TV Difusora São Luís

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de TV Difusora (São Luís))
Ir para: navegação, pesquisa
TV Difusora São Luís
Rádio & TV Difusora do Maranhão Ltda.
São Luís, Maranhão
Brasil
Tipo Empresa privada
Canais
04 VHF analógico
38 UHF e 4.1 Virtual digital
Outros canais 04 e 517 HD (NET)
09 (TVN)
ver mais
Sede Bandeira de São Luís.svg São Luís, MA
Avenida Camboa, 120 - Camboa
MAPA
Slogan Junto com você
Rede Rede Difusora (SBT)
Rede(s) anterior(es) REI e Rede Tupi (1965-1972)
Rede Globo (1972-1991)
Fundador Magno Bacelar
Raimundo Bacelar
Pertence a Sistema Difusora de Comunicação
Proprietário Edison Lobão Filho
Antigo proprietário Magno Bacelar (1963-1987)
Epitácio Cafeteira (1987-1990)
Presidente Paulinha Lobão
Fundação 9 de novembro de 1963 (53 anos)
CNPJ 06.275.598/0001-08
Prefixo ZYA 651
Emissoras irmãs TV Athenas
Rádio Difusora
Difusora FM
Cobertura Cerca de 143 municípios do Maranhão
Coord. do transmissor 2° 31' 29.04" S 44° 17' 26.18" O
Potência 10 kW
Página oficial ma10.com.br

TV Difusora é uma emissora de televisão brasileira sediada na cidade de São Luís, capital do estado do Maranhão. Opera nos canais 4 VHF e 38 UHF digital, e é afiliada ao SBT. Matriz e cabeça-de-rede da Rede Difusora, da qual transmite junto com a TV Difusora Sul e várias afiliadas no estado do Maranhão, a emissora pertence ao Sistema Difusora de Comunicação, grupo de comunicação pertencente ao político Edinho Lobão. Fundada em 9 de novembro de 1963 por Magno Bacelar, seu antigo proprietário, é a primeira emissora de TV do Maranhão.

A TV Difusora segue normalmente a programação do SBT gerada diretamente de São Paulo, mas quando entra em vigência o Horário de Verão no centro-sul brasileiro, a emissora segue a programação da Rede Fuso do SBT, gerada pelo SBT Pará durante a noite. Durante os domingos, a programação é transmitida em tempo real, devido ao fato dos programas desse dia terem em sua maioria classificação DJCTQ - L.svg ou DJCTQ - 10.svg.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos (1963 a 1964)[editar | editar código-fonte]

"Senhores telespectadores, a TV Difusora canal 4 inicia suas atividades a partir deste instante. TV Difusora canal 4, testemunha viva da iniciativa e do arrojo do povo maranhense."

Leonor Filho, em locução durante a abertura das transmissões da emissora
Logotipo da TV Difusora usado entre 1963 a 1991. A concepção do logotipo (um microfone de rádio) era adotada da Rádio Difusora.

A emissora de TV pioneira do estado do Maranhão foi criada em 29 de novembro de 1962, quando os irmãos Magno Bacelar e Raimundo Bacelar (na época donos da Rádio Difusora) registraram a razão social da emissora e receberam sua outorga. Após um ano de preparativos, entrou no ar no dia 9 de novembro de 1963 pelo canal 4 VHF a TV Difusora. A inauguração da emissora ocorreu às 20h, e contava com a presença do Ministro da Justiça do governo de João Goulart, Abelardo Jurema, dos governadores Newton Bello (Maranhão), Miguel Arraes (Pernambuco) e Petrônio Portela (Piauí), do prefeito de São Luís, Costa Rodrigues, de representantes da embaixada dos Estados Unidos e também do monsenhor Osmar Palhano de Jesus, que batizou os transmissores da emissora.[1][2] A TV Difusora estava instalada no 9º andar do Edifício João Goulart, no Centro de São Luís.

A primeira equipe da emissora era composta por: Luiz Cardoso de Almeida, técnico; Nonato Lemos (Pudim), operador de transmissor; Antonio Vieira e Ribamar Fernandes (Escurinho do Samba), telecine; Haroldo Rêgo, direção de TV; Douglas Santos e Euclides Marinho (Lourinho), câmeras; Elvas Ribeiro (Parafuso), controle de áudio; Roberto Marassi e George Ohnet, direção artística; Genes Celeste Soares, cenografia; Bernardo Almeida, Fernando Cutrim e Leonor Filho, apresentadores.[1] A voz padrão da emissora era de Florisvaldo Sousa. Em sua inauguração, a TV Difusora apresentou três atrações: às 20h, ocorreu a festa de abertura; às 20h30, foi apresentada uma atração musical, e às 21h, um programa de auditório. Por fim, às 21h45, entrou no ar um telejornal com 15 minutos.

Naquele dia, poucas pessoas tinham aparelho de televisão para acompanhar a estreia da televisão no Maranhão, e fazer o público assistir TV na época exigia criatividade. Para divulgar o novo meio de comunicação, eram jogados folhetos pela cidade com a grade de programação, e também foram instalados equipamentos de TV em postes elétricos, onde as pessoas se reuniam para acompanhar a emissora. A popularidade da TV Difusora era tanta em seus primeiros anos, que durante o carnaval de 1964, um dos vários blocos carnavalescos da época homenageou a emissora com uma marchinha que dizia: "Quem viver verá, TV Difusora canal 4 funcionar".

Emissoras Unidas e Rede Tupi (1965 a 1972)[editar | editar código-fonte]

O Edifício João Goulart, atualmente em estado de abandono, foi a sede da TV Difusora entre 1963 e 1973

Em 1965, com a chegada do vídeo-tape ao Brasil, começam a se formar as grandes redes de TV brasileiras, em sua maioria baseadas no Eixo Rio-São Paulo. Isso foi visto pelas emissoras de outros estados da época como uma forma de baratear os custos das produções locais e aumentar a programação, embora gerasse o efeito contrário de reduzir os programas direcionados a cultura local. Com isso, a TV Difusora passou a exibir programas produzidos pelas Emissoras Unidas e pela Rede Tupi, que eram trazidos de avião de São Paulo até São Luís, em malotes. Isso gerava um atraso de 2 a 3 dias entre a exibição original no sudeste do país até serem trazidos para a capital maranhense.

