Televisão digital

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de TV Digital)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo artigo sobre a televisão digital no Brasil, veja Televisão digital no Brasil.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

A Televisão digital, ou DTV, usa um modo de modulação e compressão digital para enviar vídeo, áudio e sinais de dados aos aparelhos compatíveis com a tecnologia, proporcionando assim transmissão e recepção de maior quantidade de conteúdo por uma mesma frequência (canal) podendo obter imagem de alta qualidade (alta definição).

O padrão em operação comercial pode transportar um programa em alta definição com uma bitrate média de 5 Mbps[1] a 15 Mbps[2] por canal.[3] Cada canal de TV pode transmitir vários programas ao mesmo tempo.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História da televisão digital

A história da televisão digital inicia-se nos anos 1970, quando a direção da rede pública de TV do Japão Nippon Hoso Kyokai (NHK) juntamente com um consórcio de cem estações comerciais, dão carta branca aos cientistas do NHK Science & Technical Research Laboratories para desenvolver uma TV de alta definição (que seria chamada de HDTV).

Inovações técnicas e tecnológicas da TV Digital[editar | editar código-fonte]

Qualidade técnica de imagem e som[editar | editar código-fonte]

  • Resolução de imagem - Os primeiros estudos sobre a melhoria da resolução da imagem foram realizados na universidade de Massachusetts, onde os aparelhos receptores de TV tinham apenas 30 linhas de vídeo. Ao longo das décadas de 1930 e 1940, os novos aparelhos já apresentavam 240 linhas de vídeo. Atualmente, um monitor analógico de boa qualidade apresenta entre 480 e 525 linhas. Na televisão digital de alta definição, chega-se a 1080i linhas com o padrão HDTV.
  • Qualidade do som - A televisão iniciou com som mono (um canal de áudio), evoluiu para o estéreo (dois canais, esquerdo e direito). Com a TV digital, passará para seis canais (padrão utilizado por sofisticados equipamentos de som e home theaters).
  • Sintonia do Sinal sem fantasmas - A TV digital possibilitará a sintonia do sinal sem a presença de fantasmas e com qualidade de áudio e vídeo ausentes de ruídos e interferências.

Interatividade[editar | editar código-fonte]

  • Interatividade Local - O conteúdo é transmitido unilateralmente para o receptor, de uma só vez. A partir daí, o usuário pode interagir livremente com os dados que ficam armazenados no seu receptor. Um novo fluxo de dados ocorre apenas quando é solicitada uma atualização ou uma nova área do serviço é acessada.
  • Interatividade com Canal de Retorno Não-Dedicado - A interatividade é estabelecida a partir da troca de informações por uma rede à parte do sistema de televisão, como uma linha telefônica. O recebimento das informações ocorre via ar, mas o retorno à central de transmissão se dá pelo telefone.
  • Interatividade com Canal de Retorno Dedicado - Com a expansão das redes de banda larga, pode ser desenvolvido um meio específico para operar como canal de retorno. Para isso, o usuário da TV digital necessitaria não apenas de antenas receptoras, mas também de antenas transmissoras, e os sistemas, a capacidade de transportar os sinais até a central de transmissão.

Acessibilidade[editar | editar código-fonte]

  • Facilidades para Gravação de Programas - A introdução de sinais codificados de início e fim de programas facilitará o acionamento automático de videocassetes ou gravadores digitais dos usuários.
  • Gravadores Digitais Incluídos nos Receptores ou Conversores - Alguns modelos de aparelhos receptores ou mesmo os conversores poderão incorporar gravadores digitais de alto desempenho (semelhantes aos discos rígidos utilizados nos computadores) que poderão armazenar muitas horas de gravação e permitir que o usuário escolha a hora de assistir o programa que desejar.
  • Múltiplas Emissões de Programas - A transmissão de um mesmo programa em horários descontínuos (um filme, por exemplo, iniciando de 15 em 15 minutos) em diversos canais permitirá que o usuário tenha diversas oportunidades para assistir ao programa desejado a um horário escolhido.

Transmissão e Recepção[editar | editar código-fonte]

  • Otimização da Cobertura - A tecnologia digital possibilita flexibilidade para ajustar os parâmetros de transmissão de acordo com as características geográficas locais. Em áreas acidentadas ou com muitos obstáculos (grandes cidades com muitos edifícios, por exemplo) pode ser utilizado o recurso da transmissão hierárquica. Com este recurso, um programa pode ser transmitido (com sinal menos robusto) de modo a ser recebido em locais mais favoráveis, através de antenas externas, por exemplo, enquanto outro programa ou o mesmo programa do mesmo canal é transmitido (com sinal mais robusto) com uma menor resolução de imagem para recepção em todos os pontos da área de prestação do serviço. Isto permite que terminais portáteis ou móveis (instalados em veículos) possam receber sem problemas as transmissões.

