Tabuleiro ouija

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tabuleiro Ouija)
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Tabuleiro ouija em espanhol
Tabuleiro ouija anglófono
Uma prancheta para psicografia
Sessão com uso de um copo

Tabuleiro Ouija ou Tábua Ouija é qualquer superfície plana com letras, números ou outros símbolos em que se coloca um indicador móvel. Foi criado para ser usado como método de necromancia ou comunicação com espíritos.[1]

Os participantes colocam os dedos sobre o indicador que então se move pelo tabuleiro para responder perguntas e enviar mensagens dos supostos espíritos. Há um jogo de tabuleiro registrado no Departamento de Comércio norte-americano com o nome de Ouija, mas a designação passou a ser usada para caracterizar qualquer tabuleiro que se utilize da mesma ideia.

No Brasil há variantes conhecidas como Brincadeira do Copo, Jogo do Copo, ou ainda Sessão de Copo, em que um copo faz as vezes do indicador para as respostas. Também é conhecido como Brincadeira do Compasso, quando se usa um compasso como indicador. Existem também apoios para a utilização de lápis durante as sessões.

O tabuleiro não necessita ter um formato retangular. Muitos tabuleiros ouija são circulares. Em vez do ponteiro, podem utilizar uma moeda ou um copo de vidro. Afirma-se que este último não é aconselhável porque o espírito poder vingar-se utilizando o copo.

Origens[editar | editar código-fonte]

O princípio em que se baseia o tabuleiro Ouija ficou conhecido depois de 1848, ano em que duas irmãs norte-americanas, Kate e Margaret Fox, supostamente contactaram um vendedor que havia morrido anos antes e espalharam uma febre espiritualista pelos Estados Unidos e Europa.[2][3][4]

Há também indícios de que o princípio teria sido aperfeiçoado por um espiritualista chamado M. Planchette, que por volta de 1853 teria inventado o indicador de madeira, utilizado até hoje.[5][6]

Em 1890, Elijah J. Bond, de Baltimore, solicitou a patente do "Ouija" ou "Tabuleiro egípcio da sorte", concedida em 1891. Nesta patente se descreve o funcionamento e alega-se que o tabuleiro é capaz de responder "perguntas de qualquer tipo".[7]

Explicação científica[editar | editar código-fonte]

As movimentações que ocorrem no tabuleiro ouija se devem ao efeito ideomotor.[8][9] As pessoas participantes da sessão involuntariamente exercem uma força imperceptível sobre o indicador utilizado, e a conjunção da força exercida por várias pessoas faz o objeto se mover. O efeito ideomotor foi descoberto pelo naturalista britânico William Benjamin Carpenter em 1852.[10]

O físico também britânico Michael Faraday realizou experimentos[11] que comprovaram que os movimentos das mesas girantes, atribuídos a fontes ocultas, eram realizados inconscientemente pelos próprios participantes dos experimentos. O mesmo princípio se aplica ao tabuleiro ouija.[12] O mágico ilusionista e cético estadunidense James Randi também realizou um experimento, citado em seu livro An Encyclopedia of Claims, Frauds, and Hoaxes of the Occult and Supernatural. Randi demonstrou que quando os participantes do tabuleiro ouija são vendados eles não conseguem produzir mensagens inteligíveis.[13]

Explicação espiritualista[editar | editar código-fonte]

Espiritualistas que acreditam na possibilidade de contato com o mundo dos mortos argumentam que o espírito comunicante utilizaria os sentidos do participante durante as sessões. Os adeptos dessa teoria acreditam que o tabuleiro não tem poder em si mesmo, servindo apenas como ferramenta para o médium se comunicar com o mundo dos espíritos.[14]

Críticas das religiões[editar | editar código-fonte]

Além das críticas científicas dos céticos, o tabuleiro Ouija também é criticado entre os espiritualistas. Edgar Cayce declarou-os perigosos.[15] Críticos avisam que maus espíritos poderiam enganar os participantes e possuí-los espiritualmente.[carece de fontes?]

No meio especializado[necessário esclarecer] há diversos avisos contra o uso do tabuleiro por pessoas desavisadas. Há também notícias de tabloides relatando casos de suposta possessão demoníaca em decorrência de sessões envolvendo espíritos malignos.[16]

A Igreja Católica critica o tabuleiro e a brincadeira do copo, assim como as experiências de seus fiéis na busca do contato com os mortos em geral. A recomendação dos padres é que os fiéis se mantenham distantes de participações nesse tipo de evento.[17][18] Segundo alguns padres exorcistas, Grabriele Amorth, este tipo de jogo pode contactar demônios. Em seus livros ele relata inúmeras possessões causadas pelo uso desses jogos.[carece de fontes?]