Com isso, os maranhenses puderam ver os grandes festivais musicais da Jovem Guarda, o famoso Telecatch (na Record chamado de Os Reis do Ringue), programa que mostrava lutas de vale-tudo, com destaque para o lutador Ted Boy Marino, os grandes programas humorísticos e telenovelas da época, além dos filmes e séries americanas, como a série Perdidos no Espaço. Todas as produções vindas de São Paulo eram gravadas em rolos de Quadruplex e películas, da mesma maneira que a TV Difusora fazia com algumas de suas produções locais.

Em 1969, o monopólio da Difusora como única emissora de TV do Maranhão é quebrado com a entrada no ar da TVE Maranhão, no canal 2 VHF. A TVE Maranhão manteve posto como a segunda emissora mais antiga do estado até 2007, quando foi extinta e substituída pela TV Brasil Maranhão. No mesmo ano, a emissora transmitiu ao vivo a estreia do Jornal Nacional, via satélite, sendo este o primeiro programa exibido pela emissora antes de sua afiliação com a Rede Globo, e também o único a ser exibido ao vivo.

Rede Globo (1972 a 1991)[editar | editar código-fonte]

Já nos anos 70, após receber uma proposta dos diretores da Rede Globo, que estava em constante expansão de seu sinal pelo país, a TV Difusora firma contrato de afiliação com a emissora. Antes disso, a emissora já transmitia alguns de seus programas, como o Jornal Nacional, intercalados com a programação local e os programas da Rede Tupi e da REI (sucessora das Emissoras Unidas). Como resultado de sua afiliação com a Globo, e tendo apenas a TVE Maranhão como sua concorrente, a emissora passou a atingir índices exorbitantes de audiência, chegando a 100 pontos por um dia inteiro.

A atual sede, no bairro da Camboa, onde a TV Difusora funciona desde 1973

Em 1973, a emissora desocupa o Edifício João Goulart, e migra para um prédio próprio no bairro da Camboa, na Rua Camboa (hoje Avenida Camboa), Nº 120, no mesmo local onde ficava a antiga Fábrica Camboa. A emissora também começa a substituir vários de seus equipamentos, passando a gravar seus programas em fitas U-matic, substituindo os antigos rolos de películas e quadruplex, além de passar a exibir sua programação em cores.

Além disso, a emissora inaugurou um novo transmissor, que pôde aumentar a potência de seu sinal e fazê-lo chegar em toda a Baixada Maranhense e parte da região dos lençóis, além de implantar retransmissoras em vários municípios do estado. A expansão prolongou-se até o fim da década de 1970, e continuou durante a década de 1980. A emissora firmou parcerias com prefeituras locais, e inclusive outras emissoras de TV, como a TV Rio Balsas em 1979. Em maio de 1981, o sinal da emissora chegou a Marabá, Pará, através da TV Marabá, que passou a exibir parte dos programas da Rede Globo e da TV Difusora.[3] O sinal chegava via enlaces de microondas, ou então as fitas eram enviadas para as regiões, o que ocasionava atrasos em relação a exibição original.

Em 1988, a TV Difusora, bem como os outros meios de comunicação do Sistema Difusora de Comunicação, foram vendidos por Magno Bacelar para o governador do estado Epitácio Cafeteira, em função do golpe midiático dado por José Sarney para que Bacelar perdesse as eleições para senador e vendesse seus meios de comunicação aos seus aliados, além de estar enfrentado uma grave crise financeira. Já ano seguinte, Cafeteira vendeu novamente a emissora, desta vez para o ex-deputado e jornalista Edison Lobão, que colocou nas mãos de seu filho, Edinho Lobão, e os irmãos Márcio Lobão e Luciano Lobão, a administração do Sistema Difusora de Comunicação, e consequentemente, da TV Difusora.

Sistema Brasileiro de Televisão (Desde 1991)[editar | editar código-fonte]

Logotipo da TV Difusora usado entre 1991 à 2012.

Em 1º de fevereiro de 1991, já sob o comando da família Lobão, a TV Difusora e a TV Mirante trocam de afiliação, com a TV Mirante passando a ser afiliada à Rede Globo e a TV Difusora ao SBT, nas quais ambas estão até hoje. O acordo entre as duas emissoras inicialmente definiu renovação com cada rede de seis em seis anos. Para a TV Difusora, era o fim de quase 23 anos de parceria com a Globo, e para a TV Mirante, era o início do seu crescimento. Com a troca, a TV Difusora tem uma grande queda nos índices de audiência e também na qualidade da programação, que até então seguia rigidamente o "Padrão Globo de Qualidade" e acaba dando lugar ao estilo "popularesco" do SBT, somando-se a isso também as reclamações dos telespectadores da emissora.

Ver artigo principal: Rede Difusora

No decorrer da década de 1990, o MiniCom aprova a criação de novas emissoras de TV no interior do Maranhão. Com isso, em 1997, o Sistema Difusora de Comunicação cria a Rede Difusora, gerando através do "Difu Sat" (sinal de satélite da emissora no Brasil Sat) sua programação para todo o estado, e consequentemente substituindo os enlaces de microondas por retransmissoras.

Em novembro de 1998, a emissora foi processada pelo Ministério Público por exibir, entre agosto a setembro, em intervalos de programas infantis, a propaganda da cachaça Caninha do Engenho. Leis federais proíbem a exibição desta propaganda para menores de 18 anos. Houve várias denúncias à Polícia e ao MP, de casos de aumento do consumo de bebidas alcoólicas por menores na época.

