TV Rio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2018). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela TV Rio que funcionou entre 1988 e 1994, veja RecordTV Rio.
TV Rio
Rádio e Televisão Rio Ltda.
Rio de Janeiro, RJ
Brasil
Tipo Comercial
Canais 13 VHF analógico
Sede Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Rio de Janeiro, RJ
Avenida Atlântica - Copacabana
Slogan ver mais
Rede Rede das Emissoras Unidas (1959-1967)
REI (1969-1972)
Fundador João Batista do Amaral
Pertence a Emissoras Unidas (1955-1972)
Ordem dos Frades Menores (1972-1977)
Proprietário João Batista do Amaral (1955-1972)
Tuta (1969-1977)
Ordem dos Frades Menores (1972-1977)
Fundação 17 de julho de 1955
Extinção 5 de abril de 1977
Cobertura Grande Rio de Janeiro e áreas próximas

TV Rio foi uma emissora de televisão brasileira sediada na cidade do Rio de Janeiro, capital do estado homônimo. Operava no canal 13 VHF, e foi fundada pelo empresário João Batista do Amaral, seu proprietário entre 1955 e 1972. Fez parte das Emissoras Unidas, tendo liderado juntamente com a TV Record de São Paulo a rede homônima entre 1959 e 1967, além de ter sido pioneira no uso massivo do videotape na programação e nas transmissões de longa distância via micro-ondas. Porém, com a consolidação e profissionalização das concorrentes, que apostaram nos projetos de rede nacional de televisão que ficaram pra trás na TV Rio, a emissora passou a sofrer problemas financeiros. Depois de vendida para a Ordem dos Frades Menores em 1972, foi acumulando dívidas até sair do ar em 1977.

História[editar | editar código-fonte]

Esteve no ar entre 1955 e 1977. Foi transmitida pelo canal 13 VHF, cuja concessão atualmente pertence à TV Record Rio de Janeiro. Na primeira fase, a TV Rio tinha uma programação própria, mas trocava produções com a TV Record de São Paulo, da família Machado de Carvalho -- João Batista "Pipa" do Amaral, fundador da TV Rio, era cunhado de Paulo Machado de Carvalho.

Essa associação era chamada de Emissoras Unidas. Em 1967, passou a se chamar REI (Rede de Emissoras Independentes). Algum tempo mais tarde, em 1972, a TV Rio deixa a REI e associa-se à TV Difusora (Porto Alegre), canal 10. A parceria rendeu, na época, a primeira transmissão a cores da TV no Brasil, com a cobertura, em março de 1972, da Festa da Uva, direto de Caxias do Sul (RS).

Fizeram parte do elenco de artistas da emissora nomes hoje consagrados, como Chacrinha, Norma Benguell, Moacyr Franco, Dercy Gonçalves, Consuelo Leandro, Ronald Golias, Flávio Cavalcanti e Chico Anysio. A TV Rio foi destaque naqueles tempos com seus programas de humor.

A TV Rio produziu programas que ainda hoje estão na memória de muitos telespectadores. Na década de 50, antes do surgimento da tecnologia do vídeo-tape, Família Boaventura e Histórias do Dom Gatão, séries exibidas ao vivo, tiveram boa repercussão. Os programas eram realizados em auditório, com a presença de plateia. Nos anos 60, programas humorísticos fizeram sucesso: O Riso é o Limite, Teatro Psicodélico e Chico Anysio Show.

A emissora carioca colocou no ar também programas na linha de variedades, como Noite de Gala, Espetáculos Tonelux, Show 713, Rio, cinco pras cinco, Pergunte ao João, Show Sem Limites, Rio é Pra Valer e O Domingo é Nosso. Trouxe do teatro de revista famosas vedetes, como Carmem Verônica, Dorinha Duval e Virgínia Lane, que atuaram nos programas Show Praça Onze e Noites Cariocas, musicados por João Roberto Kelly.

Foi também a primeira emissora de televisão do Brasil a dar atenção aos noticiosos, exibindo telejornais de sucesso, como Correspondente Vemag e Telejornal Pirelli, ambos dirigidos por Walter Clark e apresentados por Léo Batista e Heron Domingues. Tinha também uma equipe esportiva de qualidade, liderada por Armando Nogueira.

A TV Rio também exibia programas dirigidos ao público jovem, tais como Hoje é Dia de Rock, Brotos no Treze e Rio Jovem Guarda, apresentados, entre outros, por Jair de Taumaturgo e Carlos Imperial. A TV Rio recebeu cantores internacionais famosos na época, que se apresentaram em programas especiais. Entre eles, Rita Pavone, Trini Lopez, Connie Francis, Gigliola Cinquetti, Sergio Endrigo, Brenda Lee, The Platters, Chris Montez, Tom Jones, entre outros.

O canal 13 exibia ainda programas infantis. Muitos deles ficaram famosos, como Clube do Tio Hélio, Clube do Capitão Aventura, A Turma do Zorro, Comandante Meteoro e Programa Pullman Junior. Foi a TV Rio, também, a responsável pela primeira exibição no Brasil, em 1964, da série japonesa National Kid, considerada o maior sucesso infantil da década de 60 na televisão. Estrearam na tela da TV Rio outras séries de destaque, como Os Intocáveis, Bat Masterson, Família Adams, Aventuras Submarinas, Joias da Tela, James West e Além da Imaginação.