Multiprogramação[editar | editar código-fonte]

O sistema de TV Digital possibilita que um mesmo canal tenha programas diferentes sendo transmitidos em um mesmo horário, entretanto, no Brasil, esse recurso é utilizado por poucas emissoras, dentre elas os canais da Rede Legislativa de TV e o Canal da Cidadania[5]. O número de programas que podem ser transmitidos simultaneamente no mesmo canal depende da qualidade que os mesmos serão transmitidos e, no Brasil, atualmente, se usam quatro "sub canais".

Padrões Digitais[editar | editar código-fonte]

Apresentadas as principais características de transmissão e recepção dos primeiros padrões de radiodifusão digital de sons e imagens, a saber:

  • ATSC: acrônimo de Advanced Television System Committee, é o padrão norte-americano desenvolvido a partir de 1987;
  • DVB-T: acrônimo de Digital Video Broadcasting, é o padrão europeu projetado a partir dos anos 80.
  • ISDB-T: acrônimo de Integrated Services Digital Broadcasting Terrestrial, é o padrão japonês projetado a partir dos anos 70, é a evolução do sistema DVB-T

Meios de transmissão[editar | editar código-fonte]

Assim como a televisão analógica convencional, o sinal digital viaja por diferentes meios - que deverão continuar coexistindo após a adoção do padrão digital.[6]

Terrestre[editar | editar código-fonte]

Transmitido por ondas de radiofrequência, os sinais digitais são transmitidos no ar e necessitam de antenas e receptores apropriados para a sua recepção. Este é provavelmente o meio mais aguardado da televisão digital já que seu custo econômico é o mais baixo, não há necessidade de pagar assinaturas bastando às grandes emissoras de televisão no país e suas retransmissoras efectuarem as devidas adaptações, exigindo também da parte dos consumidores, a aquisição de novos receptores. No Brasil, algumas companhias de televisão por assinatura já transmitem a sua programação usando um sistema semelhante denominado MMDS. Em Portugal, a televisão digital terrestre foi inaugurada em 29 de abril de 2009, adotando, como no resto da Europa, o sistema DVB-T (Digital Video Broadcasting - Terrestrial).

Satélite[editar | editar código-fonte]

Uma antena que recebe sinais de TV digital por satélite.

Transmite o sinal de televisão e rádio através da infraestrutura de satélite a maioria das transmissões utiliza o sistema DVB-S desenvolvido especificamente para este uso, tendo a facilidade de se transmitir vários canais em um único sinal pela robustez e compressão dos sinais digitais.

TV Digital via satélite no Brasil

Já em uso no Brasil desde 1996 através das TVs por assinatura de banda Ku (SKY, Tecsat e DirecTV) este sistema permite a captação do sinal digital pelos utilizadores residentes em regiões remotas. Desde 1997 existe um satélite público da Embratel transmitindo sinais digitais a antenas parabólicas específicas, denominado de banda C digital sem custos financeiros para a recepção.

Atualmente, existem vários satélites com transmissões digitais abertas, chamados de sistemas Free to air (FTA), em formato DVB encontradas em satélites como a série StarOne, Intelsat, ARSAT, Amazonas, Hispasat, entre outros, com programação variada, desde canais abertos (Rede Minas, TV Record, RedeTV!), emissoras regionais, rádios e canais estrangeiros.

Com uma antena parabólica e um receptor de satélite que receba sinal digital em banda C e apontando a antena para os satélites StarOne C2, StarOne C3 e StarOne C1 os canais disponíveis são: RedeTV!, Rede Super, TV Gazeta, SBT, Band, Rede 21, Mix TV, TV Cultura, Top TV, Cine Brasil TV, SescTV, E-Paraná, Record, Rede Familia, CNT, TV Shoptime, RBTV, NGT, Rede Globo, entre outros canais. A qualidade da imagem é digital (igual da TV a cabo).

Cabo[editar | editar código-fonte]

Utiliza redes de cabo convencionais televisão a cabo para transmitir os sinais digitais que chegam à casa do assinante via operadoras de televisão por assinatura.

