Surto de varíola dos macacos em 2022

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Surto de varíola dos macacos em 2022
Mapa da propagação do vírus da varíola dos macacos globalmente.
Doença Varíola dos macacos
Vírus Vírus da varíola dos macacos
Local Global

Veja situação detalhada aqui

Período 29 de abril de 2022 – em andamento (7 meses e 4 dias)
Veja cronologia aqui
Primeiro caso Londres, Inglaterra
Início Viajante da Nigéria (presumido/hipótese)[1][2]
Estatísticas globais
Casos confirmados 80 064
Casos suspeitos 11 045
Mortes 214
1 de janeiro 2022 – presente: República Democrática do Congo (110), Nigéria (4), República do Congo (3), Gana (3), Camarões (2), República Centro-Africana (2), Espanha (2), Brasil (2), Peru (2), Equador (1), Bélgica (1), Índia (1), Cuba (1), México (1), Estados Unidos (1)[3][4][5][6][7][8][9]
Área afetada Ásia, América, África (Endêmico [nota 1]), Europa e Oceania
Atualizado em 22 de novembro de 2022

Um surto em andamento da doença varíola dos macacos foi confirmado em maio de 2022,[10] começando com um conjunto de casos encontrados no Reino Unido.[11] O primeiro caso foi confirmado em 6 de maio de 2022 em um indivíduo com ligações de viagem para a Nigéria (onde a doença é endêmica),[12] mas foi sugerido que os casos já estavam se espalhando na Europa nos meses anteriores.[13] A partir de 18 de maio, os casos foram relatados em um número crescente de países e regiões, predominantemente na Europa, mas também na América do Norte e do Sul, Ásia, África e Austrália.[20] Em 28 de julho, havia um total de 20 846 casos confirmados.[21] Em 23 de julho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto uma Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional.[22]

O surto marcou a primeira vez que a doença se espalhou amplamente para fora da África Central e Ocidental. Os casos foram identificados principalmente, mas não exclusivamente, entre homens que fazem sexo com homens (HSH), mas as autoridades de saúde enfatizaram que qualquer pessoa pode pegar a doença, principalmente se tiver contato próximo com uma pessoa sintomática.[23] As avaliações iniciais da OMS expressaram a expectativa de que o surto fosse contido e de baixo impacto para a população em geral nos países afetados.[23][24] Uma declaração mais recente reconheceu que a transmissão não detectada ocorreu há algum tempo[25] e pediu ações urgentes para reduzir a transmissão.[26][27]

A varíola dos macacos é uma infecção viral que se manifesta uma ou duas semanas após a exposição com febre e outros sintomas inespecíficos e, em seguida, produz uma erupção cutânea com bolhas que podem durar algumas semanas antes de geralmente desaparecer.[28] Em infecções antes do surto atual, 1–3% das pessoas com infecções conhecidas morreram (sem tratamento). Casos em crianças são mais propensos a serem graves.[29]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Varíola dos macacos é uma doença infecciosa causada pelo vírus da varíola dos macacos que afeta seres humanos e outros animais.[30] Os sintomas iniciais são febre, dores de cabeça, dores musculares, aumento de volume dos gânglios linfáticos e fadiga.[31] Posteriormente formam-se erupções cutâneas, que começam por ser vermelhas e planas e mais tarde se convertem em bolhas com pus e crostas.[31] O intervalo de tempo entre a exposição ao vírus e o início dos sintomas é de cerca de 10 dias.[31] A duração dos sintomas é geralmente de duas a quatro semanas.[31]

O vírus da varíola dos macacos é um vírus do género ortopoxvírus.[32] A doença pode ser transmitida durante o manuseio de carne de animais selvagens, por uma mordedura de animal, por fluidos corporais, por objetos contaminados ou pelo contacto próximo com uma pessoa infetada.[33] Apesar do nome, parece ser mais comum em roedores do que em primatas.[34] Pensa-se que o vírus normalmente circule entre determinados roedores em África.[33] O diagnóstico pode ser confirmado pela presença de ADN do vírus numa das lesões.[35] A doença apresenta sintomas semelhantes aos da varíola.[36]

Pensa-se que a vacina contra a varíola possa prevenir a infeção.[35] Em 2019, foi aprovada nos Estados Unidos uma vacina específica para a varíola dos macacos.[37] Não é conhecida cura para a doença.[38] Em alguns casos pode ser benéfica a administração de cidofovir ou brincidofovir.[36][38] O vírus tem dois clados genéticos distintos: o da África Ocidental, associado a sintomas mais ligeiros e a uma taxa de letalidade inferior a 1%, e o clado da África Central, associado a uma taxa de letalidade de até 11%.[32][31][39]

Preparação para emergências[editar | editar código-fonte]

Em março de 2021, a Nuclear Threat Initiative liderou um exercício de mesa na Conferência de Segurança de Munique, simulando uma resposta hipotética de saúde pública à liberação de uma cepa de varíola geneticamente manipulada.[40]

Em 23 de julho de 2022, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto de varíola dos macacos como uma emergência de saúde global, pois o número de casos infectados ultrapassou 17 000 pessoas.[41][42]

Casos em áreas endêmicas[editar | editar código-fonte]

Monkeypox.jpg
Lesões causadas pela varíola dos macacos, apresentada em uma menina de 4 anos na Libéria

Os Centros Africanos de Controle e Prevenção de Doenças alertaram vários membros da União Africana em maio de 2022 sobre casos de varíola. O diretor do África CDC, Ahmed Ogwell, disse que quatro países africanos relataram 1405 casos endêmicos com 62 mortes entre o início de 2022 e maio de 2022. A taxa de letalidade nesses quatro países africanos combinados é de 4,4%.[43]

Em um artigo no The Conversation, Oyewale Tomori apontou que o número de infecções por varíola dos macacos na Nigéria até 2021 provavelmente será subnotificado porque grande parte da população nigeriana tem evitado instalações de saúde devido ao medo de contrair COVID-19 .[44] A vigilância da Nigéria de várias doenças, incluindo a varíola dos macacos, teve que se concentrar na pandemia global de COVID-19 em 2020 e 2021, perdendo muitos casos e resultando em uma queda nas estatísticas oficiais.[45] Como as autoridades de saúde britânicas relataram o primeiro caso de varíola no Reino Unido em maio de 2022, o governo nigeriano divulgou ao público informações e estatísticas sobre casos e mortes relatados no país. No relatório de 9 de maio de 2022, o NCDC afirmou que 230 casos foram confirmados em 20 estados e no Território da Capital Federal entre 2017 e 2022. O estado de Rivers foi o mais afetado, seguido por Bayelsa e Lagos. No período de 2017 a 2022, o NCDC relatou seis mortes em seis estados diferentes, representando uma taxa de mortalidade de 3,3%.[46]

Esta é a tabela de 2022 casos em países que sofreram de varicela endêmica antes, em 17 de junho, de acordo com a OMS:[47][48]

Casos por país (países africanos endêmicos antes do surto atual)
País Confirmado Suspeita Mortes registradas Total
Camarões 3 28 0 31
República Centro-Africana 8 17 2 25
República do Congo 2 7 0 9
Bandeira da República Democrática do Congo República Democrática do Congo 10 1356 0 1366
Libéria 2 4 0 6
Nigéria 41 162 1 146
Serra Leoa 0 2 0 2
 Total 66 1576 3 1642

Características do surto[editar | editar código-fonte]

Criança apresenta feridas causadas pela varíola dos macacos por todo o corpo

A varíola símia é endêmica da África Ocidental e Central.[49][50] Antes do surto de 2022, o Reino Unido havia registrado apenas sete casos anteriores de varíola,[51] todos os quais eram casos importados da África ou profissionais de saúde envolvidos em seu tratamento. Os três primeiros desses casos foram em 2018,[51] seguidos por um outro caso em 2019[52] e mais três em 2021.[53] O único grande surto de varíola a ser registrado em um país ocidental antes de 2022 foi o surto de varíola do meio-oeste de 2003 nos Estados Unidos. Aquele não apresentava transmissão comunitária.[54][55]

Este surto é do clado da África Ocidental, que tem uma taxa de letalidade de 1% de acordo com a Organização Mundial da Saúde.[56] A sequência genómica do vírus associado a este surto foi publicada pela primeira vez a 19 de maio por investigadores portugueses.[57] Eles confirmaram que o vírus da varíola dos macacos era do clado da África Ocidental, relacionado a outros surtos internacionais anteriores em 2018–19.[58]

O surto de 2022 tem um padrão de propagação diferente em comparação com surtos anteriores de varíola fora da África.[59] Dada a frequência incomumente alta de transmissão de humano para humano observada neste evento, e a provável transmissão comunitária sem histórico de viagens para áreas endêmicas, a disseminação do vírus por contato próximo é mais provável, sendo a transmissão durante as atividades sexuais a mais comum rota.[60] A maioria dos casos ocorreu em homens.[61] Uma proporção significativa de casos, embora não todos, ocorre em homens que fazem sexo com homens (HSH), principalmente no Canadá, Espanha e Reino Unido,[61] com muitos casos diagnosticados em clínicas de saúde sexual.[59] Os casos são principalmente em homens jovens e de meia-idade.[62] Isso aponta para a transmissão devido ao contato próximo durante o sexo como sendo uma via de transmissão.[61] O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC) considera o vírus da varíola dos macacos moderadamente transmissível entre humanos. Segundo o centro, entre os HSH que contraíram o vírus, o meio de transmissão mais comum é provavelmente através da atividade sexual devido ao contacto íntimo com lesões cutâneas infecciosas. O ECDC classifica a probabilidade de transmissão por contato próximo, incluindo contato sexual, como "alta", mas, sem contato próximo, a probabilidade de transmissão entre indivíduos é considerada baixa.[60] Na Nature , Anne Rimoin e Raina MacIntyre especulam que a maior porcentagem de HSH afetados é resultado da introdução coincidente na comunidade e, em seguida, atividade sexual constituindo "contato próximo" em vez do próprio vírus se tornar sexualmente transmissível.[63] A varíola dos macacos não é principalmente uma doença sexualmente transmissível.[61]

Em 23 de maio de 2022, David Heymann, consultor da Organização Mundial da Saúde, disse que a provável teoria de como o surto começou é a transmissão durante a relação sexual de homens gays e bissexuais em duas raves na Bélgica e na Espanha.[64] Em 25 de maio, o The Guardian afirmou que muitos cientistas suspeitam que a doença estava circulando no Reino Unido e na Europa antes de atingir a comunidade HSH, possivelmente diagnosticada erroneamente ou detectada apenas em casos isolados; quatro casos foram diagnosticados em 2018 e 2019, todos em indivíduos recém-chegados da Nigéria.[65]

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Casos relatados inicialmente no Reino Unido[editar | editar código-fonte]

Guy's Hospital, onde o caso inicial de abril foi internado

No início de maio em 2022, foi relatado o caso de um residente britânico que viajou para Lagos e Delta na Nigéria,[66] em áreas onde a varíola dos macacos é considerada uma doença endêmica. O paciente desenvolveu sintomas de varicela, incluindo erupção cutânea, em 29 de abril enquanto ainda na Nigéria. Em seguida, voaram de volta para o Reino Unido, chegando em 4 de maio. Eles se apresentaram ao hospital mais tarde no mesmo dia; A infecção por varíola dos macacos foi imediatamente suspeitada, e o paciente foi hospitalizado no Guy's Hospital[67] e isolado, depois testou positivo para o vírus em 6 maio.[66] O teste de amostras de swab de pacientes por reação em cadeia da polimerase (RCP) revelou que o surto era do clado da varíola dos macacos da África Ocidental, que é a menos mortal das duas variantes conhecidas da varíola dos macacos, com uma taxa de mortalidade de cerca de 1%.[66]

Foi realizado um rastreamento extensivo de contatos de pessoas que estiveram em contato com o caso índice tanto no voo internacional da Nigéria para o Reino Unido quanto dentro do país após sua chegada, com possíveis contatos aconselhados a permanecer cientes dos sintomas da varíola e imediatamente isolar se algum se desenvolver dentro de 21 dias após o evento de contato.[68] Após esse esforço de rastreamento de contatos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou a transmissão adicional do vírus no Reino Unido como de risco "mínimo".[68]

