Tegumento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Tegumento (do latim integumentum, "cobertura") é a designação dada em biologia à cobertura natural de um organismo ou de um órgão, como seja a pele, o ritidoma de uma planta, a concha de um molusco ou a casca de um fruto.[1] O termo quando aplicado à parte externa das sementes é em geral substituído por tegumento seminal ou episperma.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O tegumento, que em sentido figurado, pode significar manto ou disfarce,[2] é uma palavra bastante moderna, apesar de ter recuperado uma etimologia latina. A sua origem remonta ao inglês do século XVII e foi recriada para uso em história natural para significar o material ou camada com a qual qualquer estrutura biológica está revestida, encerrada ou coberta, no sentido de uma pele ou de uma casca.[1]

Os termos derivados de «tegumento» incluem várias formas adjectivas, como «tegumentário» (p. ex.: sistema tegumentário), «tegumental» (p. ex.: glândula tegumental) e «tegumentado» (como oposto a nu).[3][4]

Uso botânico[editar | editar código-fonte]

Em botânica, o significado de tegumento é similar ao da zoologia, quer dizer, a cobertura de um órgão, mas quando o contexto não indica nada em contrário, a palavra geralmente é aplicada para referir uma envoltura de uma ou mais camadas, como duas ou mais camadas de células recobrindo o óvulo, deixando apenas um poro, o micrópilo, através do qual o pólen pode penetrar. Também pode designar a testa ou abrigo da semente, sendo então designado por episperma.

Uso zoológico[editar | editar código-fonte]

Em zoologia, o tegumento de um órgão compreende normalmente membranas de tecido conjuntivo, como o que nos vertebrados rodeia o rim ou o fígado. No referente ao tegumento de um animal, o sentido habitual é ser a sua pele e os seus tecidos derivados: o sistema tegumentário, onde "tegumentário" é uam referência ao "tecido cutâneo".

Nos artrópodes, o tegumento ou pele "externa" consta de uma única camada epitelial, a ectoderme, da qual deriva a cutícula, uma cobertura exterior de quitina rígida que varia na sua composição química em função do grupo taxonómico.[5]

Referências

  1. a b Brown, Lesley (1993). The New shorter Oxford English dictionary on historical principles. Oxford [Eng.]: Clarendon. ISBN 0-19-861271-0 
  2. Marchant, J.R.V. ; Charles Joseph F. (1952). Cassell's Latin dictionary. London: Cassell 
  3. Jackson, Benjamin, Daydon; A Glossary of Botanic Terms with their Derivation and Accent; Published by Gerald Duckworth & Co. London, 4th ed 1928
  4. Collocott, T. C. (ed.) (1974). Dictionary of science and technology. Edinburgh: W. and R. Chambers. ISBN 0-550-13202-3 
  5. Kristensen, Niels P.; Georges, Chauvin (1 de dezembro de 2003). «Integument». Lepidoptera, Moths and Butterflies: Morphology, Physiology, and Development : Teilband. [S.l.]: Walter de Gruyter. p. 484. ISBN 978-3-11-016210-3. Consultado em 10 de janeiro de 2013 

Ver também[editar | editar código-fonte]