TV a cabo digital no Brasil

Implantado a partir 2004 em grandes cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Recife este meio de transmissão para televisão digital é atualmente o mais difundido em todo o mundo.

Normalmente as operadoras de televisão a cabo recebem quase todos os canais através de satélite.

Após a recepção, filtragem e amplificação poderão existir dois processos para a transmissão no cabo, sendo um deles a codificação analógica dos canais (canais premium, pay-per-view, conteúdo explícito para adultos, etc) criando-se um empacotamento, modulação e depois a transmissão no cabo.

Alguns canais, dependendo do interesse da operadora podem ser transmitidos diretamente no cabo sem a codificação analógica, como é o caso da recepção dos canais locais da cidade em que a operadora de TV a cabo se situa, os chamados canais Off Air, porém passam pelo processo de recepção, filtragem amplificação, modulação e transmissão.

Em resumo, para os canais recebidos via satélite, eles são convertidos de sinais digitais (DVB-S), para sinais analógicos e depois transmitidos no cabo.

Via Internet[editar | editar código-fonte]

Utiliza a infraestrutura de comunicação da internet geralmente denominada IPTV ou TVIP e podem ser transmitidos programas em diversos formatos utilizando o protocolo de comunicação TCP/IP.

Operadoras de TV por Internet do Brasil

Pay-per-view (PPG)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Pay-per-view

Antigamente, quem quisesse assistir a um canal de filme tinha que ter ciência da programação, ou mesmo um PP, os clientes tinham que esperar o início do programa almejado para que pudessem comprá-lo. Podem ver também outros pay-per-view como, por exemplo no Brasil, o Big Brother Brasil.

HDTV[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: HDTV

Em sua maior resolução de imagem - High Definition Television (HDTV) - Este padrão prioriza a nitidez e qualidade da imagem em detrimento do número máximo de canais a serem transportados em uma mesma frequência. Atualmente, a resolução HDTV encontra resistência em avançar no mundo, sendo o alto custo da solução um dos principais obstáculos. O HDTV é atualmente utilizado em algumas grandes cidades localizadas em partes dos Estados Unidos, do Japão e de algumas regiões da Europa (para quem dispõe de uma TV com esta tecnologia).

Progresso da implementação da TV Digital[editar | editar código-fonte]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Televisão digital no Brasil

O Brasil foi o único país emergente onde emissoras e indústrias de equipamentos financiaram parte dos testes de laboratório e de campo para comparar a eficiência técnica dos três padrões tecnológicos existentes em relação à transmissão e recepção dos sinais.

As universidades destacadas nesta pesquisa são a Universidade Presbiteriana Mackenzie, juntamente com equipamentos da NEC, que realizaram diversos testes em laboratório e em campo, para a escolha do padrão de TV digital japonês. E a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (EPUSP) que em seu laboratório de Sistemas Integrados, chegou a criar um padrão totalmente brasileiro de transmissão.

A TV Digital no Brasil chegou às 20h48min do dia 2 de dezembro de 2007, com pronunciamento do Presidente da República. Inicialmente na Grande São Paulo, pelo padrão japonês com algumas adaptações.

A RedeTV! foi a primeira rede de televisão a exibir em São Paulo a sua programação em formato digital de televisão. No dia 20 de abril o sinal de Alta Definição foi liberado pela Rede Globo apenas na região metropolitana do Grande Rio. No site www.dtv.org.br é possível consultar a áreas com cobertura da TV Digital.[7]

Leilão da faixa de 700MHz[editar | editar código-fonte]

O Brasil é primeiro país no mundo a conduzir o desligamento analógico em conjunto com o leilão de parte da faixa usada pela televisão. No ano de 2014, a Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), publicou o edital n°2/2014-SOR/SPR/CD-ANATEL[8], referente ao leilão de radiofrequências na faixa de 700 MHz (mais especificamente, a faixa de 708-803 MHz) para o uso do sistema de quarta geração de telefonia móvel (4G), em atendimento às políticas governamentais de desenvolvimento da banda larga no País [9], e consoante com a identificação internacional da faixa, pela União Internacional de Telecomunicações – UIT, para serviços de telefonia móvel [10]. O leilão, ocorrido em 30 de setembro de 2014, arrecadou cerca de 9 bilhões de reais [11], dos quais parte deverá ser reservada para cumprir obrigações do desligamento.