A partir da década de 2000, a TV Difusora passou a sentir a crise na qual o SBT entrava devido ao avanço da Rede Record a partir de 1997, sendo retransmitida pela TV São Luís, o que levou a modificação de vários horários na emissora entre a manhã e a tarde. Mesmo assim os programas locais continuavam sendo alguns dos mais assistidos.

Em 9 de novembro de 2012, data do 49º aniversário da emissora, durante a exibição do Jornal da Difusora, a TV Difusora lançou o seu novo logotipo, criado especialmente para iniciar as comemorações dos 50 anos da emissora. Um ano depois, na mesma data, a emissora transmitiu o 1º de 3 episódios do documentário TV Difusora, 50 anos na sua casa, que narrava sua trajetória desde 1963, mostrando os fatos cobertos pela emissora, e como ela contribuiu para o desenvolvimento do estado do Maranhão ao longo dos seus 50 anos, além de mostrar depoimentos de jornalistas e apresentadores atuais e antigos da emissora. Em seguida, foi transmitido um especial do Algo Mais, onde Paulinha Lobão recebeu antigos e atuais funcionários da TV Difusora para comemorar seu aniversário, onde estiveram José Raimundo Rodrigues, Zé Cirilo, Orquídea Santos, Messias Vilar, Mário Porto, Olavo Sampaio e Daucyana Castro. A emissora também já havia promovido em 5 de outubro um show da dupla sertaneja Bruno & Marrone para a comemoração do seu cinquentenário.[4]

Em setembro de 2014, a TV Difusora e a Rádio Difusora foram multadas pela Justiça Eleitoral em mais de R$ 200.000,00 por produzirem matérias tendenciosas contra o candidato Flávio Dino (PCdoB), que disputava o governo do estado do Maranhão contra Edinho Lobão (PMDB), proprietário da emissora.[5]

No fim de 2014 e ao longo do ano de 2015, a TV Difusora promoveu uma série de demissões em várias áreas, e mais de 200 funcionários ficaram desempregados.[6] Como resultado, vários programas acabaram sendo tirados do ar, e os telejornais, também afetados pela redução no número de repórteres, passaram a ter maior participação das emissoras do interior no seu conteúdo. A emissora entrou em uma crise financeira e arrendou parte da sua grade para programas independentes nas manhãs de sábado, além de reduzir a duração dos programas locais do meio-dia para a inserção de um game de perguntas e respostas da G2P TV, deixando clara para os telespectadores e para a imprensa local a gravidade da situação.

Em 12 de janeiro de 2016, o colunista da revista Época, Leandro Loyola, publicou uma nota informando que a TV Difusora estaria sendo colocada à venda por Edinho Lobão.[7] Lobão inicialmente afirmou que o negócio estaria envolvendo apenas a TV Difusora São Luís, com os outros veículos do Sistema Difusora de Comunicação ficando fora de uma possível transição.[8] No entanto, após a crise da TV Difusora aliviar e haver uma restruturação financeira, o empresário negou que pudesse vender a emissora.[9]

Sinal digital[editar | editar código-fonte]

Canal virtual Canal digital Proporção de tela Programação
4.1 38 UHF 1080i Programação principal da TV Difusora / SBT

A emissora iniciou os testes para implantação do seu sinal digital pelo canal 38 UHF em 13 de agosto de 2011, e voltou a fazê-los em 10 de novembro, com a imagem em SD. Em 30 de março de 2012, o sinal digital da emissora sai novamente do ar, voltando posteriormente em 30 de abril, transmitindo as imagens do SBT em HD, e em 5 de maio voltando com a retransmissão do sinal analógico. O sinal deixou de ir ao ar novamente em 31 de maio. Em 21 de agosto, data em que a emissora passou a gerar o Horário eleitoral gratuito das Eleições 2012 para a cidade de São Luís, a emissora inicia os testes definitivos para implantação do seu sinal digital.

Em 8 de setembro, aniversário de 400 anos da fundação da cidade de São Luís, a emissora lança definitivamente o seu sinal digital, com a exibição do especial São Luís, 400 Anos de História, gravado em alta definição. Paralelo ao lançamento do seu sinal digital, a TV Difusora também foi a primeira emissora do estado a gerar toda a sua programação local em alta definição.

No entanto, devido à um problema nos equipamentos de captação do sinal de satélite do SBT, a emissora passou em 2013 a transmitir apenas a sua programação local em HD, sendo que a nacional era uma retransmissão do sinal analógico, em SD. Em abril de 2015, a emissora voltou a transmitir o sinal da sua rede em HD, após solucionar parcialmente o problema.

Programação[editar | editar código-fonte]

Além de retransmitir a programação nacional do SBT, a TV Difusora exibe os seguintes programas:

  • Um Pouco de Sol: Religioso, com o Pastor Hamilton Rocha;
  • Bandeira 2: Jornalístico policial, com Silvan Alves;
  • Bom Dia Maranhão: Telejornal, com Olavo Sampaio;
  • Show de Bola: Jornalístico esportivo, com Ricardo Baty;
  • Programa Zé Cirilo: Programa de variedades, com Zé Cirilo;
  • Na Hora D: Jornalístico, com Jeisael Marx;
  • Tudo de Bom: Programa de variedades, com Thadna Azevedo, Aécio Macchi e Yago Brandão;
  • Jornal da Difusora: Telejornal, com Elirdes Soares;
  • Social na Difusora: Programa de variedades, com Orquídea Santos;
  • Resenha: Talk show sobre política, com Clodoaldo Corrêa e Jorge Vieira;
  • Nordeste Mais: Revista eletrônica, com Marcelle Mosso;[nota 1]
  • Algo Mais: Programa de auditório, com Paulinha Lobão;
  • Maranhão Rural: Jornalístico sobre agronegócio, com Mário Porto

Diversos outros programas compuseram a grade da emissora e foram descontinuados:

  • Antenado
  • Atualidades Maranhenses
  • Conexão Jamaica
  • Difusora Agora
  • Difusora Repórter
  • Feminissima
  • Itamara Show
  • iMacchi
  • Jornal da Integração
  • Jornal da Tarde
  • Maranhão Aqui Agora
  • Maranhão em Revista
  • Maranhão TV
  • Mulher & Cia.
  • Perspectiva
  • Programa Moreira Serra
  • Telejornal da Difusora
  • Video Arte
  • Zoom Zoom Noturno