O rastreamento de contatos em resposta ao caso foi estendido à Escócia em 14 maio, de acordo com a saúde pública da Escócia. Um "pequeno número" de pessoas na Escócia foi obrigado a se auto-isolar após contato próximo com a pessoa inicialmente relatada como infectada, embora o risco geral para o público em geral permanecesse "muito baixo".[69]

Dois novos casos de varíola foram confirmados pela Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA) em 12 de maio, ambos em Londres.[70] Esses dois viviam juntos no mesmo domicílio, sem vínculo conhecido entre nenhum deles e o caso primordial ou viagem para regiões endêmicas, assim caracterizando casos suspeitos de serem os primeiros de uma transmissão comunitária. Um dos novos casos foi hospitalizado no Hospital de Santa Maria, enquanto o outro caso com sintomas mais leves foi considerado auto-isolado em casa.[70]

Quatro casos de varíola foram confirmados pelo UKHSA em 17 maio, em três londrinos e uma pessoa no nordeste da Inglaterra que já havia viajado para Londres.[71] Nenhum desses novos casos tinha histórico de contato conhecido com os três casos confirmados anteriores, sugerindo que a transmissão comunitária mais ampla do vírus estava em andamento na área de Londres. A UKHSA afirmou que o risco para o público em geral permaneceu "muito baixo".[71][72] Pacientes com infecção ativa por varíola foram confirmados para serem hospitalizados.[71]

Em 20 de maio, foi relatado por Sajid Javid que outros onze casos foram confirmados no Reino Unido, elevando o total no país para vinte. Um representante da UKHSA pediu vigilância entre homens gays e bissexuais, que representam um número desproporcional de casos no Reino Unido e na Europa.[73]

Outros países[editar | editar código-fonte]

Em 18 de maio em Portugal, 14 casos de varíola foram notificados pelas autoridades de saúde de um total de 20 casos suspeitos. Os resultados dos testes de duas amostras estavam pendentes.[74] Na Espanha, há sete casos confirmados em 18 de maio.[75] No mesmo dia, os Estados Unidos confirmaram seu primeiro caso de varíola dos macacos em 2022 e o Canadá relatou 13 casos suspeitos.[76][77]

Em 19 de maio, a Suécia e a Bélgica relataram seus primeiros casos de varíola dos macacos,[78][79] enquanto a Itália confirmou seu primeiro caso em um viajante que havia chegado das Ilhas Canárias.[80] Um caso suspeito foi relatado na França.[81] Uma análise genômica realizada em um caso em Portugal situa o vírus que infecta aquele paciente no clado da África Ocidental, encontrando-o mais intimamente relacionado a vírus associados a casos exportados da Nigéria em 2018 e 2019.[82] O erro de sequenciamento atual impede a colocação exata do vírus dentro do grupo desses vírus nigerianos.

Após a detecção de um caso em Massachusetts no dia anterior, os Estados Unidos, em 19 de maio, fizeram um pedido de US$ 299 milhões para 13 milhões de vacinas contra a varíola dos macacos da Bavarian Nordic.[83]

Em 20 de maio, a Austrália relatou seu primeiro caso suspeito, em um homem que adoeceu após retornar de uma viagem pela Europa.[84] Um segundo caso também foi confirmado no mesmo dia. Os casos foram identificados como sendo em Melbourne e Sydney. Ambos voltaram recentemente de uma viagem pela Europa.[85] Alemanha e Holanda confirmaram seus primeiros casos no mesmo dia.[86][87]

Em 21 de maio, Suíça e Israel confirmaram seus primeiros casos.[88][16] A Grécia relatou seu primeiro caso suspeito no mesmo dia, um turista inglês de 29 anos.[89][90]

Em 23 de maio, a Dra. Sue Hopkins, consultora médica chefe da Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido, anunciou que 37 novos casos de varíola dos macacos foram confirmados, mais que dobrando o total confirmado no Reino Unido para 57 casos.[91]

OMS aconselha homens que fazem sexo com homens a reduzirem número de parceiros[editar | editar código-fonte]

Recomendação feita no dia 27 de Julho de 2022 tem como objetivo 'reduzir risco de exposição', segundo Tedros Adhanom, o diretor da organização. Ele também voltou a afirmar que 'estigma e discriminação podem ser tão perigosos quanto qualquer vírus e podem alimentar o surto'.[92][93][94]

Uma das principais investigações sobre essa questão foi recentemente publicada no jornal The New England Journal of Medicine. Na qual especialistas da Universidade Queen Mary de Londres, em conjunto com outras instituições britânicas, avaliaram 528 casos de varíola dos macacos que ocorreram entre abril e junho em 16 países diferentes. Os números mostram que 98% dos pacientes se declararam gays, bissexuais ou HSH. 75% deles se diziam brancos e 41% eram HIV positivo.[95][96][97]

A idade média dos indivíduos avaliados era de 38 anos e 95% tinham a relação sexual como a principal forma de contato com a doença.[98][96]

Pesquisas e investigações[editar | editar código-fonte]

Alterações de transmissão[editar | editar código-fonte]

Este surto foi a primeira vez que a transmissão comunitária da varíola dos macacos foi registrada fora da África e os primeiros casos conhecidos e de transmissão entre homens que fazem sexo com homens (HSH).[99] Antes do surto de 2022, a varíola dos macacos não era considerada uma infecção sexualmente transmissível (IST).[100] A rápida disseminação do vírus entre parceiros sexuais nos estágios iniciais do surto levou à discussão de que a relação sexual pode ser uma outra via de transmissão.[100] Ainda não está claro se se tornou ou não uma DST, e alguns especialistas duvidam que tenha se transformado em uma, apesar de se espalhar nas redes sexuais.[101] Na Nature, Anne Rimoin e Raina MacIntyre especulam que a maior porcentagem de HSH afetados é resultado da introdução coincidente na comunidade e, em seguida, atividade sexual constituindo "contato próximo" em vez do próprio vírus se tornar sexualmente transmissível.[102] O ECDC afirma que “o vírus da varíola dos macacos é considerado de transmissibilidade moderada entre humanos e pode ser transmitido por gotículas e/ou contato com lesões infectadas. A transmissão entre parceiros sexuais, devido ao contato íntimo durante o sexo com lesões cutâneas infecciosas, parece ser o modo provável de transmissão entre HSH."[99] O ECDC classifica a probabilidade de transmissão devido a contato próximo, incluindo contato sexual, como “alta”, mas, sem contato próximo, considera o risco para o público em geral “baixo”.[99]

Alterações genômicas[editar | editar código-fonte]

A sequência genómica do vírus associado a este surto foi publicada pela primeira vez a 19 de maio por investigadores portugueses.[103] A pesquisa confirmou que o vírus da varíola dos macacos era do clado da África Ocidental, muito intimamente relacionado a outros surtos internacionais anteriores em 2018-19,[104] e provavelmente se originou na Nigéria. Uma investigação mais aprofundada da sequência genômica pode fornecer mais informações sobre "epidemiologia, fontes de infecção e padrões de transmissão".[103] O sequenciamento genômico de um paciente belga com varíola dos macacos indicou resultados semelhantes.[105] Espera-se mais dados e análises do genoma,[104] mas, como um vírus de DNA, considera-se improvável que o Monkeypox virus tenha sofrido uma mutação para se tornar mais capaz de transmissão de humano para humano.[106]

Vacinas[editar | editar código-fonte]

As vacinas contra a varíola contendo vaccinia, como Imvanex (Jynneos), podem fornecer cerca de 85% de eficácia contra a varíola dos macacos. Este nível de proteção é calculado a partir de estudos usando vacinas contra a varíola testadas no final de 1980 na África.[107][108][109] A UKHSA começou a usar Imvanex como profilaxia pós-exposição para contatos próximos de casos conhecidos.[110]

Em 25 de maio, especialistas em doenças do NICD na África do Sul disseram que não viam necessidade de vacinação em massa, porque acreditam que os casos não explodirão como na pandemia de COVID-19.[111]

Em reação ao atual surto de varíola dos macacos, vários países declararam que estão comprando vacinas e/ou liberando vacinas de estoques nacionais para uso no surto. Em maio de 2022, os EUA,[112][113] Espanha,[114] Alemanha[115] e Reino Unido[116] anunciaram compras de vacina contra a varíola.

Em 24 de maio, a vice-diretora do Centro de Controle de Doenças (CDC), Jennifer McQuiston, confirmou que os Estados Unidos estão liberando parte de seu suprimento de vacina Jynneos de seu Estoque Nacional Estratégico para pessoas de "alto risco".[117][118]

Aspectos sociais[editar | editar código-fonte]

As autoridades de saúde pública visam direcionar recursos e educação para os grupos afetados, mas evitam o estigma que poderia desencorajar as pessoas com sintomas ou que foram expostas a procurar ajuda.[119] Grupos de direitos LGBTQ+ emitiram declarações aconselhando a mídia a evitar estigmatizar grupos marginalizados, como homens que fazem sexo com homens.[120][121] Em 22 de maio, o UNAIDS instou os comunicadores a evitar o estigma adotando uma abordagem baseada em evidências, reiterou que a doença pode afetar qualquer pessoa e que o risco não se limita a homens que fazem sexo com homens.[122]

Em 24 de maio, o The Washington Post publicou um artigo que apontava a falta de atenção global à doença quando ela afetava apenas africanos, em comparação com a atenção direcionada a ela quando um pequeno número de casos passou a afetar países ocidentais.[123] Alguns também se opuseram a fotos usadas na cobertura da mídia de doenças leves na Europa que apresentavam casos graves em africanos de pele escura.[123]

Desinformação[editar | editar código-fonte]

Desinformação e teorias da conspiração se espalham online,[124] inclusive no Weibo.[125] Em um artigo publicado pela BBC contra a desinformação sobre o surto de varíola, a jornalista Rachel Schraer observou que contas de mídia social e agências de notícias de diferentes países, incluindo China, Rússia, Ucrânia e Estados Unidos, têm promovido a ideia de que o surto foi causado por um vazamento de laboratório ou que monkeypox está sendo usado como uma arma biológica. O Instituto de Diálogo Estratégico afirmou sobre isso como "Reviver a disseminação de um conjunto de conspirações de recortar e colar", referindo-se às teorias da conspiração usadas durante a pandemia do COVID-19.[126][127] A BBC também deixou claro que as sequências genéticas do vírus, até onde se sabe, remontam a uma cepa da África Ocidental.[126]

A televisão estatal russa, fomentou uma teoria conspiratória de que os Estados Unidos através do financiamento de laboratórios na Nigéria estariam tentando utilizar a varíola dos macacos como uma arma biológica. Em um artigo com Igor Kirillov, o líder das Tropas de Proteção Contra Radiação, Química e Biológica das Forças Armadas da Rússia, a televisão afirmou que, em 2003, o Departamento de Defesa norte-americano "desenvolveu um programa de vacinação contra a varíola, segundo o qual todos os militares dos Estados Unidos estão sujeitos à vacinação obrigatória. Isso indica que os Estados Unidos consideram o patógeno da varíola como agente biológico patogénico prioritário para uso em combate e as medidas de vacinação em andamento visam proteger os seus próprios contingentes militares", sugeriu.[128][129]

Homofobia[editar | editar código-fonte]

Desde o inicio do surto, quando foi reconhecida uma relação preliminar entre HSH e a transmissão da doença, organizações de defesa à comunidade LGBTQIA+ demonstraram a preocupação com o aumento de ataques homofóbicos relacionados à doença. O jornalista Benjamin Ryan, em um artigo de opinião no Washington Post, traça uma linha entre as tentativas de não estigmatizar desnecessariamente os gays e a importância de dizer a verdade sobre a varíola dos macacos.[130] Segundo a UNIAIDS, o estigma da doença ser reconhecida como uma "doença de gay" gera um risco à saúde pública tendo em vista que o estigma gera um medo que afasta principalmente homens da busca por um tratamento médico, com medo de ter sua orientação sexual questionada. Por meio de um comunicado a imprensa, o diretor executivo adjunto da UNIAIDS, Matthew Kavanagh, afirmou:[131]

