Tecnofilia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Tecnofilia é um neologismo formado pela aplicação do radical de origem grega -filia (amizade, proximidade) à palavra tecnologia, e designa um comportamento de adesão, geralmente acrítica, às inovações tecnológicas.

Opõe-se à tecnofobia,[1] na medida em que os tecnófilos são indivíduos cuja “patologia” reside em desejar sempre aquilo que represente o “estado de arte” em termos tecnocientíficos. Em um contexto de valorização da tecnociência, a representação social da tecnofilia tende a ser mais positiva que a da tecnofobia, muito embora se possa enxergar alguma espécie de distúrbio psicológico em ambos os comportamentos.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Paulo Furtado (Instituto Superior de Línguas e Administração – ISLA, Vila Nova de Gaia). «Um olhar sobre as representações "tecnofóbicas" de ciência e tecnologia na cinematografia moderna» (PDF). Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada (PDF) em 29 de abril de 2015 
  2. Antonio Mendes Ribeiro ("Comunidades de Colaboração e Conhecimento - C5"). «Algo além da Tecnofobia e da Tecnofilia». Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada em 12 de maio de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.