Suzuki Vitara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Suzuki Escudo)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde outubro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Suzuki Vitara
Suzuki Vitara 1.6 Comfort+ (IV) – Frontansicht, 8. August 2015, Düsseldorf.jpg
Visão Geral
Nomes
alternativos
Chevrolet Tracker
Suzuki Sidekick
Gm Tracker
Geo Tracker
Pontiac Sunrunner
Asüna Sunrunner
Suzuki Escudo
Produção 1997-presente
Fabricante Cami Automotive
Modelo
Classe SUV
Carroceria Jipe
Ficha técnica
Motor Diesel, 2.0 16v, ou V6
Transmissão Manual de 5 velocidades ou Automática de 3 velocidades
Modelos relacionados
Isuzu Rodeo
Lada Niva
Daihatsu Terios Honda CRV Hyundai Tucson Chevrolet Tracker
Dimensões
Entre-eixos 2,20
Altura 1,60
Peso 1060 kg
Tanque 100 litros No pota malas

390 kg 42 litros de combustível

Cronologia
Suzuki Samurai
Suzuki Grand Vitara

Vitara é um automóvel criado em parceria entre a General Motors americana e a Suzuki. Sua produção foi iniciada em 1989 na fabrica do Canadá pela Cami Automotive.[1]

Vendido como Geo tracker, Chevrolet Tracker e Suzuki Sidekick nos Estados Unidos, Suzuki Vitara no Brasil, Pontiac/Asüna Tracker e Gmc Tracker no Canadá, e Suzuki Escudo no Japão, foi vendido nas versões Conversível, Hard top e 4 Portas, com motor V6 e 4 cilindros até que em 1998 foi lançado o Suzuki Grand Vitara que substituiria o Vitara.

O nascimento do Vitara foi ocasionado por uma curiosa situação relacionada ao Suzuki Samurai, outro produto da Suzuki. O pequeno jipe, comercializado nos EUA, passou a ter alta incidência de capotagens. A NHTSA, órgão regulador da segurança de trânsito dos EUA, determinou que o veículo era inseguro e que para seguir em comercialização, deveria ser mais largo, mais longo e mais pesado. Isso forçou a Suzuki a criar um novo veículo, o Vitara.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Introduzido no Brasil em Setembro de 1991 o Vitara teve muitos concorrentes, tais eles como Daihatsu Feroza,Daihatsu Terios 1.3 e Lada Niva.

O Vitara, produzido no Japão, foi oferecido no Brasil em versões 3 e 5 portas, sendo a 3 portas disponível nas versões teto de aço e teto canvas. A versão 5 portas disponível apenas com teto de aço. O motor 1.6 8 válvulas inicialmente era carburado e desenvolvia 74 cv; a partir da versão 1993 veio com injeção eletrônica. Com oito válvulas passou a desenvolver 80 cv. Na versão 5 portas, o motor 1.6 de 16V desenvolvia 96 cv.

Houve também unidades vendidas com o nome Sidekick, essas provenientuues do mercado norte-americano. Esses tinham algumas particularidades relacionadas às normas americanas. A versão 5 portas existiu até o ano 1995 sendo que em 1995 passou a ser disponível apenas como nome Vitara . Há exemplares raros de Sidekick com três portas, teto de aço, com motor 1.6 8V, do ano 1993. Houve uma série limitada de Sidekick ano de 1995 com teto canvas, 3 portas e motor 1.6 16V. Possuía acabamento mais simples que o Vitara Canvas 1.6 8V. Diferenciava-se externamente por luzes vermelhas nas laterais traseiras, faróis dianteiros separados das luzes direcionais (essas de cor laranja) e câmbio com 5a marcha mais longa.

Em todas as versões foi oferecido com câmbio manual 5 marchas, ou automático de 3 (1.6 8V) ou de 4 (1.6 16V) marchas.

Possuia tração traseira com opção 4x4 (4x4H) ou reduzida (4x4L).

Em torno de 1995 passou a ser oferecida a versão 5 portas com motor V6 2.0 opcional.

Foi vendido no país até 1998 até que foi substituido pelo Gran Vitara. O Gran Vitara seguiu no mercado brasileiro até 2003, comercializado na Rede Suzuki na versão de 2 e 4 portas, a gasolina e a diesel (essa apenas 4 portas). O mesmo modelo veio a ser comercializado pela General Motors, a partir do ano 2001, denominado como Chevrolet Tracker, este último somente oferecido na versão a diesel.

Em Meados de 2003 a Suzuki Sai do Brasil por problemas da alta do Dólar e etc.

As poucas vendas também contribuiram, em março de 2003 a Suzuki acabou com a comercialização de veículos no Brasil.

Atualmente ainda é possível de ver vários Suzukis, tais como Ignis e Jimny.

Em 2007 a General Motors retomou a comercialização do Tracker. Importado da Argentina, para não trazer problemas para a marca o volante não possuí logotipo. O Tracker 2007 possuí o antigo motor do Grand Vitara 2.0 16v, mas só na versão 4 portas.

A diferença entre o Gran Vitara seriam:

  • Lanterna traseira estilo Altezza
  • Logotipo da GM no cofre e na frente do carro

Hoje a Suzuki retorna ao Brasil trazendo o novo Grand Vitara, com um propulsor 2.0 16v com 140cv e com preços de R$ 89.000 a R$ 100.000 reais.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Primeira geração (1988-98) 
Segunda geração (1998-15) 
Terceira geração (2005-17) 
Quarta geração (2015-presente) 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre automóveis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.