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

O primeiro telejornal da emissora foi o Telejornal da Difusora, exibido logo no dia da sua inauguração. O noticiário de 15 minutos era apresentado por Leonel Carvalho e exibido de segunda a sábado, e seu conteúdo era tradicionalmente feito a partir de recortes dos jornais impressos e também entrevistas com personalidades.[10] A principal delas foi em 10 de novembro de 1963, quando o ex-Presidente da República e então senador pelo estado de Goiás, Juscelino Kubitschek, que deu em primeira mão a notícia que pretendia ser candidato à presidente da república nas eleições de 1965, o que acabou repercutindo em todo o país e aumentando a credibilidade da recém-inaugurada emissora. No entanto, devido ao golpe militar de 1964, não houve eleição naquele ano.

Posteriormente, vieram outros noticiários, como o Atualidades Maranhenses, e no fim da década de 1960, surgiu o Jornal da Integração, que durou até a década de 1990. O Bom Dia Maranhão, por exemplo, é o mais antigo programa da televisão maranhense, estando no ar até hoje. Na época, apenas um pequeno drop de notícias com duração de 5 minutos, foi efetivado como telejornal em 1965. Nesta época também se destacaram nomes como Lima Coelho, Fernando Leite, Oscar Pereira, Fernando Sousa, Ilmar Furtado e Moreira Serra.

Na décadas de 1970 e 1980, o jornalismo passou a ser o carro chefe da emissora, devido a afiliação com a Rede Globo e a constante exigência da rede com o padrão jornalístico. Foi nessa época que surgiram as edições locais do Hoje e do Jornal Nacional, os antigos padrões jornalísticos da emissora antes do Praça TV. Dentre os fatos cobertos na época, estão a Greve da Meia Passagem em 1979, e também as várias manifestações populares pela redemocratização do país (Diretas Já).

Em 1986, o jornalismo da emissora teve seu primeiro grande momento de destaque em rede nacional. Neste ano, a prefeita de São Luís, Gardênia Gonçalves, fez um corte nas assinaturas de cerca de 15.000 servidores municipais, sem qualquer consulta ou avaliação. Revoltados, os servidores depredaram e incendiaram o Palácio de La Ravardière, prédio histórico onde fica a sede da prefeitura. Neste incêndio se perderam vários arquivos e documentos, além de contas não avaliadas da gestão do prefeito anterior, Mauro Fecury. O fato foi destacado nos principais telejornais da Globo, além de ter uma cobertura das outras emissoras existentes na época.

Ainda naquele ano, a emissora também empenhou-se na cobertura das cheias no Vale do Rio Mearim. Com a forte incidência de chuvas naquela época na região, o rio acabou transbordando e deixando mais de 15.000 desabrigados, além de um gigantesco prejuízo causado com a destruição das plantações de arroz e soja da região, das quais o Maranhão era o principal produtor. O então repórter e diretor de jornalismo da emissora José Raimundo Rodrigues, fez as principais reportagens sobre o ocorrido, e a TV Difusora intermediou várias entrevistas das autoridades locais a Rede Globo, como por exemplo a que foi dada pelo governador Luiz Rocha ao Jornal Hoje, por telefone.

Na década de 1990, com a mudança para o SBT, o jornalismo da emissora sofreu alterações na sua linha editorial. Adotando a tendência do jornalismo comunitário e popularesco característico do SBT, a emissora estreou o programa policial Bandeira 2, apresentado inicialmente por Jânio Arley, e exibido durante as manhãs da emissora, antes do Bom Dia Maranhão. Em outubro deste ano, a emissora também cobriu a visita do Papa João Paulo II à São Luís, e transmitiu a missa campal realizada pelo próprio para milhares de pessoas no Aterro do Bacanga.

Em maio de 1992, entrou no ar o programa sobre agronegócio Maranhão Rural, exibido aos domingos, e produzido por Messias Vilar. Em 1995, calcado no sucesso do jornalístico Aqui Agora, entrava no ar o telejornal policial Maranhão Aqui Agora, entre 12h00 e 12h30. Em 1996, a TV Difusora criou uma segunda edição do telejornal, que agora era exibido entre 12h00 e 12h30 e entre 18h40 e 19h00. Ambas as edições ficaram no ar até setembro de 1999. Dentre os nomes que apresentaram o jornal, estão Ricardo Baty, Gilberto Lima e Marinalva Carvalho. Dentre as outras coberturas jornalísticas da emissora, estão o assassinato do prefeito de Imperatriz, Renato Cortez Moreira em 1993, o assassinato do delegado Stênio Mendonça, que investigava o crime organizado no estado em 1997, e a CPI do Narcotráfico que terminou com a prisão de dois deputados estaduais no fim da década.

Em 1997, o apresentador do Bandeira 2, Jânio Arley, é demitido da TV Difusora devido as pressões políticas sobre a emissora, que foram motivadas pelas denúncias e críticas que o apresentador fazia ao governo no programa. Após ser demitido da emissora, Jânio foi contratado em 1998 pela TV Cidade para apresentar o De Olho em Você, que também era um programa policial. No seu lugar no Bandeira 2, ficou o apresentador Silvan Alves, que apresenta o programa até hoje.

No fim da década, a TV Difusora substituiu as edições do telejornal Maranhão Aqui Agora por programas independentes e venda de espaços a instituições religiosas, tendo o jornalismo as tardes se restabelecido em 1999 com o Jornal da Tarde. O telejornal foi extinto em 2001, com a estreia do programa musical Itamara Show, o que deixou a emissora apenas com o Bandeira 2 e o Bom Dia Maranhão como programas jornalísticos, seguindo a tendência do SBT em priorizar os programas de entretenimento. A emissora volta a investir no setor apenas em 2005, com a estreia do Difusora Repórter às 12h00 e o Jornal da Difusora às 19h00.