Racismo[editar | editar código-fonte]

O Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, disse que a organização está “trabalhando com parceiros e especialistas de todo o mundo para mudar o nome do vírus da varíola dos macacos, seus subtipos e a doença que causa”. Isto ocorre depois depois de diversos cientistas reivindicarem a mudança do nome da doença, principalmente pelo surto de 2022 ser vinculado ao clado, linhagem ou genótipo da 'África Ocidental', assim catalizando uma xenofobia contra os países africanos e seus imigrantes.[132]

"A manifestação mais óbvia disso é o uso de fotos de pacientes africanos para retratar as lesões da varíola na grande mídia do norte global", afirmaram os cientistas que manifestaram-se contra o nome da doença. Os cientistas também argumentaram que o nome contraria a prática de abster-se de "localizações geográficas na nomenclatura de doenças e grupos de doenças". Ao longo da proposta, os cientistas se referem à cepa como “hMPXV”, em vez de varíola, como um substituto.[133]

Casos por país[editar | editar código-fonte]

Esta é uma tabela de casos confirmados e suspeitos de varíola fora dos países africanos onde o vírus é endêmico. Não inclui países onde casos suspeitos foram relatados, mas posteriormente descartados, como Equador,[134] Costa Rica[135] e Afeganistão.[136][137]

Casos por país ou território (excluem os países endêmicos do continente africano)
País Confirmados Suspeitos Total Mortes Última atualização Primeiro caso confirmado Primeira morte confirmada
 Estados Unidos 4 639 4 639 27 de julho de 2022[138] 18 de maio de 2022[139][140]
Flag of Spain.svg Espanha 3 999 62 4 061 2[141] 27 de julho de 2022[142] 18 de maio de 2022[143] 29 de julho de 2022[144]
 Alemanha 2 459 2 459 27 de julho de 2022[145] 20 de maio de 2022[146]
 Reino Unido 2 367 2 367 26 de julho de 2022[147] 6 de maio de 2022[148]
 França 1 837 1 837 26 de julho de 2022[149] 20 de maio de 2022[150]
 Brasil 978 544 1 522 1[151] 27 de julho de 2022[152] 9 de junho de 2022[153][154] 29 de julho de 2022[151]
 Países Baixos 818 818 25 de julho de 2022[155] 20 de maio de 2022[87]
 Canadá 719 45 764 26 de julho de 2022[156] 19 de maio de 2022[157]
Portugal Portugal 588 588 21 de julho de 2022[26] 18 de maio de 2022[158]
 Itália 426 426 26 de julho de 2022[159] 19 de maio de 2022[160]
 Bélgica 393 1 394 26 de julho de 2022[161] 19 de maio de 2022[79]
Suíça 251 251 27 de julho de 2022[162] 21 de maio de 2022[88][163]
 Peru 2 311 10 2 321 1[164] 24 de setembro de 2022[165] 26 de junho de 2022[166] 1 de agosto de 2022[164]
 Israel 121 121 26 de julho de 2022[167] 21 de maio de 2022[16]
 Áustria 115 115 27 de julho de 2022[161] 22 de maio de 2022[83]
 Irlanda 85 85 26 de julho de 2022[161] 27 de maio de 2022[168]
 Suécia 81 81 25 de julho de 2022[161] 19 de maio de 2022[169][170]
 Dinamarca 71 71 27 de julho de 2022[161] 23 de maio de 2022[171][172]
 México 60 60 27 de julho de 2022[173] 28 de maio de 2022[174]
 Polónia 53 53 26 de julho de 2022[161] 10 de junho de 2022[175]
 Noruega 51 51 27 de julho de 2022[176] 31 de maio de 2022[177]
 Chile 45 1 46 27 de julho de 2022[178] 17 de junho de 2022[179]
 Austrália 44 44 25 de julho de 2022[180] 20 de maio de 2022[181]
 Hungria 37 37 26 de julho de 2022[161] 31 de maio de 2022[182]
Gana 34 34 1[183] 27 de julho de 2022[184] 8 de junho de 2022[19] 31 de julho de 2022[183]
 Eslovênia 33 33 26 de julho de 2022[161] 24 de maio de 2022[185][186]
 Grécia 29 29 26 de julho de 2022[187] 8 de junho de 2022[188][189]
 Luxemburgo 22 22 27 de julho de 2022[161] 15 de junho de 2022[190]
 Argentina 20 20 26 de julho de 2022[161] 27 de maio de 2022[191]
Roménia 20 20 25 de julho de 2022[180] 13 de junho de 2022[192]
 Malta 17 17 22 de julho de 2022[180] 28 de maio de 2022[193]
 Chéquia 16 16 25 de julho de 2022[161] 24 de maio de2022[194]
 Emirados Árabes Unidos 16 16 24 de julho de 2022[195][196] 24 de maio de 2022[15][197]
 Finlândia 13 13 20 de julho de 2022[173][187] 27 de maio de 2022[198][199]
 Colômbia 12 12 26 de julho de 2022[161] 23 de junho de 2022[200]
 Croácia 11 11 27 de julho de 2022[161] 23 de junho de 2022[201]
 Porto Rico 11 2 13 21 de julho de 2022[202] 28 de junho de 2022[203]
Singapura Singapura 11 11 27 de julho de 2022[204] 20 de junho de 2022[205]
 Sérvia 10 10 26 de julho de 2022[206][161] 17 de junho de 2022[206]
 Islândia 9 9 22 de julho de 2022[180][187] 9 de junho de 2022[207]
Gibraltar[a] 5 5 22 de julho de 2022[208][180] 1 de junho de 2022[208]
 Estónia 5 5 27 de julho de 2022[161] 28 de junho de 2022[209]
 Bulgária 4 4 25 de julho de 2022[161] 23 de junho de 2022[210]
 Índia 4 1 5 1[211] 25 de julho de 2022[212] 14 de julho de 2022[213] 1 de agosto de 2022[211]
Líbano 4 4 22 de julho de 2022[180] 20 de junho de 2022[214]
África do Sul 3 3 11 de julho de 2022[215] 23 de junho de 2022[216][217]
 Andorra 3 3 26 de julho de 2022[187] 2 de julho de 2022[218]
Arábia Saudita 3 3 25 de julho de 2022[219] 14 de julho de 2022[220]
Costa Rica 3 3 26 de julho de 2022[221] 20 de julho de 2022[222]
Equador 3 3 26 de julho de 2022[161] 6 de julho de 2022[223]
 Eslováquia 3 3 22 de julho de 2022[180] 12 de julho de 2022[224]
 Letônia 3 3 22 de julho de 2022[180][187] 3 de junho de 2022[225]
República Dominicana 3 3 19 de julho de 2022[226][227] 6 de julho de 2022[226]
 Catar 2 2 26 de julho de 2022[161] 21 de julho de 2022[228]
 Jamaica 2 2 24 de julho de 2022[229][230] 6 de julho de 2022[229]
 Nova Zelândia 2 2 12 de julho de 2022[231] 9 de julho de 2022[232]
Taiwan 2 2 13 de julho de 2022[233] 24 de junho de 2022[234]
 Bahamas 1 1 30 de junho de 2022[235] 30 de junho de 2022[235]
 Barbados 1 1 16 de julho de 2022[236] 16 de julho de 2022[236]
 Bermudas 1 1 22 de julho de 2022[237] 22 de julho de 2022[237]
 Bósnia e Herzegovina 1 1 13 de julho de 2022[238] 13 de julho de 2022[238]
Coreia do Sul Coreia do Sul 1 1 22 de junho de 2022[239] 22 de junho de 2022[240]
 Geórgia 1 1 19 de julho de 2022[241][187] 15 de junho de 2022[241]
 Japão 1 1 25 de julho de 2022[242] 25 de julho de 2022[242]
Jersey 1 1 23 de julho de 2022[243] 23 de julho de 2022[243]
 Marrocos 1 1 2 14 de junho de 2022[244] 2 de junho de 2022[18]
Martinica 1 1 17 de julho de 2022[245] 17 de julho de 2022[245]
Mónaco 1 1 22 de julho de 2022[246] 22 de julho de 2022[246]
 Nova Caledónia 1 1 12 de julho de 2022[247] 12 de julho de 2022[247]
 Panamá 1 1 5 de julho de 2022[248] 5 de julho de 2022[248]
 Rússia 1 1 12 de julho de 2022[249] 12 de julho de 2022[249]
 Tailândia 1 1 21 de julho de 2022[250] 21 de julho de 2022[250]
 Turquia 1 1 19 de julho de 2022[251][187] 30 de junho de 2022[251]
 Venezuela 1 1 12 de junho de 2022[252] 12 de junho de 2022[252]
Somália 4 4 9 de junho de 2022[253]
Uruguai 1 1 5 de junho de 2022[254]
 Zâmbia 1 1 20 de junho de 2022[255]
 Total 20 846 832 21 678 6

Cronologia dos primeiros casos por país ou território[editar | editar código-fonte]

Primeiro caso confirmado de varíola dos macacos por país ou território
Data Países / Territórios
6 de maio de 2022  Reino Unido
18 de maio de 2022 Portugal PortugalFlag of Spain.svg Espanha Estados Unidos
19 de maio de 2022  Bélgica Canadá Itália Suécia
20 de maio de 2022  Austrália França Alemanha Países Baixos
21 de maio de 2022  Israel Suíça
22 de maio de 2022  Áustria
23 de maio de 2022  Dinamarca
24 de maio de 2022  Chéquia Eslovênia Emirados Árabes Unidos
27 de maio de 2022  Argentina Finlândia Irlanda
28 de maio de 2022  Malta México
31 de maio de 2022  Hungria Noruega[177]
1 de junho de 2022 Gibraltar[a]
2 de junho de 2022  Marrocos
3 de junho de 2022  Letônia
8 de junho de 2022 Gana Grécia
9 de junho de 2022  Brasil Islândia
10 de junho de 2022  Polónia
12 de junho de 2022  Venezuela
13 de junho de 2022 Roménia
15 de junho de 2022  Geórgia Luxemburgo
17 de junho de 2022  Chile Sérvia
20 de junho de 2022 LíbanoSingapura Singapura
22 de junho de 2022 Coreia do Sul Coreia do Sul
23 de junho de 2022 África do Sul Bulgária Colômbia Croácia
24 de junho de 2022 Taiwan[b]
26 de junho de 2022  Peru
28 de junho de 2022  Estónia
29 de junho de 2022  Porto Rico
30 de junho de 2022  Bahamas Turquia
2 de julho de 2022  Andorra
5 de julho de 2022  Panamá
6 de julho de 2022 Equador Jamaica República Dominicana
7 de julho de 2022  Eslováquia
9 de julho de 2022  Nova Zelândia
12 de julho de 2022  Nova Caledónia Rússia
13 de julho de 2022  Bósnia e Herzegovina
14 de julho de 2022  Índia Arábia Saudita
16 de julho de 2022  Barbados
17 de julho de 2022 Martinica
20 de julho de 2022 Costa Rica
21 de julho de 2022  Catar Tailândia
22 de julho de 2022  Bermudas Mónaco
23 de julho de 2022 Jersey
25 de julho de 2022  Japão

Reações[editar | editar código-fonte]

Resposta de órgãos da ONU[editar | editar código-fonte]

Organização Mundial da Saúde[editar | editar código-fonte]

Em 20 de maio, a Organização Mundial da Saúde (OMS) convocou uma reunião de emergência de conselheiros independentes para discutir o surto e avaliar o nível de ameaça.[256] Seu chefe europeu, Hans Kluge, expressou preocupação de que as infecções possam acelerar na Europa à medida que as pessoas se reúnem para festas e festivais durante o verão. Espera-se que a OMS forneça uma atualização sobre o sequenciamento do genoma do vírus de diferentes casos para determinar a causa.[257] Em 14 de junho, a OMS anunciou planos de alterar a nomenclatura do vírus monkeypox, a fim de combater o estigma e o racismo em torno da doença.[258]

