Sulpícia (gente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A gente Sulpícia (em latim: Sulpicius; pl. Sulpicii) era uma das mais antigas gentes patrícias da Roma Antiga e produziu alguns dos mais destacados magistrados romanos, da fundação da República até o período imperial. O primeiro membro da gente a chegar ao consulado foi Sérvio Sulpício Camerino Cornuto, em 500 a.C., apenas nove anos depois da expulsão dos Tarquínios, e o último a aparecer nos Fastos Consulares foi Sexto Sulpício Tértulo, em 158 d.C.. Embora originalmente patrícia, a gente também tinha famílias plebeias, alguns dos quais possivelmente descendentes de libertos da gente.[1]

Prenomes[editar | editar código-fonte]

Os Sulpícios empregavam regularmente apenas quatro prenomes ("praenomina"): Públio, Sérvio, Quinto e Caio. O único outro prenome utilizado na época republicana foi Marco, conhecido apenas no caso do pai de Caio Sulpício Pético, cônsul por cinco vezes no século IV a.C.. O último cônsul da gente, no século II, chamava-se Sexto, um prenome desconhecido até então nesta gente.[1]

Ramos e cognomes[editar | editar código-fonte]

Durante o período republicano, diversas famílias (ramos) da gente Sulpícia eram identificados pelos numerosos cognomes (em latim: cognomina), incluindo Camerino ("Camerinus"), Cornuto ("Cornutus"), Galba, Galo ("Gallus"), Longo ("Longus"), Patérculo ("Paterculus"), Pético ("Peticus"), Pretextato ("Praetextatus"), Quirino ("Quirinus"), Rufo ("Rufus") e Saverrião ("Saverrio"). Além destes, existem ainda outros cognomes pertencentes às famílias plebeias ou a famílias do período imperial. Em moedas, apenas quatro foram encontrados: Galba, Platorino ("Platorinus"), Proclo ("Proclus") e Rufo.[1]

"Camerino" era o cognome de uma antiga família da gente Sulpícia provavelmente derivado da antiga cidade de Cameria, no Lácio. Muitos dos membros ostentavam ainda o agnome "Cornuto", derivado de um adjetivo latino que significa "chifrudo". Os Camerinos frequentemente ocuparam os postos mais altos do estado nos primeiros anos da República, mas, depois de 345 a.C., quando Sérvio Sulpício Camerino Rufo foi cônsul, a família desapareceu completamente dos registros por quase 400 anos, quando Quinto Sulpício Camerino foi eleito cônsul em 9 d.C.. A família era reconhecida como uma das nobres de Roma nos primeiros anos da República.[1]

Os Pretextatos apareceram na segunda metade do século V a.C. e parece ter sido uma família pequena, descendente dos Camerinos. Seu nome provavelmente era uma derivação de vários significados relacionados. "Praetextus" geralmente era uma referência a roupas com uma barra decorativa, especialmente a toga pretexta, uma [[toga] com uma barra púrpura vestida pelos jovens e magistrados. Algo escondido ou velado também podia ser descrito como "praetextatus".[1][2][3]

Os Longos floresceram durante o século IV a.C., da época do saque gaulês de Roma, em 390/387 a.C., até as Guerras Samnitas. É provável que o cognome, que significa "alto" ou "longo", tenha sido dado a um ancestral da família que era particularmente alto.[1][3]

O cognome Rufo, que significa "vermelho", provavelmente era uma referência à cor do cabelo de um dos Sulpícios e é possível que tenha sido dado ao fundador de um ramo cadete dos Camerinos, uma vez que ambos os cognomes foram novamente reunidos em Sérvio Sulpício Camerino Rufo, o cônsul em 345 a.C.[1]

"Galo" era o cognome de uma família dos séculos III e II a.C. e pode ser uma referência a um galo ou aos gauleses. O maior expoente desta família, Caio Sulpício Galo, foi um vitorioso general e um grande estadista que se destacou também como acadêmico e orador. Era muito admirado por Cícero.[1]