Em 28 de setembro de 2009, entra no ar o jornalístico Difusora Agora, exibido das 12h00 às 13h00, tendo como apresentador, o jornalista José Raimundo Rodrigues.[11] O jornalístico substituiu o Difusora Repórter e o MATV, que agora passava a ser apresentado apenas aos sábados. Era a maior alteração do horário em 12 anos.

Em 29 de outubro de 2012, a TV Difusora confirmou a extinção do Difusora Agora, que deixou de ser exibido após o afastamento de José Raimundo Rodrigues da emissora.[12] O horário do programa ficou vago por cerca de um mês, quando estreou em 29 de novembro do mesmo ano o jornalístico Na Hora D, apresentado por Olavo Sampaio.[13]

Em 15 de abril de 2013, o Maranhão Rural passou a ter um bloco diário de 5 minutos após o Bom Dia Maranhão. Na faixa do meio-dia, estreou também o programa esportivo Show de Bola, apresentado por Tayane Leite.[14] Meses depois, o programa passou a ser apresentado por Laércio Júnior, locutor esportivo da Rádio Difusora.

Em 31 de dezembro de 2014, a emissora levou ao ar pela última vez o jornalístico Na Hora D e o esportivo Show de Bola, que ocupavam a faixa do meio-dia. Olavo Sampaio posteriormente assumiu o comando do Jornal da Difusora no lugar de Fernanda Leão, enquanto Laércio Júnior foi contratado pela TV Guará. O bloco diário do Maranhão Rural também deixou de ser exibido, e o Bom Dia Maranhão voltou a ter 30 minutos de duração.

Com a série de demissões que ocorreram na emissora em 2015, o departamento de jornalismo sofreu várias baixas, com a saída de repórteres para outras emissoras e a demissão do diretor de jornalismo e apresentador do Bom Dia Maranhão, Gilmar Corrêa. Com isso, apenas Eliene Pinheiro passou a ancorar o telejornal.

Em março de 2016, Tiago Soares é nomeado o novo diretor de jornalismo da emissora. Também é contratado o apresentador Osvaldo Maia, que havia deixado a TV Meio Norte Maranhão após uma série de demissões na emissora. Em 18 de abril, Carla Lima substitui Eliene Pinheiro na apresentação do Bom Dia Maranhão, e o Na Hora D reestreia na faixa do meio-dia apresentado pro Osvaldo Maia. Porém, com apenas uma semana apresentando o programa, o jornalista é substituído por Jeisael Marx, vindo da TV Cidade.[15] Em maio, o esportivo Show de Bola reestreia durante as manhãs apresentado por Ricardo Baty.

Em 9 de julho, a emissora estreou aos sábados o talk show Resenha, apresentado pelos blogueiros Clodoaldo Corrêa e Jorge Vieira, debatendo com um convidado a cada semana assuntos da política maranhense.[16] Em 25 de julho, Anamaria Mesquita assume o Jornal da Difusora no lugar de Olavo Sampaio, que passa a ficar apenas no Bom Dia Maranhão. Em outubro do mesmo ano, Elirdes Soares torna-se âncora do Jornal da Difusora no lugar de Anamaria Mesquita.

Entretenimento[editar | editar código-fonte]

Como no seu início a programação era inteiramente local, a emissora se destacou na produção de vários tipos de programas, como telejornais, programas de variedades, colunismo social, e até mesmo telenovelas. Em 1964, entrou no ar nas noites de domingo o humorístico A Cidade se Diverte, idealizado pelo diretor artístico da emissora, Raimundo Faray. O programa contou com vários profissionais iniciantes na TV, sendo que alguns integravam a parte técnica do canal, como Haroldo Rêgo, Douglas Santos, Zé Leite e Elvas Ribeiro.[10] Com a chegada dos primeiros programas em video-tape, trazidos da REI e da Rede Tupi, boa parte desses programas locais foi se extinguindo, e sendo substituída por programas produzidos no Eixo Rio-São Paulo.

Em 1984, a TV Difusora foi pioneira ao exibir pela primeira vez um programa sobre a noite de São Luís, o Zoom Zoom Noturno.[17] Apresentado por Luiz Fernando Pinto, o programa era muitas vezes considerado polêmico, sendo criticado por setores conservadores da sociedade e instituições religiosas por conta do seu conteúdo. Uma de suas características era o show de encerramento do programa, que era de uma dançarina fazendo um strip-tease na boate "La Maison", conhecida casa de shows da capital. O programa era exibido aos sábados, após a Sessão de Gala, quando foi transferido para a TV Ribamar (hoje TV Cidade), sendo exibido entre 1991 e 2004, e posteriormente para a TV Tropical, sendo exibido até sua extinção em 2005. O programa voltou ao ar em 2015, sendo exibido pela TV Guará.

Na década de 1990, com a mudança para o SBT, o espaço dedicado as programações locais aumentou. Surgiram programas destinados a cultura local, como o Video Arte, apresentado por Adriana Ribeiro. O Maranhão TV, até então apresentado na TV Mirante, é trazido por José Raimundo Rodrigues para a TV Difusora.

De 1994 a fevereiro de 1998, entrava no ar o sorteio do Domingão da Sorte, todos os domingos entre 9h00 e 10h30, com a apresentação de José Raimundo Rodrigues. No lugar, passou a ser transmitido o sorteio do Poupa Ganha, que na metade de 2000 acaba sendo embargado depois das graves denúncias de irregularidades no Maranhão.

