Sumatriptano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sumatriptano
Star of life caution.svg Aviso médico
Nome IUPAC (sistemática)
1-{3-[2-(dimethylamino)ethyl]-1H-indol-5-yl}-N-methylmethanesulfonamide
Identificadores
CAS 103628-46-2
ATC N02CC01
PubChem 5358
DrugBank DB00669
Informação química
Fórmula molecular C14H21N3O2S 
Massa molar 295.402 g/mol
Farmacocinética
Biodisponibilidade 15% (oral) / 96% (subcutâneo)
Ligação a proteínas 14-21%
Metabolismo Hepático; Monoaminaoxidase-A
Meia-vida De 2 a 5 horas
Excreção Urina (60%) e fezes (40%)
Considerações terapêuticas
Administração Oral, subcutânea e nasal
DL50 ?

Sumatriptano é um medicamento utilizado para o tratamento de enxaqueca e de cefaleias em salvas. É uma droga sintética pertencente a classe dos triptanos. Estruturalmente, é um análogo de psilocibina.[1] É produzido e comercializado por vários fabricantes de medicamentos com muitos nomes comerciais diferentes.

Indicações médicas[editar | editar código-fonte]

Sumatriptano é eficaz para o término ou alivio da intensidade da enxaqueca e de cluster . Ele é mais eficaz quando tomado logo após o início da dor.[2] O fármaco, quando injetado, torna-se mais eficaz do que em outras formulações.[3]

Mecanismo de ação[editar | editar código-fonte]

O sumatriptano é estruturalmente semelhante à serotonina (5-HT), e é um agonista do receptor 5-HT (tipos 5-HT1D e 5-HT1B)[4]. O efeito terapêutico primário do sumatriptano, no entanto, está na sua inibição da liberação de peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP), provavelmente através de sua ação agonista dos receptores 5-HT1D/1B[5]. No entanto, como a ação agonista dos receptores 5-HT 1D/1B inibem a liberação de CGRP não é, ainda, totalmente compreendida.[6] Acredita-se que o CGRP cause a sensibilização dos neurônios nociceptivos do trigêmeo, contribuindo para a dor experimentada na enxaqueca.[7]

O sumatriptano também mostrou-se eficaz em diminuir a atividade do nervo trigêmeo, o que presumivelmente explica a eficácia do fármaco no tratamento de cefaleias em salvas. A forma injetável da droga mostrou abortar uma cefaleia em 30 minutos em 77% dos casos.[8]

Farmacocinética[editar | editar código-fonte]

O sumatriptano é administrado em várias formas: comprimidos, injeção subcutânea e spray nasal. A administração oral (como o sal succinato) apresenta baixa biodisponibilidade, devido, em parte, ao metabolismo pré-sistêmico - parte dela é quebrada no estômago e na corrente sanguínea antes de atingir as artérias-alvo. Uma nova formulação de comprimido de liberação rápida tem a mesma biodisponibilidade, mas a concentração máxima é alcançada em média de 10 a 15 minutos antes. Quando injetado, o sumatriptano tem ação mais rápida (geralmente em 10 minutos), mas o efeito dura por um tempo menor. O fármaco é metabolizado principalmente pela monoamina oxidase A em ácido 2-(5 - [(metilsulfamoil) metil] - indole-3-il) acético que é então conjugado com o ácido glucurônico. Esses metabólitos são excretados na urina e na bile. Apenas cerca de 3% do fármaco activo pode ser recuperado inalterado.

Não existe uma relação simples e directa entre a concentração de sumatriptano (farmacocinética) no sangue e o seu efeito anti-enxaqueca (farmacodinâmica). Este paradoxo foi, até certo ponto, resolvido comparando as taxas de absorção das várias formulações do medicamento, em vez das quantidades absolutas de droga que elas fornecem.[9][10]

Efeitos colaterais[editar | editar código-fonte]

Overdose de sumatriptano pode causar sulfahemoglobinemia, uma rara condição na qual o sangue muda de vermelho para verde escuro, devido à integração de enxofre com a molécula hemoglobina .[11] Se o sumatriptano for interrompido, a condição se inverte dentro de algumas semanas.

Eventos cardíacos graves, incluindo alguns que foram fatais, ocorreram após o uso de injeção de sumatriptano ou comprimidos. Os eventos relatados incluíram vasoespasmo da artéria coronária, isquemia miocárdica transitória, infarto do miocárdio, taquicardia ventricular e fibrilação ventricular«Patient bleeds dark green blood» 

Os efeitos secundários mais frequentes relatados por pelo menos 2% dos pacientes em ensaios controlados de sumatriptano (25-, 50- e 100 -mg comprimidos) para enxaqueca são sensações atípicas (parestesias e sensações de calor/frio), relatadas por 4% no grupo do placebo e 5-6% nos grupos de sumatriptano; dor e outras sensações de pressão (incluindo dor torácica), relatadas por 4% no grupo placebo e 6-8% nos grupos de sumatriptano; eventos neurológicos (vertigem) relatados por menos de 1% no grupo placebo e menos de 1% a 2% nos grupos sumatriptano. Mal-estar/fadiga ocorreu em menos de 1% do grupo placebo e em 2% a 3% dos grupos sumatriptano. o distúrbio do sono ocorreu em menos de 1% no grupo placebo para 2% no grupo sumatriptano.

Aprovação[editar | editar código-fonte]

O sumatriptano foi o primeiro triptano clinicamente disponível (em 1991). Nos Estados Unidos, está disponível apenas mediante prescrição médica. Este requisito de prescrição médica também existe na Austrália.[12] No entanto, pode ser adquirido livremente no Reino Unido[13] e na Suécia em balcões de farmácias. Várias formas de dosagem para o sumatriptano foram aprovadas, incluindo comprimidos, solução injetável e inaladores nasais.

