 2000.
  31. Logan Nakyanzi, Uganda: Religion That Kills- Why Does Uganda Have So Many Cults?, ABC News, Feb. 14, 2000(?)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]