Da mesma forma, Igrejas Evangélicas definem essas práticas como "brincadeiras com demônios".[19][20]

Allan Kardec, criador da Doutrina Espírita, orienta em seu O Livro dos Médiuns que estas práticas devem ser evitadas porque, normalmente, são utilizadas para curiosidades em geral e somente são feitas perguntas vãs, longe da seriedade exigida no intercâmbio com a espiritualidade benfeitora. Assim, o espiritismo considera que é mais provável a presença de espíritos levianos e zombeteiros, sem nenhum interesse com a verdade e com a dignidade, do que espíritos bons e esclarecidos comprometidos com a divulgação de propostas morais e éticas.[21]

Tabuleiro ouija na mídia[editar | editar código-fonte]

  • O escritor G. K. Chesterton utilizou um tabuleiro ouija durante um período de depressão e ceticismo e depois disso passou a ser fascinado pelo ocultismo.[22]
  • Brandon Flowers, vocalista da banda The Killers, utilizou o tabuleiro e passou a ter medo do número 621. A data também se relaciona com o dia de seu aniversário, 21 de junho.[23]
  • Sam Winchester, um dos protagonistas da séria Supernatural, usa uma Tábua Ouija no primeiro episódio da segunda temporada (2:01 - Na hora da minha morte) para se comunicar com seu irmão morto, Dean Winchester.[24]

Referências

  1. «Clique Ciência: Como funcionam as brincadeiras do copo e da tábua de Ouija? - Notícias - Ciência». Consultado em 2015-09-23. 
  2. «Museum of Talking Boards: History of the Talking Board». www.museumoftalkingboards.com (em inglês). 1996-2015. Consultado em 10 de outubro de 2015. 
  3. Mitch Horowitz. «Ouija!» (em inglês). Arquivado desde o original em 3 de janeiro de 2009. Consultado em 10 de outubro de 2015. 
  4. «Cool Things - Ouija Board». Kansapedia. Kansas Historical Society. Consultado em 2016-05-27. 
  5. «Ancient Ouija Boards, Fact or Fiction?». www.museumoftalkingboards.com. 1996-2013. Consultado em 10 de outubro de 2015. 
  6. Spence, 1920
  7. Bond, J. (1891). Elijah j Google Patents [S.l.] «My invention relates to improvements in toys or games, whichldesignate as an Ouija or Egyptian luck-board, and the objects ofV the invention are to produce a toy or game by which two or more persons can amuse themselves by asking questions of any kind and having them answered by the device used and operated by the touch of the hand, so that the answers are designated by letters on a board.» 
  8. Projeto Ockham, A Brincadeira do Copo
  9. Wegner DM. The Illusion of Conscious Will. Cambridge, MA: MIT Press;2002
  10. William Benjamin Carpenter. (1852). "On the influence of suggestion in modifying and directing muscular movement, independently of volition" (em inglês). Proceedings of the Royal Institution of Great Britain 1: 147-153. ISSN 1430-6972. Visitado em 20 de fevereiro de 2015.
  11. Faraday, Michael. (1853). "Experimental Investigation of Table-Moving". Journal of the Franklin Institute 56 (5): 328-33. DOI:10.1016/S0016-0032(38)92173-8 (Finally, I beg to direct attention to the discourse delivered by Dr. Carpenter at the Royal Institution on the 12th of March, 1852, entitled 'On the influence of Suggestion in modifying and directing Muscular Movement, independently of Volition':-which, especially in the latter part, should be considered in reference to table moving by all who are interested in the subject.). Visitado em 06/08/2014.
  12. (em inglês)Como as pessoas são enganadas pelo efeito ideomotor, Ray Hyman, Ph.D
  13. (em inglês) Ouija Board, James Randy Educational Foundation
  14. (em inglês) Museum of Talking Boards, Theories
  15. (em inglês) The Ouija Board - Part One
  16. (em inglês) Ghost Research - Ouija: Not a game
  17. Doutrina Católica, Perguntas e respostas
  18. «A Brincadeira do Compasso e o envolvimento com o Oculto». blog.cancaonova.com. Consultado em 2016-04-28. 
  19. (em português) Igreja Batista Independente em Pato Branco
  20. (em português) Igreja Evangélica da Paz, O Exorcista, Quando o demônio vira astro de cinema
  21. Kardec, Allan (1944). O livro dos médiuns (Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira). p. 135, 209-210.  As comunicações frívolas emanam de Espíritos levianos, zombeteiros, ou brincalhões, antes maliciosos do que maus, e que nenhuma importância ligam ao que dizem. Como nada de indecoroso encerram, essas comunicações agradam a certas pessoas, que com elas se divertem, porque encontram prazer nas confabulações fúteis, em que muito se fala para nada dizer. Tais Espíritos saem-se às vezes com tiradas espirituosas e mordazes e, por entre facécias vulgares, dizem não raro duras verdades, que quase sempre ferem com justeza. Em torno de nós pululam os Espíritos levianos, que de todas as ocasiões aproveitam para se intrometerem nas comunicações. A verdade é o que menos os preocupa; daí o maligno encanto que acham em mistificar os que têm a fraqueza e mesmo a presunção de neles crer sob palavra. As pessoas que se comprazem nesse gênero de comunicações naturalmente dão acesso aos Espíritos levianos e falaciosos. Delas se afastam os Espíritos sérios, do mesmo modo que na sociedade humana os homens sérios evitam a companhia dos doidivanas.
  22. «BBC - Radio 4 - Great Lives - Richard Ingrams on GK Chesterton - 9 May 2003». www.bbc.co.uk. Consultado em 10 de outubro de 2015. 
  23. «Flowers' Ouija death threat» (em inglês). www.monstersandcritics.com. 3 de outubro de 2006. Arquivado desde o original em 18 de junho de 2009. Consultado em 10 de outubro de 2015. 
  24. «Tabuleiro ouija». Consultado em 2016-07-25. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tabuleiro ouija