Taylor Swift

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a biografia da cantora Taylor Swift. Para o álbum de estúdio epônimo, veja Taylor Swift (álbum).
Taylor Swift
Swift no American Music Awards em 2019.
Nome completo Taylor Alison Swift
Outros nomes Nils Sjöberg[1][2]
Nascimento 13 de dezembro de 1989 (30 anos)
West Reading; Pensilvânia
Nacionalidade norte-americana
Fortuna $360 milhões (est. 2019)[3]
Ocupação
Período de atividade 2003—presente
Prêmios Lista completa
Carreira musical
Gênero(s)
Instrumento(s)
Gravadora(s)
Afiliações
Assinatura
Taylor Swift signature.png
Página oficial
taylorswift.com

Taylor Alison Swift (Reading, 13 de dezembro de 1989) é uma cantora e compositora norte-americana. Suas composições narrativas geralmente se concentram em sua vida pessoal e receberam elogios críticos e cobertura da mídia.

Nascida em West Reading, Pensilvânia, Swift se mudou para Nashville, Tennessee, em 2004, para seguir uma carreira na música. Aos 14 anos, ela se tornou a artista mais jovem agênciada da Sony/ATV Music e aos 15, assinou seu primeiro contrato com a gravadora. Seu álbum de estreia autointitulado de 2006 se tornou o álbum mais longo dos anos 2000 a permanecer na parada de música da Billboard, a Billboard 200. Seu terceiro single, "Our Song", fez dela a cantora e compositora mais jovem a alcançar o número um na Billboard Hot Country Songs. O segundo álbum de estúdio de Swift, Fearless (2008), ganhou quatro prêmios Grammy e produziu os single "Love Story" e "You Belong with Me". Tornou-se o álbum mais vendido de 2009 nos Estados Unidos e foi certificado com disco de platina pela RIAA.

O terceiro álbum auto-escrito de Swift, Speak Now (2010), gerou o single vencedor do Grammy "Mean", e seu quarto álbum de estúdio, Red (2012), ganhou deu a ela seu primeiro single número um na Billboard Hot 100, "We Are Never Ever Getting Back Together". Seu quinto álbum de estúdio e seu primeiro projeto totalmente pop, 1989 (2014), lançou os singles número um, na Billboard Hot 100, "Shake It Off", "Blank Space" e "Bad Blood", e ganhou três prêmios Grammy - incluindo o de Álbum do Ano - tornando Swift a primeira mulher a ter sucesso no primeiro lugar no Hot 100 e a primeira mulher a ganhar o Álbum do Ano duas vezes como artista principal. Seu sexto álbum de estúdio, com influências de hip hop, Reputation (2017), fez dela a primeira e única artista na história da música a ter quatro álbuns vendendo mais de um milhão de cópias em sua primeira semana nos EUA e gerou seu quinto single número um do Hot 100 , "Look What You Made Me Do". Seu sétimo álbum de estúdio, Lover (2019), bateu o recorde das entradas simultâneas do Hot 100 por uma artista feminina e se tornou o álbum de estúdio mais vendido em 2019. Ela anunciou seu oitavo álbum de estúdio, Folklore (2020), um dia antes do seu lançamento.

Tendo vendido mais de 50 milhões de álbuns e 150 milhões de singles mundialmente, Swift é um das artistas de música mais vendidos no mundo de todos os tempos. Seus prêmios incluem 10 Grammy Awards, um Emmy Award e sete recordes no Guinness World Records; ela é a artista e mulher mais premiada no American Music Awards (29 vitórias) e no Billboard Music Awards (23 vitórias), respectivamente. Ela foi incluída em vários rankings, como a lista anual da revista Time das 100 pessoas mais influentes do mundo (2010, 2015 e 2019), os 100 maiores compositores de todos os tempos da revista Rolling Stone (2015), a Forbes Celebrity 100 (primeira colocada em 2016 e 2019), o Melhor Artista de Charts de Todos os Tempos da revista Billboard (em oitavo lugar). Ela foi nomeada Artista de Gravação Global do Ano duas vezes pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI) (2014 e 2019), Mulher da Década (2010s) pela revista Billboard e Artista da Década (2010s) pelo American Music Awards.

Biografia e carreira

1989—2003: Infância

Stone Harbor, Nova Jersey, onde Swift passou as férias de verão de sua infância.

Taylor Alison Swift nasceu em 13 de dezembro de 1989, na cidade de Reading, na Pensilvânia.[6] Seu pai, Scott Kingsley Swift, é um consultor financeiro da Merrill Lynch.[7] Scott também nasceu na Pensilvânia e é descendente de três gerações de presidentes de bancos.[6][8] Sua mãe, Andrea (sobrenome de solteira Finley), é uma dona de casa que anteriormente trabalhou como executiva de marketing de um fundo de investimento.[9] Andrea passou dez anos de sua vida em Singapura, antes de se mudar para o Texas; seu pai era engenheiro de plataforma de petróleo que trabalhou entre o território do Sudeste Asiático.[8] Swift recebeu o nome de gênero neutro "Taylor" porque sua mãe acreditava que este iria ajudar a formar uma carreira empresarial de sucesso.[10] A cantora possui um irmão mais novo, Austin, que é estudante da Universidade de Notre Dame.[11] Taylor passou seus primeiros anos de vida em uma fazenda aonde eram cultivados pinheiros de Natal, no Condado de Montgomery, também na Pensilvânia. Estudou a pré-escola e seu jardim de infância na Alvernia Montessori School, dirigida por freiras franciscanas,[12] sendo mais tarde educada no colégio Wyndcroft, uma instituição particular para ambos os sexos em Pottstown.[13] Quando a artista tinha nove anos, sua família se mudou para Wyomissing, aonde foi aluna do West Reading Elementary Center e da Wyomissing Area Junior/Senior High School.[14] Ela passava o verão na casa de férias de praia de seus pais em Stone Harbor, Nova Jersey, e descreveu-o como o lugar onde a maioria das suas memórias de infância foram formadas.[15]

A família da artista possuía vários cavalos quarto de milha e um pônei nascido em Shetland. O primeiro hobby da cantora foi hipismo inglês.[16] Sua mãe a colocou em uma sela pela primeira vez quando ainda tinha nove meses de idade, e mais tarde ela competiu em rodeios.[17] Quanto tinha nove anos, Swift se interessou por teatro musical. Ela se apresentou em várias produções da Berks Youth Theatre Academy e viajou regularmente para a Broadway para aulas de canto e atuação.[18][19] Ela então voltou sua atenção para a música country; as obras musicais de Shania Twain a fizeram "simplesmente querer correr em uma quadra quatro vezes e ter fantasias com tudo".[20] Seus finais de semana eram gastos se apresentando em festivais locais, feiras, cafeterias, concursos de caraoque, clubes de jardim, encontros de escoteiros e eventos esportivos.[8][9][21] Aos onze anos, após várias tentativas falhadas,[22] Swift venceu uma competição musical após interpretar "Big Deal" de LeAnn Rimes, tornando-se assim o ato de abertura para um concerto de Charlie Daniels em um anfiteatro de Strausstown.[18] Esta ambição crescente começou a isolar a jovem de seus colegas do ensino médio.[6]

Após assistir a um episódio de Behind the Music sobre Faith Hill, a cantora sentia-se segura de que precisava ir para Nashville, Tennessee para buscar sua carreira musical.[23] Ainda em seus onze anos de vida, ela e sua mãe viajaram para Nashville para as férias de primavera e deixar fitas demo de interpretações de canções de Dolly Parton e Dixie Chicks para gravadoras musicais de Music Row.[24] Várias gravadoras a rejeitaram, e ela percebeu que "todos em sua cidade queriam fazer o que eu queria fazer. Então, eu fiquei pensando a mim mesma, eu preciso achar um jeito de ser diferente".[25] Um ano depois, um técnico em informática a ensinou como tocar três acordes em um violão, inspirando-a a escrever sua primeira canção, "Lucky You".[26] Ela anteriormente tinha ganhado um concurso nacional de poemas com "Monster in My Closet", mas focou sua atenção em compor músicas.[27] Em 2003, Taylor e seus pais começaram a negociar com Dan Dymtrow, gerente musical de Nova York. Com a ajuda dele, a jovem se tornou garota-propaganda da Abercrombie & Fitch como parte da campanha "Rising Stars", teve uma música incluída na compilação da Maybelline e participou de reuniões com as principais gravadoras estadunidenses.[28] Após interpretar canções próprias em um showcase da RCA Records, a aluna da oitava série recebeu um contrato de artista em desenvolvimento e fez frequentes viagens para Nashville com sua mãe.[29]

Quando tinha quatorze anos, o pai da musicista foi transferido para o escritório da Merrill Lynch no Tennessee, e a família se realocou em uma casa à beira de um lago em Hendersonville.[6] Ela descreveu o momento como "um incrível sacrifício" que sua família tinha que fazer.[24] "Meus pais notaram que eu estava obcecada, que eu não iria deixar isso de lado, que não era só uma fase".[30] No estado, ela foi educada na Hendersonville High School durante seu ano de caloura e o segundo ano.[31] Mais tarde, para encaixar os estudos com sua agenda de concertos, ela transferiu-se para a Aaron Academy, uma escola cristã particular que oferecia serviços de homeschooling. Ela recebeu seu diploma do ensino médio em 2008, completando seus dois últimos anos de estudos em apenas doze meses.[32][33]

2004—2008: Início da carreira e Taylor Swift

Taylor Swift tocando em uma cafeteria com um violão de acácia, em junho de 2006.

O primeiro single de Taylor Swift, "Tim McGraw", foi lançado no verão de 2006 e seu álbum de estreia (Taylor Swift) foi lançado no dia 19 de junho de 2006. Swift escreveu e coescreveu todas as canções de seu álbum, que estreou na parada Billboard 200 na posição 19 e vendeu mais de 67 mil cópias na primeira semana.[34] Em seguida, chegou à primeira posição da parada Billboard Top Country Albums e em quinto lugar na Billboard 200. Mesmo assim, o álbum ocupou a primeira posição das paradas de country durante oito semanas consecutivas. No total, ela ficou no topo das listas por 24 semanas,[35] junto com as Dixie Chicks e com Carrie Underwood, que também são as únicas artistas country, nesta década, que ficaram no topo das paradas por mais de 20 semanas.[36] Vendeu até agora mais de cinco milhões de cópias.[37] Sobre o single "Tim McGraw", ela disse:[38]

Taylor Swift ...Eu escrevi a canção quando estava no último ano do colegial. Ele estava prestes a ir à faculdade. Eu sabia que nossa relação iria terminar, então comecei a pensar nas coisas que sabia que me recordariam a ele. Surpreendentemente, o primeiro que me passou pela cabeça foi meu cantor favorito de country, que é Tim McGraw. Taylor Swift

— Taylor Swift

Swift apresentando-se em 2007.

O single chegou à 6ª posição na semana de 27 de junho de 2007. O clipe da canção estabeleceu um recorde ao aparecer por 30 semanas consecutivas no "GAC's fan-voted weekly Top 20 music"[39] e atingiu o 1º lugar nas paradas de clipes da CMT. O vídeo fez Swift ganhar o prêmio de Breakthrough Video of the Year no CMT Music Awards 2007.[39] Ficou na 6ª posição na parada de country da Billboard e na 40ª posição na Billboard Hot 100.

Em 15 de maio de 2007, Swift cantou sua canção "Tim McGraw" nas premiações da "ACM" (Academy of Country Music), onde estava o próprio Tim McGraw. O segundo single de Taylor Swift, "Teardrops on My Guitar", foi lançado em 24 de Fevereiro de 2007. A canção foi inspirada por um evento real, durante o colegial, quando ela gostava de um garoto chamado "Drew Hardwick", mas ele via Swift apenas como uma amiga e como uma pessoa para ir pedir conselhos sobre o relacionamento com sua namorada. Ela escutou "através de uma fonte confidencial" que Drew está bem consciente de que a canção foi escrita sobre ele. Chegou à posição mais alta no verão de 2007, quando foi remixado com um ritmo mais pop e alcançou a 2ª posição na parada de country da Billboard e a 13ª posição na Billboard Hot 100.

Em outubro de 2007, conseguiu o prêmio da Associação de Compositores de Nashville, como a melhor cantora e compositora do ano; sendo assim a cantora mais jovem da história da Associação a ganhar.[40] Em 7 de novembro de 2007, foi lançado à venda o terceiro single, "Our Song", que chegou à primeira posição nas paradas de oiountry por seis semanas, começando na semana de 22 de dezembro de 2007, tendo subido desde a sexta posição. Isso foi o maior pulo ao número um desde janeiro de 1998, quando Tim McGraw, com "Just to See You Smile", também pulou de #6 para #1.[41] "Our Song" chegou à 16ª posição na Billboard Hot 100 e à 24ª posição na Billboard Pop 100.

Taylor também gravou o EP natalino Sounds of the Season: The Taylor Swift Holiday Collection, que foi lançado à venda em 16 de outubro de 2007, apenas nas lojas Target. O álbum, que não fez tanto sucesso como seu álbum de estreia homônimo, contou com clássicos natalinos como "Last Christmas" e canções originais escritas por Swift. Foi indicada em 2008 ao Grammy na categoria de Melhor Cantor(a) Revelação, mas perdeu a disputa para Amy Winehouse. O quarto single de Taylor, "Picture to Burn", estreou no início de 2008 e ficou na terceira colocação na parada de country da Billboard, além de ficar em 28º lugar na Billboard Hot 100. Swift foi a garota da capa da revista "Seventeen", na edição de junho de 2008.[42] Ela foi também nomeada na 57ª posição, na categoria "As Mulheres Mais Pops de 2008" da revista "Maxim".[43] Também foi capa das revistas "CosmoGirl"[44] e "Teen Vogue".[45]

Em junho de 2008, no CMA Music Festival, ocorrido em Nashville, Swift assinou autógrafos por aproximadamente oito horas seguidas. Foi a sessão de autógrafos mais longa desde a maratona de 23 horas de Garth Brooks, em 1996.[46] Em 2008, Swift colocou à venda uma reedição de seu disco, com o nome de Beautiful Eyes, somente disponível no Wal-Mart.[47] Trata-se de um CD duplo, no qual são incluídas duas canções inéditas ("Beautiful Eyes" e "I Heart"). Na primeira semana de lançamento, o álbum vendeu 45.000 cópias, estreando na 1ª posição na Billboard's Top Country Álbuns chart e na #9 na Billboard 200.

Como seu álbum de estreia homônimo em 2º lugar na mesma semana, Swift se transformou na primeira artista a atingir as duas primeiras posições da Top Country Álbuns chart desde que LeAnn Rimes o fez em 1997.[48] Em julho de 2008, Swift se graduou na Academia Aaron, uma escola Cristã em Hendersonville, Tennessee, que oferece um programa de ensino em casa.[49]

2008—2010: Fearless e atuação

O segundo álbum de estúdio de Swift, Fearless, foi lançado em 11 de novembro de 2008.[50] O single principal, "Love Story" , foi lançado em setembro de 2008. Chegou ao número quatro na Billboard Hot 100[51]e número um na Austrália. Mais quatro singles foram lançados ao longo de 2008 e 2009: "White Horse","You Belong with Me", "Fifteen" e "Fearless". "You Belong With Me" foi o single com maior número de álbuns na Billboard Hot 100, alcançando o número dois.[52] O álbum estreou no número um na Billboard 200 e foi o álbum mais vendido de 2009 nos Estados Unidos.[53] A primeira turnê de shows de Swift, a Fearless Tour, promoveu o álbum[54] e arrecadou mais de US$ 63 milhões.[55] Journey to Fearless, uma minissérie de documentários em três partes, foi ao ar na televisão e depois lançado em DVD e Blu-ray.[56] Swift também se apresentou como um ato de abertura à turnê mundial Escape Together de Keith Urban.[57]

Swift na estréia de Hannah Montana: O Filme, Swift fez uma aparição no filme e gravou duas músicas para sua trilha sonora

Em 2009, o videoclipe de "You Belong with Me" foi nomeado Melhor Vídeo Feminino no MTV Video Music Awards de 2009.[58] Onde teve seu discurso interrompido pelo rapper Kanye West,[59] um incidente que se tornou objeto de controvérsia, atenção generalizada da mídia e muitos memes da Internet.[60] Naquele ano, ela ganhou cinco American Music Awards, incluindo Artista do Ano e Álbum de Country Favorito.[61] A Billboard a nomeou Artista do Ano de 2009.[62] O álbum ficou em 99º lugar na lista da NPR de 2017 dos 150 maiores álbuns feitos por mulheres.[63]

No Grammy Awards de 2010, Fearless foi nomeado em Álbum do Ano e Melhor Álbum Country, e "White Horse" foi nomeado em Melhor Canção Country e Melhor Performance Vocal Country Feminina. Swift foi o artista mais jovem a vencer o prêmio de Álbum do Ano.[64] Durante a cerimônia, Swift cantou "You Belong With Me" e "Rhiannon" com Stevie Nicks, uma performance que recebeu críticas negativas e causou reação da mídia. Jon Caramanica, do The New York Times, considerou "refrescante ver alguém tão talentoso fazer um palavrão ocasional" e descreveu Swift como "a nova estrela pop mais importante dos últimos anos". Swift se tornou o artista mais jovem a ser nomeado Artista do Ano pela Country Music Association (CMA). Fearless também ganhou o prêmio CMA Album of the Year.[65]

