TV Assembleia (Ceará)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
TV Assembleia
Governo do Estado do Ceará (Assembleia Legislativa do Estado do Ceará)
TV Assembleia
Fortaleza, Ceará
Brasil
Tipo Emissora de televisão pública
Cidade de concessão Fortaleza, Ceará
Canais
30 UHF analógico
61.3 virtual digital
Outros canais 30 (Multiplay)
Sede Bandeira de Fortaleza.svg Fortaleza, CE
Av. Desembargador Moreira, 2807 - Dionísio Torres
Fundador Marcos Cals
Pertence a Assembleia Legislativa do Estado do Ceará
Proprietário Governo do Estado do Ceará
Fundação 7 de abril de 2006 (10 anos)
Cobertura Estado do Ceará

TV Assembleia é uma emissora de televisão brasileira sediada em Fortaleza, na capital do estado do Ceará. Opera no canal 30 UHF e é mantida pela Assembleia Legislativa do Estado do Ceará. Além de transmitir as sessões ordinárias e das reuniões das Comissões Permanentes da Assembleia Legislativa, o canal conta com produção de programas jornalísticos e culturais, além de exibição de material da TV Câmara.

História[editar | editar código-fonte]

A TV Assembleia estava prevista para estrear ainda no segundo semestre de 2005. No mesmo período, estavam sendo comandadas as obras de conclusão das instalações do canal. Ainda na época, estava definido que a TV iria realizar a transmissão das sessões ordinárias e das reuniões das Comissões Permanentes da Casa.[1] Com a construção da torre, foi previsto para que o canal fosse inaugurado em outubro ou novembro de 2005,[2][3] o que foi posteriormente adiado para outras datas enquanto as obras não eram finalizadas.[4]

A aprovação do local de instalação e a utilização dos equipamentos foram divulgados pelo Diário Oficial da União em 23 de fevereiro de 2006, ainda seguindo sem data de estreia oficial devido a agenda do então ministro das Comunicações, Hélio Costa, convidado para solenidade de inauguração.[5] Foi inaugurada oficialmente no dia 7 de abril de 2006, dia do Jornalista, e data em que também se comemorou os 171 anos da instalação da Assembleia da Província do Ceará. Em seus anos iniciais, a transmissão das sessões ordinárias eram realizadas em conjunto com a TV Ceará no período da manhã.

A emissora é um veículo de aproximação e interlocução entre o poder legislativo e a sociedade. Por meio da emissora, o poder legislativo oferece ao povo cearense um instrumento de acompanhamento do trabalho de seus representantes, de transparência de todos os atos emanados da casa, de educação para a cidadania e de prestação de serviços comunitários.[6] Em setembro de 2011, foi firmado acordo com a TV Câmara para a transmissão digital do canal.[7] A TV Assembleia estreou o seu canal digital em conjunto com a TV Câmara e a TV Senado no dia 2 de julho de 2012 no canal digital de qualidade Standart (ou SDTV), o canal 61.3 virtual.[8][9]

Em 3 de janeiro de 2014, dois candidatos sub-júdice da Polícia Militar subiram na torre do canal para protestar por um encontro com o então governador do Estado, Cid Gomes. Eles afirmavam que passaram por treinamento, trabalharam por 2 anos sem receber salários e foram dispensados de suas funções.[10][11] As tentativas de negociação para o fim do protesto estavam paralisadas devido a comissão que representava os manifestantes não compareceram a reunião na Procuradoria Geral do Estado.[12] Na tarde do dia seguinte, os policiais encerraram a manifestação por iniciativa própria e decidiram descer da torre por questões de segurança.[13][14]

Em agosto de 2014, foi iniciada a construção de um estúdio panorâmico para a TV Assembleia. Orçada em cerca de R$ 1 milhão, a obra inclui reformas no Edifício Senador César Cals, uma "cortina de vidro" para a visão panorâmica, gastos com ilhas de edição, implantação de sistema de alta definição e móveis.[15]

Referências

  1. «Assembléia reinicia atividades normais». Política. Diário do Nordeste. 2 de agosto de 2005. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  2. «Televisão do Legislativo estadual». Política. Diário do Nordeste. 11 de agosto de 2005. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  3. Roberto Maciel (30 de setembro de 2005). «Comunicado». Comunicado. Diário do Nordeste. Consultado em 18 de novembro de 2016. «Ler a seção "Aperta o play".» 
  4. José Maria Melo (19 de novembro de 2005). «Coluna Vaivém». Vaivém. Diário do Nordeste. Consultado em 18 de novembro de 2016. «Ler a seção "Orçamento".» 
  5. «Oficializada a liberação da TV da Assembléia». Política. Diário do Nordeste. 24 de fevereiro de 2006. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  6. Regina Marshall (3 de agosto de 2005). «Regina Marshall». Diário do Nordeste. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  7. José Maria Melo (6 de setembro de 2011). «Coluna Vaivém». Diário do Nordeste. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  8. Edison Silva (2 de julho de 2012). «TV digital da Assembleia inicia suas transmissões hoje». Diário do Nordeste. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  9. Agência Câmara Notícias (28 de junho de 2012). «Câmara e Assembleia do Ceará inauguram TV digital no estado». Câmara dos Deputados. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  10. «Policiais militares afastados continuam em cima da torre de TV e aguardam reunião com PGE». Cidade. Diário do Nordeste. 3 de janeiro de 2014. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  11. «Policiais afastados protestam em cima de torre de TV». Fortaleza. O Povo. 3 de janeiro de 2014. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  12. «Comissão dos PMs falta reunião na PGE e manifestantes continuam na torre da TV Assembleia». Polícia. Diário do Nordeste. 3 de janeiro de 2014. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  13. «Candidatos sub-júdice da PM descem da torre da TV Assembleia». Cidade. Diário do Nordeste. 4 de janeiro de 2014. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  14. «Policiais afastados descem de torre de TV após mais de 24 horas de protesto». Fortaleza. O Povo. 4 de janeiro de 2014. Consultado em 18 de novembro de 2016. 
  15. Pedro Borges (3 de abril de 2015). «Assembleia paga meio milhão em cortina de vidro para estúdio de TV». Blog Política. Diário do Nordeste. Consultado em 18 de novembro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]