Sympathy for the Devil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
"Sympathy for the Devil"
Single de Rolling Stones
do álbum Beggars Banquet
Lançamento 28 de novembro de 1968
Formato(s) Vinil
Gravação junho de 1968
Gênero(s) Rock
Duração 6:28
Gravadora(s) Decca Records
Composição Mick Jagger / Keith Richards
Produção Jimmy Miller

Sympathy for the Devil é uma canção da banda britânica de rock The Rolling Stones, lançada como a faixa de abertura de seu sétimo álbum de estúdio, Beggars Banquet, de 1968. Ela foi escrita por Mick Jagger e creditada a Jagger e Richards. A revista Rolling Stone classificou-a na 32ª posição em sua lista das 500 melhores canções de todos os tempos.

História[editar | editar código-fonte]

A controversa Sympathy for the Devil foi composta por Mick Jagger com inspiração no livro O Mestre e Margarida, do escritor soviético Mikhail Bulgakov, e em Baudelaire. Jagger escreveu-a como canção folk, inspirada em Bob Dylan. Porém segundo algumas fontes, a canção teria sido inspirada em uma visita de Jagger a um centro de candomblé na Bahia. Mas foi Keith Richards quem sugeriu o ritmo, que lembra um samba. A canção motivou várias acusações de satanismo feitas contra a banda.

Após quase três décadas, foi regravada pela banda norte-americana Guns N' Roses, tornando-se a última faixa do álbum de coletânea dessa banda e sua décima-quarta música de maior sucesso. Também foi acrescentada às trilhas sonoras dos filmes Entrevista com o Vampiro e Coming Home (1978).

Gravação[editar | editar código-fonte]

As gravações começaram no Olympia Sound Studios no dia 4 de junho de 1968 e prolongaram-se pelos dias 5, 8, 9 e 10. Durante os trabalhos, o verso "Who killed Kennedy?" ("Quem matou Kennedy?"), que fazia referência ao assassinato de John F. Kennedy, foi modificado para "Who killed the Kennedys?" ("Quem matou os Kennedys?"), por causa do assassinato de Robert Kennedy. O diretor de cinema francês Jean-Luc Godard fez um documentário chamado One Plus One (porém mais conhecido pelo nome da música) tendo como pano de fundo a gravação da música. O documentário mostra a banda ensaiando a letra em diversos ritmos, acabando por escolher o lançado em disco. Entre as gravações, o filme retrata a dissolução do então guitarrista da banda, Brian Jones, o grupo radical Panteras Negras e a contracultura americana em geral. Em outro documentário, The Stones In The Park, de 1969, Jagger apresenta um grupo africano como "percussionistas de samba" para um solo de introdução e depois acompanhamento da apresentação da canção que encerra o concerto ao vivo no Hyde Park.

Covers e remixes[editar | editar código-fonte]

Guns N' Roses; Jane's addiction; Blood, Sweat & Tears; Ozzy Osbourne; Pearl Jam; Metallica; Bon Jovi; Hole; Motörhead; Laibach. A música foi cantada na turnê Rattle and Hum do U2 por Bono, assim como Ruby Tuesday, também dos Rolling Stones. No Brasil, foi interpretada por Cláudia Ohana como tema de sua personagem Natasha, na novela Vamp. A música também pode ser tocada no jogo Guitar Hero 5 e ouvida em uma das fases do jogo Call of Duty: Black Ops

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um single é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.