Em 1997, o colunista social Zé Cirilo passa a apresentar o programa Zé Cirilo na TV, versando sobre os assuntos da sociedade ludovicense e maranhense, e exibindo reportagens sobre vários temas. Em 1998, morreu o apresentador Moreira Serra, uns dos mais antigos funcionários da emissora e que apresentava o Programa Moreira Serra entre 7h30 e 8h00. Com a morte do apresentador, o programa acaba sendo extinto e tendo o horário ocupado pelo Bom Dia Maranhão, que era exibido das 7h00 até às 7h30 e passou a ser exibido das 7h15 até às 8h00. O programa policial Bandeira 2, que era exibido das 6h30 às 7h00 passou para as 6h45 até às 7h15. Nessa época, a emissora alugou o horário das 5h40 às 6h40 para a Igreja Universal do Reino de Deus e o das 6h40 às 6h45 para a Igreja Batista de São Luís, que apresenta até hoje o programa Um Pouco de Sol, com o Pr. Hamilton Rocha.

Em setembro de 1998, estreou o programa independente Guia de Compras, que era exibido entre 17h40 até 18h10. No entanto, foi substituído em março de 2000 pelo outro programa independente Linha Direta com Deus, produzido ao vivo pela Igreja Universal do Reino de Deus. O programa religioso era alvo de reclamações do público infantil, pois sempre terminava além de 18h10, cortando os minutos iniciais do Disney Club, exibido pelo SBT.

Entre março e outubro de 2000, o MATV é assumido interinamente por Karla Bianca, filha do apresentador José Raimundo Rodrigues, que deixa o programa para disputar a prefeitura de São Luís, não conseguindo se eleger. A apresentadora se sai bem na substituição, e após deixar o programa, acaba estreando o K.now na TV Praia Grande.

Em agosto de 2000, estreou o programa Algo Mais, apresentado por Paulinha Lobão nas tardes de sábado. Na época, o programa gerou polêmica, pois a mesma era esposa do proprietário da emissora, Edinho Lobão, e embora a emissora divulgasse que o programa era líder de audiência, o IBOPE não faz medição de audiência em São Luís.

Em 2002, estreou nas manhãs de sábado o programa Social na Difusora, apresentado pela colunista social Flor de Lys, que integrava a equipe da emissora desde 1973, e era uma das suas mais antigas funcionárias. Com a morte da apresentadora em 29 de maio de 2011,[18] o programa passou a ser apresentado por sua filha, Orquídea Santos.

Em 31 de janeiro de 2012, foi levado ao ar o último programa Antenado, que era apresentado por Carol Carvalho. As suspeitas da retirada do programa do ar eram de que Paulinha Lobão, presidente da TV Difusora, tinha inveja do sucesso que a apresentadora fazia com seu programa, que chegava a ter mais patrocinadores do que o Algo Mais.[19] Depois que saiu da TV Difusora, Carol foi contratada pela TV Cidade e a partir de 13 de agosto começou a apresentar o ChegAí.

Em 16 de fevereiro de 2013, foi levado ao ar pela última vez o MATV, após José Raimundo Rodrigues transferir-se para a TV Guará.[20] Antes disso, o jornalista já havia sido afastado da emissora por ter exibido sem autorização o vídeo da "Milícia 36" no extinto Difusora Agora.[12]

Com a extinção da faixa jornalística do meio-dia em 31 de dezembro de 2014, a emissora passou a exibir séries como As Visões da Raven e Três é Demais, até que 16 de março de 2015 estreou o programa Conexão Jamaica, apresentado por Netinho Jamaica, 6 anos após o antigo Itamara Show ser extinto na reformulação da grade da emissora.

Em 19 de abril, o iMacchi, programa apresentado por Aécio Macchi na TV Guará, passa a ser exibido pela TV Difusora. Em 27 de abril, a emissora estreou na faixa matinal o programa Mulher & Cia., sobre o universo feminino, e apresentado por Thadna Azevedo, Aécio Macchi e Tayane Leite. Em 26 de julho, o iMacchi deixa de ser exibido, e o Maranhão Rural volta a ter 60 minutos de duração.

Em 7 de setembro, a emissora faz alterações na sua grade matinal, com o Mulher & Cia. tendo seu horário de exibição invertido com o do Programa Zé Cirilo, que respectivamente passaram a ser exibidos às 11h45 e às 13h00. No fim do ano, com o arrendamento da parte da programação para a G2P TV no início da tarde, o Mulher & Cia. acaba sendo encurtado, perdendo 10 minutos de duração.

Em março de 2016, o Conexão Jamaica deixou a grade de programação da emissora, e o programa Mulher & Cia. teve então seu tempo de duração aumentado em 20 minutos. Em 9 de maio, a emissora estreou o programa Tudo de Bom, em substituição ao Mulher & Cia., sem alterações substanciais no formato.[21]

Transmissões esportivas[editar | editar código-fonte]

Em março de 2012, a TV Difusora adquiriu os direitos de transmissão do Campeonato Maranhense de Futebol, transmitindo entre 5 de abril e 7 de junho, 13 partidas realizadas às segundas e quintas (posteriormente terças e quartas), às 20h30.[22][23] A equipe de transmissão contava com Laércio Júnior na narração e José Raimundo Rodrigues nos comentários. Como o SBT não exibia eventos esportivos desde 2004 e também não havia espaço na grade de programação, a TV Difusora era obrigada a cortar a programação original para exibir as partidas, o que gerava um atraso de duas horas em relação a exibição original. A tranmissão da rede era retomada em delay às 22h30, e as imagens eram precárias, o que gerava muita reclamação dos telespectadores. Atualmente, os direitos de transmissão do campeonato são do Esporte Interativo (TV por assinatura), que os adquiriu em 2013, e da TV Guará, que os adquiriu em 2015.

