Tarde Quente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tarde Quente
Informação geral
Formato programa de auditório
Duração 65 minutos
País de origem  Brasil
Idioma original português
Produção
Apresentador(es) João Kléber
Exibição
Emissora original RedeTV-Logotipo.svg
Transmissão original 19 de abril de 200424 de outubro de 2005

Tarde Quente foi um programa da RedeTV! apresentado por João Kléber de segunda a sexta-feira, das 18h10 às 19h15. A atração tinha um quadro diferente a cada dia da semana e para cada um deles um cenário específico.[1] Em 2005, o programa foi retirado do ar e seu apresentador dispensado.[2]

Transmissão[editar | editar código-fonte]

Inicialmente concebido como um programa de variedades, com apelo às classes populares, assemelhando-se com o formato de talk-show. Algum tempo depois o formato do programa se centralizou na exibição de pegadinhas que, segundo críticos do programa, ridicularizavam homossexuais, idosos, mulheres e pessoas com deficiência.

Inicialmente, um grupo de homossexuais processa a RedeTV!, acusando o programa de incitar a homofobia. Em 24 de outubro de 2005, o Ministério Público Federal, em conjunto com seis organizações não-governamentais, entrou na Justiça acusando o apresentador de discriminação e violação de direitos humanos e solicitando a adequação de seus programas à correção política: a RedeTV! deveria retirar o programa do ar por 60 dias, e em seu lugar exibir programas ditos educativos — o direito de resposta dos grupos.[3]

A emissora retirou o programa de sua grade, mas em seu lugar exibiu o infantil Vila Maluca.[2] Sendo assim, a ordem judicial foi descumprida, e a emissora teve seu sinal de VHF cortado na Grande São Paulo.[4] Houve tentativa de corte no sinal para o restante do país, mas os agentes responsáveis não tiveram acesso à torre de emissão. Sendo assim, com exceção da região, o sinal foi transmitido normalmente nos demais pontos do país, e também para a Grande São Paulo via TV a cabo ou satélite. Apesar de presente em outras cidades, nesse dia a emissora exibiu apenas reprises, com exceção dos telejornais (TV Esporte Notícias e RedeTV! News). O sinal voltou 26 horas depois, mediante acordo entre a emissora e o governo.

De volta ao ar, a RedeTV! dispensou João Kléber, tirou do ar seus dois programas (Tarde Quente e Eu Vi na TV) e cedeu o horário do programa para entidades sociais durante dois meses, de dezembro de 2005 até janeiro de 2006. Estreou o programa obrigatório Direitos de Resposta, em parceria com o Ministério Público e ONGs de Direitos Humanos. produzido em conjunto pelo Ministério Público Federal e seis ONGs de defesa de Direitos Humanos e direitos dos Homossexuais, com apresentação de Anelis Assumpção. Os programas foram produzido como "contrapropaganda" às ofensas a minorias nas pegadinhas do Tarde Quente. No total, foram 30 programas, em formato de debate. Anelis e mais dois convidados discutiam temas sugeridos pelo Ministério Público e pelas ONGs, como cidadania, direitos humanos, diversidade sexual, racial, acessibilidade, direito à moradia, direito a terra, meio-ambiente e comunicação social. Entre os debates, a apresentadora Soninha Francine dividia o quadro fixo "Tele-Visão" com o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Sergio Suiama, e o jornalista e professor Gabriel Priolli, diretor da TV PUC.[5][6]

Assim, a RedeTV! rescindiu seu contrato com João Kléber, que lhe rendia salário fixo de R$ 800 mil por mês.[7]

Denúncias[editar | editar código-fonte]

O programa fez o nome do apresentador João Kléber entrar pela terceira vez na lista da campanha "Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania", que é formada por denúncias de telespectadores e pelo Comitê de Acompanhamento da Programação (CAP), onde estão como representantes mais de 60 entidades que assessoram a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados para criar o "Ranking da Baixaria na TV".[8][9] O deputado Orlando Fantazzini (PT-SP), coordenador da campanha, achou lamentável, "Ainda mais depois de tantos compromissos firmados com a Campanha de que os seus programas passariam por reformulações, mas isso não ocorreu".[10]

Referências

  1. «> ÁreaVip - João kleber estréia Tarde Quente na RedeTV! <». Consultado em 2 de abril de 2010. Arquivado do original em 8 de janeiro de 2006 
  2. a b «OFuxico - Justiça tira João Kleber do ar». Consultado em 2 de abril de 2010 
  3. «Justiça suspende "Tarde Quente" por 60 dias - Bonde - Astros e Estrelas». Consultado em 2 de abril de 2010 
  4. «Observatório da Imprensa - Edição 583 - 30/3/2010 - Capa e Índice». Consultado em 2 de abril de 2010 [ligação inativa]
  5. https://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u55734.shtml
  6. https://www.ofuxico.com.br/noticias-sobre-famosos/rede-tv-reformula-grade-e-estreia-programa-produzido-pelo-ministerio-publico/2005/12/05-13889.html
  7. «João Kleber perde emprego na Rede TV! e deve ir à Justiça». 10 de dezembro de 2005. Consultado em 10 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 23 de abril de 2008 
  8. Patricia Roedel (9 de outubro de 2007). «Big Brother lidera 13º ranking da baixaria na TV». observatoriodaimprensa.com.br. Consultado em 3 de novembro de 2016 
  9. «"Kubanacan" lidera ranking da baixaria na TV - Cultura - Estadão». cultura.estadao.com.br. 17 de novembro de 2003. Consultado em 3 de novembro de 2016 
  10. «João Kleber lidera novamente ranking da Baixaria na TV». www2.camara.leg.br. 14 de outubro de 2004. Consultado em 3 de novembro de 2016