Tekla Bądarzewska-Baranowska

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tekla Bądarzewska-Baranowska
Nascimento 1829
Varsóvia
Morte 29 de setembro de 1861 (32 anos)
Varsóvia
Sepultamento Cemitério de Powązki
Cidadania Polônia, Império Russo
Ocupação compositora, pianista
Tekla Bądarzewska-Baranowska

Tekla Bądarzewska-Baranowska, ou somente Tekla Bądarzewska (1829/1834 - 29 de setembro de 1861), foi uma compositora polonesa do século XIX. Bądarzewska nasceu em 1829, em Mława,[1] ou em 1834, em Varsóvia, na Polônia. Casou-se com Jan Baranowski em 1852 e, nos seus nove anos de casamento, tiveram cinco filhos.

Tekla Bądarzewska morreu em 29 de setembro de 1861, em Varsóvia, e ali foi enterrada. Em seu túmulo na Tumba da família Baranowski, no cemitério Powązki, há uma estátua de uma jovem mulher segurando um rolo de partituras intitulado La prière d'une vierge, uma de suas composições.

Bądarzewska ficou mundialmente conhecida por apenas uma peça, justamente La prière d'une vierge, sendo, por vezes, chamada de "sucesso de uma música só" da música erudita. Uma de suas filhas, Bronisława, foi matriculada no Instituto de Música de Varsóvia em 1875.

Uma cratera em Vênus foi batizada em sua homenagem.

La prière d'une vierge[editar | editar código-fonte]

Bądarzewska, ao longo de sua curta vida, escreveu cerca de trinta e cinco pequenas peças para o piano. No entanto, de longe, a mais famosa e, durante muito tempo, a única de reconhecimento internacional é a peça Modlitwa dziewicy , Op. 4 (em inglês: A Maiden's Prayer; em francês: La prière d'une vierge), ou "Oração de uma virgem" ou, ainda, "Prece da virgem", publicada em 1856, em Varsóvia, e, em seguida, como um complemento ao Revue et gazette musicale de Paris, em 1859.

Ao longo dos anos, vários estudiosos da música falaram um pouco sobre sua carreira como compositora. Percy Scholes escreve sobre Bądarzewska em The Oxford Companion to Music (9.ª edição, reimpresso 1967): "Nascida em Varsóvia, em 1838, e morta ali em 1861, aos 23 anos. Nesta breve vida, ela realizou, talvez, mais do que qualquer compositor que já viveu, pois forneceu ao piano peças que qualquer pessoa, por mais incompleta que seja, pode executar. É provável que, se as barracas de mercado e as lojas de música nas ruas da Grã-Bretanha fossem revistadas, A Maiden's Prayer ainda estivesse vendendo e, como para o Império em geral, os Srs. Allen, de Melbourne relataram, em 1924, sessenta anos após a morte da compositora, que a casa deles ainda dispunha de 10.000 cópias".

A composição é uma pequena peça de piano, perfeita para pianistas intermediários. Alguns apreciam a melodia encantadora e romântica, enquanto outros a descreveram como "sentimental música de salão". O pianista e acadêmico Arthur Loesser descreveu-a como um "produto desagradável da inaptidão". O músico americano Bob Wills organizou a peça no estilo Western swing e escreveu letras para ela. Ele a gravou pela primeira vez em 1935 como "Maiden's Prayer." Mais tarde, tornou-se um padrão gravado por muitos artistas country.

Na ópera Rise and Fall of the City of Mahagonny, de 1930, de Kurt Weill e Bertolt Brecht, a cena 9 do ato 1 é satiricamente baseada em uma paráfrase pianista da peça, cujo tema é citado pelo coro masculino posteriormente, no ato seguinte.

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Em 2016, Tekla Bądarzewska apareceu como membro de uma dupla de ídolos-pop com Pyotr Ilyich Tchaikovsky, em uma série de anime, Classicaloid, sendo interpretada por Mao Ichimichi.

Referências

  1. «"Tekla Badarzewska-Baranowska"» (em alemão). Consultado em 25 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2007