Tebaida (Estácio)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Tebaida é um poema épico latino de tema mitológico escrito por Públio Papínio Estácio.

Estrutura da obra[editar | editar código-fonte]

O poema é dividido em 12 cantos, como a Eneida, seu grande modelo. Narra a disputa entre dois filhos de Édipo (então cego, depois de descobrir que matara o próprio pai e desposara a própria mãe) pelo poder em Tebas.

Se Lucano, por seu lado, polemizava contra a Eneida, por outro lado Estácio, assim como os outros poetas épicos do período dos Flávios, foi êmulo entusiasmado do épico virgiliano.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Aparecem na obra os seguintes personagens:

  • Polinices (filho de Édipo e irmão de Etéocles: está desterrado, uma vez que seu irmão Etáocles não quer restituir-lhe o poder em Tebas conforme o pacto de alternância anual de poder);
  • Etéocles (soberano em Tebas.Filho de Édipo e irmão de Polinices);
  • Tideu (também desterrado, apoia Polinices em sua causa)
  • Adrasto (rei de Argos);
  • Édipo
  • Antígona (filha de Édipo, irmã de Polinices e Etéocles);
  • Hipsípile (amante abandonada por Jasão);
  • Licurgo (rei de Nêmeas);
  • Ofeles (filho de Licurco);
  • Capaneu (combatente)
  • Creonte (assume o poder em Tebas depois que os dois irmãos matam-se em batalha. Proíbe que as mulheres argivas sepultem os corpos dos argivos mortos);
  • Teseu (vem em socorro dos argivos: derrota e mata Creonte, permitindo aos argivos receberem sepultura adequada).[1]

Referências

  1. CITRONI, M., CONSOLINO, F. E., LABATE, M., NARDUCCI, E., "A Épica Flávia", in Literatura de Roma Antiga, trad. port. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2006