Swift contribuiu com os vocais de apoio de "Half of My Heart", de John Mayer, um single de seu quarto álbum, Battle Studies (2009).[66] Ela co-escreveu e gravou "Best Days of Your Life" com Kellie Pickler,[67] e co-escreveu duas músicas para a trilha sonora de Hannah Montana: O Filme - "You'll Always Find Your Way Back Home" e "Crazier".[68] Swift também forneceu vocais para "Two Is Better Than One", do Boys Like Girls.[69] Ela contribuiu com duas músicas para a trilha sonora do filme Valentine's Day, incluindo a música country "Today Was a Fairytale", que se tornou seu primeiro número um na parada Canadian Hot 100 e sua segunda música número dois nos EUA[70] Enquanto filmava sua estréia cinematográfica no filme Valentine's Day em outubro de 2009, Swift iniciou um relacionamento romântico com a co-estrela Taylor Lautner; eles terminaram no final daquele ano.[71] A comédia romântica, lançada em 2010, a viu interpretar a namorada chique de um atleta do ensino médio, um papel que o Los Angeles Times sentiu que mostrava que Swift tinha "um sério potencial cômico". Por outro lado, em uma crítica contundente, um crítico da Variety a considerou "totalmente não direcionada", argumentando que "ela precisa encontrar um diretor qualificado para reprimi-la e canalizar sua energia obviamente abundante".[72]

Swift fez sua estréia na TV em um episódio de 2009 de CSI: Crime Scene Investigation da CBS, interpretando uma adolescente rebelde. O New York Times observou que o personagem permitiu que Swift fosse "um pouco travesso e com credibilidade".[73] Mais tarde naquele ano, Swift apresentou e se apresentou como convidado musical em um episódio do Saturday Night Live e foi o primeiro anfitrião a escrever seu próprio monólogo de abertura.[74][75] Em sua aparição, o programa teve a maior audiência em dois meses.[76] A Entertainment Weekly a descreveu como "a melhor apresentadora do Saturday Night Live desta temporada até agora", observando que "ela estava sempre pronta para o desafio, parecia estar se divertindo e ajudou o resto do elenco a acertar as piadas".[76]

2010—2014: Speak Now e Red

Em agosto de 2010, Swift lançou "Mine", o single principal de seu terceiro álbum de estúdio, Speak Now. Ele entrou nas paradas dos EUA no número três, tornando Swift a segunda artista feminina na história do Hot 100 (depois de Mariah Carey) a estrear várias faixas entre as cinco melhores em um ano; a outra era "Today Was a Fairytale" no número dois.[77] Swift escreveu o álbum sozinho e co-produziu todas as faixas.[78][79] Speak Now, lançado em 25 de outubro de 2010,[80] foi um sucesso comercial, estreando no número um na Billboard 200 e se tornando o 16º álbum na história das paradas a alcançar vendas na semana de abertura de um milhão de cópias.[81] Tornou-se o álbum digital mais vendido por uma artista feminina, com 278.000 downloads em uma semana, ganhando a Swift uma entrada no Guinness Book de 2010. Três dos singles do álbum, "Mine", "Back to December" e "Mean", alcançaram o top 10 no Canadá,[82] enquanto nos EUA, os dois primeiros, juntamente com a faixa-título, alcançaram o top 10 Hot 100. Mais tarde, em 2010, ela namorou brevemente o ator Jake Gyllenhaal.[83]

"Mean" ganhou as duas indicações que concorria na 54° edição do Grammy Awards, o de "Melhor Música Country"[84] e "Melhor Performance Country Solo"[84][85]. Taylor também cantou "Mean" na premiação, com um visual rural.[86]< Jayme Deerwester, do USA Today, escreveu que as críticas em 2010 pareciam ter "a tornado uma melhor compositora e artista ao vivo".[87] Swift ganhou outros prêmios por Speak Now, incluindo compositora/artista do ano pela Nashville Songwriters Association (2010 e 2011),[88] Mulher do ano pela Billboard (2011),[89] e artista do ano pela Academy of Country Music (2011 e 2012)[90] e pela Country Music Association em 2011.[91] No American Music Awards de 2011, Swift ganhou Artista do Ano e Álbum de Country Favorito.[92] A Rolling Stone colocou o Speak Now no número 45 em sua lista de 2012 dos "50 melhores álbuns femininos de todos os tempos", escrevendo: "Ela pode ser tocada na estação country, mas é uma das poucas estrelas do rock genuínas que temos hoje em dia."[93]

Taylor se apresentando na Speak Now Tour em 2012.

A Speak Now World Tour foi realizada de fevereiro de 2011 a março de 2012 e arrecadou mais de US $123 milhões.[94] Em novembro de 2011, Swift lançou seu primeiro álbum ao vivo, Speak Now: World Tour Live.[95] No mês seguinte, ela contribuiu com duas músicas originais para o álbum da trilha sonora do filme Jogos Vorazes: "Safe & Sound", co-escrito e gravado com os The Civil Wars e T-Bone Burnett, e "Eyes Open". "Safe & Sound" ganhou o prêmio de "Song Writter for Visual Media" na 55ª edição do Grammy Awards em 2013 e também foi indicado ao Globo de Ouro de Melhor Canção Original.[96][97] Swift contribuiu com os vocais do rapper B.o.B, "Both of Us", lançado em maio de 2012.[98] De julho a setembro de 2012, Swift namorou o herdeiro político Conor Kennedy.[99] Em agosto, Swift lançou "We Are Never Ever Getting Back Together", o single principal de seu quarto álbum de estúdio, Red. Tornou-se seu primeiro número um nos EUA e na Nova Zelândia[100] e alcançou o primeiro lugar no ranking de vendas de músicas digitais do iTunes 50 minutos após seu lançamento, se tornando a música que vendeu mais rápido da história digital.[101] Swift lançou o segundo single do álbum, "Begin Again", em outubro. Chegou ao número sete na Billboard Hot 100.[102] Outros singles lançados no álbum incluem "I Knew You Were Trouble"., "22", "Everything Has Changed", "The Last Time" e "Red". "I Knew You Were Trouble" foi um grande sucesso comercial, chegando ao número dois nos Estados Unidos.[103]

Taylor Swift na The Red Tour, em 2013

O Red foi lançado em 22 de outubro de 2012,[104] incorporando novos gêneros para o Swift, como heartland rock, dubstep e dance-pop. O álbum foi um sucesso crítico e comercial e estreou no número um na Billboard 200, com vendas na primeira semana de 1,21 milhão de cópias. Isso marcou as maiores vendas de abertura em uma década nos Estados Unidos, e fez de Swift a primeira mulher a ter dois milhões de lançamentos de álbuns, um recorde reconhecido pelo Guinness Book.[105][106] A Red Tour foi de março de 2013 a junho de 2014 e arrecadou mais de US$ 150 milhões; quebrou o recorde de vendas de ingressos na China, com todos os 18.000 ingressos vendidos em 60 segundos.[107] Red ganhou vários elogios, incluindo quatro indicações ao Grammy Awards de 2014.[108]Seu single "I Knew You Were Trouble" ganhou o prêmio de Melhor Vídeo Feminino no MTV Video Music Awards de 2013.[109] Swift foi nomeada Melhor Artista Country Feminina no American Music Awards de 2012 e Artista do Ano na cerimônia de 2013.[110][111] Ela recebeu o prêmio Compositora/Artista da Nashville Songwriters Association pelo quinto e sexto anos consecutivos em 2012 e 2013.[112] Swift também foi homenageada pela Associação com um Pinnacle Award especial, fazendo dela a segunda recebedora do prêmio depois de Garth Brooks.[113] Durante esse período, ela teve um relacionamento de curto prazo com o cantor britânico Harry Styles.[114]

Em 2013, Swift co-escreveu e co-produziu "Sweeter than Fiction" com Jack Antonoff para a trilha sonora do filme One Chance e recebeu uma indicação de Melhor Canção Original no 71º Golden Globe Awards.[115] Ela participou da música de Tim McGraw "Highway Don't Care", com a participação também de Keith Urban. Swift tocou "As Tears Go By" com os The Rolling Stones em Chicago, Illinois, como parte de sua turnê 50 & Counting e disse que a banda foi uma grande influência nas perspectivas de sua carreira.[116] Ela também se juntou à Florida Georgia Line no palco durante seu show no Country Radio Seminar de 2013 para cantar "Cruise".[117] Swift dublou Audrey, uma amante das árvores, no filme de animação O Lórax: Em Busca da Trúfula Perdida (2012),[118] fez uma participação especial na série de comédia New Girl (2013),[119] e teve um papel coadjuvante adaptação cinematográfica de O Dador de Memórias (2014).[120]

2014—2017: 1989

Em março de 2014, Swift se mudou para Nova York. Nessa época, ela estava trabalhando em seu quinto álbum de estúdio, 1989, com os co-roteiristas Antonoff, Max Martin, Shellback, Imogen Heap, Ryan Tedder e Ali Payami. Ela promoveu o álbum através de várias campanhas, inclusive convidando fãs para sessões secretas de audição de álbuns. Creditado como seu "primeiro álbum pop oficial e documentado", marcou uma nova fase da carreira. [121] O álbum foi lançado em 27 de outubro de 2014, com críticas positivas.[122][123]

1989 vendeu 1,28 milhão de cópias nos EUA durante a primeira semana de seu lançamento e estreou no topo da Billboard 200. Isso fez do Swift o primeira artista a ter três álbuns vendendo mais de um milhão de cópias na semana de abertura, pela qual ganhou entrou Guinness World Registro.[124] No final de 2014, ela se tornou o primeiro ato desde os Beatles a ter quatro álbuns de estúdio consecutivos registrando pelo menos seis semanas no topo da Billboard 200. Em junho de 2017, 1989 havia vendido mais de 10 milhões de cópias em todo o mundo.[125] O single principal, "Shake It Off", foi lançado em agosto de 2014 e estreou no número um na Billboard Hot 100.[126] O álbum gerou dois singles número um adicionais - Blank Space e "Bad Blood (com Kendrick Lamar)" -, bem como as dez primeiras entradas "Style" e Wildest Dreams, e outros singles "Out of the Woods" e "New Romantics". "Shake It Off", "Blank Space" e "Bad Blood" também lideraram as paradas na Austrália e no Canadá. Depois que "Blank Space" alcançou o número um nos EUA imediatamente após "Shake It Off", Swift se tornou a primeira mulher na história do Hot 100 a ter sucesso substituindo o outro no primeiro lugar.[127]O videoclipe de "Blank Space" foi brevemente o vídeo mais rápido a alcançar um bilhão de visualizações no Vevo.[128] O vídeo de "Bad Blood" quebrou o recorde de 24 horas do Vevo e conquistou dois troféus nos MTV Video Music Awards de 2015, incluindo Video of the Year,[129] A The 1989 World Tour ocorreu de maio a dezembro de 2015, arrecadou mais de US$ 250 milhões, quebrou vários recordes de turnê e foi a turnê com maior bilheteria do ano.[130]

Swift se apresentando durante The 1989 World Tour, a turnê com maior bilheteria de 2015

Swift foi nomeada Mulher do Ano da Billboard em 2014, tornando-se o primeiro artista a ganhar o prêmio duas vezes. Nesse ano, ela também recebeu o Dick Clark Award for Excellence no American Music Awards. Em 2015, Swift ganhou o Brit Award para artista solo internacional feminina. Swift foi um dos oito artistas a receber um prêmio de aniversário de 50 anos no Academy of Country Music Awards de 2015. Em 2016, ela ganhou três Grammy Awards de Best Pop Vocal Album, Album of the Year e Best Music Video de "Bad Blood".[131] Ela se tornou a primeira mulher e o quinto ato geral a vencer o primeiro deles duas vezes como artista principal, bem como o primeiro ato a fazê-lo com álbuns de diferentes gêneros.[132] Em 2015, Swift comprou o Samuel Goldwyn Estate em Beverly Hills, Los Angeles e posteriormente trabalhou para restaurar a casa à sua condição original. Em março de 2015, ela começou a namorar o DJ escocês e produtor musical Calvin Harris,[133] e em junho, eles foram classificados como o casal de celebridades mais bem pago no ano passado pela Forbes, com ganhos combinados de mais de US $ 146 milhões. Depois que Swift e Harris anunciaram o fim de seu relacionamento em junho de 2016, a música que eles escreveram juntos, "This Is What You Came For", que contou com vocais de Rihanna, foi lançada para o sucesso internacional. Swift foi creditado inicialmente sob o pseudônimo de Nils Sjöberg.[134] No mesmo mês, Swift começou a namorar o ator inglês Tom Hiddleston, a quem conheceu no evento do Met Gala que co-presidiu naquele ano; o relacionamento terminou vários meses depois. Em agosto, Swift abordou o diagnóstico de câncer de sua mãe e incentivou outras pessoas a fazer exames médicos.[135] Em 2016, a TAS Rights Management, empresa de gestão e holding de direitos de propriedade intelectual da Swift, registrou 73 marcas registradas relacionadas a Swift e aos memes da era de 1989. Em setembro, ela começou a namorar o ator britânico Joe Alwyn.[136][137] Em outubro, Little Big Town lançou "Better Man", escrito exclusivamente por Swift, para seu sétimo álbum, The Breaker. A música rendeu a Swift um prêmio de Canção do Ano no 51º CMA Awards. Dois meses depois, Swift e o cantor britânico Zayn Malik lançaram juntos um single chamado "I Don't Wanna Live Forever" para a trilha sonora do filme Fifty Shades Darker (2017). A música alcançou o número um na Suécia e o número dois nos Estados Unidos.[138][139] No MTV Video Music Awards de 2017, a dupla ganhou o prêmio de Melhor Colaboração pelo videoclipe da música.[140]

Em 2016, segundo a revista Forbes, a cantora é a famosa que mais dinheiro ganha no mundo. Taylor Swift teve em 2016, 170 milhões de dólares (154 milhões de euros) de proveitos.[141]

2017—2019: Reputation

Em agosto de 2017, Swift processou e venceu um julgamento civil contra David Mueller, uma ex-personalidade de programa matutino da KYGO-FM de Denver. Quatro anos antes, Swift informara os chefes de Mueller de que ele a atacara sexualmente, apalpando-a em um evento. Depois de ser demitido, Mueller acusou Swift de mentir e processou-a por fazê-lo perder o emprego. Pouco depois, Swift contra-processou por agressão sexual. O júri rejeitou as alegações de Mueller e decidiu em favor de Swift.[142] Swift depois limpou suas contas de redes social[143] e lançou "Look What You Made Me Do" como o single principal de seu sexto álbum, Reputation.[144] A canção liderou as paradas na Austrália, Irlanda, Nova Zelândia, Reino Unido e Estados Unidos. Seu videoclipe ganhou mais de 43,2 milhões de visualizações durante seu primeiro dia no YouTube, quebrando o recorde do site de videoclipe mais visto em 24 horas. Em outubro, Swift lançou o segundo single do álbum, "...Ready for It?", que ficou em terceiro lugar na Austrália e em número quatro nos Estados Unidos.[145]

Swift se apresentando na Reputation Stadium Tour em maio de 2018

Dois singles promocionais foram lançados do Reputation, "Gorgeous" e "Call It What You Want". "Gorgeous" mais tarde se tornou o quinto single do álbum na Europa.[146] O álbum foi lançado em novembro e vendeu 1,21 milhão de cópias nos Estados Unidos, tornando-se o álbum mais vendido do país em 2017. Com essa conquista, ela se tornou o primeiro ato a ter quatro álbuns que vendem um milhão de cópias em uma semana nos EUA[147] O álbum liderou as paradas em vários países, incluindo EUA, Reino Unido, Austrália e Canadá.[148] As vendas mundiais da primeira semana totalizaram dois milhões de cópias.[149] Reputation viu Swift tomar uma nova direção, musicalmente; o álbum é conhecido por seu som mais urbano e influências de hip hop e EDM.[150] Mais tarde naquele mês, Swift tocou "... Ready for It?" e "Call It What You Want" no Saturday Night Live.[151] "End Game", com Ed Sheeran e o rapper Future, seguiu em novembro como o terceiro single e alcançou o número 18 nos EUA[152] Outros singles do álbum incluem "New Year's Day", lançado exclusivamente para a rádio country, e o hit "Delicate".[153]

Em abril de 2018, Swift apareceu em "Babe", do Sugarland.[154] Em apoio à Reputation, ela embarcou em sua aclamada pela crítica Reputation Stadium Tour de maio a novembro de 2018.[155] A turnê quebrou vários recordes de presença no local e ganhos brutos nos EUA, recebendo US$ 266,1 milhões e vendendo mais de dois milhões de ingressos. Swift quebrou seu próprio recorde para a turnê doméstica de maior bilheteria por uma mulher, bem como o recorde da turnê norte-americana de maior bilheteria da história.[156] Em todo o mundo, a turnê arrecadou US$ 345,7 milhões,[157] fazendo dela a segunda turnê de concertos com maior bilheteria do ano. No American Music Awards de 2018, Swift venceu a Turnê do Ano, Artista do Ano, Artista Feminina Pop/Rock Favorita e Álbum Pop/Rock Favorito. Com um total de 23 prêmios, ela se tornou a artista feminina mais premiada da história do AMA, um recorde anteriormente mantido por Whitney Houston.[158]