Em 23 de junho, em reunião marcada pela OMS, determinou que o surto, até então, não constituía uma Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional,[259] mas essa decisão foi anulada por uma reunião posterior em 23 de julho de 2022, confirmando a nova classificação do surto.[260]

Em uma recomendação feita no dia 27 de Julho de 2022 a OMS aconselha homossexuais a reduzirem número de parceiros, a recomendação tem como objetivo 'reduzir risco de exposição', segundo Tedros Adhanom, o diretor da organização. Ele também voltou a afirmar que 'estigma e discriminação podem ser tão perigosos quanto qualquer vírus e podem alimentar o surto'.[92][93][94]

UNAIDS[editar | editar código-fonte]

O UNAIDS instou os comunicadores a evitar o estigma adotando uma abordagem baseada em evidências, reiterou que a doença pode afetar qualquer pessoa e que o risco não se limita a homens que fazem sexo com homens.[261]

Resposta de países[editar | editar código-fonte]

  • África do Sul: Em 26 de maio de 2022, o Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis (NICD) divulgou um comunicado sobre como o vírus é transmitido, e o instituto afirmou que o surto de 2022 é o maior surto de Monkeypox fora das regiões endêmicas. Além disso, o NICD afirmou que o vírus se espalha principalmente em áreas de floresta tropical na África Ocidental e Central.[262]
  •  Alemanha: Fabian Leendertz, do Instituto Robert Koch, descreveu o surto como uma epidemia que não durará muito: "Os casos podem ser bem isolados através do rastreamento de contatos e também existem medicamentos e vacinas eficazes que podem ser usadas, se necessário".[263]
  •  Argélia: O Instituto Pasteur da Argélia emitiu um comunicado em maio de 2022, no qual o Instituto descreveu as origens da varíola dos macacos na África Subsaariana e recomendou o distanciamento físico, bem como o uso de máscaras em locais lotados ou fechados, além de evitar o contato com animais selvagens que podem possuir o vírus.[264]
  • Arábia Saudita: Em 21 de maio, o Ministério da Saúde saudita afirmou que está pronto para monitorar e investigar casos de varíola, se houver. Acrescentaram que também possui um plano preventivo integrado para lidar com esses casos caso apareçam, incluindo a identificação de casos suspeitos e confirmados.[265]
  •  Bangladesh: A Direção Geral de Serviços de Saúde (DGHS) emitiu alertas em todos os portos do país para evitar a propagação da varíola. De acordo com o porta-voz da Direção Nazmul Islam, a DGHS pediu a todos os portos aéreos, terrestres e marítimos que estejam alertas. Os casos suspeitos são orientados a serem encaminhados a um hospital de infectologia e mantidos em isolamento.[266]
  •  Brasil: O Ministério da Saúde do Brasil começou a monitorar o paciente brasileiro na Alemanha solicitando mais informações ao Ministério da Saúde da Alemanha. Ele também criou grupos de biólogos para monitorar macacos e grupos médicos para monitorar possíveis casos.[267]
  •  Bélgica: O Grupo de Avaliação de Risco (RAG) e as autoridades de saúde declararam que os infectados com varíola dos macacos devem se auto-isolar por 21 dias.[268]
  •  Canadá: Em 24 de maio, a Agência de Saúde Pública do Canadá declarou que estava em processo de extração de vacinas Imvamune de seu Estoque Estratégico de Emergência Nacional para implantação em todo o país, começando pela província de Quebec. Em 26 de maio, Quebec anunciou que as vacinas Imvamune seriam disponibilizadas para aqueles que estiveram em contato próximo com casos confirmados ou suspeitos de varíola.[269]
  •  China: Em 2 de junho, o CDC chinês emitiu um aviso citando o documento da OMS com uma tradução do original "Estigmatizar pessoas por causa de uma doença NUNCA é ok. Qualquer pessoa pode contrair ou transmitir varíola, independentemente de sua sexualidade".[270]
  •  Colômbia: Em maio de 2022, o Ministério da Saúde colombiano estava tomando medidas de acompanhamento e controle. A diretora de Epidemiologia e Demografia do Ministério da Saúde, Claudia Cuellar, informou a população colombiana sobre como a varíola se espalha pelas pessoas e falou sobre a apresentação clínica do vírus e as normas internacionais de saúde.[271]
  •  Estados Unidos: Em 22 de maio, o presidente Joe Biden comentou que "eles ainda não me disseram o nível de exposição, mas é algo com que todos devem se preocupar", enquanto seu conselheiro de segurança nacional garantiu ao público que os EUA têm uma vacina capaz de tratamento do vírus.[272]
  •  Egito: Em 24 de maio de 2022, o Ministério da Saúde e População do Egito informou sobre medidas para prevenir novas infecções por varíola de macacos, entre elas, lavar as mãos com sabão ou usar desinfetante para as mãos à base de álcool, além do uso de equipamentos de proteção individual, como máscaras . Além disso, o Ministério informou que devem ser adotados procedimentos veterinários de quarentena para animais que apresentem a doença.[273]
  • Fiji: O Centro de Controle de Doenças e a Unidade de Proteção à Saúde de Fronteiras do país estão monitorando a situação. O Ministério da Saúde implementou protocolos de prevenção de infecções na fronteira.[274][275]
  • Filipinas: O secretário de Saúde, Francisco Duque III, disse que as Filipinas estão intensificando suas medidas de controle de fronteiras em meio à ameaça do vírus da varíola dos macacos.[276]
  •  Guatemala: Em 26 de maio de 2022, o Ministro da Saúde da Guatemala, Francisco Coma, informou que o Ministério declarou um alerta epidemiológico nas fronteiras do país centro-americano, com o objetivo de detectar possíveis casos de varíola.[277] O ministro também mencionou que uma das principais transmissões da varíola símia é de ferimentos e fluidos corporais, bem como o contato com roupas contaminadas.[278]
  •  Índia: O ministro da Saúde da União, Mansukh Mandaviya, orientou o Centro Nacional de Controle de Doenças e o ICMR a acompanhar de perto e monitorar a situação. O Ministério da Saúde da União também orientou os agentes de saúde dos aeroportos e dos portos a ficarem vigilantes, segundo fontes oficiais. Eles foram instruídos a isolar e enviar amostras ao Instituto Nacional de Virologia de qualquer passageiro doente com histórico de viagens para países infectados.[279]
  •  Irlanda: O Health Service Executive (HSE) montou uma equipe multidisciplinar de gerenciamento de incidentes para se preparar para a possível chegada da varíola, e especialistas em doenças infecciosas estão em alerta para pacientes com sintomas do vírus.[280]
  • Kosovo: 23 de maio, o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Saúde Pública, elaboraram um documento de recomendações e medidas para ajudar a prevenir a propagação da doença. Em comunicado à imprensa, as autoridades de saúde declararam que a situação está sendo monitorada de perto.[281]
  •  Luxemburgo: Em 21 de maio, o Ministério da Saúde disse que está monitorando a situação com a sua Europa.[282] Departamento Nacional de Doenças Infecciosas do HLC e abster-se de atividades de contato próximo até que a infecção seja resolvida.[283]
  •  Malásia: Em 27 de maio de 2022, o Ministério da Saúde da Malásia reativou o aplicativo MySejahtera para fornecer informações e vigilância sobre a varíola dos macacos.[284]
  •  Marrocos: Em maio de 2022, vários diretores regionais do Ministério da Saúde marroquino estão coordenando um sistema de vigilância para Monkeypox com a Direção de Epidemiologia e Controle de Doenças, a fim de evitar que casos de monkeypox de países europeus se espalhem para o Marrocos.[285] Devido à operação "Marhaba 2022", uma operação que visa facilitar a deslocação dos marroquinos que vivem no estrangeiro por via marítima quando viajam durante o período de verão,[286] medidas sanitárias já foram implementadas.[287]
  • Nigéria: O diretor-geral do NCDC, Ifedayo Adetifa, aconselhou a população nigeriana a evitar comer carne de caça para prevenir novas infecções por varíola dos macacos, além de armazenar os alimentos adequadamente para evitar a contaminação por roedores, já que a varíola símia é uma zoonose viral.[288]
  •  Reino Unido: Em 22 de maio, o secretário de Educação Nadhim Zahawi disse que "estamos levando isso muito, muito a sério" e que o governo do Reino Unido já havia começado a comprar vacina.[289]
  • República Dominicana: Em maio de 2022, o Ministério da Saúde Pública da República Dominicana emitiu um alerta epidemiológico preventivo após a ocorrência de varíola símia em vários países.[290][291]
  •  Tailândia: Em 24 de maio de 2022, o Departamento de Controle de Doenças (DDC) começou a rastrear todos os passageiros estrangeiros de países da África Central e outros países com surtos em aeroportos internacionais.[292] Em 26 de maio de 2022, o DDC montou um centro de operações de emergência para monitorar a situação do surto e planejar um possível surto no reino.[293] Anutin Charnvirakul, Ministro da Saúde Pública, disse que o governo está buscando uma vacina contra a varíola da OMS para reforçar a imunidade do público em caso de surto viral.[294] Em 30 de maio de 2022, o noticiário local relatou o primeiro caso de varíola no país.[295] O paciente era um passageiro que estava em trânsito da Europa para a Austrália via Bangkok. No entanto, os sintomas do paciente se desenvolveram e foram diagnosticados na Austrália. Não houve casos locais descobertos até o momento.[296]
  •  Vietname: Em 24 de maio, o Ministério da Saúde do Vietnã pediu às localidades fronteiriças que aumentassem a vigilância para detectar possíveis casos de varíola.[297]

Mortes[editar | editar código-fonte]

No dia 29 de julho de 2022, o Brasil registrou a primeira morte por varíola dos macacos no país. O Ministério da Saúde anunciou que o paciente tinha "imunidade baixa e comorbidades, incluindo câncer (linfoma), que o levaram ao agravamento do quadro". Ele foi internado em um hospital público de Belo Horizonte e transferido para a CTI e morreu de choque céptico. Foi a primeira morte registrada da doença fora da África.[298] No dia 29 de agosto, um homem de 33 anos com baixa imunidade e comorbidades que estava internado em hospital no Campos dos Goytacazes faleceu.[299]

Notas e referências

Notas

  1. Na África, os casos são considerados uma endemia contínua, pois nunca cessaram. A novidade trata-se da transmissão voluntária fora do continente

