Tebas (arquiteto)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tebas
Nome nativo Joaquim Pinto de Oliveira
Nascimento 1721
Santos, SP, Brasil
Morte 11 de janeiro de 1811
São Paulo, SP, Brasil
Cidadania Brasil Colônia
Etnia Negro
Ocupação Artesão e arquiteto

Joaquim Pinto de Oliveira (Santos, 1721São Paulo, 11 de janeiro de 1811)[1] também conhecido como Tebas, foi um artesão e arquiteto brasileiro.

Após a sua alforria, tornou-se arquiteto em São Paulo durante o Brasil Colonial, onde contribuiu para a mudança arquitetônica do centro da capital.[1][2]

Biografia

Joaquim ou Tebas, como acabou conhecido, nasceu escravizado na vila de Santos, em data incerta em 1721.[3] Era filho de Clara Pinta de Araújo. Em algum momento ele foi levado para a capital, São Paulo, por um mestre-pedreiro português, Bento de Oliveira Lima, que detinha sua propriedade juntamente com sua esposa, Antonia Maria Pinta, de quem, provavelmente, assumiu o sobrenome.[4]

Como mestre de cantaria, parte de seu trabalho era o de talhar blocos de rocha bruta para a construção de edifícios.[5] Isso o tornou fundamental na modernização de uma São Paulo construída basicamente com taipa, técnica ancestral de utilizar barro para moldar edificações, mas com limitações de estilo e arquitetura. Tebas trabalhou principalmente para as diversas ordens religiosas da capital paulista, como os beneditinos, franciscanos, carmelitas e católicos na ornamentação de igrejas, como o Mosteiro de São Bento e a antiga Catedral da Sé (1778).[4][6]

Alforria

Sé, São Paulo, 1862. Foto de Militão de Azevedo

Tebas teria conseguido sua alforria aos 58 anos de idade, ainda que a documentação a respeito apresente contradições. Alguns dizem que a alforria foi entre 1777 e 1778, depois de uma ação judicial contra a viúva de Bento de Oliveira Lima. Outros acreditam que Tebas já trabalhava com certa autonomia na época, assinando contratos e recebendo diretamente por seus trabalhos, o que o teria levado a comprar sua liberdade em troca. Outra fonte diz que a alforria estava juramentada no testamento de Bento de Oliveira Lima.[6]

Obras

Um de seus trabalhos mais importantes, o Chafariz da Misericórdia, erguido no que é hoje a rua Direita, no centro da capital, foi demolido em 1866. Trata-se do primeiro chafariz público da cidade, construído quando Tebas já era alforriado e contava com sistema hídrico que canalizava as águas do ribeirão Anhangabaú. Era ali que escravizados se reuniam para buscar água e abastecer as casas de seus senhores.[6][7]

Embora tenha tido seu talento reconhecido em vida, sua história caiu no esquecimento, sendo resgatada pelas faculdades de arquitetura. Obras como as fachadas da Igreja da Ordem 3ª do Carmo e da Igreja das Chagas do Seráfico Pai São Francisco, ambas no centro da capital, resistem ao tempo e continuam de pé.[6][7]

Morte

Joaquim exerceu seu ofício até os 90 anos. Morreu na capital paulista, em 11 de janeiro de 1811, devido a uma gangrena possivelmente causada por acidente de trabalho.[6] Ele foi sepultado na Igreja de São Gonçalo, localizada na Praça João Mendes, centro de São Paulo.[4]

Reconhecimento

O apagamento de suas obras levou a um reconhecimento tardio, mais de 200 anos depois, em 2018, pelo Sindicato dos Arquitetos no Estado de São Paulo (Sasp), depois que documentos oficiais localizados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) revelaram as relações de trabalho entre o arquiteto e as ordens religiosas.

Ver também

Referências

  1. a b «Arquiteto escravizado do século 18 tem história recuperada na Jornada do Patrimônio, em SP». Folha de S.Paulo. 16 de agosto de 2019. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  2. Secretaria Municipal de Cultura (ed.). «Lançamento - Tebas: um negro arquiteto na São Paulo escravocrata». Prefeitura da Cidade de São Paulo. Consultado em 30 de junho de 2020 
  3. Redação (ed.). «Escravizado que restaurou Catedral da Sé é reconhecido arquiteto 200 anos depois». Hypeness. Consultado em 30 de junho de 2020 
  4. a b c Regiane Oliveira (ed.). «Tebas, o negro escravizado que marcou a arquitetura de São Paulo». El País. Consultado em 30 de junho de 2020 
  5. Raquel Freire (ed.). «Tebas, arquiteto escravizado, ganha homenagem do Google com Doodle». Techtudo. Consultado em 30 de junho de 2020 
  6. a b c d e f g Ferreira, Abilio (2018). Tebas: um negro arquiteto na São Paulo escravocrata. São Paulo: IDEA. p. 132. ISBN 978-65-80005-01-7 
  7. a b «Conheça a história de Tebas, o arquiteto escravizado que esculpiu ícones de São Paulo». Casa Vogue. Consultado em 30 de junho de 2020 

Ligações externas

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.