Reputation foi o último álbum de Swift durante seu contrato de 12 anos com a Big Machine Records. Em 19 de novembro de 2018, Swift assinou um novo acordo multi-álbum com a distribuidora da Big Machine, Universal Music Group. Nos Estados Unidos, seus futuros lançamentos serão promovidos pela editora Republic Records. Swift afirmou que o contrato incluía provisões para ela ter total controle de suas gravações. Além disso, a UMG concordou em, após vender partes de suas ações no Spotify, distribuir rendimentos entre seus artistas e torná-los não recuperáveis.[159][160][161] No final de novembro, a Big Machine Records lançou uma playlist da Reputation Stadium Tour, a Reputation Stadium Tour Surprise Song Playlist para serviços de streaming. A playlist compilação inclui todas as músicas tocadas nos palcos B durante o Reputation Stadium Tour.[162][163] Em 31 de dezembro, um concerto filme da Reputation Stadium Tour foi lançado na Netflix sob elogios da crítica.[164]

2019—presente: Lover e Folklore

Em abril de 2019, Swift lançou "Me!", com Brendon Urie do Panic! at the Disco como primeiro single do seu sétimo álbum de estúdio, Lover.[165] A canção debutou em cem na Billboard Hot 100 e três dias depois saltou para dois, sendo o maior salto em uma semana na história da parada.[166] O video clipe quebrou o recorde da Vevo, bem como o do YouTube, de mais visualizações de um vídeo de uma cantora nas primeiras 24 horas com 65,2 milhões de visualizações.[167]No entanto, a música recebeu críticas mistas e Swift removeu uma letra "muito difamada" da música do álbum. Em junho, ela lançou o segundo single "You Need to Calm Down" que estreou e alcançou o número dois na Billboard Hot 100.[168] Em julho, ela lançou o single promocional do álbum, "The Archer".[169] A faixa-título foi lançada como terceiro single do álbum, e tornou-se o seu terceiro single consecutivo a estrear no Top 10 da Hot 100.[170]

Lover foi lançado em 23 de agosto de 2019 e vendeu cerca de 867.000 unidades nos Estados Unidos na primeira semana, sendo 679.000 em vendas puras, fazendo com que o álbum estreasse em primeiro lugar na Billboard 200 e tornando Swift a primeira artista feminina a ter seis álbuns vendendo mais de 500.000 cópias em uma única semana.[171] Todas as 18 faixas do álbum foram mapeadas simultaneamente nas paradas da Billboard Hot 100, quebrando recordes com mais entradas simultâneas no Hot 100 por uma artista feminina e maior quantidade de estréias simultâneas do Hot 100 por uma artista feminina.[172] Swift promoveu o álbum e seus singles em várias apresentações ao vivo. Em 1 de maio de 2019, Swift fez a primeira apresentação ao vivo do single "Me!" no Billboard Music Awards de 2019, com Brendon Urie, em Las Vegas, nos Estados Unidos.[173] Swift e Urie cantaram a canção novamente no final da décima sexta temporada de The Voice, em 21 de maio.[174] Swift cantou "Me!" solo na final da décima quarta temporada de Next Top Model Alemanha, em 22 de maio.[175] Em 24 de maio, ela apareceu no talk show britânico The Graham Norton Show, como uma convidada musical, cantando "Me!".[176] Em 25 de maio, Swift cantou "Me!" nas quartas-de-final da oitava temporada de The Voice: la plus belle voix, a edição francesa do The Voice.[177]

No MTV Video Music Awards de 2019, os vídeos de "Me!" e "You Need to Calm Down" receberam doze indicações. "Me!" venceu a categoria de melhores efeitos visuais e "You Need to Calm Down" venceu as de Vídeo do ano - tornando Swift a primeira mulher e a segunda artista geral a ganhar o prêmio por um vídeo que co-dirigiu - e Vídeo do Bem. Swift foi o ato de abertura na cerimônia de premiação. Até o final de 2019, Lover se tornou o álbum físico mais vendido do ano nos EUA e o álbum mais vendido por uma artista feminina em todo o mundo.[178] Swift foi nomeada a artista global mais vendida do ano pela IFPI e se tornou a primeira mulher a ganhar a honra duas vezes, tendo vencido anteriormente em 2014. Lover e seus singles receberam três indicações ao Grammy Awards de 2020. O álbum foi indicado a Melhor Álbum Vocal Pop, que é a terceira indicação consecutiva de Swift na categoria, após 1989 (2014) e Reputation (2017). "You Need to Calm Down" foi indicado para Melhor Desempenho Solo de Pop enquanto a faixa-título "Lover" foi indicada para Canção do Ano.[179]

Em junho de 2019, a Big Machine Records, antiga gravadora de Swift, foi adquirida pelo gerente de talentos Scooter Braun, uma compra que incluía o domínio de seus seis primeiros álbuns de estúdio.[180] Em um post no Tumblr, Swift criticou fortemente a transação, afirmando que ela tentava comprar os álbuns há anos e descreveu Braun como um "valentão incessante e manipulador".[180] Em agosto, Swift anunciou planos para regravar os álbuns em novembro de 2020.[181] Em novembro, Swift disse que Scott Borchetta, fundador da Braun e da Big Machine, a impediu de apresentar suas músicas mais antigas no American Music Awards de 2019 e de usar material mais antigo em seu documentário da Netflix, Miss Americana.[182] A Big Machine negou as duas alegações e disse que eram devidos "milhões de dólares e múltiplos ativos" por Swift.[183][184] Em resposta, os representantes de Swift divulgaram correspondência mostrando um executivo da Big Machine se recusando a conceder licenças para o documentário e declararam que a Big Machine devia a Swift quase US$ 8 milhões em royalties não pagos.[185] Em 18 de novembro, a Big Machine divulgou um comunicado dizendo que "concordou em conceder todas as licenças das apresentações de seus artistas para transmitir pós-show e retransmitir em plataformas mutuamente aprovadas" para o American Music Awards, embora não tenha mencionado o Swift por nome.[186] Swift ganhou seis American Music Awards naquele ano, incluindo o Artista da Década para os anos 2010. Em abril de 2020, a Big Machine lançou o Live from Clear Channel Stripped 2008, um álbum ao vivo de uma performance de um programa de rádio de 2008. Swift disse que não autorizou o lançamento.[187]

Em novembro de 2019, Swift foi incluída na lista dos Maiores Artistas de Todos os Tempos da Billboard no número oito, a colocação mais alta de um ato que estreou no século 21.[188] Nesse mesmo mês, ela lançou uma música original que escreveu com Andrew Lloyd Webber intitulada "Beautiful Ghosts" para o filme Cats (2019).[189] Em dezembro, ela compôs, gravou e lançou um single de Natal, "Christmas Tree Farm", [190] e atuou como Bombalurina na adaptação cinematográfica do musical Cats, de Lloyd Webber. Embora os críticos tenham analisado o filme negativamente, muitos observaram o breve papel de Swift como saldo positivo do filme.[191] Em 23 de janeiro, Miss Americana estreou no Festival Sundance de Cinema de 2020 e foi lançada na Netflix em 31 de janeiro, com críticas positivas.[192][193] O documentário inclui a música "Only the Young", que Swift escreveu após as eleições estadunidenses de 2018.[194] Nesse mês, ela lançou uma versão ao vivo da música "The Man" e seu videoclipe.[195] Lover Fest, a turnê de Swift em apoio ao álbum, foi adiada para 2021 devido à pandemia de COVID-19.[196]Ela tocou "Soon You'll Get Better" pela primeira vez como parte do concerto on-line com benefícios de One World: Together at Home. As filmagens do concerto City of Lover de 2019 da Swift em Paris foram ao ar pela ABC em 17 de maio de 2020 e foram disponibilizadas para transmissão no Hulu e Disney+ no dia seguinte. Swift também lançou versões ao vivo das faixas do álbum Lover que ela apresentou no único show em Paris após a estréia do especial de televisão.[197]

Em 23 de julho do mesmo ano, ela anunciou nas mídias sociais que estava lançando seu oitavo álbum de estúdio, Folklore, em 24 de julho de 2020, à meia-noite.[198][199] Escrito e gravado enquanto Swift estava isolado devido ao COVID-19, o álbum incluirá colaborações musicais com Bon Iver, Antonoff e Aaron Dessner.[200] "Cardigan" foi lançado como single principal, com um videoclipe lançado junto com o álbum.[201] O álbum vendeu mais de 1,3 milhão de cópias em todo o mundo nas primeiras 24 horas de seu lançamento, e Swift quebrou o recorde de maior estreia por um álbum feminino no Spotify, com mais de 80,6 milhões de reproduções.[202]

Arte

Influências

Uma das primeiras memórias musicais de Swift é ouvir sua avó materna, Marjorie Finlay, cantar na igreja. Quando criança, ela gostava das trilhas sonoras dos filmes da Disney: "Meus pais perceberam que, uma vez que as palavras acabavam, eu inventava as minhas".[203] Swift disse que deve sua confiança à mãe, que a ajudou a se preparar para as apresentações em classes quando criança.[204] Ela também atribui seu "fascínio por escrever e contar histórias" à mãe.[205] Swift atraiu-se pelo aspecto narrativo da música country,[206] e foi introduzida ao gênero ouvindo "as grandes artistas country country dos anos 90" - Shania Twain, Faith Hill e Dixie Chicks.[207][208] Twain, como compositora e intérprete, foi sua maior influência musical.[209] Hill foi o modelo de infância de Swift: "Tudo o que ela disse, fez, usou, eu tentei copiá-la".[210] Ela admirava a atitude desafiadora das Dixie Chicks e sua capacidade de tocar seus próprios instrumentos.[211] "Cowboy Take Me Away" da banda foi a primeira música que Swift aprendeu a tocar no violão.[212] Swift também se inspirou na música de estrelas country mais antigas, incluindo Patsy Cline, Loretta Lynn, Dolly Parton e Tammy Wynette.[213] Ela acredita que Parton é "um exemplo incrível para todas as compositoras por aí".[214] Artistas do country alternativo como Ryan Adams, Patty Griffin[215] e Lori McKenna também inspiraram Swift.[6]

Shania Twain (esquerda) e Stevie Nicks (direita) influenciaram Swift.

Swift lista Paul McCartney, The Rolling Stones, Bruce Springsteen, Emmylou Harris, Kris Kristofferson e Carly Simon como seus modelos de carreira. Sobre McCartney e Harris, Swift disse: "Eles se arriscaram, mas também foram o mesmo artista durante toda a carreira".[6][216] McCartney, tanto como Beatle quanto como artista solo, faz Swift se sentir "como se eu tivesse entrado em seu coração e em sua mente [...] Ele ainda está na ativa e deixando seus fãs muito felizes. Qualquer músico poderia sonhar com um legado como esse."[217] Ela gosta de Springsteen por ser "tão musicalmente relevante depois de tão longo de tempo".[218] Ela aspira a ser como Harris à medida que envelhece por priorizar a música sobre a fama.[219] Swift diz de Kristofferson que ele "brilha nas composições",[220] e admira Simon por ser "uma pessoa emocional", mas "uma pessoa forte".[221]

Swift foi influenciado por outros artistas estrangeiros. Como pré-adolescente, ela gostava de artistas bubblegum pop, incluindo Hanson e Britney Spears, por quem Swift tinha uma "devoção inabalável".[222][223] Na época do ensino médio, ela ouvia bandas de emo-rock como Dashboard Confessional,[224] Fall Out Boy,[225] e Jimmy Eat World,[226]e artistas de pop/ R&B como Justin Timberlake, a quem ela chamava de "crush musical".[227] Swift's fifth album, the pop-focused 1989, was influenced by some of her favorite 1980s pop acts, including Peter Gabriel,[228] O quinto álbum de Swift, 1989, focado no pop, foi influenciado por alguns de seus artistas pop favoritos dos anos 80, incluindo Peter Gabriel, Annie Lennox, Phil Collins e a era "Like a Prayer de Madonna".[229] Sobre Madonna, Swift disse: "Um elemento da carreira de Madonna que realmente ocupa o centro do palco é quantas vezes ela se reinventou. É mais fácil ficar com um olhar, uma zona de conforto, um estilo musical. É inspirador ver alguém cuja única qualidade previsível está sendo imprevisível."[230] Swift nomeou Pete Wentz e Lana Del Rey como seus letristas favoritos.[231]

Estilo musical

Guitarra Les Paul e microfone de Taylor no Museu de Instrumentos Musicais de Phoenix

A música de Swift consiste principalmente em elementos de pop,[232] synth-pop,[233] country,[234] country pop[235] e rock.[233] Seus trabalhos posteriores se baseiam em gêneros como [[indie folk][236], rock alternativo[237], R&B[238][239], EDM[240], hip hop[241] e trap[242]. Swift se descreveu como uma artista country até o lançamento de 1989 (2014), que ela caracterizou como seu primeiro "álbum sonoramente pop".[243] A Rolling Stone escreveu: "[Swift] pode ser tocado na estação country, mas ela é uma das poucas estrelas do rock genuínas que temos hoje em dia."[244] Segundo o The New York Times, "não há muito na música de Swift para indicar country - algumas batidas de banjo, um par de botas de cowboy usadas no palco, um violão deslumbrante -, mas há algo em sua entrega vantajosa e vulnerável que é exclusiva de Nashville."[245] O The Gardian escreveu que Swift "acelera a melodia com a eficiência impiedosa de uma fábrica pop escandinava".[246]

A voz de Swift foi descrita por Sophie Schillaci, do The Hollywood Reporter, como "doce, mas suave".[247] O Los Angeles Times identificou o vocal "definidor" de Swift nas gravações de estúdio como "a linha que desliza como um suspiro contente ou como uma sobrancelha levantada, dando à sua amada garota o tempo de sua intimidade".[248] A Rolling Stone, em uma crítica do Speak Now, escreveu: "A voz de Swift não é afetada o suficiente para mascarar o quão magistral ela se tornou como cantora; ela abaixa a voz para as linhas graves no modo clássico de uma garota tímida que tenta falar duro".[249] Em outra resenha do Speak Now, o The Village Voice escreveu que seu fraseado era anteriormente "brando e confuso, mas isso mudou. Ela ainda pode parecer tensa e magra, e muitas vezes se afasta em um tom que deixa algumas pessoas loucas; mas ela aprendeu como fazer as palavras soarem como elas significam."[250] A NPR Music descreveu o canto dela como pessoal e de conversação, graças ao seu "presente excepcional pela inflexão", mas também sofre de um "tom vacilante e uma entrega nasal apertada".[251] O Hollywood Reporter escreveu que seus vocais ao vivo são "bons", mas não coincidem com os de seus colegas.[247] Swift foi elogiada por se recusar a corrigir sua afinação com o Auto-Tune.[252]

Em uma entrevista ao The New Yorker, Swift se caracterizou principalmente como compositora: "Eu escrevo músicas e minha voz é apenas uma maneira de transmitir essas letras".[6] Um escritor do The Tennessean admitiu em 2010 que Swift "não é a melhor cantora técnica ", mas a descreveu como a" melhor comunicadora que temos".[253] A presença vocal de Swift é algo que a preocupa e ela "dedicou muito trabalho" para melhorá-la.[254] Foi relatado em 2010 que ela continua a ter aulas de canto.[255] Ela disse que só se sente nervosa se apresentando "se não tiver certeza do que o público pensa de mim, como nas premiações".[256]

Composição

Swift usa suas experiências de vida como inspiração para seu trabalho.[257] Ela costuma abordar as "paixões anônimas de seus anos do ensino médio" e as celebridades em suas primeiras canções. Swift frequentemente critica ex-namorados,[258] um aspecto de sua composição subestimada pelo The Village Voice: "Ser contado o que Songs Mean significa é como ter um professor realmente insistente. E isso põe em risco uma verdadeira apreciação do talento de Swift, que não é confessional, mas dramático."[259] No entanto, Nova York acredita que o escrutínio da mídia sobre sua decisão de" minar sua vida pessoal pela música ... é sexista, na medida em que não é solicitado a seus colegas homens ".[260] Swift disse que nem todas as suas canções são factuais, e às vezes são baseadas em observações[261] ou narrativas ficcionais.[262] Além das pistas fornecidas em suas anotações, Swift tenta não falar sobre assuntos de música especificamente "porque essas são pessoas reais.[263] Você tenta dar uma ideia de onde você veio como escritor sem atirar completamente alguém sob o ônibus".[264]

Swift durante a Speak Now World Tour em Pittsburgh, 2011
Para uma mulher escrever sobre seus sentimentos, e ser retratada como uma namorada pegajosa, insana e desesperada, precisando que você se case com ela e tenha filhos com ela... Isso é distorcer e transformar em algo que é, francamente, um pouco sexista.
Original (em inglês): [265]
— Swift em resposta às críticas de suas composições (em inglês)

O The Guardian elogiou Swift por escrever sobre a adolescência "com uma espécie de saudade melancólica e em tom sépia" ao longo de seus dois primeiros álbuns.[246] A New York observou que muitos cantores e compositores fizeram ótimos álbuns na adolescência, mas "nenhum fez grandes álbuns tão explicitamente sobre a adolescência". A revista também comparou seu trabalho a Brian Wilson.[266] Em Fearless, Swift apresentou imagens de contos de fadas e explorou a desconexão "entre contos de fadas e a realidade do amor".[267] Seus álbuns posteriores abordam mais relacionamentos adultos.[216] Além do romance e do amor, as músicas de Swift discutiram relacionamentos entre pais e filhos, amizades[268][269], alienação, fama e ambições de carreira.[205] Swift frequentemente inclui "uma frase irritada para sugerir coisas grandes e sérias que não cabem na música, coisas que aprimoram ou subvertem a narrativa superficial".[270]

