Tecnisa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tecnisa
Logotipo da Tecnisa
Razão social Tecnisa S/A
Empresa de capital aberto
Slogan Mais construtora por m²
Cotação B3TCSA3
Atividade Construção
Gênero Sociedade anônima
Fundação 22 de setembro de 1977 (43 anos) em São Paulo
Fundador(es) Meyer Joseph Nigri
Sede  Brasil
Presidente Joseph Meyer Nigri
Produtos Imobiliária
Website oficial www.tecnisa.com.br

Tecnisa é uma empresa do mercado imobiliário brasileiro. Atua de forma integrada (incorporação, construção e vendas), Fundada em São Paulo, Brasil em 22 de setembro de 1977, já lançou mais de 8.000.000 m² em 27 cidades no país. A empresa é cotada na B3.[1]

Em 2012 registrou prejuízo pela primeira vez, e a intenção manifesta de seus controladores é diminuir o ritmo dos negócios.[2]. Teve ainda problemas na entrega de unidades vendidas na planta, tendo até que indenizar cliente por atrazo.[3] A empresa possui reputação considerada como regular no site de avaliações ReclameAqui, tendo a nota de 6,3 de 10, devido principalmente ao histórico de atraso na entrega das obras.[4][5]

A companhia coleciona homenagens e prêmios, entre os principais, o reconhecimento pelo oitavo ano consecutivo o Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente 2011[carece de fontes?]. Pelas boas práticas de gestão com a inclusão por três anos consecutivos - 2007, 2008 e 2009 - no ranking "150 melhores empresas para você trabalhar", elaborado pela revista Você S/A Exame[carece de fontes?] e a estreia, em 2009, no ranking As 100 Melhores Empresas para Trabalhar, promovido pela Revista Época em parceria com o Instituto Great Place to Work Institute (GPTW)[carece de fontes?].

Na divulgação de resultados do 1° trimestre de 2020 (1T20), as Vendas Líquidas, parte TECNISA, totalizam R$ 70 milhões, que representam uma Venda Sobre Oferta (VSO Líquida) de 17%. A Geração de Caixa Total Ajustada soma R$ 15 milhões no trimestre. A TECNISA encerrou o 1T20 com uma Disponibilidade de Caixa e Aplicações Financeiras de R$ 261 milhões versus R$ 60 milhões em Dívidas Vincendas em 2020, o que a coloca em uma posição privilegiada para enfrentar as incertezas e capturar as eventuais oportunidades.[6]

O fundador e presidente da empresa, Meyer Nigri, tem fortes ligações políticas com o governo de Jair Bolsonaro, chegando a indicar o ministro Nelson Teich, da Saúde[7], o qual deixou o governo poucos meses por discordar da conduta presidencial ante a pandemia de Covid-19. Ironicamente, Nigri foi acometido de Covid-19 e permaneceu em estado grave na por 148 dias até ter alta em 25 de fevereiro de 2021[8][9].

Referências

  1. «Balanço da empresa». EXAME. Consultado em 25 de agosto de 2014 
  2. Daniela Barbosa (4 de julho de 2013). «Por que crescer não é prioridade para a Tecnisa». EXAME. Consultado em 25 de agosto de 2014 
  3. «Construtora é condenada a pagar aluguel para futura moradora». G1. 13 de março de 2013. Consultado em 25 de agosto de 2014 
  4. «Tecnisa é processada por clientes de obras atrasadas». EXAME. Consultado em 5 de dezembro de 2019 
  5. «Distrato: Justiça condena TECNISA por atraso de imóvel e determina a devolução de 100% dos valores pagos + corretagem, SATI e indenização por danos morais». Jusbrasil. Consultado em 5 de dezembro de 2019 
  6. Flávio Vidigal De Capua, Tecnisa (14 de maio de 2020). «Divulgação de resultados 1T20». Tecnisa S.A. Consultado em 14 de maio de 2020 
  7. «Novo ministro foi consultor da área de saúde na campanha». Interfarma. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  8. «Meyer Nigri, fundador da Tecnisa, deixa UTI após 148 dias internado por covid-19». Coluna do Broadcast. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  9. Jardim, Lauro. «Meyer Nigri, da Tecnisa, transferido para o Eisntein». Lauro Jardim - O Globo. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.