T'am e Guilass

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
T'am e Guilass
Sabor de Cereja (PT)
Gosto de Cereja (BR)
 Irão /  França
1997 •  cor •  91 min 
Direção Abbas Kiarostami
Roteiro Abbas Kiarostami
Elenco Homayon Ershadi
Abdolrahman Bagheri
Afshin Khorshid Bakhtiari
Safar Ali Moradi
Gênero drama
Idioma persa
Página no IMDb (em inglês)

Gosto de Cereja é um filme franco-iraniano de 1997, dirigido pelo renomado cineasta Abbas Kiarostami. O filme ganhou a Palma de Ouro do Festival de Cannes do mesmo ano.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Aos 50 anos o Sr.Badii, um homem de classe média que habita Teerã, planeja um suicídio e procura alguém para ajudá-lo, ele cavara o túmulo nas montanhas, mas o assistente teria que enterrá-lo. Ele pede a um soldado curdo, a um seminarista afegão, mas todos se recusam por algum motivo. Finalmente, ele encontra um velho taxidermista turco que concorda em ajudá-lo.

Sr. Badii dez que está à procura de alguém para realizar uma incomum tarefa, mas que paga bem (200.000 tomans, o equivalente a seis meses de trabalho). A tarefa seria: ir para um buraco em um determinado local, chamar seu nome duas vezes, se ele responder de volta, ajudá-lo a sair do buraco, e se ele não responder, dar 20 pás de terra em cima dele. Em outras palavras, o Sr. Badii fará tentativa de cometer suicídio e quer alguém para enterrá-lo se ele conseguir. Sr. Badii não está procurando qualquer um, mas alguém que pareça confiável, que precise do dinheiro, e possa ser compassivo para com o seu objectivo.

Como o Sr. Badii percorre as belas paisagens rurais quando sai de Teerã à procura de que alguém que o ajude, faz abordagens para decidir a localização precisa do buraco, para depois, abordar a questão sensível. Assim como ele tem sua própria moral razões para querer morrer, o Sr. Badii descobre que seu potenciais candidatos também têm suas próprias razões morais para ajudar ou não ajudá-lo.

Em resumo, A Taste of The Cherry é a história do último dia na vida de Sr. Badii. Ele está indo para o Teerã, onde ele quer encontrar alguém para enterrá-lo, após ele ter se matado. É um trabalho fácil, basta pá, um pouco de terra sobre ele e, além disso, é bem pago. Primeiro ele quer convencer um jovem soldado que não diz muito, sente-se mais e mais desconfortável e depois foge. O segundo homem é um seminarista, que dá uma palestra sobre o suicídio e culpa, mas não quer ajudar. O terceiro é um velho professor, que irá fazer o trabalho, mas que tenta convencer Badii que não é uma boa coisa a se fazer. Kurd tenta fazer Badii mudar sua atitude, e diz que o sabor da cereja o impeliu do suicídio uma vez.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

"Gosto de Cereja" e Albert Camus[editar | editar código-fonte]

Na linha narrativa do longa-metragem, é possível identificar certo pendor existencialista por parte de Kiarostami. Nesse aspecto, é possível traçar um paralelo com o filósofo franco-argelino Albert Camus. O soldado, o seminarista e o taxidermista apresentados no desenrolar do enredo, tentam extrair de Baddi a "verdade" racional e/ou o motivo do suicídio pretendido, sem no entanto lograr êxito. Sendo assim procuram eles mesmos formular respostas que se mostram vagas e até mesmo incomunicáveis, incapazes de responder ou sanar à angústia e a melancolia de Baddi. No ensaio O Mito de Sísifo, o ateu Camus faz uma abordagem parecida dos problemas relacionados à condição humana dos que resolvem terminar com a própria vida, afirmando que estes "retiram de si mesmo, o que tem de mais valioso" por sentirem-se perturbados pela ausência de uma verdade legítima (Deus) que justifique o universo, o que encontra eco na ode que Kiarostami faz a vida, apesar das dificuldades (e a impossibilidade) em solucionar os problemas formulados pelo homem em sua trajetória[1].

Tal visão, contrastante com a aceitação geral na filosofia islâmica, provavelmente pesou na decisão das autoridades iranianas de censurarem o longa, que circula clandestinamente no Irã.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Palma de Ouro no Festival de Cannes, 1997.

Referências

  1. «Taste of Cherry: Sisyphus and a mulberry tree». Kafka Dreams. 15 de outubro de 2012. Consultado em 16 de abril de 2015 
Ícone de esboço Este artigo sobre cinema iraniano ou um cineasta iraniano, integrado ao projeto sobre Cinema, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.