A Rolling Stone descreve Swift como "um especialista em composição com um dom intuitivo para a construção da bridge da música".[271] De acordo com o The Village Voice, ela costuma usar inversões do ponto de vista na terceira pessoa.[270] Em termos de imagens, a repetição é evidente nas composições de Swift. Nas palavras do The Guardian, "ela passa tanto tempo beijando na chuva que parece um milagre que ela não tenha desenvolvido o pé da trincheira".[246] A Slant Magazine acrescenta: "para crédito de Swift, ela explora novos motivos líricos ao longo do [seu quarto] álbum".[272] Embora as revisões do trabalho de Swift sejam "quase uniformemente positivas", a The New Yorker disse que geralmente é retratada "mais como uma técnica qualificada do que como uma visionária dilanesa".[6]

Videoclipes

Swift colaborou com muitos diretores diferentes para produzir seus videoclipes, e com o tempo ela se envolveu mais com a escrita e a direção. Ela tem sua própria produtora, Taylor Swift Productions, Inc., que é creditada por produzir videoclipes para singles como "Me!",[273] e é conhecida por esconder pistas e easter eggs na maior parte de seus trabalhos.[274] Em 2010, Swift co-dirigiu o videoclipe de "Mine" com Roman White.[275] Em 2011, ela continuou a colaborar com White nos videoclipes de "Mean" e "Ours". Swift desenvolveu o conceito e o tratamento para "Mean".[276] Em uma entrevista, White disse que Swift "estava profundamente envolvida em escrever o tratamento, o elenco e o figurino. E ela ficou nos 15 dias de filmagem, mesmo quando não estava nas cenas".[277] Ela criou o conceito para o videoclipe de "Ours" e, em seguida, trouxe White para dirigir, descrevendo sua visão de ambos os vídeos como sendo "histórias".[278][279]

De 2014 a 2018, Swift colaborou com o diretor Joseph Kahn em oito videoclipes - dos seus álbuns 1989 e Reputation. Kahn elogiou o envolvimento de Swift no ofício.[280] Em 2016, Swift trabalhou com a American Express para seu videoclipe "Blank Space" (dirigido por Kahn) e lançou o aplicativo interativo AMEX Unstaged: Taylor Swift Experience. Swift recebeu crédito principal de produtora executiva e, em 2015, ganhou o Primetime Emmy Awards na categoria Outstanding Interactive Program para o aplicativo.[281] Ela recebeu créditos de produção em seu videoclipe de "Bad Blood".[282]

Em 2018, Swift desenvolveu o conceito, escreveu o tratamento e estrelou o videoclipe da música "Babe", da Sugarland.[283] Em 2019, ela co-dirigiu os videoclipes de "Me!" com Dave Meyers, "You Need to Calm Down" com Drew Kirsch e "Lover" com Kirsch.[284][285] Ela também foi co-executiva e produziu o segundo deles com Todrick Hall.[286] O videoclipe do single de Swift, "The Man", em 2020, marcou sua estréia oficial na direção solo.[287] Mais tarde naquele ano, ela escreveu, dirigiu e estilizou o videoclipe de "Cardigan" por conta própria durante a pandemia de COVID-19.[288]

Imagem pública

Swift em 2010 Time 100 Gala em Manhattan, onde ela foi homenageada.

A vida pessoal de Swift sempre foi um objeto de ampla atenção da mídia.[289] Em 2013, a Abercrombie & Fitch comercializou uma camiseta com slogan com uma observação de slut-shaming direcionada a ela.[290] O The New York Times afirmou em 2013 que sua "história de namoro começou a agitar o que parece ser o começo de uma repercussão". Eles questionaram se Swift estava no meio de uma "crise de meia-vida".[291] Swift disse que não está disposta a discutir sua vida pessoal em público;[292] acredita que falar sobre isso pode ser "uma fraqueza na carreira". Em 2015, o cantor Ray Stevens lançou seu álbum Here We Go Again, que incluía o single "Taylor Swift is Stalking Me".[293] Em 2020, Swift revelou que lutou contra um distúrbio alimentar no passado.[294]

A Rolling Stone comentou sobre sua maneira educada: "Se esse é a cara de jogo de Swift, ele deve ser tatuado porque nunca cai" e observou sua "facilidade com a felicidade".[32] O The Hollywood Reporter descreveu Swift como "a melhor pessoa desde Bill Clinton". Ao presentear Swift com um prêmio por seus esforços humanitários em 2012, Michelle Obama a descreveu como uma cantora que "subiu ao topo da indústria da música, mas ainda mantém os pés no chão, alguém que abalou todas as expectativas do que uma pessoa de 22 anos de idade poderia realizar ".[295] Swift considera Michelle Obama como um modelo.[296] De acordo com o The New York Times e o executivo de marketing Matt B. Britton, o conhecimento de negócios de Swift a ajudou a "se destacar como uma personalidade autêntica que estabelece conexões diretas com seu público", "tocar o maior número possível de pessoas" e "gerar uma espécie de defesa e empolgação que nenhum nível de publicidade poderia".[297]

Swift é uma das pessoas mais seguidas nas mídias sociais;[298] em julho de 2020, ela tem mais de 136 milhões de seguidores no Instagram,[299] 86,5 milhões de seguidores no Twitter[300] e 38,5 milhões de inscritos no YouTube.[301] Ela é conhecida por suas interações on-line amigáveis ​​com seus fãs.[302] Ela entregou presentes de natal aos fãs por correio e pessoalmente, um evento chamado "Swiftmas", [303] e considera sua "responsabilidade" estar consciente de sua influência sobre os seus fãs jovens. Ela chamou seus fãs de "o melhor e mais longo relacionamento" que ela já teve.[304] Frequentemente rotulado pela mídia como "America's Sweetheart"[305][306][307] devido à sua personalidade realista[308][309][310] e à imagem de garota do lado.[311] Swift insiste que ela não "vive de acordo com todas essas regras rígidas e estranhas que à fazem sentir totalmente cercado, e gosta da maneira como se sente, a qual a faz se sentir muito livre".[312] Ela se recusa a participar de sessões de fotos excessivamente sexualizadas,[313] embora a Bloomberg a veja como um símbolo sexual.[314] Ela também foi reconhecida como um ícone de estilo na moda;[315][316] A Vogue a nomeou um ícone do estilo americano em 2011.[317] Em 2014, ela liderou a lista anual de melhores vestidos da revista People.[318] Em 2015, ela foi nomeada Mulher do Ano no Elle Style Awards[319] e ficou em primeiro lugar na lista dos 100 mais da revista Maxim. [320]

Impacto

Entre os apelidos honoríficos usados ​​para descrever Swift estão "Titã do Pop"[321][322] e "Rainha do Country".[323] Ela foi creditada por ajudar a música country a se tornar mais popular em todo o mundo, com a Billboard escrevendo que "o cenário do país é muito diferente hoje, em parte graças a Swift e sua insistência em seguir um plano de jogo que muitos consideravam pouco ortodoxo" e notou as opiniões favoráveis ​​em relação a o gênero desde sua estréia.[324] Segundo a BBC, Swift é responsável por abrir o caminho para os artistas de crossover "que não desejam mais ser do gueto em gêneros musicais arbitrariamente separados" e potencialmente "inaugurar uma nova era de interação individual com os fãs".[325] A Rolling Stone opinou que, porque Swift "trabalhou tanto ao falar sua verdade" através de suas composições, ela "ajudou a abrir um espaço" para muitas artistas femininas "aparecerem tão facilmente" com suas músicas em uma era de tabloides.[326] A Billboard também informou que após a ascensão de Swift à fama, as gravadoras se interessaram mais em contratar jovens cantores e artistas que escrevem suas próprias músicas.[327] A empresa de fabricação de guitarras Fender considerou o "fator Taylor Swift" responsável pelo fenômeno mundial que viu jovens mulheres impulsionando 50% das vendas de novas guitarras.[328] Swift é considerado um dos artistas que ressurgiram os ukuleles na música moderna.[329] Ela foi creditada como uma das artistas-chave no aumento da receita da indústria da música para US$ 20 bilhões em 2019, um valor não visto desde 2005.[330][331] Swift foi descrita como uma das "poucas artistas pop" de sua época que "pode ​​lotar estádios de forma confiável, não importa quantos álbuns ela venda ou quantos singles número 1 ela lance".[332]

Swift performando em um show no Mile High Stadium em Denver, Colorado como parte da Reputation Stadium Tour, onde ela se tornou a primeira mulher a encabeçar um concerto naquele local.

Swift é conhecido por trazer reformas ao mercado da música de streaming e foi nomeada "uma das principais defensoras dos direitos de artistas e compositores".[333] Ela é creditada por ajudar a aumentar as vendas de álbuns tradicionais na era do streaming; O Quartz reconheceu Swift como a única artista "que ainda vende CDs" em 2019.[334] Em novembro de 2014, ela removeu todo o catálogo do serviço de streaming Spotify, argumentando que o serviço gratuito suportado por anúncios prejudicou o serviço premium, que oferece royalties mais altos para compositores.[335] Em uma carta aberta de junho de 2015, Swift criticou a Apple Music por não oferecer royalties a artistas durante o período experimental gratuito de três meses e disse que retiraria o 1989 do catálogo.[336] No dia seguinte, a Apple anunciou que pagaria aos artistas durante o período de teste gratuito[337] e Swift concordou em manter o 1989 em seu serviço de streaming.[338] Hugh McIntyre, escrevendo para a Forbes, elogiou Swift por usar sua voz para se opor a uma grande empresa e que isso importava mais do que qualquer outra pessoa ou organização.[339] Ela relançou todo o seu catálogo para várias das principais plataformas de streaming em junho de 2017.[340] Em seu contrato de gravação de 2018 com a Universal Music Group, Swift garantiu à gravadora que qualquer venda de suas ações do Spotify resultaria em pagamentos não recuperáveis ​​a todos os artistas em sua lista.[341] Swift também é uma dos defensoras dos direitos dos artistas de exercer maior controle sobre sua música, especialmente no que diz respeito à propriedade de gravações. Ela condenou o "mundo não regulamentado do private equity", que é "comprar nossa música como se fosse uma propriedade", afirmando veementemente que os criadores "mereciam ser donos da arte que fazem".[342] Além disso, ela foi rotulada como um "ícone feminista" por seus esforços consistentes em defender a igualdade de gênero e falar sobre a misoginia e o sexismo internalizado.[325][343]

Em homenagem aos dois shows consecutivos de Swift no U.S. Bank Stadium em Minneapolis, Minnesota, o governador Mark Dayton, declarou 31 de agosto de 2018 como o "Taylor Swift Day" no estado, elogiando-a como "uma influência positiva para seus fãs por meio de seu exemplo de veracidade, graça, filantropia extensa e força de caráter".[344] Em 2019, Swift foi nomeada Mulher da Década pela Billboard por ser "um dos artistas musicais mais talentosos de todos os tempos ao longo dos anos 2010".[345] Ela foi homenageada como Artista da Década no American Music Awards de 2019,[346], bem como por várias mídias.[347][348][349] A Vulture afirmou que Swift "inclinou a indústria da música à sua vontade" com sucesso comercial, composição, passos que ela deu para o feminismo e o empoderamento feminino, e ativismo dentro da indústria da música, defendendo os direitos dos artistas, sendo o "jogador mais experiente" dos anos de 2010.[350] Ela foi listada como uma das artistas mais influentes da década pela CNN por "ultrapassar as fronteiras do country e do pop e lutar pelos direitos de sua música".[351] A Vogue a considerou uma das maiores influenciadoras de moda sustentável do mundo.[352] Swift tem ampla influência nas mídias sociais;[353][354][355] foi creditada com o ressurgimento das câmeras Polaroids[356] e Instax depois de apresentar uma fotografia instantânea na capa do 1989 e sua parceria de 2018 com a Fujifilm, respectivamente. Swift também liderou um aumento maciço nos registros de eleitores estadunidenses no Vote.org após seus endossos políticos em 2018.[357]

O músico e produtor Jack Antonoff creditou Swift por dar início à sua carreira como produtor.[358] O trabalho de Swift inspirou vários artistas, incluindo Kelsea Ballerini,[359] Ruth B,[360] Camila Cabello,[361] The Chainsmokers,[362] Selena Gomez,[363] Ellie Goulding,[364] Conan Gray,[365] Halsey,[366] Niall Horan,[367] Maren Morris,[368] Nina Nesbitt,[369] Finneas O'Connell,[370] Olivia Rodrigo,[371] Tegan and Sara,[372] Troye Sivan,[373] e The Vamps.[374]

Prêmios e indicações

Swift recebeu muitos prêmios e honrarias, incluindo 10 Grammy Awards,[375] 29 American Music Awards (mais vitórias de um artista),[376] 23 Billboard Music Awards (mais vitórias de uma artista feminina),[377] sete entradas no Guinness World Records,[378] 12 Country Music Association Awards (incluindo o prestigioso Pinnacle Award)[379], oito Academy of Country Music Awards,[380] um Brit Award,[381] e um Emmy Award.[382] Como compositora, ela foi homenageada pela Nashville Songwriters Association[383][384] e pelo Songwriters Hall of Fame, e foi a pessoa mais jovem incluída na lista dos 100 maiores compositores de todos os tempos da revista Rolling Stone.[385][386] Como produtora de discos, ela foi incluída na ala de produtores e engenheiros da The Recording Academy em 2015.[387][388] Em 2019, a Billboard colocou o Swift em oitavo lugar no ranking dos maiores artistas de todos os tempos; ela foi a artista de maior classificação na lista que estreou no século 21, e a única artista entre as dez melhores daquele século.[389]

Swift é um dos artistas de música mais vendidos de todos os tempos. Ela já vendeu mais de 50 milhões de álbuns puros até o momento, incluindo 37,3 milhões nos EUA e 150 milhões de singles em todo o mundo.[390][391] Em todo o mundo, ela é uma das cinco principais artistas em termos de vendas digitais[392] e acumulou mais de 97 milhões de unidades em consumo de álbuns e 54 bilhões de streams em todas as plataformas.[393] Os cinco primeiros álbuns de estúdio de Swift venderam mais de quatro milhões de cópias apenas nos EUA.[394] Ela é a primeira artista a ter quatro álbuns de estúdio vendendo um milhão de cópias em sua primeira semana nos EUA e o terceiro artista de singles digitais mais vendido nos EUA até agora, com um total de 120 milhões de unidades equivalentes certificadas pela Recording Industry Association of America (RIAA).[395] Tendo vendido mais de 75 milhões de faixas nos EUA nos anos 2010, Swift foi o artista de singles mais vendido do país na década.[396] Ela foi a artista feminina mais bem paga da década de 2010, ficando em segundo lugar na lista de músicos mais bem pagos da década pela Forbes, com ganhos de US $825 milhões.[397] Em 2020, ela se tornou a primeira artista feminina nos EUA a ter um álbum (Fearless) e uma música ("Shake It Off") certificados como diamante pela RIAA.[395] Swift também é uma artista de turnês de grande sucesso, tendo quebrado inúmeros eventos e arrecadando recordes ao longo de sua carreira. Sua Reputation Stadium Tour se tornou a turnê norte-americana com maior bilheteria da história,[156] e ela foi a principal artista feminina de turnês dos anos 2010[156]; em 2020, a Forbes nomeou Swift como um dos "poucos artistas pop que lotam estádios de forma confiável".[398]

Swift também apareceu em várias listas. A Time incluiu ela na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo (2010, 2015 e 2019).[399] De 2011 a 2020, ela figurou entre as três primeiras na lista de mulheres mais bem-sucedidas na música da Forbes, com ganhos de US$ 45 milhões, US$ 57 milhões, US$ 55 milhões, US$ 64 milhões, US$ 80 milhões, US$ 170 milhões, US$ 44 milhões e US$ 80 milhões, nas lista de 2016 a 2019. Ela também encabeçou a lista das 100 celebridades mais bem pagas da revista em 2016 com US$ 170 milhões - uma façanha que foi registrada no Guinness Book[400] - e novamente em 2019 com US$ 185 milhões; ela ficou entre as dez melhores em 2011, 2013 e 2015. Em 2015, Swift se tornou a mulher mais jovem a ser incluída na lista das 100 mulheres mais poderosas da Forbes, classificada no número 64. Ela foi uma das finalistas da Pessoa do Ano da revista Time em 2014 e recebeu a honra em 2017 como uma das "Silence Breakers" (quebradoras de silêncio na tradução livre) por ter falado sobre a agressão sexual que sofreu.[401][402] Em junho de 2019, a Forbes estimou o patrimônio líquido da Swift em US$ 360 milhões. [3] Swift foi a artista feminina de música mais pesquisada em 2019.[403]

