TRAPPIST-1e

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Coordenadas: Sky map 23h 06m 29.283s, +05° 02′ 28.59″

TRAPPIST-1e
Exoplaneta Extrelas com exoplanetas
TRAPPIST-1e Artist's Impression.png
Impressão artística de TRAPPIST-1e, retratado aqui como um planeta em rotação síncrona com um oceano líquido. A real aparência do planeta é, por enquanto, desconhecida.
Estrela mãe
Estrela TRAPPIST-1
Constelação Aquarius[1]
Ascensão reta 23h 06m 29.28s[1]
Declinação 05° 02′ 28.5″[1]
Magnitude aparente 18.80 ± 0.08[1]
Distância 40[1] anos-luz
12.1[1] pc
Elementos orbitais
Semieixo maior 0.02817 ± 0.00085 UA[1] UA
Período orbital 6.099615 ± 0.000011 d[1]
Inclinação 89.86 ± 0.11º[1]
Características físicas
Massa 0.62 ± 0.58 M⊕[1] M
Raio 0.918 ± 0.039 R⊕[1] R
Densidade 0.80 ± 0.76 ρ⊕[1] g/cm³
Temperatura 251.3 ± 4.9 K[1] K
Descoberta
Data da descoberta 17 de outubro de 2013[1]

TRAPPIST-1e, também designado como 2MASS J23062928-0502285 e, é um exoplaneta, provavelmente rochoso, orbitando dentro da zona habitável em torno da estrela anã ultrafria TRAPPIST-1 a aproximadamente 40 anos-luz (12.1 parsecs) de distância da Terra, na constelação de Aquarius. O exoplaneta foi encontrado usando-se o método de trânsito, em que o efeito de escurecimento de que um planeta faz com que, ao cruzar na frente de sua estrela é medido.

Foi um dos sete novos exoplanetas descobertos orbitando a estrela usando dados do Telescópio Espacial Spitzer.[2] O exoplaneta está dentro da zona habitável da estrela.[3]

Características[editar | editar código-fonte]

Massa, raio e temperatura[editar | editar código-fonte]

TRAPPIST-1e é um exoplaneta do tamanho da Terra, o que significa que tem uma massa e um raio semelhantes a da Terra. Ele tem uma temperatura de equilíbrio de 251K (-22°C), que é perto da temperatura de equilíbrio da Terra. Ele tem um raio de cerca de 0,92 e uma massa de 0,62. Ele também tem uma densidade semelhante à da Terra.

Estrela[editar | editar código-fonte]

O planeta orbita em torno de uma estrela anã ultrafria chamada TRAPPIST-1. A estrela tem uma massa de 0,08 e um raio de 0,11. Tem uma temperatura de 2550 K e aproximadamente 500 milhões de anos de idade. Em comparação, o Sol tem 4,6 bilhões de anos de idade,[4] e tem uma temperatura de 5778 K.[5] A estrela é rica em metais, com uma metalicidade de 0,04, ou 109% a quantidade de energia solar. Isto é particularmente estranho, já que estrelas de baixa massa, perto da fronteira entre anãs marrons e estrelas de fusão de hidrogênio tem expectativa de ter consideravelmente menos teor de metais do que o Sol. Sua luminosidade é de 0,05% do que a do Sol.

A magnitude aparente da estrela, ou o quão brilhante ele é vista da Terra, é 18.8. Portanto, é fraco demais para ser visto a olho nu.

Órbita[editar | editar código-fonte]

TRAPPIST-1e orbita a sua estrela em cerca de 6 dias e tem um raio orbital de cerca de 0.028 vezes maior do que o da Terra (em comparação com a distância de Mercúrio do Sol, que é de cerca de 0,38 AU).

Habitabilidade[editar | editar código-fonte]

Impressão artística de TRAPPIST-1, visto a partir da superfície de um dos planetas na zona habitável.

O exoplaneta foi anunciado com a expectativa de estar orbitando dentro da zona habitável de sua estrela-mãe, a região onde, com as condições corretas e propriedades atmosféricas, a água líquida possa existir na superfície do planeta. TRAPPIST-1e tem um raio de cerca de 0,92, assim, é muito provável que seja rochoso. A sua estrela-mãe é uma anã vermelha ultrafria, com apenas cerca de 8% da massa do Sol (próximo da fronteira entre anãs marrons e estrelas de fusão de hidrogênio). Por causa disso, estrelas como TRAPPIST-1 têm a capacidade de viver até 4 ou 5 trilhões de anos, 400 ou 500 vezes mais do que o Sol vai viver.[6] Devido a esta capacidade de viver por longos períodos de tempo, é provável que TRAPPIST-1 será uma das últimas estrelas remanescentes, quando o Universo será muito mais antigo do que ele é agora, quando o gás necessário para formar novas estrelas vai ser esgotado, e os restantes começam a morrer.

O planeta está em rotação síncrona, ou seja, um lado de seu hemisfério está permanentemente voltado para a estrela, enquanto o lado oposto é envolto em escuridão eterna. No entanto, entre estas duas áreas intensas, haveria um lugar de habitabilidade – chamada de terminador, onde as temperaturas podem ser adequadas (cerca de 273 K, 0°C) para a existência da água líquida. Além disso, uma parte muito maior do planeta pode ser habitável se ele suportar uma atmosfera espessa o suficiente para a transferência de calor para o lado que não está virado para a estrela.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f g h i j k l m n TRAPPIST (1 de abril de 2011). «TRAPPIST-1». 1º de abril de 2011. Consultado em 30 de junho de 2017 
  2. Gillon, Michaël; Triaud, Amaury H. M. J.; Demory, Brice-Olivier; Jehin, Emmanuël; Agol, Eric; Deck, Katherine M.; Lederer, Susan M.; Wit, Julien de; Burdanov, Artem. «Seven temperate terrestrial planets around the nearby ultracool dwarf star TRAPPIST-1». Nature. 542 (7642): 456–460. doi:10.1038/nature21360 
  3. «NASA telescope reveals largest batch of Earth-size, habitable-zone planets around single star». Exoplanet Exploration: Planets Beyond our Solar System (Nota de imprensa). Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  4. Fraser Cain (16 de setembro de 2008). «How Old is the Sun?». Universe Today. Consultado em 19 de fevereiro de 2011 
  5. Fraser Cain (15 de setembro de 2008). «Temperature of the Sun». Universe Today. Consultado em 19 de fevereiro de 2011 
  6. Adams, Fred C.; Laughlin, Gregory; Graves, Genevieve J. M. «Red Dwarfs and the End of the Main Sequence». Gravitational Collapse: From Massive Stars to Planets. Revista Mexicana de Astronomía y Astrofísica. pp. 46–49. Bibcode:2004RMxAC..22...46A