A TV Rio produziu também algumas telenovelas, a maioria escrita por Nelson Rodrigues, que usava o pseudônimo Verônica Blake. Se destacaram A Morta sem espelho, Pouco amor não é amor, Sonho de amor, Acorrentados, Comédia Carioca, A Herança do Ódio, O Porto dos Sete Destinos e O Desconhecido.

No final de 1964, a TV Rio comprou os direitos de exibição no Rio de Janeiro da telenovela O Direito de Nascer, produzida pela TV Tupi de São Paulo, que acabou sendo um dos maiores sucessos em audiência da televisão brasileira até hoje, pois atingiu, na época, no último capítulo, o índice de 99,75% dos televisores ligados. Devido a grande audiência, a emissora promoveu a festa de encerramento da novela, em agosto de 1965, no Maracanãzinho, que teve transmissão direta para São Paulo. Na oportunidade, se apresentaram César de Alencar e Adalgisa Colombo, além da participação do elenco da novela. Tal fato resultou na demissão da direção da TV Tupi do Rio de Janeiro, que rejeitara a telenovela por achar que a mesma não teria audiência, visto já ter sido apresentada pelo rádio, alguns anos antes.

Outros programas da TV Rio também conseguiram audiência recorde, como Buzina do Chacrinha, em 1962, que alcançou 99,6% dos televisores ligados; o humorístico Noites Cariocas, em 1961, que obteve 99%; as séries Os Intocáveis e Bat Masterson, em 1962, que chegaram a 96%; e Riso é o Limite, em 1961, que atingiu 98% de audiência. Esse desempenho fez com que a TV Rio assumisse o slogan "Líder absoluta de audiência".

A TV Rio tinha como mascote o "malandrinho carioca", personagem com olhos sobressaltados e um pandeiro na mão. Era uma contrapartida aos mascotes das concorrentes TV Tupi (o indiozinho), da TV Excelsior (duas crianças) e, mais tarde, da TV Globo (o gato).

A TV Rio foi a primeira emissora de televisão do Brasil a realizar transmissões a longa distância, via UHF. Em 1957, exibiu, no dia 12 de outubro, uma missa direto da Basílica de Nossa Senhora Aparecida, mantendo uma sub-estação em Guaratinguetá, o canal 12, que retransmitia a programação direto da TV Rio. Outras sub-estações foram criadas, como o canal 12 em Belo Horizonte, a TV Belo Horizonte (hoje TV Globo Minas); o canal 5 em Juiz de Fora, a TV Juiz de Fora (hoje pertencente à TV Integração, da Rede Globo); o canal 2 em Vitória, que depois foi transferido para canal 6, a TV Vitória (que existe até hoje); o canal 3 em Nova Friburgo, a TV Nova Friburgo (hoje SBT Interior RJ); o canal 8 em Campos dos Goitacazes, a TV Campos (hoje InterTV Planície, pertencente à InterTV, afiliada à Rede Globo).

Em 1972, a emissora deixa a Rede de Emissoras Independentes (REI), pois foi vendida para um grupo ligado à Ordem dos Capuchinhos, da Igreja Católica, proprietária da TV Difusora (canal 10) de Porto Alegre. Os novos donos tentaram implantar uma programação baseada em filmes, séries e desenhos, mas a experiência não deu certo, por que muitos deles já haviam sido exibidos por outras emissoras na cidade do Rio de Janeiro.

Em 5 de abril de 1977,[1] a emissora, já endividada, saiu do ar após ter os seus transmissores lacrados por falta de pagamento do aluguel dos cristais à RCA Eletrônica.

Em 1979, a emissora de Porto Alegre acabou sendo vendida para a Rede Bandeirantes.

Posteriormente[editar | editar código-fonte]

A concessão do canal 13 VHF foi novamente outorgada em 1983 para o pastor da Primeira Igreja Batista de Niterói, Nilson Fanini, que tentou recriar a TV Rio a partir de 1.º de junho de 1988. A nova TV Rio apostou em uma programação inteiramente local, com produções inovadoras como a grade de radiais desenvolvida por Walter Clark, além de programas ecumênicos voltados para o público evangélico, produzidos pela Fundação Ebénezer. Os índices de audiência não decolaram, e em 1992, a emissora foi vendida para a RecordTV, tornando-se a atual RecordTV Rio.

Slogans[editar | editar código-fonte]

  • 1955 - Agora você já pode assistir televisão
  • 1957 - Objetividade, o 13 voltou a dar
  • 1960 - Ligue na Rio e esqueça, está dando o 13 na cabeça

Referências

  1. «Fim». Veja. 13 de abril de 1977. Consultado em 12 de setembro de 2012.  Página 87.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Clark, Walter; Priolli, Gabriel (1991). O campeão de audiência. Uma autobiografia. [S.l.]: Summus. 400 páginas. ISBN 9788532310354 
  • Rockmann, Roberto; Carlos, Tom (2005). O Marechal da Vitória. Uma História de Rádio, TV e Futebol. São Paulo: A Girafa. 368 páginas. ISBN 9788589876759 
  • Ricco, Flávio; Vannucci, José Armando (2017). Biografia da Televisão Brasileira. São Paulo: Matrix. 928 páginas. ISBN 9788582304143 

´

Precedido por
-
Canal 13 VHF do Rio de Janeiro
1955 - 1977
Sucedido por
Fora do Ar (1977-1988)
TV Rio
Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.