Equipe[editar | editar código-fonte]

Membros atuais[editar | editar código-fonte]

Jornalistas e apresentadores
  • Aécio Macchi
  • Clodoaldo Corrêa
  • Daucyana Castro
  • Elirdes Soares
  • Pr. Hamilton Rocha
  • Jeisael Marx
  • Jorge Vieira
  • Mário Porto
  • Olavo Sampaio
  • Orquídea Santos
  • Paulinha Lobão
  • Ricardo Baty
  • Silvan Alves
  • Thadna Azevedo
  • Yago Brandão
  • Zé Cirilo
Repórteres
  • Ciro Mineiro
  • Eduardo Ericeira
  • Emerson Ferreira
  • Geyce Gomes

Membros antigos[editar | editar código-fonte]

Jornalistas e apresentadores
  • Ademar Danilo
  • Adriana Vieira
  • Anamaria Mesquita
  • Andrezza Cerveira
  • Carla Lima (assumiu funções de bastidores)
  • Carol Carvalho (hoje na TV Cidade)
  • Claudia Bonatti
  • Edivaldo Pereira Biguá
  • Eliene Pinheiro (assumiu funções de bastidores)
  • Fernanda Leão
  • Fernando Cutrim
  • Fernando Leite
  • Fernando Souza
  • Flor de Lys †
  • Geovanni Silva
  • Gilberto Lima (hoje na Rádio Timbira)
  • Gilmar Corrêa
  • Hebert Fontenele
  • Heider Lucena
  • Jânio Arlei
  • José Machado
  • José Raimundo Rodrigues
  • Josie Bastos
  • Jota Kerley
  • Karolyne Passos
  • Kim Lopes
  • Laércio Júnior (hoje na Rádio Timbira)
  • Leonel Carvalho
  • Leonor Filho
  • Lima Coelho
  • Luiz Fernando Pinto (hoje na TV Guará)
  • Luiza Lina
  • Majô Ferreira
  • Marina Farias
  • Marinalva Carvalho
  • Moreira Serra †
  • Netinho Jamaica
  • Oscar Fereira
  • Osvaldo Maia
  • Pergentino Holanda (hoje colunista d'O Estado do Maranhão)
  • Rogério Souza
  • Soares Júnior (hoje na TV Mirante)
  • Tayane Leite
  • Thalita Villar
Repórteres
  • Arlindo Roberto
  • Camila Marques (hoje na TV Mirante)
  • César Roberto
  • Clécio Bertozzi (hoje na TV Cidade)
  • Dalva Rêgo (hoje na TV Mirante)
  • Ely Coelho (hoje na TV Guará)
  • Franklin Dyone
  • Ilmar Furtado
  • Layne Corrêa
  • Raíla Maciel
  • Sol Lago (hoje na TV Guará)
  • Tiago Soares (hoje diretor de jornalismo)
  • Vonnis Mascarenhas (hoje na TV Assembleia MA)

† - Falecido(a) quando membro(a)

Conselho administrativo[editar | editar código-fonte]

  • Tiago Soares (diretor de jornalismo)
  • Zeca Pinheiro (diretor de programação)
  • Renê Dumont (diretor de operações)
  • Paulinha Lobão (diretora-presidente)
  • Edison Lobão Filho (proprietário)

Slogans[editar | editar código-fonte]

Entre os anos de 1964 e 2012, a emissora não utilizou slogans ou apenas aderia aos slogans da respectiva rede.

  • 1963: Testemunha viva da iniciativa e do arrojo do povo do Maranhão
  • 2012 - 2013: Jornalismo com credibilidade!
  • 2013 - 2014: 50 anos na sua casa (aniversário)
  • 2014 - presente: Junto com você

Sinal[editar | editar código-fonte]

Referências culturais[editar | editar código-fonte]

A emissora foi homenageada no carnaval de 2005 pela escola de samba Turma do Quinto, com o enredo "A Difusora está no ar, o Quinto opina e a Madre Deus vai festejar", que lhe deu o título de campeã do carnaval naquele ano.[24]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Declarações sobre religiões afro[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2009, a emissora gerou uma polêmica durante a exibição do programa religioso da Igreja Universal do Reino de Deus, onde era exibida diariamente uma série de entrevistas da ex-mãe-de-santo "Tia Cida" ao apresentador e auto-intitulado "Pastor do Codó". Essa ex-mãe-de-santo disse ao pastor, que abandonou a religião afro-brasileira e tinha virado cristã evangélica após se decepcionar com a antiga religião. Ela afirmou que ela mesma, e fiéis das diversas religiões afro-brasileiras, incluindo cristãos católicos, já fizeram macumbas e pacto com forças ocultas contra pessoas famosas e anônimas no Maranhão. Ela também fez duro ataque aos fiéis desses grupos religiosos citados, para que abandonassem estas práticas e se convertessem à igreja na qual ela se converteu, em claro ataque ao grupo de afro-brasileiros e católicos, tradicionais alvos da Igreja Universal. As mesmas acusações de Tia Cida também foram exibidas pela TV Cidade, onde a IURD também aluga horários.

Alguns dias após as acusações, tanto a TV Difusora quanto a TV Cidade começaram a receber queixas e ameaças via telefone e e-mail de católicos e de adeptos das religiões afro-brasileiras, afirmando que as acusações de Tia Cida eram falsas, e chamando-a de mentirosa e oportunista e dizendo que ela se vendeu à Igreja Universal. Desde que fez estas acusações, Cida passou a receber ameaças constantemente e misteriosamente nunca mais apareceu nos programas da igreja para dar entrevistas ao pastor.[carece de fontes?]

Demissão de José Raimundo Rodrigues[editar | editar código-fonte]

Em 22 de outubro de 2012, durante a exibição do jornalístico Difusora Agora, apresentado por José Raimundo Rodrigues, foi reprisado um vídeo mostrado durante o Horário Eleitoral Gratuito do candidato a prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), intitulado "Milícia 36". O vídeo, que posteriormente foi contestado como uma montagem, acusava o rival de Castelo, Edivaldo Holanda Junior (PTC), de estar armando uma "milícia" com os líderes militares de São Luís para derrubar o candidato a reeleição do poder. A TV Difusora acabou exibindo o vídeo sem autorização da Justiça Eleitoral, o que rendeu a emissora uma multa de R$ 300.000,00. A direção do canal decidiu afastar José Raimundo Rodrigues do Difusora Agora, que acabou sendo exibido pela última vez em 26 de outubro,[12] e foi posteriormente substituído pelo Na Hora D em 29 de novembro.[13]

Comentários de Zé Cirilo sobre a morte de Chorão[editar | editar código-fonte]

Em 6 de março de 2013, o apresentador Zé Cirilo protagonizou uma gafe de repercussão nacional durante a exibição do seu programa, ao comentar sobre a morte do líder da banda Charlie Brown Jr., o cantor Chorão. Demonstrando claro desconhecimento de quem se tratava, Zé Cirilo achou que Chorão era o personagem Charlie Brown, dos quadrinhos Snoopy, e a partir daí deduziu que o cantor Benito di Paula se referia a Chorão ao compor a canção "Meu Amigo Charlie Brown". Ainda disse que Charlie Brown era um sambista baiano (referindo-se a Carlinhos Brown), e que a morte de Chorão era uma grande perda para o carnaval brasileiro.

