Svalbard Global Seed Vault

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Svalbard Global Seed Vault
Svalbard seed vault IMG 8893.JPG

Entrada no silo em
27 de setembro de 2012.

Tipo
Banco de sementes, instalação (d), abrigo (en), estrutura subterrânea (en)Visualizar e editar dados no Wikidata
Concepção
Data

O Silo Global de Sementes de Svalbard (em norueguês: Svalbard globale frøhvelv), é um gigantesco silo para sementes construído em 2008[1] próximo da localidade de Longyearbyen, no arquipélago Ártico de Svalbard, a cerca de 1300 km / 810 mi ao sul do polo norte.

O governo norueguês financiou inteiramente a construção do cofre de aproximadamente 45 milhões de kr (US$ 8,8 milhões em 2008).[2] O armazenamento de sementes no cofre é gratuito para os usuários finais; A Noruega e a Crop Trust pagam os custos operacionais. O financiamento primário para a Trust vem de organizações como a Fundação Bill & Melinda Gates e de vários governos em todo o mundo.[3]

História[editar | editar código-fonte]

O Nordic Gene Bank (NGB) armazena, desde 1984, o germoplasma de plantas nórdicas através de sementes congeladas numa mina de carvão abandonada em Svalbard. Em janeiro de 2008, o Nordic Gene Bank fundiu-se com outros dois grupos nórdicos de conservação para formar a NordGen.[4] O silo foi oficialmente inaugurado em 26 de fevereiro de 2008,[5] embora as primeiras sementes tenham chegado um mês antes.[6] Cinco por cento das sementes no cofre, cerca de 18.000 amostras com 500 sementes cada, vieram do Centre for Genetic Resources of the Netherlands (CGN), parte da Universidade de Wageningen, Holanda.[7]

Como parte do primeiro aniversário do silo, mais de 90.000 amostras de sementes de culturas alimentares foram armazenadas, elevando o número total de amostras de sementes para 400.000.[8] Entre as novas sementes estão incluídas 32 variedades de batatas dos bancos de genes nacionais da Irlanda e 20.000 novas amostras do Serviço de Pesquisa Agrícola dos EUA.[9] Outras amostras de sementes vieram do Canadá e da Suíça, bem como pesquisadores internacionais de sementes da Colômbia, México e Síria.[10] Esta remessa de 4 toneladas (3,9 toneladas de comprimento; 4,4 toneladas de tonelada curta) elevou o número total de sementes armazenadas no cofre para mais de 20 milhões.[11] A partir deste momento, o cofre continha amostras de aproximadamente um terço das variedades de alimentos mais importantes do mundo. Também como parte do aniversário, especialistas em produção de alimentos e mudanças climáticas se reuniram para uma conferência de três dias em Longyearbyen.[12]

O escultor japonês Mitsuaki Tanabe (田辺光彰) apresentou um trabalho para o cofre chamado "The Seed 2009 / Momi In-Situ Conservation".[13] Em 2010, uma delegação de sete congressistas dos EUA entregou uma série de diferentes variedades de pimenta.[14]

Em 2013, aproximadamente um terço da diversidade de gêneros armazenada em bancos de genes em todo o mundo estavam no silo.[15]

Em outubro de 2016, o cofre experimentou um grau anormalmente grande de intrusão de água devido a temperaturas acima da média e chuvas fortes. Embora seja comum que um pouco de água penetre no túnel de entrada de 100 metros / 328 pés durante os meses mais quentes de primavera, neste caso a água invadiu 15 metros / 49 pés do túnel antes de congelar.[16] A abóbada foi projetada para a intrusão de água e, como tal, as sementes não estavam em risco. Como resultado, no entanto, a agência norueguesa de obras públicas Statsbygg planeja fazer melhorias para prevenir qualquer intrusão no futuro, incluindo impermeabilizar as paredes do túnel, remover fontes de calor e escavar valas de drenagem externas.[17]

Para o 10º aniversário do silo, em 26 de fevereiro de 2018, uma remessa de 70.000 amostras foi entregue às instalações, elevando o número de amostras recebidas para mais de um milhão (sem contar as retiradas).[18] Neste momento, o número total de amostras mantidas no cofre era de 967.216, representando mais de 13.000 anos de história agrícola.[19]

Construção[editar | editar código-fonte]

O silo foi projetado pelo arquiteto Peter W. Søderman [20] e construído no Monte Spitsein, em Svalbard, e é uma estrutura inteiramente subterrânea. O arquipélago de Svalbard situa-se a 1000 km ao norte da Noruega continental, e foi escolhido por ser um lugar a salvo das possíveis alterações climáticas causadas pelo aquecimento global e/ou quaisquer outras causas.

