Tarso Dutra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tarso de Morais Dutra)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tarso Dutra
Tarso Dutra
Senador pelo Rio Grande do Sul
Período 31 de janeiro de 1971
até 5 de maio de 1983
Deputado Federal pelo Rio Grande do Sul
Período 1951 até 1967
Deputado Estadual do Rio Grande do Sul
Período 1947 até 1951
Dados pessoais
Nascimento 15 de maio de 1914
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Morte 5 de maio de 1983 (68 anos)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Partido PSD
Arena
PDS
Profissão Advogado

Paulo de Tarso de Morais Dutra (Porto Alegre, 15 de maio de 1914 — Porto Alegre, 5 de maio de 1983) foi um advogado e político brasileiro, filho do médico Vicente de Paula Dutra e de Tarcila Morais Dutra[1].

Fez seus estudos secundários no Ginásio Santa Maria, em Santa Maria (RS), bacharelando-se mais tarde em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito do Rio Grande do Sul[1]. Em 1946 foi eleito deputado estadual pelo PSD para a 38ª Legislatura da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul[2], logo depois seguido da eleição para deputado federal em outubro de 1950 pelo PSD[1], cargo pelo qual foi reeleito por quatro vezes (1954, 1958, 1962 e 1966).

Ministro da Educação de 15 de março de 1967 a 30 de outubro de 1969, durante os governos Costa e Silva e da Junta Militar de 1969. Na sua gestão implementou o Mobral e os acordos MEC-Usaid. Em 25 de junho de 1968, Tarso Dutra proferiu um discurso através da televisão no qual anunciou reformas na estrutura do MEC. Neste período, ocorreram algumas manifestações estudantis contra o regime, como por exemplo a Passeata dos Cem Mil, um dia após seu pronunciamento na TV[1]. Foi um dos encarregados em revisar o texto do Ato Institucional Número Cinco.[3] Em junho de 1969, aprovou um plano de aplicação de recursos na área do Patrimônio Histórico Nacional, visando proporcionar financiamento para projetos relacionados com pesquisas e proteção de sítios arqueológicos em diversos pontos do território nacional[1].

Teve participação decisiva na elaboração do texto final do Decreto-Lei nº 938[4] , que regulamentou a Fisioterapia e a Terapia Ocupacional.

Eleito senador em 1970, em 1978 foi senador biônico por conta do Pacote de Abril do presidente Ernesto Geisel

Casado com Maria Leontina Degrazia Dutra, com quem teve dois filhos, faleceu em 1983 em pleno exercício do cargo no Senado Federal.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Guilherme Augusto Canedo de Magalhães
Ministro da Educação do Brasil
1967-1969
Sucedido por
Jarbas Passarinho


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.