Túnel de Roki

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mapa da Ossétia do Sul mostrando a localização do Túnel de Roki.

O túnel de Roki (em russo: Рокский туннель; em osseto: Ручъы тъунел; em georgiano: როკის გვირაბი; e conhecido também como túnel Roksky) está situado na fronteira internacional que separa Geórgia e Rússia, ligando a república russa da Ossétia do Norte à república de facto independente da Ossétia do Sul. É um túnel de 3 730 metros de comprimento com um carril por sentido pertencente à estrada transcaucásica, que atravessa um trilho de alta montanha,[1] alcançando altitudes próximas aos 2 000 metros[2].

O túnel, iniciado na década de 60 e completado em 1984 pelas autoridades soviéticas,[1][3] é a principal portela entre a Ossétia do Sul e a Rússia.[4] Devido ao clima do Cáucaso, a estrada não está aberta durante o inverno.[4]

Importância militar[editar | editar código-fonte]

No longo conflito entre a Ossétia do Sul e a Geórgia, especialmente durante a guerra civil e a guerra de 2008, o Túnel de Roki teve um papel significativo como lugar de transferência de reforços à república separatista[5]. Além disso, as autoridades da Ossétia meridional aplicam uma portagem para melhorar o orçamento[6].

O seu carácter estratégico fez com que a Geórgia tentasse destruí-lo em 1991, sem sucesso, para deter a ofensiva osseta apoiada pela Rússia.[3] Posteriormente, o governo da Geórgia, apoiado pelo americano, pediu várias vezes que a parte do túnel de jure pertencente ao seu país fosse custodiada por observadores internacionais e não pelas forças separatistas e russas que o vigilam desde 1993.[7] Em junho de 2006 a portela de Kazbegi-Verkhni Lars foi bloqueada pelas forças russas, ficando o túnel de Roki como a única passagem aberta entre os dous países.[8] Durante a guerra de 2008 com a Ossétia do Sul, o exército georgiano assinalou como meta prioritária na sua ofensiva dos dias 7 e 8 de agosto a tomada da boca sul para deter um possível contra-ataque russo.[9] O avanço georgiano deteve-se nas redondezas de Tsjinval e desde a tarde do dia 8 até o final da guerra várias centenas de soldados russos, apoiados por blindados, cruzaram o túnel para lutar contra a Geórgia.[10]

Referências

  1. a b «Roki Tunnel» (em inglês). Structurae. Consultado em 10 de setembro de 2008 
  2. «Second phase of the Roki Tunnel Construction Completed at the Border with South Ossetia.». SK Most. 21 de outubro de 2014. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  3. a b Marika Kakhadze (19 de agosto de 2008). «Roki - Tunnel of Misfortune» (em inglês). Georgian Times. Arquivado do original em 4 de setembro de 2008 
  4. a b Gabashvili, Nodar (11 de setembro de 2013). The Geopolitical Curse of the Caucasus (em inglês). [S.l.]: Nodar Gabashvili. ISBN 9788868556815 
  5. «Roki tunnel reopened». Democracy & Freedom Watch (em inglês). 10 de novembro de 2014. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  6. «Der Roki-Tunnel - Schlüsselstelle im Georgien-Konflikt». derStandard.at (em alemão). Standard Verlagsgesellschaft m. b. H. 18 de agosto de 2008. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  7. «Georgian rebel region evacuates children after deadly clashes» (em inglês). Channel News Asia. 5 de agosto de 2008. Consultado em 10 de setembro de 2008 
  8. «FAMILIES SPLIT BY OSSETIA BORDER CLOSURE» (em inglês). MSN Groups. 23 de janeiro de 2008. Consultado em 10 de setembro de 2008 
  9. «MIA: Java and Roki Tunnel are Next Targets» (em inglês). Civil.Ge. 9 de agosto de 2008. Consultado em 10 de setembro de 2008 
  10. «Osetia del Sur: ¿quién comenzó?» (em espanhol). BBC News. 20 de agosto de 2008. Consultado em 10 de setembro de 2008 
Ícone de esboço Este artigo sobre um túnel é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.