Talvane Albuquerque Neto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Talvane Albuquerque
Deputado federal por Alagoas
Período 1 de fevereiro de 1995
a 7 de abril de 1999
Deputado estadual por Alagoas
Período 1 de janeiro de 1991
a 31 de janeiro de 1995
Dados pessoais
Nome completo Pedro Talvane Luís Gama de Albuquerque Neto
Nascimento 12 de novembro de 1956 (65 anos)
Maceió, AL
Progenitores Mãe: Diva Gama Albuquerque
Pai: Eufrozino Nunes de Albuquerque
Alma mater Universidade Federal de Alagoas
Cônjuge Nireide do Nascimento Gama Albuquerque
Partido PTR, PP, PPB, PFL, PTN
Profissão médico e político
Talvane Albuquerque
Nome Pedro Talvane Luís Gama de Albuquerque Neto
Crime(s) Homicídio duplamente qualificado, no caso da deputada Ceci Cunha, e triplamente qualificado, no caso de seus familiares[1]
Pena 103 anos e quatro meses[1]
Situação Preso desde 19 de janeiro de 2012[2]

Pedro Talvane Luís Gama de Albuquerque Neto, conhecido apenas como Talvane Albuquerque (Maceió, 12 de novembro de 1956),[3] é um médico e ex-político brasileiro.[4] Foi deputado federal entre 1995 e 1999, quando teve o mandato cassado após ter sido apontado como o mandante do assassinato da também deputada federal Ceci Cunha, pelo qual foi condenado a 103 anos de prisão.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carreira estudantil e na medicina[editar | editar código-fonte]

Filho de Eufrozino Nunes de Albuquerque e de Diva Gama Albuquerque, iniciou a Faculdade de Direito de Maceió, abandonando-a em 1975. Em 1976, ingressa na Faculdade de Medicina da UFAL, diplomando-se em 1981. Nomeado para a Secretaria de Saúde de Arapiraca em 1982, viaja para Lisboa, onde fixaria residência médica na Maternidade Alfredo da Costa durante 2 anos.

Regressou ao Brasil em 1984, estabeleceu-se em Arapiraca e trabalhou na divisão municipal do Instituto Nacional de Seguridade Social. Trabalhou ainda na Clínica Santa Maria (1985 a 1987) e no Hospital Santa Maria (1987 a 1989), além de ter coordenado o 4º Centro Regional de Saúde da Fundação de Saúde do Serviço Social de Alagoas.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Filiado ao PTR, Talvane Albuquerque fez sua estreia eleitoral em 1990, ao disputar as eleição estadual daquele ano. Foi um dos 5 deputados estaduais eleitos pela legenda no estado. Em 1993, ingressou no recém-criado PP, tornando-se vice-presidente da Assembleia Legislativa de Alagoas. No ano seguinte, concorreu a uma vaga de deputado federal, obtendo a maior votação (61.706 sufrágios). Em agosto de 1995, ingressou no PPB, disputando a prefeitura de Arapiraca em 1997, sem êxito. Ele também não conseguiu a reeleição para deputado federal em 1998, pelo PFL;

Envolvimento na morte de Ceci Cunha[editar | editar código-fonte]

Substituindo a deputada Ceci Cunha, que foi assassinada em 16 de dezembro de 1998 com outros 3 parentes, Talvane, que na época era filiado ao PTN, foi beneficiado com um habeas corpus que garantiu sua posse, entretanto as investigações policiais descobriram que o mandante do crime foi ele. O inquérito revelou a gravação de uma conversa do parlamentar com o pistoleiro Maurício Guedes Novais, que o tratara com intimidade por meio de códigos.

Em 7 de abril, a Câmara dos Deputados cassou o mandato de Talvane por quebra de decoro parlamentar. Foram 427 votos favoráveis à cassação, 29 contrários, 21 abstenções e apenas 1 voto em branco. O segundo suplente, Helenildo Ribeiro, assumiu a vaga. Após mais de um ano preso, o ex-deputado foi libertado em fevereiro de 2000,[5] e em maio, obteve um habeas corpus do STJ que o permitiu responder ao processo em liberdade. Em 2007, o Ministério Público Federal de Alagoas pediu a condenação de Talvane, que voltaria à vida pública em julho de 2008, quando assumiu a Secretaria de Saúde no município de Craíbas. Depois de 4 meses, deixou o cargo para administrar os hospitais Santa Maria e Teodora Albuquerque, de propriedade de sua família e localizados em Arapiraca.

Condenação[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2012, o ex-deputado e outros 4 acusados de matarem Ceci Cunha (Alécio César, Jadielson Barbosa, José Alexandre dos Santos e Mendonça Medeiros da Silva) foram condenados a 476 anos de prisão pelo envolvimento na "Chacina da Gruta", como o crime foi conhecido. Talvane foi quem recebeu a maior sentença de prisão - 103 anos[1] - , enquanto Jadielson e José Alexandre receberam pena de 105 anos cada um, e Alécio (falecido em 2013) e Mendonça foram condenados, respectivamente, a 87 e 75 anos de cadeia, por terem "menor envolvimento" no assassinato. Maurício Guedes Novais, outro envolvido na chacina, veio a falecer em 2014, devido a um AVC. 1 mês depois, um habeas corpus foi recusado.[2]

Em outubro de 2015, um novo pedido de habeas corpus foi negado pelo STF.[6]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Foi casado com Nireide do Nascimento Gama Albuquerque, com quem teve 4 filhos.

Referências

  1. a b c «Ex-deputado Talvane Albuquerque condenado a 103 anos de prisão». O Povo. 20 de janeiro de 2012. Consultado em 20 de janeiro de 2012 
  2. a b «Negado pedido de liberdade a ex-deputado Talvane Albuquerque». AlagoasWeb. 10 de fevereiro de 2012. Consultado em 10 de fevereiro de 2012 
  3. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Talvane Albuquerque». Consultado em 15 de outubro de 2013 
  4. «Talvane Luís Gama de Albuquerque». CPDOC. Consultado em 17 de julho de 2018 
  5. «Ex-deputado Talvane Albuquerque é solto». Diário do Grande ABC. 4 de fevereiro de 2000 
  6. «STF nega liberdade a condenado pela morte da deputada Ceci Cunha em AL». G1 Alagoas. 10 de outubro de 2013. Consultado em 10 de outubro de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.