Discografia

Ver artigos principais: Discografia de Taylor Swift e canções

Filmografia

Ver artigo principal: Videografia de Taylor Swift

Turnês

Veja também

Referências

  1. «Taylor Swift Co-Wrote Calvin Harris' 'This Is What You Came For' Under Swedish Pseudonym». Billboard. 13 de julho de 2016. Consultado em 24 de julho de 2020 
  2. Monroe, Jazz (25 de maio de 2020). «Taylor Swift and Jack Antonoff Team for Mysterious "Look What You Made Me Do" Cover on Killing Eve». Pitchfork. Consultado em 24 de julho de 2020 
  3. a b Cuccinello, Hayley C. (4 de junho de 2019). «From Taylor Swift To Katrina Lake, America's Richest Self-Made Women Under 40». Forbes. Consultado em 9 de junho de 2019 
  4. «Taylor Swift, Billboard's Best-Selling Artist of 2008, Announces 'Fearless 2009' Headlining Tour». Big Machine Records. 30 de janeiro de 2009. Consultado em 30 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 6 de junho de 2009 
  5. «Taylor Swift... The Interview!». BBC Radio One. 17 de fevereiro de 2009. Consultado em 17 de fevereiro de 2009 
  6. a b c d e f g h Widdicombe, Lizzie (10 de outubro de 2011). «You Belong With Me». The New Yorker. Consultado em 19 de junho de 2013 
  7. «Taylor Swift's father is a Blue Hen». Udel.edu. 23 de setembro de 2009. Consultado em 19 de junho de 2013 
  8. a b c Rolling Stone Interview: The Unabridged Taylor Swift, 2 de dezembro de 2008
  9. a b Cutter, Kimberly (2 de junho de 2010). «Taylor Swift's Rise to America's Sweetheart». Marie Claire. p. 2. Consultado em 19 de junho de 2013 
  10. Maddie Eurit. «Country's Princess». Sesc.k12.in.us. Consultado em 19 de junho de 2013 
  11. «Pop star Taylor Swift sides with Notre Dame». Yardbarker.com. 4 de setembro de 2010. Consultado em 19 de junho de 2013 
  12. «Photos Students at Alvernia Montessori School sending Taylor Swift a valentine». Readingeagle.com. 13 de fevereiro de 2010. Consultado em 19 de junho de 2013 
  13. Hatza, George (8 de dezembro de 2008). «Taylor Swift: Growing into superstardom». Readingeagle.com. Consultado em 19 de junho de 2013 
  14. «Wyomissing Schools get Swift gift Taylor made for them – Lehigh Valley Music Blog». Blogs.mcall.com. 13 de janeiro de 2010. Consultado em 19 de junho de 2013 
  15. Van Meter, Jonathan (17 de janeiro de 2012). «Taylor Swift: The Single Life – Magazine». Vogue. p. 4. Consultado em 19 de junho de 2013. Arquivado do original em 4 de abril de 2012 
  16. InStyle Junho de 2011
  17. «Taylor Swift: A Date with Grammy?». EW.com. Consultado em 9 de julho de 2013 
  18. a b «Teen Spirit». WHIRL Magazine. Consultado em 9 de julho de 2013. Arquivado do original em 20 de outubro de 2013 
  19. Brittany Joy Cooper (15 de abril de 2012). «Taylor Swift Opens Up About a Future in Acting and Admiration for Emma Stone». Taste of Country. Consultado em 9 de julho de 2013 
  20. Taylor Swift: 'I want to believe in pretty lies' | Music | The Guardian
  21. DeLuca, Dan (8 de agosto de 2010). «Taylor Swift works crowd, local angle smoothly». Articles.philly.com. Consultado em 16 de agosto de 2013 
  22. Morris, Edward (1 de dezembro de 2006). «When She Thinks "Tim McGraw," Taylor Swift Savors Payoff: Hardworking Teen to Open for George Strait Next Year». CMT. Consultado em 16 de agosto de 2013 
  23. Nisha Lilia Diu (3 de abril de 2011). «Taylor Swift: 'I won't do sexy shoots'». Daily Telegraph. London. Consultado em 16 de agosto de 2013 
  24. a b «News : CMT Insider Interview: Taylor Swift (Part 1 of 2)». CMT. 26 de novembro de 2008. Consultado em 16 de agosto de 2013 
  25. «Taylor Swift: The Garden In The Machine». American Songwriter. 2 de maio de 2011. Consultado em 21 de maio de 2012 
  26. Rollo, Sarah (novembro de 2009). «Showbiz – News – Computer repairman taught Swift guitar». Digital Spy. Consultado em 16 de agosto de 2013 
  27. «Her Song: Talking Taylor Swift – Post Rock». The Washington Post. 28 de fevereiro de 2008. Consultado em 16 de agosto de 2013 
  28. «americanbar.org PDF» (PDF). Consultado em 14 de setembro de 2013 
  29. «On tour with Taylor Swift - Dateline NBC - Newsmakers - msnbc.com». MSNBC. 31 de maio de 2009. Consultado em 14 de setembro de 2013 
  30. «Taylor Swift's Parents Didn't Want Her to Get Into Music». Tasteofcountry.com. 3 de novembro de 2012. Consultado em 14 de setembro de 2013 
  31. «News : Taylor Swift's High School Names Auditorium in Her Honor». CMT. 23 de setembro de 2010. Consultado em 14 de setembro de 2013 
  32. a b «Taylor Swift Puts The Kid in Country». Washingtonpost.com. 27 de fevereiro de 2008. Consultado em 14 de setembro de 2013 
  33. By Vanessa Grigoriadis (5 de março de 2009). «The Very Pink, Very Perfect Life of Taylor Swift | Music News». Rolling Stone. Consultado em 14 de setembro de 2013 
  34. «Taylor Swift Scores First Chart-Topping Debut With Fearless». MTV.com. 19 de novembro de 2008. Consultado em 20 de dezembro de 2008 
  35. «Taylor Swift Bumps Herself Out of No. 1 Slot». CMT. 26 de julho de 2008. Consultado em 20 de dezembro de 2008 
  36. «Taylor Swift Tops 50 Million MySpace Streams & Has Country's 1 Selling CD for 20th Week». Universal Music Group. 24 de junho de 2008. Consultado em 20 de dezembro de 2008 
  37. «Billboard.com - Charts - Albums - Top Country Albums» 
  38. «Taylor Swift at Ask Men.com» [ligação inativa]
  39. a b «Taylor Swift at Beasley Performing Arts Coliseum». Arquivado do original em 5 de dezembro de 2008 
  40. Cooper, Peter; Aronin, Ivan (15 de outubro de 2007). «It's writers' turn to be honored for songs». The Tennessean. Consultado em 24 de novembro de 2007  [ligação inativa]
  41. Cohen, Jonathan (13 de dezembro de 2007). «Keys Still The "One" Atop Billboard Charts». Billboard.com. Consultado em 13 de junho de 2008 
  42. https://web.archive.org/web/20081222155827/http://www.seventeen.com/magazine/in-this-issue/taylor-swift-hub-0608. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2008  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  43. http://sparklestarnews.blogspot.com/2008/05/amanda-bynestaylor-swiftfergie-and-more.html  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  44. «Taylor Swift Takes Final CosmoGirl Cover!» (em inglês). Just Jared Jr. 2008. Arquivado do original em 25 de maio de 2009 
  45. «Swift Ascent» (em inglês). Teen Vogue.com 
  46. «A hot time at country music's fan festival». USA Today. 99 de junho de 2008. Consultado em 16 de março de 2009  Verifique data em: |data= (ajuda)
  47. «Wal-Mart "Eyes" New Taylor Swift Project». Great American Country. Consultado em 24 de julho de 2008. Arquivado do original em 16 de março de 2015 
  48. «Taylor Swift owns top of country chart». Country Standard Time. Consultado em 26 de dezembro de 2008 
  49. «Swift receives her high school diploma, in mail». Embarq Holdings Company. 26 de julho de 2008. Consultado em 27 de julho de 2008 
  50. «Coming attractions: Not all boys make Taylor Swift cry». USA Today. Consultado em 7 de agosto de 2008 
  51. «"Love Story - Taylor Swift"». Consultado em 5 de março de 2011 
  52. «Taylor Swift - Love Story - Music Charts». aCharts.us. Consultado em 6 de setembro de 2011 
  53. «Taylor Swift's Fearless Makes History With No 1 Debut On Billboard's Top 200 All-Genre Album Sales Chart». TOP 40 Charts. 20 de novembro de 2008. Consultado em 24 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 6 de junho de 2009 
  54. Mandi Bierly (30 de janeiro de 2009). «Taylor Swift to headline Fearless Tour: Awesome? Scary?». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 3 de janeiro de 2016 
  55. Jillian Mapes (23 de novembro de 2010). «Taylor Swift announces Speak Now World Tour». Billboard (em inglês). Consultado em 3 de janeiro de 2016 
  56. «Journey to Fearless: Taylor Swift» (em inglês). Best Buy. Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  57. {{citar web|último=Ryan|primeiro=Sarah|url=http://blog.gactv.com/blog/2009/08/10/taylor-swift-pranks-keith-urban/%7Ctítulo=Taylor Swift Pranks Keith Urban|publicado=Great American Country|data=10 de agosto de 2009|acessodata=11 de novembro de 2015}
  58. «Lady Gaga é líder em indicações ao VMA 2010». Rolling Stone Brasil. 19 de agosto de 2010. Consultado em 22 de julho de 2013 
  59. Rodriguez, Jayson (13 de setembro de 2009). «Kanye West Crashes VMA Stage During Taylor Swift's Award Speech» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 29 de março de 2013 
  60. Nagraj, Neil (7 de outubro de 2009). «Beyonce Knowles says Kanye West's Taylor Swift-MTV Video Music Awards tantrum left her 'shocked'» (em inglês). Daily News. Consultado em 22 de julho de 2013 
  61. «A Complete List of 2009 AMA Winners». CBS News. 23 de novembro de 2009. Consultado em 14 de junho de 2015. Cópia arquivada em 19 de junho de 2015 
  62. Kaufman, Gil (11 de dezembro de 2009). «Taylor Swift Named Billboard Artist Of The Year». MTV. Consultado em 15 de junho de 2015. Cópia arquivada em 18 de junho de 2015 
  63. «The 150 Greatest Albums Made By Women». NPR. 24 de julho de 2017. Consultado em 2 de setembro de 2017 
  64. Dooley, Sean. «List of 2010 Grammy Nominations» (em inglês). About.com. Cópia arquivada em 25 de julho de 2013 
  65. «2009 ACM Awards». Academy of Country Music Awards. Consultado em 14 de junho de 2015 
  66. «Half of My Heart | John Mayer | Music Video». MTV. Viacom Media Networks. Consultado em 23 de julho de 2020 
  67. «Kellie Pickler: Best Days of Your Life (feat. Taylor Swift)». CMT. 27 de março de 2009. Consultado em 23 de julho de 2020 
  68. «Hannah Montana The Movie Production Notes» (PDF). Walt Disney Pictures (em inglês). VisualHollywood.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 23 de julho de 2011 
  69. «Two Is Better Than One by Boys Like Girls» (em inglês). SongFacts. Consultado em 27 de janeiro de 2010 
  70. «US Singles Top 100 - Issue Date: Saturday February 6th, 2010 /» (em inglês). aCharts.us. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  71. Carlos Eduardo (28 de Agosto de 2012). «As 10 melhores canções sobre namorado de Taylor Swift». Capricho. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  72. «New Taylor Swift song, 'Today Was a Fairytale': Listen here» (em inglês). Ew.com. 19 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  73. {{Citar notícia|url=http://artsbeat.blogs.nytimes.com/2009/03/06/omg-taylor-swift-does-csi/%7Ctítulo=OMG! Taylor Swift Does 'CSI'!|último=Caramanica|primeiro=Jon|data=6 e março de 2009|obra=The New York Times|acessodata=7 de março de 2012}
  74. «Taylor Swift Makes Saturday Night Live History». CMT. 6 de janeiro de 2009. Consultado em 8 de janeiro de 2009 
  75. «Taylor Swift Still 'Can't Believe' That She'll Be On 'SNL'». MTV. 8 de janeiro de 2009. Consultado em 8 de janeiro de 2009 
  76. a b «'Saturday Night Live' Scores Its Top Numbers Since The novembro Election». NBC press release. 16 de janeiro de 2009. Consultado em 1 de fevereiro de 2009 
  77. Pietroluongo, Silvio (11 de agosto de 2010). «Taylor Swift Makes Sparkling Hot 100 Entrance». Billboard. Consultado em 25 de julho de 2016. Cópia arquivada em 31 de julho de 2016 
  78. Herrera, Monica (20 de julho de 2010). «"Taylor Swift Announces New Album 'Speak Now', Out Oct. 25"». Prometheus Global Media (em inglês). Billboard. Consultado em 4 de dezembro de 2012 
  79. Dunham, Nancy (21 de julho de 2010). «"Taylor Swift on New Album, New Home, Favorite Fan Moments"» (em inglês). The Boot. Consultado em 20 de outubro de 2012 
  80. Herrera, Monica (20 de julho de 2010). «Taylor Swift Announces New Album 'Speak Now,' Out Oct. 25» (em inglês). Billboard. Consultado em 21 de julho de 2010 
  81. * «"Billboard 200: November 20th 2010"». Prometheus Global Media (em inglês). Billboard. Consultado em 1º de fevereiro de 2013 
  82. «"Billboard Canadian Hot 100: August 21st 2010"». Nielsen Business Media, Inc (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de fevereiro de 2013 
  83. Hammel, Sara (4 de janeiro de 2011). «Taylor Swift & Jake Gyllenhaal Break Up: Source». People. Consultado em 6 de março de 2012. Cópia arquivada em 9 de maio de 2012 
  84. a b «Nominees And Winners - Grammy.com» (em inglês). Grammy. Consultado em 15 de fevereiro de 2012 
  85. Faia, Amanda (1 de dezembro de 2011). «Grammy 2012: Adele, Bruno Mars, Lady GaGa e Rihanna estão entre os indicados». PopLine. Consultado em 15 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2011 
  86. «Grammy 2012: Com visual rural, Taylor Swift apresenta seu single "Mean"». PopLine. 13 de fevereiro de 2012. Consultado em 15 de fevereiro de 2012 
  87. Deerwester, Jayme (13 de fevereiro de 2012). «Adoration for Adele: 6 Grammys». USA Today. Consultado em 15 de fevereiro de 2012 }
  88. Shelburne,Craig (18 de outubro de 2010). «Taylor Swift Named NSAI's Songwriter-Artist of the Year». CMT. Consultado em 30 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2016 
  89. Schneider, Marc (11 de outubro de 2011). «Taylor Swift Named Billboard Woman of the Year». Billboard. Consultado em 16 de junho de 2015. Cópia arquivada em 9 de junho de 2015 
  90. Hensel, Amanda (5 de dezembro de 2011). «2011 American Country Awards Winners – Full List». Taste of Country. Consultado em 25 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2015 
  91. «2011 ACM Awards». Academy of Country Music Awards. Consultado em 14 de junho de 2015 
  92. «American Music Awards 2011: Full list of winners». KABC-TV. Consultado em 25 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2015 
  93. «"Women Who Rock: The 50 Greatest Albums of All Time - Taylor Swift, 'Speak Now'"» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 13 de fevereiro de 2013 
  94. Allen, Bob (29 de março de 2012). «Hot Tours: Taylor Swift, George Strait, Cirque Du Soleil». Billboard. Consultado em 10 de março de 2012 
  95. «Taylor Swift News and Blog». Taylorswift.com. 21 de setembro de 2011. Consultado em 21 de setembro de 2011. Arquivado do original em 11 de outubro de 2011 
  96. «Best Country Duo/Group Performance» (em inglês). Grammy.com. Consultado em 28 de abril de 2013 
  97. «Best Original Song - Motion Picture» (em inglês). Golden Globe Awards. Consultado em 4 de Janeiro de 2014. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2014 
  98. «Both Of Us ft. Taylor Swift - B.o.B Official Blog». Bobatl.com. Consultado em 14 de junho de 2012 
  99. «Taylor Swift e Conor Kennedy não estão mais namorando, diz revista». Globo.com. EGO. 25 de outubro de 2012. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  100. Trust, Gary (22 de agosto de 2012). «"Taylor Swift Scores First Hot 100 No. 1"» (em inglês). Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 22 de agosto de 2012 
  101. «"Taylor Swift beats Lady Gaga's record for fastest-selling iTunes number one"» (em inglês). MSN. 14 de agosto de 2012. Consultado em 14 de agosto de 2012. Arquivado do original em 18 de agosto de 2012 
  102. «Taylor Swift - Chart History - Hot 100» (em inglês). Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 7 de abril de 2013 
  103. «Bruno Mars 'Locked' at No. 1 on Hot 100, Taylor Swift Closing In» (em inglês). Billboard Hot 100. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  104. «"Taylor Swift Announces 'Red' Album, New Single"». Rovi Corporation (em inglês). Billboard. 14 de agosto de 2012. Consultado em 16 de agosto de 2012 
  105. Medeiros, Kavad (24 de outubro de 2012). «"'Red': Novo álbum de Taylor Swift deverá vender mais de um milhão de cópias em sua primeira semana"». MTV Brasil (UOL). POPLine. Consultado em 24 de outubro de 2012 
  106. Caufield, Keith (30 de outubro de 2012). «"Taylor Swift's 'Red' Sells 1.21 Million; Biggest Sales Week for an Album Since 2002"». Prometheus Global Media (em inglês). Billboard. Consultado em 30 de outubro de 2012 
  107. «"Red Tour Announcement & Details!"» (em inglês). TaylorSwift.com. 25 de outubro de 2012. Consultado em 6 de novembro de 2012. Arquivado do original em 1 de novembro de 2012 
  108. «Grammy nominations 2014: The complete list of nominees and winners» (em inglês). Los Angeles Times. 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2014 
  109. «MTV VMA 2013 Winners List: Justin Timberlake, Taylor Swift, Pink, and More» (em inglês). Spin. 25 de agosto de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2013 
  110. «American Music Awards 2012: Complete Winners List». MTV. 18 de novembro de 2012. Consultado em 25 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2015 
  111. «American Music Awards 2014 Winners – AMAs The Complete List». American Broadcasting Company. Consultado em 25 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2015 
  112. «NSAI Songwriter/Artists of the Year». Nashville Songwriters Association International. Consultado em 2 de agosto de 2016 
  113. Caramanica, Jon (7 de novembro de 2013). «Country Awards Hold Swift Close». The New York Times. Consultado em 3 de abril de 2014 