O leilão da faixa de 700 MHz trouxe consigo a necessidade de remanejamento de canais de televisão que atualmente utilizam a faixa. As emissoras analógicas e digitais que ocupam a faixa UHF compreendida entre os canais 52 ao 69 deverão ser realocadas, dentro da mesma faixa, para os canais 14 a 51. Em algumas cidades grandes, como São Paulo e Belo Horizonte, a grande ocupação do espectro impede que o remanejamento dos canais para uso pelo 4G seja feito sem que antes haja o desligamento analógico.

Com vistas à operacionalização de todos os procedimentos previstos, as teles constituíram a EAD – Entidade Administradora do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV. A EAD deverá cumprir com os custos decorrentes da redistribuição de canais das soluções para problemas de interferências, além de custear sua constituição, administração e operação, utilizando os recursos a serem pagos pelas operadoras proporcionalmente ao preço público do lote ganho por cada uma. É importante ressaltar que o Edital não estabelece a discriminação quantitativa de valores para cada uma destas obrigações. Ainda, o valor destinado ao ressarcimento que exceda o montante destinado de 3,6 bilhões deverá ser aportado pelas vencedoras da licitação.

Com o objetivo de fiscalizar, disciplinar e aprovar o cronograma de atividades da EAD, foi constituído pela Anatel o Grupo de Implantação do processo de Redistribuição e Digitalização de canais de TV e RTV – o GIRED. Esse grupo é presidido por um conselheiro da Anatel, indicado pelo seu Conselho Diretor, e composto pelos seguintes membros: um representante do Ministério das Comunicações, sendo esse o titular da Secretaria de Comunicação Eletrônica, um representante de cada uma das quatro proponentes vencedoras do Edital de Licitação da Faixa de 700 MHz e quatro representantes de entidades do setor de radiodifusão, além de contar com ouvintes do Fórum Brasileiro de TV Digital e da EAD. Suas reuniões são realizadas mensalmente, e suas deliberações são tomadas por consenso. Em havendo divergências, prevalece o voto de seu Presidente, nos assuntos de competência da Anatel, ou do Ministério, nos assuntos de sua competência.

O GIRED, no exercício de suas atividades, conta com a assessoria técnica de três grupos de trabalho, integrantes de sua estrutura, quais sejam, o Grupo Técnico de Comunicação (GT-Com), o Grupo Técnico de Recepção (GT-Rx) e o Grupo Técnico de Remanejamento (GT-Rm). Esses grupos são coordenados por membros da Anatel, e deles participam representantes dos setores de radiodifusão e das entidades de telefonia móvel vencedoras da licitação da faixa de 700 MHz, além de participarem também membros do Ministério das Comunicações. Tem também participação nos grupos técnicos, como convidada observadora, a EAD.

Arcabouço Normativo e Políticas Públicas[editar | editar código-fonte]

O decreto n° 5.820, de 2006, determinou que o desligamento do sinal analógico no Brasil seja concluído até 31 de dezembro de 2018[12]. Como formulador de políticas públicas na área de radiodifusão, o Ministério das Comunicações determinou, na Portaria n° 477 de 20 de junho de 2014 [13], o cronograma de desligamento dos municípios, iniciando-se em 15 de fevereiro de 2016 (inicialmente em 29 de novembro de 2015) e sendo finalizado em 25 de novembro de 2018. Posteriormente, foram definidas as cidades afetadas pelo desligamento analógico, que devem desligar em conjunto com as principais cidades de forma a viabilizar o processo.

Para evitar que população não deixe de assistir à televisão e se prepare para o desligamento do sinal analógico, o Ministério das Comunicações expediu Portaria [14] determinando uma série de obrigações às entidades de radiodifusão e à EAD.

  1. Para permitir o desligamento da transmissão analógica das emissoras de televisão em cada município, pelo menos 93% de seus domicílios que acessem o serviço livre, aberto e gratuito por transmissão terrestre, estejam aptos à recepção da televisão digital terrestre. Consideram-se aptos os domicílios que estejam equipados com, ao menos, um televisor com receptor digital integrado ou um televisor analógico ligado a um conversor externo, além de antena apropriada para recepção de televisão digital.
  2. De forma a estimular o atingimento do percentual de 93% de domicílios aptos, o Governo determinou que os beneficiários do programa Bolsa Família recebam, de forma gratuita, um conversor digital com interatividade (Ginga, na sua versão C) e antena para recepção. Com vistas a garantir a qualidade da prestação do serviço, o Governo determinou que medidas fossem tomadas para solucionar eventuais problemas de interferência da telefonia móvel na televisão digital, na região de vizinhança entre os dois sistemas.
  3. Deverá ser promovida uma campanha publicitária, inclusive em TV aberta, para informar a toda população sobre o desligamento [15]. Para cumprir a estas e outras obrigações, as operadoras de telefonia móvel que venceram a licitação da faixa de 700 MHz terão disponíveis, de forma exclusiva, o montante de 3,6 bilhões de reais[16], que deverá ser executado pela EAD.

