Tabarca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tunísia Tabarca

‏طبرقة‎

Ṭabarqa • Thabraca • Thabarka • Barga

 
  Município  
Vista do porto e do forte de Tabarca
Vista do porto e do forte de Tabarca
Tabarca está localizado em: Tunísia
Tabarca
Localização de Tabarca na Tunísia
Coordenadas 36° 57' 15" N 8° 45' 26" E
Província Jendouba
 - Prefeito Noureddine Ben Sassi
População (2004) [1]
 - Total 15 634
Código postal 2111

Tabarca[2] (em árabe: ‏طبرقة‎; transl.: Ṭabarqa; em latim: Thabraca), também chamada Thabarka ou Barga pelos locais e Tabraqua na Antiguidade e Idade Média, é uma cidade e município da costa noroeste da Tunísia, que faz parte da província de Jendouba e em 2004 tinha 15 634 habitantes.[1] No mesmo ano, a delegação de Tabarka tinha 45 494 habitantes.[3]

A cidade situa-se à beira do Mediterrâneo, 15 km a leste da fronteira argelina, 180 km a oeste de Tunes e 67 km a norte de Jendouba. O topónimo, já usado pelos fenícios, é de origem berbere e significa "terra das urzes" ou "terra das estevas". É o centro das populações aldeãs do Djebel Khemir, uma pequena cadeia montanhosa coberta de sobreiros. A cidade é dominada por um monte rochoso sobre o qual se ergue um forte genovês.

É uma cidade turística, popular para a prática de mergulho — os fundos marinhos são abundantes em peixe e pratica-se a caça submarina de garoupas e lagostas. O mar de Tabarca é igualmente conhecido pelo seu coral, usado em joalharia. Todos os verões a cidade acolhe o Festival de Jazz de Tabarka, um evento que também atrai à cidade muitos visitantes. A cidade é servida pelo Aeroporto Internacional de Tabarca-Aïn Draham (IATA: TBJ, ICAO: DTKA), situado 15 km por estrada a leste da cidade.[carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

A história local é uma miscelânea de civilizações berbere, fenícia, cartaginesa, romana, árabe e turca. Tabraca, fundada pelos númidas, torna-se depois uma colónia romana. Os romanos Tabarca como o principal porto de exportação do mármore policromo extraído das pedreiras da cidade de Simito, situada nos montes vizinhos de Kroumirie. Mais tarde, durante o reinado do rei vândalo Genserico, a cidade é dotada de dois mosteiros, um masculino e outro feminino.[carece de fontes?]

Em 702 é travada em Tabraqua a última batalha entre o reino berbere, liderado pela rainha Kahina, e os árabes comandados por Haçane ibne Numane que, depois de ter conquistado Cartago aos bizantinos, recebeu um reforço de 50 000 homens do califa omíada Abdal Malique.[4] Apercebendo-se da derrota eminente, a rainha pôs em prática a política de terra queimada para dissuadir os invasores de invadirem os seus territórios. Mandou destruir os castelos e as reservas alimentares e queimar as colheitas e pomares, alienando assim parte do seu próprio povo e a deserção de alguns berberes, que se foi capturada e decapitada numa ravina e a sua cabeça foi enviada ao califa.[carece de fontes?]

De 1542 a 1742 a ilha de Tabarca foi habitada por numerosos colonos, os tabarquinos, originários de Pegli, na Ligúria. Eram principalmente pescadores de coral e comerciantes, organizados pela família nobre genovesa dos Lomellini, que tinha recebido a ilha em concessão por Barba Ruiva, concessão essa confirmada pelo imperador Carlos V, segundo a lenda em recompensa pela intermediação na libertação do corsário Dragut. Devido ao declínio económico da ilha e à sua sobrepopulação, os membros da colónia começaram a emigrar em 1738 para a ilha de San Pietro, perto da Sardenha, onde fundaram a cidade de Carloforte com o apoio do rei Carlos Emanuel III da Sardenha. O assalto à ilha de Tabarca pelo bei de Tunes em 1742 provoca a dispersão dos seus habitantes, tanto livres como escravos.[carece de fontes?]

O município de Tabarca foi criado por um decreto de 27 de junho de 1892.[5] Em 1952, o dirigente nacionalista Habib Bourguiba, que virá a ser o primeiro presidente da república da Tunísia independente , foi exilado em Tabarca e depois em La Galite pelas autoridades francesas.[carece de fontes?]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Population, ménages et logements par unité administrative : Gouvernorat : Jendouba». www.ins.nat.tn (em francês). Instituto Nacional de Estatística da Tunísia. 2004. Consultado em 25 de março de 2014 
  2. Mokhtar, Gamal (2010). História Geral da África – Vol. II – África antiga. [S.l.]: UNESCO. p. 495 
  3. «Population, ménages et logements par unité administrative. Gouvernorat : Jendouba». www.ins.nat.tn (em francês). Instituto Nacional de Estatística da Tunísia. 2004. Consultado em 25 de março de 2014 
  4. Ochi, Mohamed Sadok Bel (1981), La conversion des Berbères à l'islam (em francês), Tunes: Maison tunisienne de l'édition, p. 78 
  5. Khémais, Arfaoui (2011), Les élections politiques en Tunisie de 1881 à 1956 : colonialisme et libertés politiques, ISBN 9782296542587 (em francês), Paris: L'Harmattan, p. 139 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tabarca