Surfando Karmas & DNA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Surfando Karmas & DNA
Álbum de estúdio de Engenheiros do Hawaii
Lançamento Janeiro de 2002
Gravação Junho a Novembro de 2001, nos estúdios Fibra e Discover Digital Studio, ambos no Rio de Janeiro
Gênero(s) Rock
Duração 38:34
Idioma(s) Português
Formato(s) CD
Gravadora(s) Universal Music
Produção Gil Lopes
Cronologia de Engenheiros do Hawaii
10.001 Destinos
(2001)
Dançando no Campo Minado
(2003)

Surfando Karmas & DNA é um álbum da banda brasileira de rock Engenheiros do Hawaii, lançado em 2002.

Entre as principais canções do disco, estão a faixa-título, 3ª do Plural e E-Stória, fruto de uma troca de e-mails entre o vocalista Humberto Gessinger e o ex-baterista Carlos Maltz, co-fundador da banda.

Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Surfando Karmas & DNA"   Humberto Gessinger 3:24
2. "3ª do Plural"   Humberto Gessinger 3:02
3. "Pra Ficar Legal"   Humberto Gessinger; Paulinho Galvão 3:56
4. "Esportes Radicais"   Humberto Gessinger 3:31
5. "Nunca Mais (Lullaby)"   Shawn Mullins / versão: Humberto Gessinger 4:49
6. "Nem + 1 Dia"   Humberto Gessinger 3:43
7. "Ritos de Passagem"   Humberto Gessinger; Paulinho Galvão 3:41
8. "Sei Não"   Humberto Gessinger; Paulinho Galvão 3:13
9. "E-stória"   Humberto Gessinger; Carlos Maltz 3:15
10. "Datas e Nomes"   Humberto Gessinger 3:02
11. "Arame Farpado"   Humberto Gessinger 2:58
Duração total:
38:34

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • 3ª do Plural foi escrita por Humberto Gessinger quando a banda ainda era um trio, com Augusto Licks e Carlos Maltz. Porém, o resultado da canção nunca agradava aos três. Por isso, a canção foi engavetada até 2001, quando foi finalmente gravada.
  • A explicação do nome do disco é dita por Gessinger no press release do mesmo: "...segundo o Aurélio, Carma é o conjunto de ações dos homens e suas conseqüências ; DNA é substância química envolvida na transmissão de caracteres hereditários ; surf já é uma questão muito mais complexa, difícil de definir, né?".
  • A canção Nunca Mais, baseada em Lullaby, de Shawn Mullins, foi gravada para o disco Tchau Radar, portanto, tendo ainda Luciano Granja (guitarra), Adal Fonseca (bateria) e Lucio Dorfman (teclados). O resultado da canção, porém, não agradou a Gessinger, que alterou levemente a letra e gravou a voz e o baixo, mantendo o arranjo original já gravado anteriormente.
  • O encarte do disco mostra alguns do processos de desenvolvimento do projeto da capa.
  • A partir de uma troca de e-mails com Gessinger, Carlos Maltz, ex-baterista do grupo, voltou a colaborar com a banda, ainda que indiretamente. O primeiro resultado da retomada da parceria foi a canção E-Stória.
  • A banda optou por não se trancar em estúdio por um período fixo. Em vez disso, o grupo preferiu conciliar a gravação do disco com a turnê de 10.001 Destinos: nas folgas da turnê, eles gravavam o disco. O processo durou de junho a novembro de 2001.
  • Um trecho de Esportes Radicais, que diz: "180, 360, 540 graus / girando, esquentando / só pra ver até quando o motor aguenta o caos", faz com que a letra da canção seja considerada por Humberto como uma continuação ou complemento da letra de "Infinita Highway", sucesso de 1987.

Formação[editar | editar código-fonte]

Em todas as faixas, exceto em Nunca Mais[editar | editar código-fonte]

  • Humberto Gessinger: Guitarras, violão, teclado e voz
  • Paulinho Galvão: Guitarra e violão
  • Bernardo Fonseca: Baixo
  • Gláucio Ayala: Bateria e percussão

Na faixa Nunca Mais[editar | editar código-fonte]

  • Humberto Gessinger: baixo e voz
  • Luciano Granja: violão
  • Lúcio Dorfman: teclado
  • Adal Fonseca: bateria

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Engenheiros do Hawaii é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.