Teletubbies

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde outubro de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Teletubbies
Teletubbies
Teletubbies (PT/BR)
Teletubbies plastic miniaturen (4).jpg
Informação geral
Formato Série
Duração 25 min. aprox.
Criador(es) Anne Wood
Andrew Davenport
País de origem  Inglaterra
Idioma original Inglês
Produção
Produtor(es) David G Hiller
Vic Finch
Elenco Dave Thompson
Mark Heenehan
Simon Shelton
John Simmit
Nikky Smedley
Pui Fan Lee
Tema de abertura 'Teletubbies say "Eh-oh!"'
Tema de encerramento 'Teletubbies say "Eh-oh!"' (instrumental)
Exibição
Emissora de televisão original Inglaterra BBC
Estados Unidos PBS Kids
Canadá Treehouse TV
Brasil Rede Globo
Brasil TV Cultura
Brasil Discovery Kids
Brasil Disney Channel
Brasil Rede Minas
Portugal SIC
Transmissão original Normais
31 de Março de 1997 - 05 de Janeiro de 2002

Spin-Off
01 de Julho de 2002 - 26 de Dezembro de 2002
N.º de temporadas 5
N.º de episódios 387
Cronologia
Programas relacionados Bananas de Pijamas
Lazy Town

Teletubbies é um programa de televisão produzido pela BBC voltado para bebês e crianças pré-escolares, produzido de 1997 a 2002 por Ragdoll Productions. Foi criado por Anne Wood CBE, o diretor criativo da Ragdoll, e Andrew Davenport, que escreveu cada um dos 335 capítulos que compõem a série. Narrado por Tim Whitnall (e Guilherme Briggs no Brasil), o programa rapidamente se tornou um sucesso comercial e de crítica na Grã-Bretanha e no exterior (particularmente notável para a sua produção de elevado valor), e conquistou a sua BAFTA em 1998 e 2002. Embora o espetáculo seja destinado a crianças com idades entre um e quatro, tem um culto com as gerações mais velhas, principalmente estudantes universitários, que compraram a habitual regulamentação T Shirts.

No Brasil, a série foi exibida pela Rede Globo no dia 10 de janeiro de 1999, dentro do programa Angel Mix, que era exibido às 8h30.[1] Depois de ter a exibição concluída, foi exibida pela TV Cultura, pelo canal por assinatura Discovery Kids, no bloco Playhouse Disney no Disney Channel Brasil, Canal Gloob, Canal Futura e pela Rede Minas.

Em Portugal, a série foi emitida na SIC.

Em 1999 a Som Livre lançou o Teletubbies em VHS. A versão original contém 6 volumes. A PlayArte lançou outra versão.

Em 2001, a produção foi cancelada e foi anunciado que cem novos episódios seriam produzidos, com o último episódio a ser exibido em 5 de janeiro de 2001. No entanto, um total de 365 episódios foram produzidos, o suficiente para um ano inteiro. Mas em 2002, a série foi renovada com um spin-off chamado Teletubbies: A Toda Hora, ou Em Todo Lugar (Teletubbies Everywhere no original). Esta versão que estreou em 1º de julho de 2002 no país de origem teve apenas uma temporada de 52 episódios.

O programa foi no centro de uma controvérsia quando, em 1999, o comentarista e clérigo conservador americano Jerry Falwell alegou que Tinky Winky, um dos Teletubbies, era homossexual. Falwell baseou esta conclusão na cor roxa do personagem e em sua antena triangular. A cor roxa e o triângulo são por vezes usados como símbolos do movimento do Gay Pride.

No entanto, apesar de um boicote que se seguiu, o programa permaneceu em produção por mais dois anos, e Teletubbies say "Eh-oh!", um single que foi número um na UK singles chart por duas semanas em dezembro de 1997, foi lançado e se manteve no TOP 75 por 29 semanas após o seu lançamento e mais 3 semanas após dois pré-lançamentos.