  114. «Namoro de Taylor Swift e Harry Styles chega ao fim, diz jornal». Contigo. 8 de janeiro de 2013. Consultado em 12 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 26 de novembro de 2013 
  115. «Golden Globes nominations 2014: The complete list of nominees» (em inglês). Los Angeles Times. 12 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2014 
  116. Blistein, Doyle (4 de junho de 2013). «Taylor Swift Joins Rolling Stones for 'As Tears Go By'». Rolling Stone. Consultado em 10 de junho de 2013 
  117. «Taylor Swift Joins Florida Georgia Line Onstage for 'Cruise'». Taste of Country. 2 de março de 2013. Consultado em 29 de março de 2013 
  118. Collin, Robbie (12 de julho de 2016). «The Lorax, review». The Daily Telegraph. Consultado em 3 de agosto de 2016 
  119. Beard, Lanford (1 de maio de 2013). «Taylor Swift says 'I do' to 'New Girl'». Entertainment Weekly. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  120. Busis, Hillary (27 de setembro de 2013). «Taylor Swift will co-star in long-awaited adaptation of 'The Giver'». =Entertainment Weekly. Consultado em 2 de agosto de 2016 
  121. Watts, Cindy; Paulson, Dave (18 de agosto de 2014). «Taylor Swift announces new 'pop' album» (em inglês). The Tennessean. Consultado em 18 de agosto de 2014 
  122. «1989 (Vinyl)» (em inglês). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015 
  123. «Taylor Swift – 1989 – Metacritic» (em inglês). Metacritic. Consultado em 3 de janeiro de 2016 
  124. Keith Caulfield (4 de novembro de 2014) "Official: Taylor Swift's '1989' Debuts With 1.287 Million Sold In First Week" (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de janeiro de 2016.
  125. «Streaming - Taylor Swift» (em inglês). Facebook. 8 de junho de 2017. Consultado em 8 de junho de 2017 
  126. Feeney, Nolan (18 de agosto de 2014). «Watch Taylor Swift Show Off Her Dance Moves in New 'Shake It Off' Video» (em inglês). Time. Consultado em 18 de agosto de 2014 
  127. Keith Caulfield (19 de novembro de 2014). «"Taylor Swift's '1989' No. 1 for Third Week on Billboard 200"» (em inglês). Billboard. Consultado em 23 de novembro de 2014 
  128. Erin Strecker (6 de julho de 2015). «"Taylor Swift's 'Blank Space' the Fastest Video to Reach 1 Billion Views on Vevo"» (em inglês). Billboard. Consultado em 21 de setembro de 2015 
  129. «2015 MTV VMAS» (em inglês). MTV Video Music Awards. Consultado em 18 de dezembro de 2015 .
  130. Randy Lewis (30 de dezembro de 2015). «Taylor Swift's '1989' is 2015's highest grossing concert tour by far». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2017 
  131. «Grammy 2016 consagra o pop de Taylor Swift e Ed Sheeran». El País. Grupo PRISA. 16 de fevereiro de 2016. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  132. Paul Grein (16 de fevereiro de 2016). «Taylor Swift Makes Grammy History» (em inglês). Yahoo! Music. Yahoo!. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  133. Leanne Bayley (30 de julho de 2015). «Is Calvin Harris planning a wedding proposal to Taylor Swift?» (em inglês). glamourmagazine.co.uk. Consultado em 3 de agosto de 2015 
  134. Matthew Strauss (13 de julho de 2016). «Taylor Swift Secretly Co-Wrote Calvin Harris and Rihanna's "This Is What You Came For"». Pitchfork (em inglês). Condé Nast]. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  135. Schillaci, Sophie (18 de agosto de 2015). «Taylor Swift Tearfully Addresses Mom's Cancer Battle as She Performs 'Ronan'». Entertainment Tonight. Consultado em 26 de outubro de 2016 
  136. «Taylor Swift Finally Reveals When She Started Dating Joe Alwyn in Lover Album». Yahoo!. 23 de agosto de 2019. Consultado em 11 de junho de 2020 
  137. Lewis, Anna (10 de novembro de 2017). «Taylor Swift and Tom Hiddleston: a timeline of their very short relationship». Cosmopolitan. Consultado em 9 de junho de 2019 
  138. «Zayn e Taylor Swift – I Don't Wanna Live Forever (Sverigetopplistan)» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  139. «Zayn e Taylor Swift – I Don't Wanna Live Forever (Billboard Hot 100)» (em inglês). Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  140. Lisa Respers France (28 de agosto de 2017). «MTV Video Music Awards 2017: The winners list». CNN Entertainment (em inglês). CNN. Consultado em 29 de abril de 2018 
  141. «Taylor Swift foi a celebridade que mais dinheiro ganhou em 2015» 
  142. Gonzalez, Sandra; McLean, Scott; Weisfeldt, Sara; Gauk-Roger, Topher (15 de outubro de 2017). CNN, ed. «Taylor Swift wins court case». Consultado em 10 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2017 
  143. News.com.au, ed. (19 de agosto de 2017). «Speculation rife over Swift's social media disappearance». Consultado em 19 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2017 
  144. Aswad, Jem (24 de agosto de 2017). «Taylor Swift's New Single, 'Look What You Made Me Do,' Arrives (Listen)». Variety. Consultado em 29 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2017 
  145. Australian Recording Industry Association, ed. (9 de setembro de 2017). «Taylor Swift holds No. 1 for second week». Consultado em 7 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2017 
  146. «BBC – Radio 1 – Playlist» (em inglês). BBC Radio 1. British Broadcasting Corporation. Consultado em 5 de janeiro de 2018 
  147. Keith Caulfield (20 de novembro de 2017). «Official: Taylor Swift's 'Reputation' Album Sells 1.2M Copies in US During First Week». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  148. Lynch, Joe (23 de agosto de 2017). «Taylor Swift Reveals New Album 'Reputation' Coming In Nov., First Single Out Thursday». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 25 de agosto de 2017 
  149. Rob Levine (22 de novembro de 2017). «Taylor Swift Schools the Music Industry Once Again, While Streaming Serviced Wring Their Hands». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 1º de janeiro de 2018 
  150. Clayton Purdom (10 de novembro de 2017). «Taylor Swift has a big, drunken night out on Reputation» (em inglês). The A.V. Club. The Onion. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  151. Jaleesa Jones (12 de novembro de 2017). «Watch: Taylor Swift owns her 'Reputation' on 'SNL'». USA Today (em inglês). Gannett Company. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  152. «Taylor Swift Chart History - Hot 100» (em inglês). Billboard Hot 100. Consultado em 27 de julho de 2018 
  153. Gary Trust (28 de fevereiro de 2018). «New Taylor Swift's Single Delicate» (em inglês). Twitter. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  154. Samantha Stephens (13 de abril de 2018). «Taylor Swift Lends Vocals on Sugarland's Bigger». CMT (em inglês). Viacom. Consultado em 20 de abril de 2018 
  155. «Events» (em inglês). TaylorSwift.com. Consultado em 19 de junho de 2018. Arquivado do original em 29 de novembro de 2017 
  156. a b c Eric Frankenberg (30 de novembro de 2018). «Taylor Swift's Reputation Stadium Tour Breaks Record for Highest-Grossing U.S. Tour». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 30 de novembro de 2018 
  157. Eric Frankberg (7 de dezembro de 2018). «Taylor Swift Closes Reputation Stadium Tour with $345 Million». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 7 de dezembro de 2018 
  158. Havens, Lyndsey (9 de outubro de 2018). «Taylor Swift Breaks an All-Time AMA Record -- And Urges People to Vote In Midterm Elections». Billboard. Consultado em 10 de outubro de 2018 
  159. Aswad, Jem; Willman, Chris (19 de novembro de 2018). «Taylor Swift Signs New Deal With Universal Music Group». Variety. Consultado em 19 de novembro de 2018 
  160. Wang, Amy X. (19 de novembro de 2018). «Taylor Swift's New Record Deal Affects Thousands of Other Musicians». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2018 
  161. Willman, Chris (27 de agosto de 2018). «Taylor Swift Stands to Make Music Business History as a Free Agent». Variety. Consultado em 29 de agosto de 2018 
  162. Reitman, Shelby (30 de novembro de 2018). «Taylor Swift Shares Reputation Stadium Tour 'Surprise' Songs Playlist». Billboard. Consultado em 23 de julho de 2020 
  163. Taylor Swift. «reputation Stadium Tour Surprise Song Playlist». TIDAL. Consultado em 23 de julho de 2020 
  164. Jason Abbruzzsse (13 de dezembro de 2018). «Netflix's newest high-profile partner: Taylor Swift» (em inglês). National Broadcasting Company. Consultado em 17 de janeiro de 2019 
  165. «Stream Taylor Swift's New Album, 'Lover'». NPR.org (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2020 
  166. «Lil Nas X's 'Old Town Road' Tops Billboard Hot 100 For Fifth Week, Taylor Swift's 'Me!' Vaults to No. 2». Billboard. 6 de maio de 2019. Consultado em 15 de julho de 2020 
  167. «Taylor Swift's 'Me!' Music Video Has Already Broken A Very Important YouTube Record». Forbes (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2020 
  168. «Taylor Swift's 'You Need to Calm Down' Debuts at No. 2: Billboard Staffers Discuss». Billboard. 25 de junho de 2019. Consultado em 15 de julho de 2020 
  169. «Taylor Swift Releases Intimate New Song 'The Archer'». Rolling Stone (em inglês). 23 de julho de 2019. Consultado em 15 de julho de 2020 
  170. «Taylor Swift's 'Lover' Song: Listen». Billboard. 16 de agosto de 2019. Consultado em 15 de julho de 2020 
  171. «Taylor Swift's 'Lover' Debuts at No. 1 on Billboard 200 Chart With 867,000 Units Earned in First Week in U.S.». Billboard. 1 de setembro de 2019. Consultado em 15 de julho de 2020 
  172. «Every Song From Taylor Swift's 'Lover' Album Charts On The Hot 100». Billboard. 3 de setembro de 2019. Consultado em 15 de julho de 2020 
  173. «Taylor Swift Performs "Me!" at the 2019 BBMAs: Watch». Spin. 1 de maio de 2019. Consultado em 15 de julho de 2020 
  174. Shaffer, Claire; Shaffer, Claire (22 de maio de 2019). «See Taylor Swift, Brendon Urie Perform 'ME!' With Giant Butterfly on 'The Voice'». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2020 
  175. SPIEGEL, DER. «"Germany's Next Topmodel": Taylor Swift tritt bei Finale auf - DER SPIEGEL - Kultur». www.spiegel.de (em alemão). Consultado em 15 de julho de 2020 
  176. «Taylor Swift Performs 'ME!' Without Brendon Urie on 'The Graham Norton Show'». Billboard. 24 de maio de 2019. Consultado em 15 de julho de 2020 
  177. «Taylor Swift Performs 'Shake It Off' & 'ME!' on 'The Voice' in France». Billboard. 25 de maio de 2019. Consultado em 15 de julho de 2020 
  178. «Arashi Best-Of Tops Taylor Swift for IFPI's Best-Selling Album of 2019». Billboard. 19 de março de 2020. Consultado em 23 de julho de 2020 
  179. «2020 GRAMMY Awards: Complete Winners List». GRAMMY.com (em inglês). 20 de novembro de 2019. Consultado em 15 de julho de 2020 
  180. a b Grady, Constance (1 de setembro de 2019). «The Taylor Swift/Scooter Braun controversy, explained». Vox. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  181. «Taylor Swift wants to re-record her old hits». BBC News. 22 de agosto de 2019. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  182. Aniftos, Rania (14 de novembro de 2019). «Taylor Swift Says Scooter Braun & Scott Borchetta Won't Let Her Perform Her Old Songs at 2019 AMAs». Billboard. Consultado em 15 de novembro de 2019 
  183. Aswad, Jem (15 de novembro de 2019). «Big Machine Records Denies Taylor Swift's Claims of Blocking Music Use». Variety. Consultado em 15 de novembro de 2019 
  184. Monroe, Jazz (15 de novembro de 2019). «Taylor Swift's Ex-Label Denies She's Banned From Playing Old Songs on TV». Pitchfork. Consultado em 15 de novembro de 2019 
  185. Blistein, Jon (15 de novembro de 2019). «Big Machine, Taylor Swift Camp Spar Over American Music Awards, Netflix Controversy». Rolling Stone. Consultado em 15 de novembro de 2019 
  186. Cirisano, Tatiana (18 de novembro de 2019). «Taylor Swift Cleared by Big Machine to Perform Old Songs at AMAs». Billboard. Consultado em 23 de novembro de 2019 
  187. Kreps, Daniel (23 de abril de 2020). «Taylor Swift Decries Impending Release of Unauthorized 2008 Live Album». Rolling Stone. Consultado em 23 de julho de 2020 
  188. «Billboard's Top 125 Artists of All Time: The Beatles, Rolling Stones, Elton John, Mariah Carey, Madonna & More». 14 de novembro de 2019 
  189. «Taylor Swift Shows Off Her Impressive Vocals in New Song 'Beautiful Ghosts' from Cats Musical Film». PEOPLE.com (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2019 
  190. «Taylor Swift lança a canção natalina "Christmas Tree Farm"; ouça». popcultura.com.br. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  191. «Look What the Cats Trailer Dragged In». GQ. 18 de julho de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  192. Heran Mamo (15 de janeiro de 2020). «Taylor Swift 'Miss Americana' Netflix Doc Has a Release Date & We're So Ready for It». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Media Group. Consultado em 22 de janeiro de 2020 
  193. Leah Greenblatt (24 de janeiro de 2020). «Maybe not the most expected start to #Sundance2020 but the Taylor Swift doc #MissAmericana is smart and funny and intimate and feels like the kind of insight you actually want into a superstar». Twitter (em inglês). Consultado em 24 de janeiro de 2020 
  194. Chris Willman (22 de janeiro de 2020). «Taylor Swift: No Longer 'Polite at All Costs'». Variety (em inglês). Variety Media, LLC. Consultado em 22 de janeiro de 2020 
  195. «Taylor Swift lança o clipe 'The Man' com críticas aos privilégios masculinos». O Globo. 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 27 de fevereiro de 2020 
  196. Ginsberg, Gab (20 de abril de 2020). «Taylor Swift Cancels 2020 Shows». Billboard. Eldridge Industries. Consultado em 23 de julho de 2020 
  197. Bloom, Madison (17 de março de 2020). «Listen to Taylor Swift's 'City of Lover' Film Soundtrack». Pitchfork. Consultado em 23 de julho de 2020 
  198. «Taylor Swift to release surprise eighth album 'Folklore' tonight». NME Music News, Reviews, Videos, Galleries, Tickets and Blogs | NME.COM (em inglês). 23 de julho de 2020. Consultado em 23 de julho de 2020 
  199. News, A. B. C. «Taylor Swift announces new album, 'Folklore,' debuts tonight». ABC News (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2020 
  200. Lipshutz, Jason (24 de julho de 2020). «Taylor Swift's 'Folklore': There's Nothing Quiet About This Songwriting Tour De Forcen». Billboard. Consultado em 24 de julho de 2020 
  201. Haylock, Zoe (23 de julho de 2020). «Surprise! Taylor Swift Is Dropping a Quarantine Album Tonight». Vulture. Consultado em 23 de julho de 2020 
  202. Stephenson, Kristen (29 de julho de 2020). «Taylor Swift breaks 24 hour streaming record on Spotify for 8th album folklore». Guinness World Records. Consultado em 29 de julho de 2020 
  203. Cairns, Dan (5 de março de 2009). «Swift rise of the anti-diva». The Australian. Consultado em 31 de julho de 2020. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2014 
  204. Bream, Jon (7 de dezembro de 2007). «Music: OMG! Taylor's senior year». Star Tribune. Consultado em 31 de julho de 2020. Cópia arquivada em 12 de julho de 2015 
  205. a b Newman, Melinda (19 de dezembro de 2008). «Taylor Swift Sessions Interview». AOL. Consultado em 9 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 25 de março de 2011 
  206. «Swift starts world tour in Asia, pushes "Speak Now' in NY». Country Standard Time. 23 de outubro de 2007. Consultado em 31 de julho de 2020. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2012 
  207. «News : 20 Questions With Taylor Swift». CMT. 12 de novembro de 2007. Consultado em 18 de abril de 2012. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2014 
  208. McCafferty, Dennis (13 de abril de 2008). «Taylor's Swift rise». USA Weekend. Consultado em 17 de abril de 2012. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2012 
  209. «Interview with Taylor Swift». Time. 23 de abril de 2009. Consultado em 1 de julho de 2012. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2013 
  210. «Taylor Swift Style: Singer Won't Take Her Clothes Off, Wants People To Focus On Music». HuffPost. 23 de outubro de 2012. Consultado em 31 de julho de 2020. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2015 
  211. «InStyle meets country singing sensation Taylor Swift». InStyle UK. 26 de outubro de 2010. Consultado em 31 de julho de 2020. Arquivado do original em 27 de maio de 2013 
  212. Bonaguro, Alison (25 de julho de 2011). «News : Offstage: Taylor Swift Plays Dixie Chicks for a Dixie Chick». CMT. Consultado em 1 de julho de 2012. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2012 
  213. Roland, Tom (2 de dezembro de 2011). «Taylor Swift: Billboard's Woman of the Year». Billboard. Consultado em 1 de julho de 2012. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  214. «Taylor Swift Goes Record Shopping with EW». Entertainment Weekly. 15 de outubro de 2010. Consultado em 23 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 29 de março de 2015 
