Tatmadaw

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Forças Armadas de Myanmar
Tatmadaw
Flag of the Myanmar Armed Forces.svg
País Mianmar
Ramos Army Flag of Myanmar.svg Exército
Naval Ensign of Myanmar.svg Marinha
Air Force Ensign of Myanmar.svg Aeronáutica
Flag of the Myanmar Police Force.svg Força Policial
Sede(s) Nepiedó, Myanmar
Lideranças
Comandante em chefe Presidente Myint Swe (interino)
Ministro da Defesa General Mya Tun Oo
Comandante-chefe dos Serviços de Defesa General Min Aung Hlaing
Pessoal ativo 549 000 (2019)
(507 000 no exército, 19 000 na marinha e 23 000 na força aérea) (11º maior)
Orçamento US$ 2,4 bilhões de dólares (2014)
4% do PIB
Indústria
Fornecedores estrangeiros  Rússia
 Índia
Paquistão
 Sérvia
 China
 Israel
Coreia do Norte
A guarda de honra do exército de Myanmar.
Tanques PTL-02 de Myanmar.

Tatmadaw é o nome oficial das forças armadas de Myanmar (antiga Birmânia). É administrado pelo Ministro da Defesa e é composto pelo Exército, Marinha e Força Aérea. Vários serviços auxiliares também estão ligados, como a força policial de Myanmar e as Unidades de Milícia Popular.[1]

De acordo com a Constituição de Mianmar, o Tatmadaw reporta directamente ao Conselho de Defesa e Segurança Nacional (NDSC) liderado pelo Presidente de Mianmar.[2] O NDSC é um Conselho de Segurança Nacional de onze membros responsável pelos assuntos de segurança e defesa em Mianmar. O NDSC actua como a autoridade máxima no governo de Mianmar.

Atualmente, não há recrutamento militar em Mianmar. Assim, todos os militares são teoricamente voluntários, mas a Lei da Milícia Popular permite o recrutamento se o presidente considerar necessário para a defesa de Mianmar que as disposições da lei sejam activadas. O Tatmadaw tem-se envolvido numa batalha amarga com os insurgentes étnicos e os narco-exércitos[3] desde que o país ganhou a sua independência do Reino Unido em 1948. Recentemente, o Tatmadaw foi amplamente acusado por organizações apoiadas pelo Ocidente por crimes de direitos humanos, incluindo limpeza étnica,[4][5][6] tortura, agressão sexual e massacre de civis.[7][8]

No entanto, uma pesquisa de 2014 realizada pelo American International Republican Institute em todos os dados demográficos de Mianmar mostra que os militares são a instituição mais favorável, com 84% dos entrevistados dizendo "muito favorável" ou "favorável" à frente de outras instituições, como mídia, governo e birmanês oposição.[9]

Referências

  1. «Myanmar: Scrap Plan to Arm Civilians in Rakhine State». ReliefWeb (em inglês). 6 de novembro de 2016. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  2. «Constitution of the Republic of the Union of Myanmar» (PDF). Ministry of Information. Setembro de 2008. Consultado em 27 de junho de 2015 
  3. The New Internationalist Team. «Heroin's Hidden Deals -- New Internationalist». Consultado em 29 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 18 de agosto de 2010 
  4. https://www.ohchr.org/en/NewsEvents/Pages/DisplayNews.aspx?NewsID=23475&LangID=E
  5. [1]
  6. [2]
  7. [3]
  8. [4]
  9. «Survey of Burma Public Opinion: December 24, 2013 - February 1, 2014» (PDF). International Republican Institute. 1 de fevereiro de 2014. p. 18. Consultado em 17 de fevereiro de 2015