Após um vídeo ser publicado no YouTube, vários sites do Maranhão e do país publicaram matérias sobre o erro cometido.[25] Tendo em vista a repercussão que o erro tomou, em 8 de março, Zé Cirilo tentou retratar-se ao fim do seu programa, mas piorou mais ainda a situação, ao falar que "Charles Brown Jr. era filho de Charles Brown", e que "afinal de contas, quem nessa vida não tem um pouco de médico e um pouco de louco". Os dois erros cometidos por Zé Cirilo acabaram indo parar até mesmo dentro do quadro "Top Five", exibido no CQC (Rede Bandeirantes).[26]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Exibido em conjunto com as afiliadas do SBT no Nordeste

Referências

  1. a b Lukatto, Talvani (11-11-2001). «História da TV Difusora». Sistema Difusora. Arquivado desde o original em 11-11-2001. Consultado em 19-05-2013. 
  2. «Sistema Difusora de Comunicação - Histórico». Sistema Difusora. 09-11-2008. Arquivado desde o original em 09-11-2008. Consultado em 19-05-2013. 
  3. Almeida, Rogério (07-2005). «Comunicação popular em Marabá, um sobrevôo nos anos 1980-90». Piratininga. Consultado em 28-07-2015. 
  4. «Nos 50 anos da Difusora tem Bruno e Marrone». iDifusora.com. 27-09-2013. 
  5. Garrone, Raimundo (16-09-2014). «Justiça Eleitoral suspende propagandas de Edinho Lobão e aplica multa por uso irregular de TV». Blog do Raimundo Garrone - Jornal Pequeno. Consultado em 10-01-2014. 
  6. Cardoso, Luís (16-01-2015). «Demissão em massa no Sistema Difusora… Tristeza para uns, alegria para outros!». Luís Cardoso - Bastidores da Notícia. Consultado em 13-01-2016. 
  7. Loyola, Leandro (12-01-2016). «Família de Lobão procura comprador para retransmissora do SBT». Época. Consultado em 13-01-2016. 
  8. Emir, Diego (12-01-2016). «TV Difusora pode ser vendida». Diego Emir - Poder, Política e Sociedade. Consultado em 13-01-2016. 
  9. «Empresário Lobão Filho nega venda da TV Difusora». iDifusora.com. 03-03-2016. Consultado em 03-03-2016. 
  10. a b Noronha, Marine. (12-2010). "No ar... os que fizeram história". Canal.com - UFMA: 9. Visitado em 19-07-2016.
  11. Isaias Rocha, : (28-09-2009). «José Raimundo Rodrigues estréia o programa 'Difusora Agora'. Veja!». 180 Graus. Consultado em 04-04-2010. [ligação inativa]
  12. a b c Lêda, Gilberto (29-10-2012). «Zé Raimundo está fora de programa da TV Difusora». Consultado em 18-01-2012. 
  13. a b Ferreira, Neto (29-10-2012). «"Na Hora d" estreia segunda na Difusora». Neto Ferreira - Conteúdo Inteligente. Consultado em 18-01-2012. 
  14. «Duas estréias na Difusora nessa segunda». iDifusora.com. 12-04-2013. Consultado em 17-04-2013. 
  15. Corrêa, Clodoaldo (22-04-2016). «Jeisael Marx deixa a TV Cidade e vai para a TV Difusora». Blog do Clodoaldo Corrêa. Consultado em 27-04-2016. 
  16. Cutrim, John (07-07-2016). «Clodoaldo Corrêa e Jorge Vieira estreiam neste sábado na Difusora». Jornal Pequeno. Consultado em 09-07-2016. 
  17. Lacerda, Bruno (04-05-2016). «Há décadas no ar, programas mantêm a simpatia dos telespectadores no MA». O Imparcial. Consultado em 19-07-2016. 
  18. Décio Sá (29-05-2011). «Morre jornalista Flor de Lys, aos 82 anos». Blog do Décio. Consultado em 23-11-2013. 
  19. «Carol Carvalho da adeus ao "Antenado". Confira!». 31-01-2012. Consultado em 18-01-2013. 
  20. Lêda, Gilberto (15-02-2013). «Zé Raimundo e Chico Viana na TV Guará». Consultado em 20-02-2013. 
  21. Gouveia, Hialley (06-05-2016). «TV Difusora/SBT estreia “Tudo de Bom” nesta segunda-feira (09)». Bastidores da TV. Consultado em 10-05-2016. 
  22. «TV Difusora anuncia transmissão do Campeonato Maranhense». Esporte e Mídia. 26-03-2012. Consultado em 13-01-2016. 
  23. César, Edu (03-04-2012). «PAPO DE MÍDIA: COLUNA». Papo de Bola. Arquivado desde o original em 06-04-2012. Consultado em 13-01-2016. 
  24. «Turma do Quinto é bicampeã do carnaval». Na Mira - imirante.com. 09-02-2005. Consultado em 13-01-2016. 
  25. «Zé Cirilo é destaque nos principais sites do país ao cometer gafe ao vivo». O Imparcial. 12-03-2013. Consultado em 16-03-2013. 
  26. «Zé Cirilo vai para o Top Five do CQC em dose dupla, na Rede Bandeirantes». Maranhão Hoje. 19-03-2013. Consultado em 21-03-2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]