A partir de 2015, foi autorizado o uso da faixa de VHF compreendida entre os canais 7 a 13 (“VHF alto”) para o funcionamento da televisão digital [17]. Permitiu-se também que os canais analógicos desta faixa continuem operando até a data do desligamento.

A data de desligamento da televisão analógica nas cidades do Brasil foi definida pelo Ministério das Comunicações, por meio da Portaria Nº 378, de 22 de Janeiro de 2016[18], conforme a lista a seguir:

Data do desligamento Agrupamento dos municípios
2016 15/02/2016 - 01/03/2016 Rio Verde
26/10/2016 Brasília
2017 29/03/2017 São Paulo
31/05/2017 Goiânia
26/07/2017 Belo Horizonte
Fortaleza
Sobral
Juazeiro do Norte
Recife
 Salvador
27/09/2017 Campinas
Franca
Ribeirão Preto
Santos
São Paulo Vale do Paraíba
25/10/2017 Rio de Janeiro
Vitória
2018 31/01/2018 Curitiba
Florianópolis
Porto Alegre
28/03/2018 Bauru
Presidente Prudente
São José do Rio Preto
São Luís
30/05/2018 Belém
João Pessoa
Maceió
Manaus
Teresina
Aracaju
 Natal
28/11/2018 Boa Vista
 Campo Grande
Cuiabá
Macapá
Palmas
Paraná Oeste do Paraná
Porto Velho
Rio Branco
Rio de Janeiro Interior do Rio de Janeiro
Rio Grande do Sul Sul do Rio Grande do Sul
São Paulo Interior de São Paulo
05/12/2018 Blumenau
Jaraguá do Sul
Joinville
Campina Grande
 Dourados
Bandeira caruaru.jpg Caruaru
Petrolina
Rondonópolis
Feira de Santana
Vitória da Conquista
Governador Valadares
Juiz de Fora
Uberaba
Uberlândia
Imperatriz
Marabá
 Mossoró
Parnaíba
Santa Maria
2023 Todas as outras cidades

De acordo com a Portaria 378, o detalhamento das cidades afetadas por cada agrupamento será publicado posteriormente.

Desligamento Piloto[editar | editar código-fonte]

A cidade escolhida como piloto para o desligamento do sinal analógico no Brasil foi Rio Verde, Goiás, prevista para desligar em 29 de novembro de 2015. Entretanto, a última pesquisa de conhecimento realizada pelo IBOPE nesta cidade, antes da data do desligamento, resultou que apenas 69% da população estavam ora aptos a receber o sinal digital, percentual abaixo dos 93% necessários para o desligamento[19]. A pesquisa concluiu que grande parte da população não se mobilizou em favor da transição digital até a data do desligamento - adquirindo televisores ou conversores -, justificando-se esta inação pela impossibilidade de arcar com gastos [referência]. Além disso, um fenômeno observado em outros países que já passaram pelo processo é de que certo percentual da população somente toma ações de adequação após o desligamento.

Após a data original do desligamento, o Ministro divulgou, durante um evento público, que Rio Verde terá seus serviços analógicos impreterivelmente desligados em 15 de fevereiro de 2015 [20], e para que a população de baixa renda que ainda não possui os equipamentos necessários para receber o sinal digital não seja prejudicada, o GIRED autorizou a compra de conversores para serem distribuídos aos os usuários do Cadastro Único em Rio Verde-GO. Na cidade existem cerca de 25 mil inscritos no programa, sendo aproximadamente 7 mil do bolsa família [21].

Medição de audiência[editar | editar código-fonte]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Com a chegada do novo sistema de transmissão, é necessária também uma nova forma de se medir a audiência televisiva das emissoras. Para isso, o Ibope, maior instituto de pesquisa desta área do país, adotará o aparelho DIB 6,[22] nova versão do aparelho medidor DIB 4, utilizado na forma de medição de televisão analógica People Meter. De acordo com o Ibope, esta tecnologia permite conhecer também a preferência dos telespectadores no computador e no celular através de um software instalado nos mesmos.[22] Os testes da nova tecnologia começaram em 2007 e a previsão é que a nova tecnologia de medição esteja implementada em 2009.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

A rede analógica foi desligada no dia 26 de abril de 2012.