Referências

  1. «Monkeypox spreads in West, baffling African scientists». ABC News (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2022 
  2. Mandavilli, Apoorva (18 de maio de 2022). «A Massachusetts Man Is Infected With Monkeypox». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 20 de maio de 2022 
  3. Fonseca, Pedro (29 de julho de 2022). «Brazil reports first monkeypox death outside Africa in current outbreak». Reuters. Consultado em 10 de agosto de 2022 
  4. Faus, Joan. «Spain reports second monkeypox-related death in Europe». Reuters. Consultado em 30 de julho de 2022 
  5. «Youth who died in Kerala's Thrissur succumbed to monkeypox, says health dept after NIV confirms». The Indian Express. Consultado em 1 de agosto de 2022 
  6. «Ministerio de Salud confirma primera muerte de un paciente con viruela del mono». El Universo (em espanhol). Consultado em 8 de agosto de 2022 
  7. «One person dead after contracting monkeypox». MyJoyOnline.com. Consultado em 31 de julho de 2022 
  8. «Perú confirma la muerte de un paciente afectado por viruela del mono». MachalaMovil. Consultado em 1 de agosto de 2022 
  9. «Texas reports first U.S. death in person with monkeypox». Reuters. Consultado em 30 de agosto de 2022 
  10. «Multi-country monkeypox outbreak in non-endemic countries». World Health Organization. 21 de maio de 2022. Consultado em 25 de maio de 2022 
  11. «So, Have You Heard About Monkeypox?». The Atlantic. 19 de maio de 2022 
  12. «Monkeypox – United Kingdom of Great Britain and Northern Ireland». World Health Organization. 16 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2022 
  13. Nsofor, Ifeanyi (2 de junho de 2022). «OPINION: Media coverage of monkeypox paints it as an African virus. That makes me mad». NPR. Consultado em 2 de junho de 2022 
  14. «Viruela del mono: confirmaron el primer caso del virus en el país» (em espanhol). 26 de maio de 2022. Consultado em 26 de maio de 2022 
  15. a b «UAE reports first case of monkeypox in the country». Al Arabiya. 24 de maio de 2022. Consultado em 24 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de maio de 2022 
  16. a b c Efrati, Ido. «Israel Confirms First Case of Monkeypox Virus». Haaretz (em inglês). Consultado em 21 de maio de 2022. Cópia arquivada em 20 de maio de 2022 
  17. «Monkeypox confirmed in Melbourne and Sydney». Australian Broadcasting Corporation. 20 de maio de 2022. Consultado em 20 de maio de 2022. Cópia arquivada em 20 de maio de 2022 
  18. a b «Morocco Reports First Monkeypox Case». Morocco World News. Consultado em 2 de junho de 2022 
  19. a b «5 cases of monkeypox confirmed in Ghana». MyJoyOnline.com. Consultado em 8 de junho de 2022 
  20. [14][15][16][17][18][19]
  21. «Monkeypox Data Explorer». OurWorldInData. Consultado em 27 de maio de 2022. Arquivado do original em 28 de junho de 2022 
  22. Grover, Natalie; Revill, John; Rigby, Jennifer (23 de julho de 2022). «WHO declares global health emergency over monkeypox outbreak». Reuters (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2022 
  23. a b «Multi-country monkeypox outbreak in non-endemic countries». World Health Organization. 21 de maio de 2022. Consultado em 25 de maio de 2022 
  24. Constantino, Annika Kim (26 de maio de 2022). «Monkeypox has spread to more than 20 countries, but the outbreaks are containable, WHO says» (em inglês). CNBC. Consultado em 3 de junho de 2022 
  25. «WHO Director-General's opening remarks at the COVID-19 media briefing– 1 June 2022» (em inglês). World Health Organization. Consultado em 3 de junho de 2022 
  26. a b «Monkeypox has likely spread undetected 'for some time': WHO» (em inglês). Al Jazeera. 1 de junho de 2022. Consultado em 3 de junho de 2022 
  27. Kimball, Spencer (1 de junho de 2022). «WHO says monkeypox has been spreading undetected as global cases rise to more than 550» (em inglês). CNBC. Consultado em 3 de junho de 2022 
  28. «Monkeypox – United Kingdom of Great Britain and Northern Ireland». World Health Organization. 16 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2022 
  29. «Multi-country monkeypox outbreak in non-endemic countries». World Health Organization. 21 de maio de 2022. Consultado em 25 de maio de 2022 
  30. «About Monkeypox». CDC (em inglês). 11 de maio de 2015. Consultado em 15 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2017 
  31. a b c d e «Signs and Symptoms Monkeypox». CDC (em inglês). 11 de maio de 2015. Consultado em 15 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2017 
  32. a b «Emergence of Monkeypox as the Most Important Orthopoxvirus Infection in Humans». 4 de setembro de 2018. Consultado em 19 de maio de 2022 
  33. a b «Transmission Monkeypox». CDC (em inglês). 11 de maio de 2015. Consultado em 15 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2017 
  34. «Monkeypox | Poxvirus | CDC». www.cdc.gov (em inglês). 17 de novembro de 2021. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  35. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Varíola dos macacos CDC2015Out
  36. a b McCollum AM, Damon IK (janeiro de 2014). «Human monkeypox». Clinical Infectious Diseases. 58 (2): 260–67. PMID 24158414. doi:10.1093/cid/cit703Acessível livremente 
  37. «FDA approves first live, non-replicating vaccine to prevent smallpox and monkeypox». FDA (em inglês). 24 de setembro de 2019. Consultado em 27 de setembro de 2019 
  38. a b «Treatment | Monkeypox | Poxvirus | CDC». www.cdc.gov (em inglês). 28 de dezembro de 2018. Consultado em 11 de outubro de 2019 
  39. Hutin YJ, Williams RJ, Malfait P, Pebody R, Loparev VN, Ropp SL, et al. (2001). «Outbreak of human monkeypox, Democratic Republic of Congo, 1996 to 1997». Emerging Infectious Diseases. 7 (3): 434–38. PMC 2631782Acessível livremente. PMID 11384521. doi:10.3201/eid0703.010311 
  40. Yassif, Jaime M.; O'Prey, Kevin P.; Isaac, Christopher R. (novembro de 2021). «Strengthening Global Systems to Prevent and Respond to High-Consequence Biological Threats» (PDF). Nuclear Threat Initiative. Consultado em 20 de junho de 2022. Arquivado do original (PDF) em 27 de maio de 2022 
  41. «World Health Organization (WHO) Declares Monkeypox A Global Health Emergency». World Health Organization (WHO) Declares Monkeypox A Global Health Emergency - 'World of Buzz' News | SendStory Malaysia (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  42. Chee (24 de julho de 2022). «World Health Organization (WHO) Declares Monkeypox A Global Health Emergency - WORLD OF BUZZ». worldofbuzz.com (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  43. Kamsukom, Nana (27 de maio de 2022). «African Centre For Disease Control Alerts Cameroon On Monkeypox». Journal du Cameroun (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2022 
  44. Tomori, Oyewale. «Monkeypox in Nigeria: why the disease needs intense management». The Conversation (em inglês). Consultado em 25 de maio de 2022 
  45. Tomori, Oyewale. «Monkeypox is endemic in Nigeria. But surveillance isn't what it should be». The Conversation (em inglês). Consultado em 25 de maio de 2022 
  46. Ileyemi, Mariam (10 de maio de 2022). «Monkeypox: Nigeria records 558 cases, eight deaths in five years». Premium Times (em inglês). Consultado em 25 de maio de 2022 
  47. «Multi-country monkeypox outbreak: situation update (10 June 2022)». World Health Organization (em inglês). 10 de junho de 2022. Consultado em 22 de junho de 2022 
  48. «Multi-country monkeypox outbreak: situation update (17 June 2022)». World Health Organization (em inglês). 17 de junho de 2022. Consultado em 22 de junho de 2022 
  49. Bunge, Eveline M.; Hoet, Bernard; Chen, Liddy; Lienert, Florian; Weidenthaler, Heinz; Baer, Lorraine R.; Steffen, Robert (11 de fevereiro de 2022). «The changing epidemiology of human monkeypox – A potential threat? A systematic review». PLOS Neglected Tropical Diseases (em inglês). 16 (2): e0010141. ISSN 1935-2735. PMC 8870502Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 35148313 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1371/journal.pntd.0010141 
  50. «Monkeypox» (em inglês). World Health Organization. Consultado em 20 de maio de 2022. Arquivado do original em 21 de abril de 2022 
  51. a b «Monkeypox contact tracing extended to Scotland». BBC News. 14 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2022 
  52. «Monkeypox case confirmed in England». GOV.UK (em inglês). Public Health England. 4 de dezembro de 2019. Consultado em 18 de maio de 2022. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2019 
  53. «Australia's first confirmed monkeypox case recorded in Victoria». 7News (em inglês). 19 de maio de 2022. Consultado em 20 de maio de 2022. Arquivado do original em 20 de maio de 2022 
  54. Spice, Linda (6 de junho de 2003). «13 Sick After Prairie Dog Contact; Milwaukee Pet Store Employee, Two Others Remain Hospitalized». Milwaukee Journal Sentinel. Consultado em 31 de maio de 2022. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2003 
  55. Todd Richmond.
  56. «Monkeypox – United States of America» (em inglês). World Health Organization. Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 20 de maio de 2022 
  57. «First draft genome sequence of Monkeypox virus associated with the suspected multi-country outbreak, May 2022 (confirmed case in Portugal)». Virological (em inglês). 19 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 20 de maio de 2022 
  58. «First monkeypox genome from latest outbreak shows links to 2018 strain». New Scientist (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 21 de maio de 2022 
  59. a b Adalja, Amesh; Inglesby, Tom (24 de maio de 2022). «A Novel International Monkeypox Outbreak». Annals of Internal Medicine. PMID 35605243 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.7326/M22-1581 
  60. a b «Epidemiological update: Monkeypox outbreak». European Centre for Disease Prevention and Control (em inglês). 20 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 23 de maio de 2022 
  61. a b c d Dye, Christopher (26 de maio de 2022). «Investigating the monkeypox outbreak». The BMJ. 377: o1314. PMID 35618293 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1136/bmj.o1314 (inativo 2 June 2022)  Verifique data em: |doi-incorrecto= (ajuda)
  62. «Monkeypox is spreading among gay men worldwide» 
  63. Kozlov, Max (20 de maio de 2022). «Monkeypox goes global: why scientists are on alert». Nature (em inglês). 606 (7912): 15–16. PMID 35595996 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1038/d41586-022-01421-8. Consultado em 23 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de maio de 2022 
  64. «Monkeypox likely spread by sex at two raves in Europe, expert says». NBC News (em inglês). Associated Press. 23 de maio de 2022. Consultado em 24 de maio de 2022 
  65. «Monkeypox may have been circulating in UK for years, scientists say». The Guardian. 25 de maio de 2022. Consultado em 25 de maio de 2022 
  66. a b c «Monkeypox – United Kingdom of Great Britain and Northern Ireland». World Health Organization. 16 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2022 
  67. «Monkeypox contact tracing extended to Scotland». BBC News. 14 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2022 
  68. a b «Monkeypox – United Kingdom of Great Britain and Northern Ireland». World Health Organization. 16 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2022 
  69. «Monkeypox contact tracing extended to Scotland». BBC News. 14 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2022 
  70. a b «Monkeypox: Two more confirmed cases of viral infection». BBC News. 15 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 15 de maio de 2022 
  71. a b c «Monkeypox: Four more cases detected in England». BBC News. 17 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2022 
  72. Pinkstone, Joe (17 de maio de 2022). «Monkeypox 'spreading in sexual networks'». The Telegraph. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2022 
  73. «UK monkeypox cases double to 20 – Sajid Javid». BBC News (em inglês). 20 de maio de 2022. Consultado em 20 de maio de 2022 
