Sultão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Sultão Ibrahim I, "o Louco", miniatura otomana (Palácio de Topkapı, Istambul).

Sultão (em árabe: سلطان; transl.: Sulṭān) é um título islâmico com diversos significados históricos. Veio a ser usado como título de certos governantes muçulmanos que na prática reivindicavam quase total soberania (isto é, não dependiam de nenhum outro governante superior) mas que não chegavam a considerar-se califas; o título também era usado para referir-se a um governador provincial poderoso dentro do califado.

Originalmente, era um substantivo abstrato árabe que significava "força", "autoridade", "domínio", do termo árabe em árabe: سلطة; transl.: sulṭah , "autoridade", "poder".

O primeiro a levar oficialmente o título foi Mahmud de Ghazni, da dinastia dos gaznávidas (9981030), que governou desde a atual cidade afegã de Ghazni uns domínios que iam do Ganges até a Mesopotâmia. Depois se tornou título dos turcos das dinastias seljúcida e otomana, assim como da dinastia dos aiúbidas —a de Saladino— e a dos mamelucos, que governaram o Egito. Também foram sultões os monarcas do Magrebe: almorávidas, almóadas e outras dinastias, assim como os monarcas das taifas do al-Andalus. Marrocos foi um sultanato até 1955, momento em que o sultão Mohammed V) mudou o título para o termo mais moderno de rei (malik).

Atualmente os monarcas de Omã e Brunei portam este título, e, honorificamente, alguns governantes locais das Filipinas, Java ou Malásia.

Termos relacionados[editar | editar código-fonte]

O termo sultana é empregado para designar a esposa do sultão, suas filhas ou uma sua concubina favorita (ou que lhe deu um filho antes das outras concubinas).[1] No Império Otomano, a mulher mais importante do harém era a mãe do sultão, tendo o título de valide sultan.

Dá-se o nome de sultanato ou sultanado (em árabe: سلطنة) à dinastia e às terras governadas pelo sultão.

Sultanatos históricos[editar | editar código-fonte]

Talvez o mais conhecido sultanato da história seja a dinastia otomana, que governou o Império Otomano de 1281 a 1923, embora tenha sido estabelecida formalmente apenas em 1383, quando Murad I declarou-se sultão.

Outros sultanatos históricos destacam-se, como o sultanato turco seljúcida de Rum (1037-1194), de alguma forma precursor do sultanato otomano, já que os primeiros líderes otomanos eram seus vassalos, e o da dinastia aiúbida de Saladino (séculos XII-XIII).

Sultanatos contemporâneos[editar | editar código-fonte]

Os seguintes países e territórios são governados por sultões:

Referências

  1. Dicionário Houaiss, verbete "sultana".
Ícone de esboço Este artigo sobre Sultões é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.