Os Galbas apareceram pela primeira vez nos registros durante a Segunda Guerra Púnica e permaneceram em destaque até o século I, quando Sérvio Sulpício Galba tomou para si o título de imperador romano. O cognome pode compartilhar uma raiz com o adjetivo "galbinus", a cor amarelo-esverdeado, embora o significado exato para a família Sulpícia seja incerto.[1][3]

Membros[editar | editar código-fonte]

Sulpícios Camerinos[editar | editar código-fonte]

Sulpícios Praetextatos[editar | editar código-fonte]

Sulpícios Péticos[editar | editar código-fonte]

Sulpícios Longos[editar | editar código-fonte]

Sulpícios Rufo[editar | editar código-fonte]

Sulpícios Saverriões[editar | editar código-fonte]

Sulpícios Patérculos[editar | editar código-fonte]

Sulpícios Galos[editar | editar código-fonte]

Sulpícios Galbas[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

Figuras cristãs posteriores[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j Smith, Sulpicii
  2. T. Robert S. Broughton, The Magistrates of the Roman Republic (1952).
  3. a b c D.P. Simpson, Cassell's Latin & English Dictionary (1963).
  4. Lívio, Ab Urbe Condita ii. 19.
  5. Dionísio de Halicarnasso, Antiguidades Romanas v. 52, 55, 57, vi. 20.
  6. Cícero, Brutus 16.
  7. João Zonaras, Epitome Historiarum, vii. 13.
  8. Dionísio de Halicarnasso, Antiguidades Romanas vii. 68, viii. 22.
  9. Lívio, Ab Urbe Condita vi. 22, 27.
  10. Diodoro Sículo, Bibliotheca Historica xv. 41.
  11. Lívio, Ab Urbe Condita vii. 28.
  12. Diodoro Sículo, Bibliotheca Historica xvi. 66.
  13. Tácito, Anais xiii. 52.
  14. Dião Cássio, História Romana lxiii. 18.
  15. Plínio, Epístolas v. 3.
  16. Lívio, Ab Urbe Condita iv. 23.
  17. Diodoro Sículo, Bibliotheca Historica xii. 53.
  18. Lívio, Ab Urbe Condita vi. 32-34, 36, 38.
  19. Barthold Georg Niebuhr, History of Rome, iii. pp. 2, 3.
  20. Tácito, Historiae, iv. 42.
  21. Lívio, Ab Urbe Condita vi. 4, 18, 21.
  22. Valério Máximo, Nove Livros de Feitos e Dizeres Memoráveis vi. 7. § 3.
  23. Apiano, Bellum Civile iv. 39.
  24. Cícero, Pro Murena 26, 27; Epistulae Atticum ix. 18, 19, x. 14; Epistulae Familiares, iv. 2; Philippicae ix. 5.
  25. a b c d Fastos Capitolinos.
  26. Diodoro Sículo, Bibliotheca Historica, Fragmenta Vaticana’’, p. 60, ed. Dinsdorf.
  27. Lívio, Ab Urbe Condita xlv. 44.
  28. Cícero, De Oratore, i. 53, Brutus, 23, Laelius de Amicitia, 2, 6, Epistulae Familiares, iv. 6.
  29. Lívio, Ab Urbe Condita xxx. 39, xxxii. 7.
  30. Lívio, Ab Urbe Condita xlii. 28, 31.
  31. a b Suetônio, As Vidas dos Doze Césares, Galba, 3.
  32. Oliver, James H. (Jul. - Sep., 1942). «C. Sulpicius Galba, Proconsul of Achaia». American Journal of Archaeology (em inglês). 46 (3): pp. 380-388  Verifique data em: |data= (ajuda)
  33. Lívio, Ab Urbe Condita xxxix. 11-13.
  34. Suetônio, As Vidas dos Doze Césares, Claudius, 4, 41.
  35. Tácito, Anais xv. 49, 50, 68.
  36. Dião Cássio, História Romana lxii. 24.
  37. História Augusta, Alexander Severus, c. 20.
  38. Johann Christian Wernsdorf, Poetae Latini Minores, iii. p. 235 ff., 408.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]