  74. «Monkeypox. Já há 14 casos de varíola dos macacos em Portugal». www.dn.pt. Consultado em 18 de maio de 2022. Arquivado do original em 18 de maio de 2022 
  75. Güell, Oriol (18 de maio de 2022). «Sanidad confirma que los análisis de los siete primeros casos sospechosos de viruela del mono han dado positivo». El País (em espanhol). Consultado em 18 de maio de 2022. Arquivado do original em 18 de maio de 2022 
  76. «Massachusetts confirms rare monkeypox case, the first in the US this year». Boston Herald (em inglês). 18 de maio de 2022. Consultado em 18 de maio de 2022. Arquivado do original em 20 de maio de 2022 
  77. ICI.Radio-Canada.ca, Zone Santé-. «Variole du singe : au moins 13 cas en cours d'examen à Montréal». Radio-Canada.ca (em francês). Consultado em 18 de maio de 2022. Arquivado do original em 18 de maio de 2022 
  78. «Ett fall av apkoppor rapporterat i Sverige – Folkhälsomyndigheten». Consultado em 19 de maio de 2022. Arquivado do original em 19 de maio de 2022 
  79. a b «Eerste besmetting met apenpokkenvirus vastgesteld in ons land». VRT NWS (em dutch). 19 de maio de 2022. Consultado em 19 de maio de 2022. Arquivado do original em 19 de maio de 2022 
  80. «Italy reports first case of monkeypox infection, two more suspected». Reuters. 19 de maio de 2022. Consultado em 19 de maio de 2022. Arquivado do original em 19 de maio de 2022 
  81. «Monkeypox cases investigated in Europe, US, Canada and Australia». BBC. 20 de maio de 2022. Consultado em 20 de maio de 2022. Arquivado do original em 19 de maio de 2022 
  82. Borges, Vítor (19 de maio de 2022). «First draft genome sequence of Monkeypox virus associated with the suspected multi-country outbreak, May 2022 (confirmed case in Portugal)». Virological.org (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2022 
  83. a b «U.S. government places $119 million order for 13 million freeze-dried Monkeypox vaccines». www.yahoo.com (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2022 
  84. «Monkeypox cases investigated in Europe, US, Canada and Australia». BBC News (em inglês). 20 de maio de 2022. Consultado em 20 de maio de 2022. Arquivado do original em 20 de maio de 2022 
  85. Parkes-Hupton, Heath; Johnson, Sian (20 de maio de 2022). «Monkeypox confirmed in Melbourne and Sydney». ABC News. Australian Broadcasting Commission. Consultado em 20 de maio de 2022 
  86. «Erster Fall von Affenpocken in Deutschland bestätigt». Die Zeit (em German). Consultado em 20 de maio de 2022 
  87. a b Reuters (20 de maio de 2022). «Dutch health agency confirms first monkeypox case in the Netherlands». Reuters (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2022 
  88. a b Reuters (21 de maio de 2022). «Switzerland confirms its first case of monkeypox». Reuters (em inglês). Consultado em 21 de maio de 2022 
  89. «Πρώτο ύποπτο κρούσμα της ευλογιάς των πιθήκων στην Ελλάδα (in Greek)». ertnews.gr. 21 de maio de 2022 
  90. «Ύποπτο κρούσμα Ευλογιάς των πιθήκων (in Greek)». National Public Health Organization. 21 de maio de 2022 
  91. «37 new cases of monkey pox found in UK». The Independent (em inglês). 23 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 24 de maio de 2022 
  92. a b «Varíola dos macacos: OMS aconselha homens que fazem sexo com homens a 'no momento, reduzir o número de parceiros'». G1. Consultado em 27 de julho de 2022 
  93. a b «OMS aconselha redução de parceiros a gays e bissexuais como prevenção à varíola dos macacos». CNN Brasil. Consultado em 27 de julho de 2022 
  94. a b «Transmissão da varíola dos macacos durante o sexo: veja o que se sabe». G1. Consultado em 27 de julho de 2022 
  95. «Entenda por que a varíola dos macacos tem afetado principalmente homossexuais e bissexuais». CNN Brasil. Consultado em 1 de agosto de 2022 
  96. a b Thornhill, John P.; Barkati, Sapha; Walmsley, Sharon; Rockstroh, Juergen; Antinori, Andrea; Harrison, Luke B.; Palich, Romain; Nori, Achyuta; Reeves, Iain (21 de julho de 2022). «Monkeypox Virus Infection in Humans across 16 Countries — April–June 2022». New England Journal of Medicine (0): null. ISSN 0028-4793. doi:10.1056/NEJMoa2207323. Consultado em 1 de agosto de 2022 
  97. «Qual o perfil dos infectados pela varíola dos macacos e como isso pode mudar com avanço da doença». BBC News Brasil. Consultado em 1 de agosto de 2022 
  98. «Varíola dos macacos: qual o perfil dos infectados pela doença e como isso pode mudar com avanço da doença». G1. Consultado em 1 de agosto de 2022 
  99. a b c «Epidemiological update: Monkeypox outbreak». European Centre for Disease Prevention and Control (em inglês). 20 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022 
  100. a b Pinkstone, Joe (17 de maio de 2022). «Monkeypox 'spreading in sexual networks'». The Telegraph. Consultado em 17 de maio de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2022 
  101. Rigby, Jennifer; Grover, Natalie (20 de maio de 2022). «WHO calls emergency meeting as monkeypox cases top 100 in Europe». Reuters. Consultado em 21 de maio de 2022. It was too early to say if the illness has morphed into a sexually transmitted disease, said Alessio D'Amato, health commissioner of the Lazio region in Italy. [...] "The idea that there's some sort of sexual transmission in this, I think, is a little bit of a stretch," said Stuart Neil, professor of virology at Kings College London. 
  102. Kozlov, Max (20 de maio de 2022). «Monkeypox goes global: why scientists are on alert». Nature (em inglês). doi:10.1038/d41586-022-01421-8 
  103. a b «First draft genome sequence of Monkeypox virus associated with the suspected multi-country outbreak, May 2022 (confirmed case in Portugal)». Virological (em inglês). 19 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022 
  104. a b «First monkeypox genome from latest outbreak shows links to 2018 strain». New Scientist (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2022 
  105. «Belgian case of Monkeypox virus linked to outbreak in Portugal». Virological (em inglês). 20 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022 
  106. Kozlov, Max (20 de maio de 2022). «Monkeypox goes global: why scientists are on alert». Nature (em inglês). doi:10.1038/d41586-022-01421-8 
  107. «JYNNEOS Smallpox (Monkeypox) Vaccine». Precision Vaccinations (em inglês). 24 de maio de 2022 
  108. McCollum, A. M.; Damon, I. K.; Braden, Z.; Carroll, D. S.; Bostik, V.; Karem, K.; Smith, S. K.; Davidson, W.; Li, Y. (24 de maio de 2022). «Human Monkeypox». Clinical Infectious Diseases : An Official Publication of the Infectious Diseases Society of America (em inglês). 48 (1): e6–e8. PMC 5895105Acessível livremente. PMID 19025497. doi:10.1086/595552 
  109. Liu, Angus (19 de maio de 2022). «As monkeypox cases emerge in US and Europe, Bavarian Nordic inks vaccine order». Fierce Pharma (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 20 de maio de 2022 
  110. Rigby, Jennifer (19 de maio de 2022). «Britain offers smallpox shot as monkeypox cases spread in Europe» (em inglês). Reuters. Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 20 de maio de 2022 
  111. «South Africa: No need for mass monkeypox immunisation – experts». Al Jazeera. 25 de maio de 2022. Consultado em 25 de maio de 2022 
  112. Morris, Chris (19 de maio de 2022). «U.S. government places $119 million order for 13 million freeze-dried Monkeypox vaccines». Fortune (em inglês). Consultado em 21 de maio de 2022. Arquivado do original em 20 de maio de 2022. Bavarian Nordic, the biotech company that makes the vaccine, has announced a $119 million order placed by the U.S., with an option to buy $180 million more, for delivery in 2023 and 2024. Should the second option be exercised, it would work out to approximately 13 million doses. 
  113. Scribner, Herb (20 de maio de 2022). «HHS says recent U.S. smallpox vaccine order not related to monkeypox outbreak». Axios (em inglês). Consultado em 22 de maio de 2022. Arquivado do original em 20 de maio de 2022 
  114. Güell, Oriol (19 de maio de 2022). «España prepara la compra de miles de vacunas contra la viruela tradicional para hacer frente al brote del virus del mono». El País (em espanhol). Consultado em 26 de maio de 2022 
  115. «Germany orders 40,000 vaccine doses as precaution against monkeypox spread». Reuters. 24 de maio de 2022. Consultado em 26 de maio de 2022 
  116. «Britain's UKHSA says it has procured 20,000 doses of vaccine against monkeypox» (em inglês). Reuters. 26 de maio de 2022. Consultado em 26 de maio de 2022 
  117. Howard, Jacqueline; Langmaid, Virginia (23 de maio de 2022). «US in process of releasing monkeypox vaccine from national stockpile for 'high-risk' people, CDC says». CNN. Consultado em 24 de maio de 2022 
  118. Rao, Agam K. (2022). «Use of JYNNEOS (Smallpox and Monkeypox Vaccine, Live, Nonreplicating) for Preexposure Vaccination of Persons at Risk for Occupational Exposure to Orthopoxviruses: Recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices — United States, 2022». MMWR. Morbidity and Mortality Weekly Report (em inglês). 71 (22): 734–742. ISSN 0149-2195. doi:10.15585/mmwr.mm7122e1 
  119. «Monkeypox is spreading among gay men worldwide» 
  120. «UNAIDS warns that stigmatizing language on Monkeypox jeopardises public health». www.unaids.org (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2022 
  121. Brownworth, Victoria A. (25 de maio de 2022). «Analysis: Media must separate monkeypox risk from stigma». Philadelphia Gay News (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2022 
  122. «Monkeypox: UNAIDS 'concerned' about stigmatizing language against LGTBI people». UN News. United Nations. 22 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 24 de maio de 2022 
  123. a b «As monkeypox panic spreads, doctors in Africa see a double standard». The Washington Post 
  124. «Five conspiracy theories about monkeypox debunked as false claims start to spread online». inews.co.uk (em inglês). 23 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 24 de maio de 2022 
  125. «'US let monkeypox loose' conspiracy theories swirl on China's Weibo platform». South China Morning Post. 23 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 24 de maio de 2022 
  126. a b Schraer, Rachel (28 de maio de 2022). «Monkeypox wasn't created in a lab - and other claims debunked» (em inglês). BBC News. Consultado em 30 de maio de 2022 
  127. «Following the 'Covid playbook': How conspiracy theorists are using old tricks around Monkeypox». Coda Story (em inglês). 10 de junho de 2022. Consultado em 17 de junho de 2022 
  128. «A Rússia tem uma tese nova: diz que a Monkeypox é uma arma biológica desenvolvida pelos EUA». CNN Portugal. Consultado em 1 de junho de 2022 
  129. Brugen, Isabel van (26 de maio de 2022). «Russian state TV mocks other countries suffering monkeypox outbreak». Newsweek (em inglês). Consultado em 2 de junho de 2022 
  130. Blade, Special to the LA (19 de julho de 2022). «Monkeypox is a gay thing. We must say it». Los Angeles Blade: LGBTQ News, Rights, Politics, Entertainment (em inglês). Consultado em 30 de julho de 2022 
  131. «Monkeypox: homofobia pode enfraquecer resposta científica, alerta Unaids». Rede NINJA. Consultado em 30 de julho de 2022 
  132. Taylor, Luke (16 de junho de 2022). «Monkeypox: WHO to rename disease to prevent stigma». BMJ: o1489. ISSN 1756-1833. doi:10.1136/bmj.o1489. Consultado em 30 de julho de 2022 
  133. Andreina Rodriguez •. «WHO to Rename Monkeypox After Concerns of Racism, Stigma». NBC New York (em inglês). Consultado em 30 de julho de 2022 
  134. «Salud descarta caso de viruela del mono en Ecuador». El Comercio (em espanhol). 30 de maio de 2022 
  135. «Costa Rica descarta caso de viruela del mono en turista noruega». La Vanguardia (em espanhol). 4 de junho de 2022 
  136. «IEA denies reports of monkeypox in Afghanistan». Ariana News (Afghanistan). 31 de maio de 2022. Consultado em 1 de junho de 2022 
  137. «WHO to provide MoPH kits for monkeypox tests». Pajhwok (em inglês). 6 de junho de 2022. Consultado em 8 de junho de 2022 
  138. «2022 U.S. Map & Case Count». Centers for Disease Control and Prevention (em inglês). Consultado em 27 de julho de 2022 