  215. «Taylor Swift's Favorite Music». The Oprah Winfrey Show. Consultado em 23 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2016 
  216. a b Mansfield, Brian (23 de outubro de 2010). «Taylor Swift learns to 'Speak Now,' reveal her maturity». USA Today. Consultado em 31 de julho de 2020. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2012 
  217. «Rolling in the Trophies? – Adele». People. 6 de fevereiro de 2012. Consultado em 31 de julho de 2020. Cópia arquivada em 1 de junho de 2012 
  218. «Taylor Swift Goes Record Shopping with EW». Entertainment Weekly. Consultado em 1 de julho de 2012. Cópia arquivada em 2 de maio de 2013 
  219. «Our Interview with Taylor Swift». Channelguidemagblog.com. 2 de novembro de 2008. Consultado em 31 de julho de 2020. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2016 
  220. Van Meter, Jonathan (17 de janeiro de 2012). «Taylor Swift: The Single Life». Vogue. Consultado em 3 de julho de 2012. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2014 
  221. Adams, Cameron (16 de maio de 2013). «Taylor Swift is happy to be your break-up musician». News.com.au. Consultado em 10 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  222. Vena, Jocelyn (26 de janeiro de 2009). «Taylor Swift Blogs About 'Life-Changing' Cameo On 'CSI,' Britney Spears Poster». MTV. Consultado em 11 de abril de 2015. Cópia arquivada em 4 de abril de 2015 
  223. «Taylor Swift Loves Hanson». Fox.com.au. 9 de maio de 2013. Consultado em 11 de abril de 2015. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  224. «Taylor Swift Tweets Her Love of Dashboard Confessional». Taste of Country. 1 de abril de 2011. Consultado em 23 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 1 de maio de 2013 
  225. Bonaguro, Alison (10 de agosto de 2011). «News : Offstage: Taylor Swift Covers Fall Out Boy». CMT. Consultado em 23 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2012 
  226. «See Taylor Swift's List of Music You Should Hear». Amazon.com. Consultado em 23 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2014 
  227. «Taylor Swift's 'musical crush' Justin Timberlake helps her end historic Staples Center run». LA Times. 27 de agosto de 2015. Consultado em 28 de março de 2020 
  228. «'Anything That Connects': A Conversation With Taylor Swift». NPR Music. 31 de outubro de 2014. Consultado em 26 de outubro de 2019 
  229. Eells, Josh (8 de setembro de 2014). «The Reinvention of Taylor Swift». Rolling Stone. Consultado em 8 de junho de 2016. Cópia arquivada em 4 de junho de 2016 
  230. Rogers, Ray (25 de maio de 2013). «Taylor Swift: Billboard Music Award Wins Were a 'Wonderful Feeling'». Billboard. Consultado em 2 de junho de 2019 
  231. Richards, Will (30 de outubro de 2019). «Pete Wentz and Lana Del Rey are Taylor Swift's favourite lyricists». NME. Consultado em 14 de maio de 2020 
  232. Erlewine, Stephen Thomas. «Taylor Swift Biography & History». AllMusic. Consultado em 14 de abril de 2020 
  233. a b Sheffield, Rob (21 de setembro de 2017). «All 129 of Taylor Swift's Songs, Ranked». Rolling Stone. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  234. «Taylor Swift Biography». Rolling Stone. Consultado em 30 de julho de 2012. Arquivado do original em 9 de janeiro de 2012 
  235. Carson, Sarah (24 de outubro de 2016). «The Story of Taylor Swift: 10 years at the top in her own lyrics». The Daily Telegraph. Consultado em 14 de setembro de 2019 
  236. Carras, Christi (24 de julho de 2020). «Reviews of Taylor Swift's 'Folklore' album are in. Here's what critics are saying». Los Angeles Times. Consultado em 27 de julho de 2020 
  237. Mylrea, Hannah (24 de julho de 2020). «Taylor Swift – 'Folklore' review: pop superstar undergoes an extraordinary indie-folk makeover». NME. Consultado em 27 de julho de 2020. On album eight, Swift dives headprimeiro into the world of folk, alternative rock and indie. 
  238. Bruner, Raisa (24 de julho de 2019). «Let's Analyze the Lyrics to Every Song on Taylor Swift's Lover». Time. Consultado em 27 de julho de 2020 
  239. Trendell, Andrew (9 de dezembro de 2016). «Zayn Malik & Taylor Swift unveil new duet 'I Don't Wanna Live Forever'». NME. Consultado em 24 de julho de 2020. The track from the '1989' sensation and the former One Direction turned solo star is fittingly sultry and seductive, slick R&B banger... 
  240. da Silva, Michelle (13 de novembro de 2017). «Taylor Swift has changed for the worse on Reputation». Now. Consultado em 24 de julho de 2020. But whereas those songs had a more upbeat and commercial feel, the 15 tracks on Reputation feel like a final and complete rejection of her pop-country roots, incorporating dubstep, R&B and harder-edged styles of EDM into the mix. 
  241. Schonfeld, Zach (14 de novembro de 2017). «Taylor Swift's 'Reputation': A Track-by-Track Review, from '...Ready for It?' to 'New Year's Day'». Newsweek. Consultado em 24 de julho de 2020. It represents the pop star's inevitable embrace of hip-hop, trap and electronica production styles. 
  242. Murphy, Sam (10 de março de 2020). «With Lady Gaga's 'Stupid Love', Theatrical Pop Is Once Again Taking Over The Charts». Junkee. Consultado em 24 de julho de 2020. Swift ditched the dark trap sound of reputation... 
  243. Cooper, Peter (26 de outubro de 2014). «Taylor Swift reaches a turning point with '1989'». The Tennessean. Consultado em 11 de abril de 2015. Arquivado do original em 24 de setembro de 2016 
  244. «Women Who Rock: The 50 Greatest Albums of All Time: Taylor Swift, 'Speak Now'». Rolling Stone. 22 de junho de 2012. Consultado em 24 de julho de 2012. Cópia arquivada em 12 de julho de 2012 
  245. «Pop and Rock Listings July 22 – 28». The New York Times. 24 de julho de 2011. Consultado em 24 de julho de 2012. Cópia arquivada em 24 de julho de 2012 
  246. a b c Petridis, Alexis (6 de março de 2009). «Taylor Swift: Fearless». The Guardian. Consultado em 24 de julho de 2012. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2013 
  247. a b Schillaci, Sophie A. (25 de agosto de 2011). «Taylor Swift at Staples Center: Concert Review». The Hollywood Reporter. Consultado em 2 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  248. Powers, Ann (25 de outubro de 2010). «Album review: Taylor Swift's 'Speak Now'». Los Angeles Times (Blog). Consultado em 25 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2010 
  249. Sheffield, Rob (25 de outubro de 2010). «Speak Now». Rolling Stone. Consultado em 15 de junho de 2012. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2011 
  250. Weber, Theon (3 de novembro de 2010). «The Iceberg Songs of Taylor Swift». The Village Voice. Consultado em 3 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2015 
  251. Powers, Ann (25 de outubro de 2014). «The Many New Voices Of Taylor Swift». NPR Music. Consultado em 26 de outubro de 2019 
  252. Reed, James (25 de outubro de 2010). «Swift's ascent continues with arrival of new album». Boston Globe. Consultado em 23 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2016 
  253. «Taylor Swift gets mixed reviews at Grammys». The Tennessean (Blog). 1 de fevereiro de 2010. Consultado em 24 de junho de 2012. Cópia arquivada em 13 de julho de 2015 
  254. Roland, Tom (15 de outubro de 2010). «Taylor Swift: The Billboard Cover Story». Billboard. Consultado em 3 de julho de 2012. Arquivado do original em 18 de outubro de 2010 
  255. Caramanica, Jon (20 de outubro de 2010). «Taylor Swift Is Angry, Darn It». The New York Times. Consultado em 24 de junho de 2012. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2012 
  256. «Taylor Swift on Performing, Her Friends, and Favorite Songs». Teen Vogue. 27 de junho de 2011. Consultado em 5 de março de 2019. Cópia arquivada em 13 de julho de 2018 
  257. Farley, Christopher John (22 de outubro de 2010). «Taylor Swift's Solo Act». The Wall Street Journal. Consultado em 24 de maio de 2012. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2015 
  258. Caramanica, Jon (20 de outubro de 2010). «Taylor Swift Is Angry, Darn It». The New York Times. Consultado em 2 de julho de 2012. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2012 
  259. «John Mayer: Taylor Swift's 'Dear John' Song 'Humiliated Me'». Rolling Stone. 6 de junho de 2012. Consultado em 24 de junho de 2012. Cópia arquivada em 23 de junho de 2012 
  260. Weber, Theon (3 de novembro de 2010). «The Iceberg Songs of Taylor Swift». The Village Voice. Consultado em 30 de julho de 2012. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2015 
  261. «Stop Asking Taylor Swift to Apologize for Writing Songs About Ex-Boyfriends – The Cut». New York. 16 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2012 
  262. «Her Song: Talking Taylor Swift – Post Rock». The Washington Post. Consultado em 30 de julho de 2012. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  263. Frank, Allegra (24 de julho de 2020). «The 6 songs that explain Taylor Swift's new album, Folklore». Vox. Of course, Swift has established by this point that Folklore is a collection of fictional stories that she is retelling to her listeners, not any of her own. 
  264. Dominus, Susan (16 de novembro de 2012). «The Many Insecurities of Taylor Swift». The New York Times. Cópia arquivada em 17 de junho de 2016 
  265. «Cover Preview: Taylor Swift Fights Back About Her Love Life, the Hyannis Port House—and Has Words for Tina Fey and Amy Poehler». Vanity Fair. 5 de março de 2013. Consultado em 31 de julho de 2020. Cópia arquivada em 8 de agosto de 2016 
  266. Willman, Chris (10 de outubro de 2010). «Princess Crossover». New York. Consultado em 1 de julho de 2012. Cópia arquivada em 27 de julho de 2013 
  267. Kelly, James (26 de agosto de 2009). «Taylor Swift writing her own songs and rules». The Atlanta Journal-Constitution. Consultado em 8 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 30 de julho de 2012 
  268. Yuan, Jada (30 de dezembro de 2009). «Microwaving a tragedy: The marriage of romance and romanticism in '00s pop». Las Vegas Weekly. Consultado em 17 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2013 
  269. Rotman, Natalie (9 de janeiro de 2009). «Colbie Caillat has 'Breakthrough' with sophomore CD». Reading Eagle. Consultado em 17 de agosto de 2012. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2013 
  270. a b Weber, Theon (3 de novembro de 2010). «The Iceberg Songs of Taylor Swift». The Village Voice. Consultado em 12 de julho de 2012. Cópia arquivada em 7 de julho de 2012 
  271. Rosen, Jody (13 de novembro de 2008). «Fearless». Rolling Stone. Consultado em 1 de julho de 2012. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2012 
  272. Keefe, Jonathan (22 de outubro de 2012). «Taylor Swift: Red». Slant Magazine. Consultado em 25 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2014 
  273. Coscarelli, Joe (26 de abril de 2019). «Taylor Swift Releases 'Me!,' a New Song Featuring Brendon Urie». The New York Times. Consultado em 20 de junho de 2019. Cópia arquivada em 15 de maio de 2019 
  274. Twersky, Carolyn (27 de fevereiro de 2020). «Every Easter Egg in Taylor Swift's New Music Video "The Man": As always, there are a ton.». Seventeen. Consultado em 13 de maio de 2020 
  275. Anitai, Tamar (27 de agosto de 2010). «Video Premiere: Taylor Swift, 'Mine'». MTV News. Cópia arquivada em 29 de abril de 2019 
  276. cmt.com staff (4 de maio de 2011). «Taylor Swift's "Mean" Video Debuts Friday». CMT. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  277. Bonaguro, Alison (6 de maio de 2011). «OFFSTAGE: Taylor Swift Isn't "Mean" at All, Director Says». CMT. Consultado em 20 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  278. Swift, Taylor (29 de novembro de 2011). «E! Online Will Debut "Ours" Music Video Fridaz December 2nd!». taylorswift.com. Consultado em 20 de junho de 2019. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2011 
  279. Iasimone, Ashley (4 de dezembro de 2011). «Taylor Swift Gives Behind-the-Scenes Look at 'Ours' Video – Webisode One». Taste of Country. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  280. Tailor, Leena (1 de setembro de 2017). «Exclusive: Taylor Swift's Director Joseph Kahn on How Her Image Invokes a Double Standard: 'She's a Genius'». etonline.com. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  281. Friedlander, Whitney (10 de setembro de 2015). «Taylor Swift, Jimmy Fallon Among Juried Emmy Award Winners». Variety. Consultado em 29 de julho de 2020. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2015 
  282. Forbes, Jihan (14 de maio de 2015). «Peep Taylor Swift's Star-Studded Cast for Her 'Bad Blood' Music Video». The Fashion Spot. Consultado em 13 de maio de 2020 
  283. Kruh, Nancy (9 de junho de 2018). «Sugarland's Steamy 'Babe' Video Treatment Was Taylor Swift's Idea: 'She Reached Out to Us'». People. Cópia arquivada em 2 de maio de 2019 
  284. Spanos, Brittany (25 de abril de 2019). «Watch Taylor Swift, Brendon Urie's Colorful 'ME!' Video». Rolling Stone. Consultado em 25 de abril de 2019. Cópia arquivada em 26 de abril de 2019 
  285. Moore, Sam (23 de agosto de 2019). «Watch Taylor Swift's colourful new video for 'Lover'». NME. Consultado em 27 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2019 
  286. Zemler, Emily (17 de junho de 2019). «Watch Taylor Swift Reunite With Katy Perry in 'You Need to Calm Down' Video». Rolling Stone. Consultado em 17 de junho de 2019. Cópia arquivada em 17 de junho de 2019 
  287. «Taylor Swift Directed 'The Man' - But She Didn't Break Any Glass Ceilings». CCN.com (em inglês). 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 27 de fevereiro de 2020 
  288. «Taylor Swift Drops Magical 'Cardigan' Video Off New Album 'Folklore': Watch». Billboard (em inglês). 24 de julho de 2020. Consultado em 24 de julho de 2020 
  289. Meddings, Jacqui (31 de outubro de 2014). «Taylor Swift is our new cover goddess». Cosmopolitan. Consultado em 2 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 14 de julho de 2016 
  290. Davis, Allison P. (28 de junho de 2013). «The Taylor Swift Slut-Shaming Continues – The Cut». New York. Consultado em 17 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2013 
  291. Chang, Bee-Shyuan (15 de março de 2013). «Taylor Swift Gets Some Mud on Her Boots». The New York Times. Consultado em 10 de junho de 2013. Cópia arquivada em 22 de março de 2013 
  292. «On the Road with Best Friends Taylor Swift and Karlie Kloss». Vogue. 13 de fevereiro de 2015. Consultado em 10 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2015 
  293. Dauphin, Chuck (24 de março de 2015). «Ray Stevens Returns With 'Taylor Swift Is Stalkin' Me'». Billboard. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  294. Willman, Chris (23 de janeiro de 2020). «Taylor Swift Opens Up About Overcoming Struggle With Eating Disorder». Variety. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  295. Moss, Hilary (2 de abril de 2012). «Michelle Obama Honors Taylor Swift, Taylor Swift So Honored». New York. Consultado em 6 de março de 2013. Cópia arquivada em 28 de março de 2013 
  296. Pacella, Megan (15 de abril de 2012). «Taylor Swift Reflects on Meeting First Lady Michelle Obama». Taste of Country. Consultado em 15 de abril de 2012. Cópia arquivada em 14 de abril de 2012 
  297. Sisario, Ben (5 de novembro de 2014). «Sales of Taylor Swift's '1989' Intensify Streaming Debate». The New York Times (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2020 
  298. Berg, Madeline (18 de novembro de 2015). «Taylor Swift Vs. Katy Perry: Which Star Rules Social Media?». Forbes. Consultado em 23 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2016 
  299. «Taylor Swift (@taylorswift)». Instagram. Consultado em 5 de julho de 2020 
  300. «Taylor Swift (@taylorswift13)». Twitter. Consultado em 5 de julho de 2020 
  301. «Taylor Swift». YouTube. Consultado em 5 de julho de 2020 
  302. Strecker, Erin (27 de janeiro de 2015). «Read Taylor Swift's Sweet Message to Bullied Fan». Billboard. Consultado em 31 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2015 
  303. France, Lisa Respers (3 de janeiro de 2015). «Taylor Swift's year-end gift video brings all the feels». CNN. Consultado em 6 de julho de 2020 
  304. Jeannine, Stein (18 de novembro de 2011). «Taylor Swift weighs in on being a role model». Los Angeles Times. Consultado em 18 de abril de 2012. Cópia arquivada em 15 de julho de 2012 
  305. McKnight, Jenni (20 de maio de 2013). «Billboard Music Awards: Taylor Swift thanks her fans for being her 'longest and best relationship'». Metro. Consultado em 4 de abril de 2015. Cópia arquivada em 10 de abril de 2015 
  306. Vincent, Alice (3 de novembro de 2017). «Taylor Swift: the rise, fall and re-invention of America's sweetheart». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 5 de julho de 2020 