Em 15 de abril de 2008, a FDA norte-americana aprovou o Treximet®, uma combinação de sumatriptano e naproxeno, um anti-inflamatório do tipo AINE[14]. Esta combinação mostrou um benefício em relação a qualquer um dos dois medicamentos se usados separadamente.

Em julho de 2009, a FDA aprovou uma formulação de sumatriptano para injeção de jato de uso único. O dispositivo administra uma injeção subcutânea de 6 mg de sumatriptano, sem o uso de uma agulha. Autoinjectors com agulhas já estão disponíveis há vários anos na Europa e na América do Norte.[15]

Estudos de fase III com adesivo transdérmico iontoforético (Zelrix®/Zecuity®) começaram em julho de 2008[16]. Este patch usa baixa voltagem controlada por um microchip pré-programado para fornecer uma dose única de sumatriptano através da pele em 30 minutos. O Zecuity® foi aprovado pela FDA dos EUA em janeiro de 2013, porém suas vendas foram interrompidas após relatos de queimaduras na pele e irritação.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. The presence of the sulfonamide group in the molecule does not make sumatriptan a "sulfa drug".
  2. «Sumatriptan (all routes of administration) for acute migraine attacks in adults - overview of Cochrane reviews». The Cochrane Database of Systematic Reviews. 5. PMID 24865446. doi:10.1002/14651858.CD009108.pub2 
  3. «Sumatriptan: Pharmacological Basis and Clinical Results». Medscape 
  4. Razzaque, Z; Heald, M A; Pickard, J D; Maskell, L; Beer, M S; Hill, R G; Longmore, J (Janeiro de 1999). «Vasoconstriction in human isolated middle meningeal arteries: determining the contribution of 5-HT1B- and 5-HT1F-receptor activation». British Journal of Clinical Pharmacology. 47 (1): 75–82. ISSN 0306-5251. PMID 10073743. doi:10.1046/j.1365-2125.1999.00851.x 
  5. Juhasz, G (1 de março de 2005). «Sumatriptan Causes Parallel Decrease in Plasma Calcitonin Gene-Related Peptide (CGRP) Concentration and Migraine Headache During Nitroglycerin Induced Migraine Attack». SAGE Journals. Consultado em 15 de junho de 2018. 
  6. Tso, Amy R.; Goadsby, Peter J. (27 de junho de 2017). «Anti-CGRP Monoclonal Antibodies: the Next Era of Migraine Prevention?». Current Treatment Options in Neurology (em inglês). 19 (8). ISSN 1092-8480. PMID 28653227. doi:10.1007/s11940-017-0463-4 
  7. Giniatullin, Rashid; Nistri, Andrea; Fabbretti, Elsa (Fevereiro de 2008). «Molecular Mechanisms of Sensitization of Pain-transducing P2X3 Receptors by the Migraine Mediators CGRP and NGF». Molecular Neurobiology (em inglês). 37 (1): 83–90. ISSN 0893-7648. doi:10.1007/s12035-008-8020-5 
  8. «Treatment of Acute Cluster Headache with Sumatriptan». New England Journal of Medicine (em inglês). 325 (5): 322–326. Agosto de 1991. ISSN 0028-4793. doi:10.1056/nejm199108013250505 
  9. Fox, Anthony W. (fevereiro de 2004). «Onset of Effect of 5-HT1B/1DAgonists: A Model With Pharmacokinetic Validation». Headache: The Journal of Head and Face Pain (em inglês). 44 (2): 142–147. ISSN 0017-8748. doi:10.1111/j.1526-4610.2004.04030.x 
  10. Freidank-Mueschenborn, Edda; Fox, Anthony W. (junho de 2005). «Resolution of Concentration-Response Differences in Onset of Effect Between Subcutaneous and Oral Sumatriptan». Headache: The Journal of Head and Face Pain (em inglês). 45 (6): 632–637. ISSN 0017-8748. doi:10.1111/j.1526-4610.2005.05129a.x 
  11. «Patient bleeds dark green blood» 
  12. Health. «Poisons Standard June 2017». www.legislation.gov.au (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2018. 
  13. info@mhra.gsi.gov.uk, Medicines and Healthcare products Regulatory Agency (MHRA), www.mhra.gov.uk,. «Press release: First Over The Counter (OTC) migraine pill made available». webarchive.nationalarchives.gov.uk (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2018. 
  14. «Treximet (sumatriptan and naproxen sodium) tablets approved by FDA for acute treatment of migraine». 4 de dezembro de 2008. Consultado em 27 de junho de 2018. 
  15. Brandes, Jan Lewis; Cady, Roger K.; Freitag, Fred G.; Smith, Timothy R.; Chandler, Patricia; Fox, Anthony W.; Linn, Lawrence; Farr, Stephen J. (novembro de 2009). «Needle-Free Subcutaneous Sumatriptan (Sumavel™ DosePro™): Bioequivalence and Ease of Use». Headache: The Journal of Head and Face Pain (em inglês). 49 (10): 1435–1444. ISSN 0017-8748. doi:10.1111/j.1526-4610.2009.01530.x 
  16. «The Efficacy and Tolerability of NP101 Patch in the Treatment of Acute Migraine - Full Text View - ClinicalTrials.gov» (em inglês) 
  17. «Teva pulls migraine patch Zecuity on reports of burning, scarring | FiercePharma». www.fiercepharma.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2018.