Em Portugal, a situação da Televisão Digital está sem grandes desenvolvimentos. Com a possível privatização da RTP e outros fatores, o lançamento da TDT foi mal aproveitado. Contudo, já os quatro principais canais generalistas transmitem os seus conteúdos na integridade em 16:9, mas nenhum deles em alta definição (HD). Com a existência de apenas um canal em HD (Canal 6) as transmissoras não chegam a um consenso e o canal permanece a preto. A RTP, recusou-se, em 2012, a transmitir os Jogos Olímpicos de Londres em HD na TDT, enquanto que a PT pagou uma elevada quantia para poder transmitir o mesmo evento por cabo na RTP HD. A 27 dezembro de 2012, o Canal Parlamento começou a ser transmitido na posição 5. Entretanto, foi anunciado pelo governo português que existe a intenção de alargar a oferta da TDT em mais quatro canais, com a inclusão da RTP3, da RTP Memória e de mais dois canais de cariz privado, que vão ser lançados em concurso. A previsão de alargamento, segundo estimativas do executivo, é de Julho de 2016.[23]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lucas Braga (Março de 2013). «GVT TV transmite a televisão via internet quando satélite falha». tecnoblog.net. Consultado em 9 de setembro de 2016. 
  2. Redação (11 de outubro de 2007). «Televisão Digital». Consultado em 9 de setembro de 2016. 
  3. George Ou (18 de janeiro de 2008). «Don't believe the low bit-rate 'HD' lie». Zdnet (em inglês). zdnet.com. Consultado em 20 de outubro de 2015. 
  4. «Globo lança sinal de TV digital no Rio». G1. 16 de junho de 2008. Consultado em 22 de fevereiro de 2016. 
  5. Minicom finaliza teste com multiprogramação, Convergência Digital - Visitado em 11 de janeiro de 2016
  6. [1]
  7. «Área de Cobertura da TV Digital». dtv.org.br. Consultado em 22 de fevereiro de 2016. 
  8. Edital de Licitação para autorização de uso da faixa de 700 MHz, publicado no DOU em 21 de agosto de 2014
  9. Portaria n° 14, de 6 de fevereiro de 2013, Anatel - visitado em 7 de janeiro de 2016
  10. Atos Provisionais Finais da Conferência Mundial de Radiocomunicação de 2015 da União Internacional de Telecomunicações (UIT), UIT - acessado em 7 de janeiro de 2016
  11. Leilão de 700 mhz arrecada r$ 5,85 bi, queda de 29% ao que esperava o governo, Telessíntese - visitado em 7 de janeiro de 2016
  12. DECRETO Nº 5.820, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Presidência da República- Visitado em 08/01/2016
  13. Portaria nº 477, de 20 de junho de 2014 Ministério das Comunicações - acessado em 7 de janeiro de 2016
  14. Portaria nº 481, de 09 de julho de 2014 Ministério das Comunicações - acessado em 7 de janeiro de 2016
  15. Com os dias contados: começa campanha sobre o fim do sinal analógico de TV, Tecmundo, visitado em 07 de janeiro de 2016.
  16. Teles do leilão de 4G pagam 1ª parcela à EAD para limpar faixa de 700 MHz, Telesíntese- visitado em 08 de janeiro de 2016
  17. Portaria nº 1.581, de 09 de abril de 2015 Diário Oficial da União de 13 de abril de 2015
  18. Portaria nº 378, de 22 de Janeiro de 2016
  19. Governo deve adiar switch-off em Rio Verde, Telesíntese - visitado em 07 de janeiro de 2016.
  20. Rio Verde: TV analógica será desligada até 15 de fevereiro, Abert - visitado em 07 de janeiro de 2016.
  21. TV Digital: Teles e tevês adiam costura de acordo por 45 dias, Tela Viva - visitado em 07 de janeiro de 2016.
  22. a b Novo sistema de medição do Ibope vai monitorar conteúdo da TV digital WNews - 4 de dezembro de 2007
  23. «TDT pode ter mais quatro canais a partir de julho». 2016-06-22. Consultado em 2016-07-01. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]