Em 19 de junho de 2006 os primeiros-ministros da Noruega, Suécia, Finlândia, Dinamarca e Islândia participaram em uma cerimônia de inicio das construções, "colocando a primeira pedra". As obras foram concluídas e o silo foi inaugurando em 26 de fevereiro de 2008.[1]

O silo tem capacidade para abrigar três milhões de sementes. O restante será preservado através de coleções de plantas vivas ou em laboratório. O "cofre" é aberto apenas quatro vezes por ano.[21] As câmaras estarão a −18 °C, e se por alguma razão o sistema elétrico de refrigeração falhar, o montante de gelo e neve que naturalmente recobre o silo–o permafrost–manterá as sementes entre −4 °C e −6 °C.

Obra de arte[editar | editar código-fonte]

Instalação de arte iluminada sobre a entrada do cofre

Ao longo da cobertura do silo e de sua fachada exposta existe uma instalação luminosa chamada Perpetual Repercussion, realizada pela artista norueguesa Dyveke Sanne, que marca a localização do cofre à distânica.[22] Na Noruega, projetos financiados pelo governo que excedem certo orçamento devem conter uma obra de arte. A KORO (Kunst i offentlige rom)[23] [24] agência governamental norueguesa responsável por administrar arte em lugares públicos, entrou em contato com a artista para instalar uma obra luminosa que ressaltasse a importância e a beleza da aurora boreal. A cobertura e a entrada do cofre são cobertas por placas de aço inoxidável de alta reflexibilidade. No verão, a instalação reflete as luzes polares enquanto que, no inverno, uma rede de cerca de 200 cabos de fibra óptica dá à instalação uma cor esverdeada.[25]

Primeira retirada[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2015, houve a primeira retirada de sementes para repor um banco genético de Aleppo, na Síria, e que foi parcialmente danificado por conta da guerra civil no país.[26]

Prêmios e honras[editar | editar código-fonte]

O Silo Global de Sementes foi classificado como número 6 nas Melhores Invenções de 2008 da Revista Time.[27] Ele recebeu o Norwegian Lighting Prize em 2009.[28]

Capacidade[editar | editar código-fonte]

Ano Espécies Total de amostras Ref.
2008 (Fev) 268,000 [29]
2010 500,000
2013 (Fev) 774,601 [30]
2014 (Fev) 820,619 [31]
2015 (Mai) 4,000 840,000 [32][33]
2016 (Out) 880,000 [34]
2017 (Fev) 930,821 [35]
2018 (Nov) 983,524 [36]