  139. «Massachusetts confirms rare monkeypox case, the first in the US this year». Boston Herald. 18 de maio de 2022. Consultado em 19 de maio de 2022. Cópia arquivada em 20 de maio de 2022 
  140. Stelloh, Tim (20 de maio de 2022). «NBC News: Second person tests positive for monkeypox in United States». NBC News. Consultado em 21 de maio de 2022. Cópia arquivada em 21 de maio de 2022 
  141. «Espanha relata segunda morte por varíola dos macacos na Europa». Agência Brasil. 30 de julho de 2022. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  142. Os casos na Espanha estão registrados nas seguintes fontes:
  143. «Monkeypox cases investigated in Europe, US and Canada». BBC News. 19 de maio de 2022. Consultado em 19 de maio de 2022. Cópia arquivada em 19 de maio de 2022 
  144. «Espanha confirma primeira morte relacionada a varíola dos macacos». G1. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  145. «Internationaler Affenpocken-Ausbruch: Fallzahlen und Einschätzung der Situation in Deutschland» [Surto internacional de varíola: número de casos e avaliação da situação na Alemanha] (em alemão). Consultado em 27 de julho de 2022 
  146. «Erster Fall von Affenpocken in Deutschland bestätigt». Die Zeit (em alemão). Consultado em 20 de maio de 2022. Cópia arquivada em 21 de maio de 2022 
  147. «Monkeypox outbreak: epidemiological overview, 26 July 2022». UK Health Security Agency (em inglês). 26 de julho de 2022. Consultado em 26 de julho de 2022 
  148. «Monkeypox – United Kingdom of Great Britain and Northern Ireland». World Health Organization. Consultado em 19 de maio de 2022. Cópia arquivada em 19 de maio de 2022 
  149. «Cas de variole du singe : point de situation au 26 juillet 2022». www.santepubliquefrance.fr (em francês). Consultado em 28 de julho de 2022 
  150. «France, Germany, Belgium report first monkeypox cases amid unusual spread in Europe». France 24 (em inglês). 20 de maio de 2022. Consultado em 20 de maio de 2022. Cópia arquivada em 21 de maio de 2022 
  151. a b «Saúde confirma primeira morte relacionada à varíola dos macacos». Agência Brasil. 29 de julho de 2022. Consultado em 5 de agosto de 2022 
  152. «Card Situação Epidemiológica de Monkeypox no Brasil n° 9 SE 30 - 27-07-22 — Português (Brasil)». www.gov.br. Consultado em 28 de julho de 2022 
  153. «Man in Sao Paulo hospital with Brazil's first monkeypox case -officials». Reuters. Consultado em 9 de junho de 2022 
  154. «São Paulo confirma 1º caso de varíola dos macacos no Brasil». 8 de junho de 2022. Consultado em 8 de junho de 2022 
  155. «Monkeypox (apenpokken)». RIVM (em neerlandês). Consultado em 25 de julho de 2022 
  156. Os casos do Canadá foram incluídas com base nas seguintes fontes:
  157. Phil Tsekouras Toronto investigating first suspected case of monkeypox Arquivado 2022-05-24 no Wayback Machine 21 de maio de 2022. www.cp24.com. Consultado em 23 de maio de 2022
  158. «Monkeypox. Já há 14 casos de varíola dos macacos em Portugal». www.dn.pt. Consultado em 18 de maio de 2022. Cópia arquivada em 18 de maio de 2022 
  159. «Vaiolo delle scimmie». Ministério da Saúde da Itália (em italiano). Consultado em 26 de julho de 2022 
  160. «Italy reports first case of monkeypox infection, two more suspected». 19 de maio de 2022. Consultado em 24 de maio de 2022 
  161. a b c d e f g h i j k l m n o p q r «2022 Monkeypox Outbreak Global Map | Monkeypox | Poxvirus | CDC». www.cdc.gov (em inglês). 20 de julho de 2022. Consultado em 26 de julho de 2022 
  162. «Monkeypox». Federal Office of Public Health (em inglês). Consultado em 27 de julho de 2022 
  163. «Affenpocken: erster Fall im Kanton Bern» [Monkeypox: first case in the canton of Bern] (em alemão). Consultado em 23 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de maio de 2022 
  164. a b R7. «Peru registra morte de homem com varíola do macaco». Correio do Povo. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  165. «Más de 2 mil casos de la Viruela del Mono confirmados en todo el país». DIARIO AHORA (em espanhol). 24 de setembro de 2022. Consultado em 24 de setembro de 2022 
  166. «MINSA confirma primer caso de la viruela del mono en el Perú». Ministério da Saúde (em espanhol). 26 de junho de 2022. Consultado em 28 de junho de 2022 
  167. «אבעבועות הקוף» (em hebraico). Consultado em 26 de julho de 2022 
  168. Hogan, Laura (28 de maio de 2022). «First case of monkeypox confirmed in Ireland». RTÉ News. Consultado em 2 de junho de 2022. The Health Protection Surveillance Centre was last night notified of the confirmed case in the east of the country 
  169. «Ett fall av apkoppor rapporterat i Sverige» [A case of monkeypox reported in Sweden] (em sueco). Consultado em 24 de maio de 2022. Cópia arquivada em 19 de maio de 2022 
  170. «Sweden reports first case of monkeypox». The News International. Consultado em 19 de maio de 2022. Cópia arquivada em 19 de maio de 2022 
  171. «Det første tilfælde af abekopper er nu påvist i Danmark» (em dinamarquês). Statens Serum Institut. 23 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de maio de 2022 
  172. «Denmark registers first case of monkeypox infection». Reuters. 23 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de maio de 2022 
  173. a b Reuters (23 de julho de 2022). «Factbox: Monkeypox cases around the world». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  174. «Detectan el primer caso de viruela del mono en México». Proceso (em espanhol). Consultado em 28 de maio de 2022 
  175. «Poland reports first case of monkey pox – PAP news agency». Reuters. 10 de junho de 2022. Consultado em 10 de junho de 2022 
  176. «Apekopper». Instituto Norueguês de Saúde Pública (em norueguês). Consultado em 27 de julho de 2022 
  177. a b «Norway reports its first case of monkeypox». Reuters. 31 de maio de 2022. Consultado em 31 de maio de 2022 
  178. Meganoticias (26 de julho de 2022). «Viruela del mono en Chile: Ministerio de Salud reportó 45 casos confirmados en el país». meganoticias.cl (em espanhol). Consultado em 28 de julho de 2022 
  179. «MINSAL confirma el primer caso de Viruela del Mono en Chile». Ministério da Saúde do Chile (em espanhol). 17 de junho de 2022. Consultado em 17 de junho de 2022 
  180. a b c d e f g h «Factbox: Monkeypox cases around the world». www.cdc.gov (em inglês). 23 de julho de 2022. Consultado em 26 de julho de 2022 
  181. «Australia's first confirmed monkeypox case recorded in Victoria». 7News (em inglês). 19 de maio de 2022. Consultado em 20 de maio de 2022. Arquivado do original em 20 de maio de 2022 
  182. «Hungary reports first case of monkeypox». Reuters. 31 de maio de 2022. Consultado em 31 de maio de 2022 
  183. a b «Criança infectada com vírus Marburg morre em Gana, na África». CNN Brasil. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  184. «Monkeypox declared a global emergency: Ghana records 34 cases across 6 regions - Ghana Fact» (em inglês). 27 de julho de 2022. Consultado em 28 de julho de 2022 
  185. «V Sloveniji potrjen prvi primer opičjih koz. Bolezen ne predstavlja večje nevarnosti» [The first case of monkey goats (pox?) confirmed in Slovenia. The disease does not pose a major risk]. Radiotelevizija Slovenija (em esloveno). Consultado em 24 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de maio de 2022 
  186. «Okužbe z virusom opičjih koz v Sloveniji» [Infections with the monkey goat (pox?) virus in Slovenia] (em esloveno). Consultado em 24 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de maio de 2022 
  187. a b c d e f g «Joint ECDC-WHO Regional Office for Europe Monkeypox Surveillance Bulletin». monkeypoxreport.ecdc.europa.eu. Consultado em 24 de julho de 2022 
  188. «Greece detects first case of monkeypox infection». Reuters. 8 de junho de 2022. Consultado em 8 de junho de 2022 
  189. «Σχετικά με κρούσμα ευλογιάς των πιθήκων στη χώρα μας». 8 de junho de 2022. Consultado em 9 de junho de 2022 
  190. «Deux nouveaux cas détectés au Luxembourg». RTL 5minutes (em francês). Consultado em 24 de junho de 2022 
  191. «Salud informa que el resultado de la muestra PCR tomada por ANLIS Malbrán al primer caso sospechoso de viruela símica dio positivo» (em espanhol). 27 de maio de 2022. Consultado em 27 de maio de 2022 
  192. «Al treilea caz de variola maimuței în România». HotNews (em romeno). 15 de junho de 2022 
  193. «First monkeypox case detected in Malta». Malta Today. Consultado em 28 de maio de 2022 
  194. «Czech Republic detects its first case of monkeypox». Reuters. 24 de maio de 2022. Consultado em 24 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de maio de 2022 
  195. «Ministry of Health detects five new cases of Monkeypox». 7 de junho de 2022 
  196. «MoHAP announces three new monkeypox cases». Ministério da Saúde. 24 de julho de 2022. Consultado em 26 de julho de 2022 
  197. «MoHAP announces first case of monkeypox in UAE». 24 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de maio de 2022 
  198. «First case of monkeypox confirmed in Finland». Reuters. 27 de maio de 2022. Consultado em 27 de maio de 2022 
  199. «Suomen ensimmäinen apinarokkotapaus vahvistettu». Helsingin Sanomat (em finlandês). 27 de maio de 2022. Consultado em 27 de maio de 2022 
  200. «Minsalud e INS confirman tres casos de viruela símica en Colombia». Ministério da Saúde e Proteção Social (em espanhol). 23 de junho de 2022. Consultado em 28 de junho de 2022. Cópia arquivada em 24 de junho de 2022 
  201. «Croatia reports first monkeypox case | Health | POST Online Media». www.poandpo.com (em inglês). 24 de junho de 2022. Consultado em 24 de julho de 2022 
  202. «Confirman tres casos más de la viruela del mono en Puerto Rico». Primera Hora (em espanhol). 21 de julho de 2022. Consultado em 24 de julho de 2022 
  203. Aleman, Marina (30 de junho de 2022). «Puerto Rico confirma el primer caso de viruela del mono». Qué Pasa (em espanhol). Consultado em 3 de julho de 2022 
  204. Auto, Hermes (27 de julho de 2022). «S'pore reports 11th monkeypox infection; 32-year-old patient is a local case | The Straits Times». www.straitstimes.com (em inglês). Consultado em 28 de julho de 2022 
  205. «Singapore confirms imported case of monkeypox after flight attendant develops fever and rashes». CNA (emissora de televisão). Consultado em 21 de junho de 2022 
  206. a b «Serbia reports first case of monkeypox». Reuters. Consultado em 17 de junho de 2022 
  207. «Fyrstu tilfelli apabólu að líkindum verið greind á Íslandi». Embætti landlæknis (em islandês). Consultado em 9 de junho de 2022 
  208. a b «GHA confirms first case of monkeypox in Gibraltar». Gibraltar Chronicle. Consultado em 1 de junho de 2022 
  209. ERR, ERR News | (28 de junho de 2022). «First case of monkeypox diagnosed in Estonia». ERR (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  210. «Third Case of Monkeypox Confirmed in Bulgaria». Bulgarian News Agency (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2022 
  211. a b Índia registra primeira morte por varíola dos macacos | Repórter Brasil | TV Brasil | Notícias, 3 de agosto de 2022, consultado em 6 de agosto de 2022 
  212. «Monkeypox: India on alert after reporting fourth case». BBC News (em inglês). 25 de julho de 2022. Consultado em 26 de julho de 2022 
  213. «India reports first monkeypox case from Kerala; central health team to join state govt's containment efforts». TimesNow (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  214. «Lebanon announces first monkeypox case - state news agency». Reuters. Consultado em 20 de junho de 2022 
  215. Reuters (11 de julho de 2022). «South Africa confirms third monkeypox case in tourist from Switzerland». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  216. «South Africa confirms first monkeypox case, not linked to travel». Reuters (em inglês). 23 de junho de 2022. Consultado em 23 de junho de 2022 
  217. «Monkeypox case identified in South Africa». National Institute for Communicable Diseases. 23 de junho de 2022. Consultado em 23 de junho de 2022 