Sobre a série[editar | editar código-fonte]

A série foca-se em quatro seres estranhos,que são alienigenas, bebês multi-coloridas de espécies mitológicas conhecidas como os "Teletubbies", nomeado para as telas de televisão implantados nas barrigas dos personagens. Reconhecido em toda a cultura popular para a antena exclusivamente em forma saindo da cabeça de cada ser, em seus respectivos nomes e cores de assinatura, os quatro Teletubbies descritos neste programa incluem Tinky Winky, Dipsy, Laa-Laa e Po. O abrigo principal dos quatro é uma cúpula gramada (conhecido como o "Tubbytronic Superdome", apesar de o nome da residência não é mencionado em toda durante todo o curso da série) implantado no terreno acessado através deslizando em um buraco no topo. As criaturas coexistem em Teletubbilândia (o nome de seu ambiente de casa) com uma série de engenhocas estranhas como Noo-noo, o aspirador azul com a tendência para sugar as posses dos Teletubbies fazendo com que eles chamam-o de "Noo-noo levado" enquanto o Noo-noo corre deles. E um alto falante que se ergue do chão, e interagindo com os Teletubbies, que serve tanto como supervisores para os seres que muitas vezes surgem para se envolver nas brincadeiras com eles.

A série é conhecida por sua configuração, colorido psicodélico projetado especificamente pelos criadores de apelar para as capacidades na concentração infantil ou desbloquear diferentes seções da mente enquanto educam crianças mais jovens e bebês nas transições que podem ser esperados na vida.

Ao longo de cada episódio, uma variedade de rituais são realizados que são, às vezes, de maneira diferente em cada renovação, Tais como as interações lúdicas entre os Teletubbies e o alto falante. Os acidentes causados ​​por Noo-noo, a imagem das crianças brincando e criando algo que é exibido na tela da barriga de um dos personagens e, particularmente, o "evento mágico", que ocorre uma vez por episódio. O evento é cada vez diferente e muitas vezes é causado inexplicavelmente, e é freqüentemente psicodélica e estranha, contudo lunática. Muitas vezes, os Teletubbies se envolvem nas brincadeiras um com o outro, com Noo-noo ou do auto-falante em muitos segmentos de episódios e o episódio encerra pelo narrador e um auto-falante, depois a turma dá seu tchau duas vezes e no fim, eles pulam para a Tubbytronic Superdome novamente, enquanto o Sol (com rosto de bebê real em que dá uns gritos algumas vezes, ao aparecer durante os episódios) se põe.

No spin-off "Teletubbies Everywhere", os personagens principais aparecem num fundo vazio, onde fazem algumas coisas como palavras, formas, brincadeiras, entre outras.

Dublagem Brasileira[editar | editar código-fonte]

Personagens Dubladores
Tinky-Winky José Leonardo
Dipsy Henrique Ogalla
Laa-Laa Iara Riça
Po Ana Lucia Menezes
Narrador Guilherme Briggs

Estúdio de Dublagem: Herbert Richers

Dublagem Portuguesa[editar | editar código-fonte]

Personagens PortugalDubladores
Tinky Winky Filipe Costa
Dipsy Joel Constantino
Laa Laa Ana Saltão
Po Alexandra Sedas
Direção Alexandra Sedas
Tradução Margarida Benamor
Estúdio de

Dubragem

Estúdio Nacional Filmes

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

A exibição da série Teletubbies provocou reações imediatas de protestos em países em que foram exibidas, principalmente por conta da série ser muito associada à homossexualidade.

A associação conservadora estadunidense decidiu boicotar a série por esta razão. Na Polônia, a Defensoria do Menor também decidiu investigar se o Teletubby roxo "esconde" a homossexualidade, mas não houve consequências práticas.

Entre as mais conhecidas:

Tinky Winky[editar | editar código-fonte]

Alguns setores conservadores da sociedade civil (igrejas, ativistas pró-família, associações de defesa dos pais e filhos, antiaborto, entre outros) fizeram várias denúncias, por conta das suspeitas das associações de Tinky Winky com a homossexualidade: Tinky Winky possui uma bolsa vermelha (uma "bolsa mágica", na série) e um triângulo invertido na cabeça (▼), todos de símbolos do orgulho gay.

Essas denúncias surgiram em meados de 1998, depois que Tinky Winky foi escolhido (no Reino Unido) como uns dos símbolos do movimento gay do final da década de 90.[1] [2]

Em Janeiro de 1999, o jornal "The Washigton Post" apresentou os prováveis motivos que explicam o sucesso do personagem Tinky Winky junto ao movimento gay: "sua cor é roxa", "sua antena é em forma de triângulo (símbolo do orgulho gay)" e "a sua inseparável bolsinha".[1]

De fato, os produtores da série alegaram que a personagem era uma espécie de metáfora da homossexualidade infantil, o que é comum na Inglaterra, a personagem seria utilizada como exemplo para que os pais não tenham preconceito contra seus próprios filhos, acabando com a expulsão de vários jovens de suas casas, e havendo assim um crescente número de homossexuais assumidos antes dos 12 anos no Reino Unido.