Referências

  1. a b Fouché, Gwladys (26 de fevereiro de 2008). «Svalbard's giant cold store». The Guardian (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  2. Hopkin, Michael (2008-3). «Biodiversity: Frozen futures». Nature (em inglês). 452 (7186): 404–405. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/452404a  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. «Our Donors». Crop Trust (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  4. «About us». Nordgen (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  5. «MSN | Outlook, Office, Skype, Bing, Breaking News, and Latest Videos». www.msn.com. Consultado em 16 de julho de 2019 
  6. «'Doomsday' seeds arrive in Norway» (em inglês). 31 de janeiro de 2008 
  7. Aarden, Van onze verslaggeefster Marieke (26 de fevereiro de 2008). «Opslag met miljarden zaden, voor tijden van oorlog». de Volkskrant (em neerlandês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  8. Walsh, Bryan (27 de fevereiro de 2009). «The Planet's Ultimate Backup Plan: Svalbard». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  9. «ARS ships more seeds to genebank facility in Norway». High Plains Journal (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  10. «Awesome Penny Stocks | The Only penny stock site you will need». Awesome Penny Stocks (em inglês). 16 de julho de 2019. Consultado em 16 de julho de 2019 
  11. Walsh, Bryan (27 de fevereiro de 2009). «The Planet's Ultimate Backup Plan: Svalbard». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  12. «More seeds for 'doomsday vault'» (em inglês). 26 de fevereiro de 2009 
  13. «Ministry of Foreign Affairs (Norway)». Wikipedia (em inglês). 26 de janeiro de 2019 
  14. Kinver, Mark (13 de julho de 2010). «'Red hot' arrivals at seed vault» (em inglês) 
  15. Westengen, Ola T.; Jeppson, Simon; Guarino, Luigi (9 de maio de 2013). «Global Ex-Situ Crop Diversity Conservation and the Svalbard Global Seed Vault: Assessing the Current Status». PLoS ONE. 8 (5). ISSN 1932-6203. PMC 3650076Acessível livremente. PMID 23671707. doi:10.1371/journal.pone.0064146 
  16. «Turns out the Svalbard seed vault is probably fine». www.popsci.com (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  17. «Svalbard Global Seed Vault. Improvements». www.statsbygg.no (em norueguês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  18. «Seed Vault marks 10th anniversary with 70,000 new samples». New Food Magazine (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  19. «The 'Doomsday' Vault Where the World's Seeds Are Kept Safe». TIME.com. Consultado em 16 de julho de 2019 
  20. Lui, Claire. «Svalbard Global Seed Vault». Garden Design (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  21. Loria, Kevin (19 de maio de 2017). «The doomsday vault that's supposed to store every known crop on the planet is in danger». Business Insider (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  22. http://publicartnorway.org/prosjekter/svalbard-global-seed-vault/
  23. «Kunst i offentlige rom (KORO)». Consultado em 16 de julho de 2019  (em norueguês)
  24. «Public Art Norway – KORO». Numerocivico (em inglês). 16 de abril de 2012. Consultado em 16 de julho de 2019 
  25. «Cópia arquivada». Consultado em 23 de julho de 2011. Arquivado do original em 23 de julho de 2011 
  26. Conheça o cofre que garantirá alimentos para o mundo em caso de catástrofe global Jornal Gazeta do Povo - set/2015
  27. «Best Inventions of 2008 - TIME». Time (em inglês). 29 de outubro de 2008. ISSN 0040-781X 
  28. Food, Ministry of Agriculture and (4 de novembro de 2009). «Svalbard Global Seed Vault: Awarded the Norwegian Lighting Prize for 2009». Government.no (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  29. Food, Ministry of Agriculture and (26 de fevereiro de 2008). «Arctic Seed Vault Opens Doors for 100 Million Seeds». Government.no (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  30. Westengen, Ola T.; Jeppson, Simon; Guarino, Luigi (9 de maio de 2013). «Global Ex-Situ Crop Diversity Conservation and the Svalbard Global Seed Vault: Assessing the Current Status». PLoS ONE. 8 (5). ISSN 1932-6203. PMC 3650076Acessível livremente. PMID 23671707. doi:10.1371/journal.pone.0064146 
  31. «Doomsday Seed Vault's New Adds: "Space Beer" Barley, Brazil Beans». National Geographic News. 27 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de julho de 2019 
  32. Food, Ministry of Agriculture and (23 de fevereiro de 2015). «A global backstop». Government.no (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  33. «Doomsday Seed Vault Adds Tree Seeds for First Time». AllGov. Consultado em 16 de julho de 2019 
  34. «Combatting Climate Change, One Seed at a Time». Crop Trust (em inglês). 18 de outubro de 2016. Consultado em 16 de julho de 2019 
  35. «Major Deposit to World's Largest Seed Collection in the Arctic». Crop Trust (em inglês). 22 de fevereiro de 2017. Consultado em 16 de julho de 2019 
  36. «Svalbard Global Seed Vault - Crop Trust». web.archive.org. 2 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de julho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]