  218. Vella, Redacció, Andorra la (2 de julho de 2022). «Primer cas de verola del mico». DiariAndorra.ad (em catalão). Consultado em 24 de julho de 2022 
  219. «Saudi monkeypox cases rise to 3». Saudigazette (em English). 25 de julho de 2022. Consultado em 26 de julho de 2022 
  220. «Saudi Arabia detects first case of monkeypox». Al Arabiya English (em inglês). 14 de julho de 2022. Consultado em 24 de julho de 2022 
  221. «Costa Rica confirma 3 casos de la viruela del mono | Puntarenas Se Oye» (em espanhol). 26 de julho de 2022. Consultado em 28 de julho de 2022 
  222. «Costa Rica confirma primer caso de viruela del mono». Teletica.com (em espanhol). 20 de julho de 2022. Consultado em 24 de julho de 2022 
  223. «Ecuador confirms first case of monkeypox-Xinhua». english.news.cn. Consultado em 24 de julho de 2022 
  224. Reuters (7 de julho de 2022). «Slovakia confirms first case of monkeypox -public health authority». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  225. «Latvia records first case of monkeypox». Reuters. 3 de junho de 2022. Consultado em 3 de junho de 2022 
  226. a b Reuters (7 de julho de 2022). «Dominican Republic confirms first case of monkeypox». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  227. Diario, Listin (19 de julho de 2022). «Salud Pública notifica dos nuevos casos de la viruela del mono en el país». listindiario.com (em espanhol). Consultado em 24 de julho de 2022 
  228. «MOPH Announces the First Case of Monkeypox in Qatar». www.moph.gov.qa (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  229. a b «First Case of Monkeypox in Jamaica Identified – Jamaica Information Service». jis.gov.jm. Consultado em 24 de julho de 2022 
  230. «Jamaica confirms second monkeypox case». jamaica-gleaner.com (em inglês). 24 de julho de 2022. Consultado em 26 de julho de 2022 
  231. «Second Monkeypox case confirmed in New Zealand». Ministry of Health NZ (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  232. «New Zealand's first Monkeypox case in isolation at home». Ministry of Health NZ (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  233. News, Taiwan (13 de julho de 2022). «Taiwan confirms second monkeypox infection | Taiwan News | 2022-07-13 10:45:00». Taiwan News. Consultado em 24 de julho de 2022 
  234. Reuters (24 de junho de 2022). «Taiwan confirms first imported case of monkeypox». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  235. a b «Suspected Case Of Monkey Pox Being Monitored». 7 de junho de 2022. Consultado em 7 de junho de 2022 
  236. a b «Health Ministry confirms first case of Monkeypox in Barbados». Barbados Today (em inglês). 16 de julho de 2022. Consultado em 24 de julho de 2022 
  237. a b «Bermuda confirms first case of monkeypox». news.knowledia.com (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  238. a b «First monkeypox case confirmed in Bosnia». N1 (em bósnio). 13 de julho de 2022. Consultado em 24 de julho de 2022 
  239. «Monkeypox comes to Korea in traveler from Germany». Korea JoongAng Daily. Consultado em 22 de junho de 2022 
  240. «S.Korea reports first confirmed monkeypox case, steps up monitoring». Reuters. Consultado em 22 de junho de 2022 
  241. a b «В Грузии подтвержден первый случай оспы обезьян» (em russian). 15 de junho de 2022 
  242. a b Reuters (25 de julho de 2022). «Japan detects first monkeypox case». Reuters (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2022 
  243. a b «Monkeypox: 'Highly probable' case in Jersey». BBC News (em inglês). 22 de julho de 2022. Consultado em 24 de julho de 2022 
  244. «Minister: Monkeypox Situation in Morocco Is 'Under Control'» (em inglês). Consultado em 15 de junho de 2022 
  245. a b Staff, Editorial (17 de julho de 2022). «Martinique Confirms First Monkeypox Case». St. Lucia Times News (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  246. a b admin (22 de julho de 2022). «Monkeypox makes its way to Monaco». All About Shipping (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  247. a b «Un cas de variole du singe détecté en Nouvelle-Calédonie». France 24 (em francês). 12 de julho de 2022. Consultado em 24 de julho de 2022 
  248. a b Espinoza, Tereza (5 de julho de 2022). «Panamá confirma el primer caso de viruela del mono». TVN Panamá (em espanhol). Consultado em 24 de julho de 2022 
  249. a b Reuters (12 de julho de 2022). «Russia registers first case of monkeypox». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  250. a b Reuters (21 de julho de 2022). «Thailand confirms first monkeypox infection». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  251. a b Reuters (30 de junho de 2022). «Turkey records first case of monkeypox - health minister». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2022 
  252. a b «Venezuela confirms first case of monkeypox». Reuters. Consultado em 12 de junho de 2022 
  253. «Three people with indications of Monkeypox were admitted to de martino hospital». Medriva. Consultado em 21 de junho de 2022 
  254. «Viruela del mono en Uruguay: dos de las tres muestras tomadas dieron resultado negativo». El País (Uruguay) (em espanhol). 5 de junho de 2022 
  255. «We're investigating a suspected monkeypox case: Zambia». Channel Africa. Consultado em 23 de junho de 2022 
  256. Rigby, Jennifer (20 de maio de 2022). «WHO to hold emergency meeting on monkeypox on Friday -sources». Reuters (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2022 
  257. Rigby, Jennifer; Grover, Natalie (20 de maio de 2022). «WHO calls emergency meeting as monkeypox cases top 100 in Europe». Reuters (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2022 
  258. «WHO Will Rename Monkeypox Virus to Minimize Stigma, Racism». Bloomberg.com (em inglês). 13 de junho de 2022. Consultado em 23 de julho de 2022 
  259. «Meeting of the International Health Regulations (2005) Emergency Committee regarding the multi-country monkeypox outbreak». www.who.int (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2022 
  260. «Monkeypox: WHO declares highest alert over outbreak». BBC News (em inglês). 23 de julho de 2022. Consultado em 23 de julho de 2022 
  261. «Monkeypox: UNAIDS 'concerned' about stigmatizing language against LGTBI people». UN News (em inglês). 22 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022 
  262. Brandt, Kevin. «NICD says current monkeypox outbreak is largest outside of endemic locations». Eyewitness News (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2022 
  263. "WHO calls emergency meeting as monkeypox cases top 100 in Europe", by Jennifer Rigby and Natalie Grover, Reuters
  264. «La variole du singe .. Pasteur Algérie publie une déclaration importante» [The monkey pox . Pasteur Algeria issues an important statement]. Algérie Focus (em francês). 22 de maio de 2022. Consultado em 27 de maio de 2022 
  265. «No monkeypox cases detected in Saudi Arabia, health ministry says». Arab News (em inglês). 21 de maio de 2022. Consultado em 31 de maio de 2022 
  266. «Monkeypox: Govt puts ports on alert». The Business Standard (em inglês). 21 de maio de 2022. Consultado em 22 de maio de 2022 
  267. «Governo cria grupo para monitorar varíola dos macacos e acompanha caso de brasileiro». CNN. 21 de maio de 2022. Consultado em 22 de maio de 2022 
  268. «Monkeypox patients must spend 21 days in isolation». The Brussels Times. Consultado em 22 de maio de 2022 
  269. «We're seeing a 'ripple effect' in monkeypox cases, McGill's Vinh says». montrealgazette (em inglês). Consultado em 26 de maio de 2022 
  270. «世界卫生组织通报猴痘疫情进展并发布针对特定群体的公共卫生建议» (em chinês). 2 de junho de 2022. Consultado em 3 de junho de 2022 
  271. Ibarguen, Yorely (23 de maio de 2022). «Viruela del mono: Colombia se declara en riesgo moderado por la propagación». Caracol Radio (em espanhol). Consultado em 28 de maio de 2022 
  272. «Biden says 'everybody' should be concerned about spread of monkeypox». The Guardian. Consultado em 22 de maio de 2022 
  273. «جدري القردة..الصحة المصرية تكشف إجراءات الوقاية منه». CNN Arabic (em árabe). 24 de maio de 2022. Consultado em 29 de maio de 2022 
  274. Journalist, Koroi Tadulala Multimedia. «Fiji monitoring outbreaks of concern including monkeypox». Fiji Broadcasting Corporation. Consultado em 24 de maio de 2022. Arquivado do original em 24 de maio de 2022 
  275. Journalist, Koroi Tadulala Multimedia. «MOH prepares to deal with monkeypox». Fiji Broadcasting Corporation. Consultado em 24 de maio de 2022. Arquivado do original em 24 de maio de 2022 
  276. «Philippines tightens border control amid monkeypox threat». GMA News Online. Consultado em 22 de maio de 2022 
  277. «Ministerio de Salud envía alerta epidemiológica a las fronteras de Guatemala por la viruela de mono». Prensa Libre (em espanhol). Consultado em 28 de maio de 2022 
  278. Mutz, Viviana. «Sistema de Salud de Guatemala en alerta por viruela del mono». República.gt (em espanhol). Consultado em 28 de maio de 2022 
  279. «Monkeypox outbreak: India to screen arrival for virus signs, isolate sick patients; details here». Zee News (em inglês). 21 de maio de 2022. Consultado em 22 de maio de 2022 
  280. «Ireland on alert for monkeypox as virus spreads across Europe». The Irish Times (em inglês). 20 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022 
  281. «Kosovo takes preventive measures against the spread of monkeypox». Euronews (em inglês). 24 de maio de 2022. Consultado em 1 de junho de 2022 
  282. «Kosovo takes preventive measures against the spread of monkeypox – Euronews Albania» (em inglês). 24 de maio de 2022. Consultado em 1 de junho de 2022 
  283. «Ministry of Health: Luxembourg spared from monkeypox so far». RTL Today (em inglês). 21 de maio de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022. Arquivado do original em 24 de maio de 2022 
  284. Zainuddin, Alifah (26 de maio de 2022). «MySejahtera Reactivated For Monkeypox Surveillance». CodeBlue (em inglês). Consultado em 30 de maio de 2022 
  285. «Variole du singe: le ministère de la Santé prend les devants». Le360.ma. Consultado em 28 de maio de 2022 
  286. Peregil, Óscar López-Fonseca, Francisco (11 de abril de 2022). «Interior inicia los preparativos de la Operación Paso del Estrecho tras el fin de la crisis con Marruecos». El País (em espanhol). Consultado em 28 de maio de 2022 
  287. «Variole du singe: le ministère de la Santé prend les devants». Le360.ma (em francês). Consultado em 28 de maio de 2022 
  288. «Nigeria Disease Control Agency Issues Warning Over Monkeypox». HumAngle Media (em inglês). 26 de maio de 2022. Consultado em 27 de maio de 2022 
  289. «UK Confirms Local Transmission of Monkeypox». Eyewitness News (África do Sul). Consultado em 22 de maio de 2022 
  290. «Viruela del mono (monkeypox): ¿en qué países se han detectado casos?». CNN (em espanhol). 23 de maio de 2022. Consultado em 28 de maio de 2022 
  291. «República Dominicana en alerta preventiva por viruela del mono». Deutsche Welle (em espanhol). 22 de maio de 2022. Consultado em 28 de maio de 2022 
  292. «Anti-Monkeypox measures introduced at Thai airports». Thai PBS (em inglês). Consultado em 31 de maio de 2022 
  293. «What risk to Thailand as monkeypox spreads across the world?». Thai PBS (em inglês). Consultado em 31 de maio de 2022 
  294. «Govt seeks monkeypox vaccine». Bangkok Post (em inglês). Consultado em 31 de maio de 2022 
  295. «Thailand reports first case of monkeypox in transit passenger to Australia». ThaiPBS (em inglês). Consultado em 30 de maio de 2022 
  296. «12 people being monitored after monkeypox contact». Bangkok Post (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2022 
  297. «Vietnam tightens entry surveillance over fears of Monkeypox». Hanoi Times (em inglês). Consultado em 30 de maio de 2022 
  298. «O que se sabe sobre primeira morte por varíola dos macacos no Brasil». BBC Brasil. 29 de julho de 2022. Consultado em 30 de julho de 2022. Cópia arquivada em 30 de julho de 2022 
  299. Rodrigo Viga Gaier (29 de agosto de 2022). «RJ confirma morte de homem por varíola dos macacos, 2º óbito no Brasil». Folha de S.Paulo. Consultado em 30 de agosto de 2022. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2022 

Referências