Em Fevereiro do mesmo ano, o fundamentalista cristão e pastor evangélico, Jerry Falwell, morto em 2007, baseado nas denúncias, acusou o personagem Tinky Winky de ser o "símbolo gay" e alertou os pais que ele pode ser um símbolo de homossexualidade: púrpura, a cor da homossexualidade, e o triângulo é um símbolo homossexual".[3]

No mesmo mês, as organizações religiosas da Europa e dos Estados Unidos se movimentam para retirar o personagem Tinky Winky da série. As entidades não aceitam a presença do personagem por considerá-lo homossexual.[2]

No Brasil, o caso só começou a repecurtir em 1999 (depois que a Rede Globo começou a exibir a série), mas com a associação de GLS (que formava o triângulo e era sigla mais famosa desde 1997).[1]

A BBC, em resposta, afirmou: "Tinky Winky é uma metáfora da homossexualidade infantil, em meio ao crescente mundo tecnológico com uma bolsa mágica. Trata-se de um espetáculo para crianças que se identificam com ele". Já a produção e os atores da série, em resposta, consideravam as acusações dos cristãos, as notícias de jornais e internet de associações do personagem à homossexualidade, verídicas, afinal a personagem realmente é uma analogia homossexual.[3]

O caso voltou a torna em 2007, quando a Provedora de Justiça da Infância, a polonesa Ewa Sowińska, demonstrou sua preocupação com a questão e solicitou uma investigação.[4]

Novidades[editar | editar código-fonte]

Agora, depois de 13 Anos de quando acabou, em 2015, os Teletubbies estão de volta, em uma nova série e em 60 novos episódios recomendados pela BBC.

Produzida pela DHX Media em parceria com a BBC e sob a Produção Executiva de Darrall Macqueen, a série está renovada com reforços de Computação Gráfica-(CGI), algo que será mais utilizada nessa nova série. Efeitos tridimensionais, novas trilhas de áudio, novos personagens, novas histórias e muita Alta Definição.

De acordo com a Anne Wood, cocriadora da série original, ela não vai assistir a produção da nova série. Ela disse:

"Eu não conseguiria. Eu não tenho nada contra eles, pode ser que seja brilhante mas como eu poderia assistir? Todos os meus programas são como os meus Filhos. É como ver uma criança refeita na imagem de outra pessoa. Eu vendi os direitos autorais da série e eu não tenho nada a respeito disso. Há remakes de muitos programas sendo feitos e eu sinto que a indústria de televisão para crianças vale mais do que isso. Seria bom se novos trabalhos fosse mais encorajados."

Darral Macqueen, o produtor executivo, afirmou: "Trabalhar na evolução dos Teletubbies é como lidar com as jóias da coroa da Televisão."

Kay Benbow, controlador da CBeebies, animado com esse momento, afirmou: "Acho que agora, esse é o momento certo pra fazer novos episódios desse tão amado show, icônico para o público atual CBeebies

A Nova Serie também vai trazer coisas novas: O ator Jim Broadbent, conhecido por fazer um personagem da série Harry Potter, vai dublar os Alto-Falantes, que faz os Teletubbies descobrirem novas brincadeiras. Ele afirmou: "Teletubbies é uma instituição britânica é é emocionante estar envolvido no retorno desse sucesso global para as telas."

A Música da série será tocada pela Orquestra Sinfônica da BBC.

Jessica Smith, que já fez o Bebê Sol na série original, agora passa o papel para o seu filho Barry.

E ainda, um novo personagem chamado "Tubby Phone", que é uma espécie de Smartphone do mundo dos Teletubbies, o que significa que a série foi adaptada para o mundo atual. A Voz do "Tubby Phone" será feita pela Jane Horrocks.

Por enquanto, a serie está passando no canal infantil Britânico CBeebies, que está na produção da nova série. Não se sabe quando irá passar no Brasil.

Referências

  1. a b c d «Teletubbies e os gays». TV Crítica. 9 de janeiro de 1999. Consultado em 21-01-2010. 
  2. a b «Religiosos querem censurar Teletubbies». TV Crítica. 12 de fevereiro de 1999. Consultado em 21-01-2010. 
  3. a b «'Gay Tinky Winky bad for children'». BBC. 15 de Fevereiro de 1999, 12:13 GMT. Consultado em 16-10-2010. 
  4. «BBC sobre a polêmica da homossexualidade de Tinky-Winky. na Polônia». 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]