Túnel de Roki

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mapa da Ossétia do Sul mostrando a localização do Túnel de Roki.

O túnel de Roki (em russo: Рокский туннель; em osseto: Ручъы тъунел; em georgiano: როკის გვირაბი; e conhecido também como túnel Roksky) está situado na fronteira internacional que separa Geórgia e Rússia, ligando a república russa da Ossétia do Norte à república de facto independente da Ossétia do Sul. É um túnel de 3 730 metros de comprimento com um carril por sentido pertencente à estrada transcaucásica, que atravessa um trilho de alta montanha,[1] alcançando altitudes próximas aos 2 000 metros[2].

O túnel, iniciado na década de 60 e completado em 1984 pelas autoridades soviéticas,[1][3] é a principal portela entre a Ossétia do Sul e a Rússia.[4] Devido ao clima do Cáucaso, a estrada não está aberta durante o inverno.[4]

Importância militar[editar | editar código-fonte]

No longo conflito entre a Ossétia do Sul e a Geórgia, especialmente durante a guerra civil e a guerra de 2008, o Túnel de Roki teve um papel significativo como lugar de transferência de reforços à república separatista[5]. Além disso, as autoridades da Ossétia meridional aplicam uma portagem para melhorar o orçamento[6].

O seu carácter estratégico fez com que a Geórgia tentasse destruí-lo em 1991, sem sucesso, para deter a ofensiva osseta apoiada pela Rússia.[3] Posteriormente, o governo da Geórgia, apoiado pelo americano, pediu várias vezes que a parte do túnel de jure pertencente ao seu país fosse custodiada por observadores internacionais e não pelas forças separatistas e russas que o vigilam desde 1993.[7] Em junho de 2006 a portela de Kazbegi-Verkhni Lars foi bloqueada pelas forças russas, ficando o túnel de Roki como a única passagem aberta entre os dous países.[8] Durante a guerra de 2008 com a Ossétia do Sul, o exército georgiano assinalou como meta prioritária na sua ofensiva dos dias 7 e 8 de agosto a tomada da boca sul para deter um possível contra-ataque russo.[9] O avanço georgiano deteve-se nas redondezas de Tsjinval e desde a tarde do dia 8 até o final da guerra várias centenas de soldados russos, apoiados por blindados, cruzaram o túnel para lutar contra a Geórgia.[10]

Referências

  1. a b «Roki Tunnel» (em inglês). Structurae 
  2. «Second phase of the Roki Tunnel Construction Completed at the Border with South Ossetia.». SK Most. 21 de outubro de 2014. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  3. a b Marika Kakhadze (19 de agosto de 2008). «Roki - Tunnel of Misfortune» (em inglês). Georgian Times. Arquivado do original em 4 de setembro de 2008 
  4. a b Gabashvili, Nodar (11 de setembro de 2013). The Geopolitical Curse of the Caucasus (em inglês). [S.l.]: Nodar Gabashvili. ISBN 9788868556815 
  5. «Roki tunnel reopened». Democracy & Freedom Watch (em inglês). 10 de novembro de 2014. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  6. «Der Roki-Tunnel - Schlüsselstelle im Georgien-Konflikt». derStandard.at (em alemão). Standard Verlagsgesellschaft m. b. H. 18 de agosto de 2008. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  7. «Georgian rebel region evacuates children after deadly clashes» (em inglês). Channel News Asia. 5 de agosto de 2008 
  8. «FAMILIES SPLIT BY OSSETIA BORDER CLOSURE» (em inglês). MSN Groups. 23 de janeiro de 2008 
  9. «MIA: Java and Roki Tunnel are Next Targets» (em inglês). Civil.Ge. 9 de agosto de 2008 
  10. «Osetia del Sur: ¿quién comenzó?» (em espanhol). BBC News. 20 de agosto de 2008 
Ícone de esboço Este artigo sobre um túnel é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.