  307. Buoniconti, Joanna. «From "America's sweetheart" to "Miss Americana," Taylor Swift is at her most vulnerable in latest Netflix documentary». Amherst Wire. Consultado em 5 de julho de 2020 
  308. «19-Year-Old Superstar Taylor Swift Remains Humble». Voice of America. 2 de novembro de 2009. Consultado em 5 de julho de 2020 
  309. Parr, Shawn (23 de setembro de 2011). «Staying True To Yourself: The Humble Brand That Is Taylor Swift». Fast Company. Consultado em 5 de julho de 2020 
  310. «The old Taylor Swift is dead ... but is she really?». Young Post. Consultado em 5 de julho de 2020 
  311. Sclafani, Tony (25 de outubro de 2010). «Why Taylor Swift's good girl image sells». Today. Consultado em 5 de julho de 2020 
  312. Jo Sales, Nancy; Diehl, Jessica (23 de abril de 2013). «Taylor Swift's Telltale Heart». Vanity Fair. Consultado em 4 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2017 
  313. Nisha Lilia Diu (3 de abril de 2011). «Taylor Swift: 'I won't do sexy shoots'». The Daily Telegraph. London. Consultado em 4 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2012 
  314. Kessler, Zara (5 de novembro de 2014). «Taylor Swift's Sexual Temptation». Bloomberg L.P. Consultado em 24 de julho de 2016. Cópia arquivada em 28 de julho de 2016 
  315. «15 Times Taylor Swift Proved She Is A Style Icon». Minq.com. 31 de outubro de 2014. Consultado em 5 de julho de 2020 
  316. «The Ultimate Taylor Swift–Style Guide to Fall Fashion». More (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2020 
  317. Holt, Emily (1 de julho de 2011). «American Idols: Icons of Stateside Style – Vogue Daily». Vogue. Consultado em 15 de junho de 2012. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2014 
  318. «People's Best Dressed, Taylor Swift Best Dressed 2014». People. 17 de setembro de 2014. Consultado em 1 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2016 
  319. Powell, Hannah Lyons (24 de fevereiro de 2015). «Taylor Swift wins Woman of the Year award – ELLE Style Awards 2015». Elle. Consultado em 1 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2016 
  320. Roy, Jessica (18 de maio de 2015). «Taylor Swift Tops the 2015 Maxim Hot 100». Maxim. Consultado em 1 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2015 
  321. Brodsky, Rachel (13 de junho de 2019). «Taylor Swift Confirms Seventh Studio Album, 'Lover'». The Recording Academy. Consultado em 30 de julho de 2020 
  322. «Taylor Swift, titan of pop music, announces new album». The Jakarta Post. 24 de agosto de 2017. Consultado em 30 de julho de 2020 
  323. «Taylor Swift: the country queen is dead, long live the pop princess». The Herald. 19 de junho de 2015. Consultado em 30 de julho de 2020 
  324. Roland, Tom (7 de julho de 2016). «Love Story: The Impact of Taylor Swift's First Decade in Music». Billboard. Consultado em 30 de julho de 2020 
  325. a b Smith, Neil (22 de junho de 2015). «Five ways Taylor Swift is changing the world». BBC. Consultado em 30 de julho de 2020 
  326. Catucci, Nick (23 de agosto de 2019). «Taylor Swift Reaches For New Heights of Personal and Musical Liberation on 'Lover'». Rolling Stone. Consultado em 30 de julho de 2020 
  327. Tannembaum, Rob (12 de setembro de 2014). «4 Ways Billboard Woman of the Year Taylor Swift Changed Country Music». Billboard. Consultado em 30 de julho de 2020 
  328. O'Connor, Roisin (18 de outubro de 2018). «Half of all new guitar players are women, a study has found». The Independent. Consultado em 30 de julho de 2020 
  329. Ritchie, Mike (8 de março de 2020). «Why Taylor Swift is making the ukulele cool again». The Herald (em inglês). Consultado em 9 de março de 2020 
  330. Ingham, Tim (4 de maio de 2020). «Global recorded music industry revenues topped $20bn last year – but streaming growth slowed». Music Business Worldwide (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2020 
  331. Savage, Mark (4 de maio de 2020). «Billie Eilish and Taylor Swift boost music sales». BBC News (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2020 
  332. Rolli, Bryan. «Justin Bieber's Changes Tour Was Doomed From The Start». Forbes (em inglês). Consultado em 27 de julho de 2020 
  333. Sutherland, Mark (13 de dezembro de 2019). «'I come with opinions about how we can better our industry': Taylor Swift - The Music Week interview». Music Week. Consultado em 27 de abril de 2020 
  334. Singh-Kurtz, Sangeeta; Kopf, Dan (23 de agosto de 2019). «Taylor Swift is the only artist who still sells CDs». Quartz (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  335. Knopper, Steve (8 de novembro de 2014). «Taylor Swift's Label Head Explains Spotify Removal». Rolling Stone. Consultado em 11 de abril de 2015. Cópia arquivada em 21 de abril de 2015 
  336. Peters, Mitchell (22 de junho de 2015). «Taylor Swift Pens Open Letter Explaining Why '1989' Won't Be on Apple Music». Billboard. Consultado em 22 de junho de 2015. Cópia arquivada em 22 de junho de 2015 
  337. Halperin, Shirley (22 de junho de 2015). «Apple Changes Course After Taylor Swift Open Letter: Will Pay Labels During Free Trial». Billboard. Consultado em 22 de junho de 2015. Cópia arquivada em 22 de junho de 2015 
  338. Rosen, Christopher (25 de junho de 2015). «Taylor Swift is putting 1989 on Apple Music». Entertainment Weekly. Consultado em 25 de junho de 2015. Cópia arquivada em 26 de junho de 2015 
  339. McIntyre, Hugh (22 de junho de 2015). «Taylor Swift's Letter To Apple: Stern, Polite, And Necessary». Forbes. Consultado em 31 de dezembro de 2019 
  340. «Taylor Swift returns to Spotify on the day Katy Perry's album comes out». BBC News. 9 de junho de 2017. Consultado em 9 de junho de 2017. Cópia arquivada em 9 de junho de 2017 
  341. Wang, Amy X. (19 de novembro de 2018). «Taylor Swift's New Record Deal Affects Thousands of Other Musicians». Rolling Stone. Consultado em 14 de maio de 2020 
  342. Livni, Ephrat (14 de dezembro de 2019). «Taylor Swift calls out "the unregulated world of private equity"». Quartz. Consultado em 14 de maio de 2020 
  343. Kilpatrick, Mary (17 de junho de 2018). «Why Taylor Swift is a feminist icon». The Plain Dealer. Consultado em 14 de maio de 2020 
    Ebbitt, Kathleen (21 de maio de 2015). «Taylor Swift is my feminist hero». Global Citizen. Consultado em 14 de maio de 2020 
    Savage, Mark (13 de dezembro de 2019). «Taylor Swift blasts 'toxic male privilege' during Woman of the Decade speech». BBC. Consultado em 14 de maio de 2020 
    Greenwald, David (16 de fevereiro de 2016). «Taylor Swift tops Grammys with historic, feminist album of the year win». The Oregonian. Consultado em 14 de maio de 2020 
    Croissant, Morgane (16 de fevereiro de 2016). «Every feminist can get behind Taylor Swift's Grammy speech. Here's why.». Matador Network. Consultado em 14 de maio de 2020. Arquivado do original em 14 de outubro de 2016 
  344. Lynch, Joe (1 de setembro de 2018). «Taylor Swift Reacts to Minnesota's 'Taylor Swift Day' at Joyous Minneapolis Tour Stop». Billboard. Consultado em 23 de julho de 2020 
  345. Schiller, Rebecca (13 de dezembro de 2019). «Taylor Swift Accepts Woman of the Decade Award at Billboard's Women In Music: Read Her Full Speech». Billboard. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  346. «Taylor Swift to receive artist of the decade award at AMAs». The Washington Post. 24 de novembro de 2019. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  347. Rosa, Christopher (24 de dezembro de 2019). «Taylor Swift Is the Artist of the Decade—Whether You Like It or Not». Glamour. Consultado em 28 de março de 2020 
  348. Larocca, Courteney (31 de dezembro de 2019). «Why Taylor Swift is the greatest artist of the decade». Insider. Consultado em 28 de março de 2020 
  349. Parham, Jason (31 de dezembro de 2019). «The 10 Best Artists of a Decade That Atomized Music». Wired. Consultado em 28 de março de 2020 
  350. Zoladz, Lindsay. «Taylor Swift Bent the Music Industry to Her Will». Vulture. Consultado em 31 de dezembro de 2019 
  351. Asmelash, Lea; Andrew, Scottie (31 de dezembro de 2019). «The 10 artists who transformed music this decade». CNN. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  352. Nurick, Jen (22 de abril de 2020). «Why Taylor Swift has become one of the world's biggest sustainable fashion influencers». Vogue (em inglês). Consultado em 22 de abril de 2020 
  353. Collins, Katie (19 de dezembro de 2019). «Taylor Swift is still the most influential person on Twitter in 2019». CNET (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2020 
  354. Blank, Avery. «Why Taylor Swift Is So Influential (And How You Can Increase Your Influence)». Forbes (em inglês). Consultado em 27 de julho de 2020 
  355. «How Taylor Swift Used Social Media to Rule the World» (em inglês). Consultado em 27 de julho de 2020 
  356. «Taylor Swift album cover boosts vintage Polaroid sales». The New Zealand Herald. 9 de agosto de 2015. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  357. Snapes, Laura (9 de outubro de 2018). «Spike in voter registrations after Taylor Swift pro-Democrat Instagram post». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 7 de julho de 2020 
  358. Rosen, Jody (11 de março de 2020). «Jack Antonoff Is Only Making Music With Friends». The New York Times. Consultado em 14 de março de 2020 
  359. Thompson, Gayle (10 de fevereiro de 2020). «Kelsea Ballerini Credits Taylor Swift With Inspiring Her to Move to Nashville». CBS Interactive. Consultado em 27 de abril de 2020 
  360. Wass, Mike (25 de novembro de 2015). «Popping Up: Ruth B». Idolator. Consultado em 25 de junho de 2020 
  361. Gawley, Paige (10 de outubro de 2018). «Camila Cabello Gushes Over Taylor Swift Deserving Everything She's Achieved (Exclusive)». Entertainment Tonight. Consultado em 25 de junho de 2020 
  362. «The Chainsmokers On Rising Hit "Roses"». Idolator. 23 de novembro de 2015. Consultado em 11 de dezembro de 2015 
  363. «Selena Gomez Inspired By Taylor Swift On Her New "Grown-Up" Album 'Stars Dance'». Capital FM. 25 de junho de 2013. Consultado em 25 de junho de 2020 
  364. «Taylor Swift is an inspiration to me: Ellie Goulding». The Indian Express. 16 de dezembro de 2013. Consultado em 29 de março de 2016. Cópia arquivada em 17 de abril de 2016 
  365. Rowley, Glenn (7 de abril de 2020). «Conan Gray Talks Taylor Swift In Apple Music Interview». Billboard. Consultado em 7 de abril de 2020 
  366. «Halsey, Todrick Hall & More Send Messages of Support To Taylor Swift». Billboard. 30 de junho de 2019. Consultado em 5 de abril de 2020 
  367. Aniftos, Rania (8 de abril de 2020). «Niall Horan Names Taylor Swift 'One of the Greatest Songwriters of Her Generation'». Billboard. Consultado em 10 de abril de 2020 
  368. «Maren Morris Interview on 'Girl' Album and Tour». Billboard. 8 de março de 2019. Consultado em 27 de abril de 2020 
  369. Schiller, Rebecca (3 de setembro de 2018). «Get to Know 'Somebody Special' Singer-Songwriter Nina Nesbitt: Watch». Billboard. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  370. Cerio, Michael (11 de fevereiro de 2020). «Exclusive: Finneas on His Secret Sibling Language With Billie Eilish and Those Taylor Swift Rumors». Radio.com. Consultado em 25 de junho de 2020 
  371. Nesvig, Kara (23 de abril de 2020). «Taylor Swift Praised "HSM" Series Star Olivia Rodrigo's "Cruel Summer" Cover». Teen Vogue. Consultado em 25 de junho de 2020 
  372. Appleford, Steve (23 de agosto de 2013). «Behind Tegan and Sara's Big Night With Taylor Swift». Rolling Stone. Consultado em 25 de junho de 2016 
  373. 73 Questions With Troye Sivan. Vogue (em inglês). 20 de junho de 2019. Consultado em 16 de janeiro de 2020 – via YouTube 
  374. Akingbade, Tobi (2 de março de 2019). «The Vamps reveal they really want to work with Taylor Swift again: 'She revolutionised music'». Metro. Consultado em 25 de junho de 2020 
  375. «Taylor Swift». The Recording Academy. Consultado em 3 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2016 
  376. «American Music Awards 2019: Taylor Swift takes artist of the decade in record-breaking haul». The Guardian. 25 de novembro de 2019. Consultado em 25 de julho de 2020 
  377. Grein, Paul (23 de abril de 2019). «Taylor Swift Leads the Top Billboard Music Award Winners of All Time». Billboard. Consultado em 25 de julho de 2020 
  378. «Biggest-selling album worldwide for a solo artist (current)». Guinness World Records (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2020 
  379. «Taylor Swift Nashville Tickets». Excitar. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2015 
  380. Lewis, Randy (4 de março de 2013). «Taylor Swift to receive rare Pinnacle Award at CMA Awards Nov. 6». Los Angeles Times. Consultado em 13 de maio de 2020 
  381. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Jonze
  382. Friedlander, Whitney (10 de setembro de 2015). «Taylor Swift, Jimmy Fallon Among Juried Emmy Award Winners». Variety. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2015 
  383. «Taylor Swift Youngest Winner of Songwriter/Artist Award». Great American Country. 16 de outubro de 2007. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 17 de março de 2015 
  384. Shelburne, Craig (18 de outubro de 2010). «Taylor Swift Named NSAI's Songwriter-Artist of the Year». CMT. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 14 de março de 2014 
  385. «Songwriters Hall of Fame». Songwriters Hall of Fame. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2014 
  386. «Bob Dylan – 100 Greatest Songwriters of All Time». Rolling Stone. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2017 
  387. «Part 3 of the awesome GRAMMYPro 'Listening session' with Taylor Swift» (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2020 
  388. «Taylor Swift Describes Working With Max Martin, Losing Album Of The Year To Daft Punk In Grammy Pro Talk». Stereogum. 8 de outubro de 2015. Consultado em 25 de julho de 2020 
  389. «Greatest of All Time Artists». Billboard. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  390. «10 Life mantras by Taylor Swift to live by». India Today (em inglês). 13 de Dezembro de 2016. Consultado em 7 de Fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 9 de Fevereiro de 2019 
  391. «Top Artists (Digital Singles)» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 7 de Agosto de 2018 
  392. CAULFIELD, Keith (26 de Novembro de 2017). «Ask Billboard: Taylor Swift's Career Album & Song Sales». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group. Consultado em 6 de Dezembro de 2017. Cópia arquivada em 26 de Novembro de 2017 
  393. Universal Music Group (6 de fevereiro de 2020). «Taylor Swift Signs Exclusive Global Publishing Agreement With Universal Music Publishing Group». PR Newswire. Consultado em 21 de abril de 2020 
  394. Caulfield, Keith (20 de novembro de 2017). «Taylor Swift's 'Reputation' Debuts at No. 1 on Billboard 200 Albums Chart». Billboard. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  395. a b «Certificações (Estados Unidos) – Taylor Swift» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 26 de março de 2020 
  396. McIntyre, Hugh. «Taylor Swift Sold More Singles In The Past Decade Than Any Other Musician». Forbes (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2020 
  397. McIntyre, Hugh (13 de janeiro de 2020). «Taylor Swift's 'Lover' Was The Only Album To Sell One Million Copies In The U.S. In 2019». Forbes. Consultado em 24 de julho de 2020 
  398. Rolli, Bryan. «Justin Bieber's Changes Tour Was Doomed From The Start». Forbes (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2020 
  399. Nicks, Stevie (29 de abril de 2010). «The 2010 Time 100: Taylor Swift». Time. Consultado em 22 de abril de 2012. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2019 
    Vena, Jocelyn (15 de abril de 2015). «Taylor Swift, Kanye West, Kim Kardashian Make Time's 100 Most Influential People List». Billboard. Consultado em 19 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro 2016 
    Jensen, Erin (17 de abril de 2019). «Dwayne Johnson, Taylor Swift, Gayle King, more cover Time's 100 most influential people issue». USA Today. Consultado em 19 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 17 de abril de 2019 
  400. The Celebrity 100, 2016
  401. Stampler, Laura (8 de dezembro de 2014). «This is the Shortlist for Time's Person of the Year 2014». Time. Consultado em 15 de julho de 2017 
  402. Dockterman, Eliana (6 de dezembro de 2017). «'I Was Angry.' Taylor Swift on What Powered Her Sexual Assault Testimony». Time. Consultado em 7 de dezembro de 2017 
  403. Brown, Dalvin (8 de março de 2020). «International Women's Day: Google celebrates with a Doodle and animated video». USA Today (em inglês). Consultado em 9 de março de 2020 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Taylor Swift:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikidata Base de dados no Wikidata