Telmário Mota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Telmário Mota
Senador por Roraima
Período 1º de fevereiro de 2015
até a atualidade
Vereador de Boa Vista
Período 1° de janeiro de 2009
até 31 de dezembro de 2012
Dados pessoais
Nascimento 15 de fevereiro de 1958 (61 anos)
Normandia (TFRB), Brasil
Alma mater Universidade Católica Federal da Bahia
Partido PSDC (1996-2005)
PDT (2005-2017)
PTB (2017-2019)
PROS (2019-atualmente)
Profissão contador

Telmário Mota de Oliveira (Normandia, 15 de fevereiro de 1958) é um economista e político brasileiro, filiado ao Partido Republicano da Ordem Social (PROS).[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formado em Economia pela Universidade Católica do Salvador, é especialista em orçamento público, matemática financeira e auditoria. Trabalhou durante 19 anos no Banco Bradesco, onde começou sua carreira como contínuo – office boy - e terminou como auditor. Foi chefe de gabinete do presidente do Tribunal de Contas do Estado de Roraima (TCE/RR), onde como auditor ajudou a implantar o controle externo em Roraima.[2]

Filiado ao Partido Democrático Trabalhista (PDT) desde 2005, elegeu-se em 2008 vereador de Boa Vista. Na eleição seguinte, em 2012, foi candidato a prefeito da capital do estado, ficando em terceiro lugar.[3]

Nas eleições em 2010 candidatou-se ao cargo de senador pela primeira vez, obtendo a quarta votação. Seria eleito no pleito de 2014.[4]

Em 2015, foi titular da CPI dos Fundos de Pensão.[5]

Em dezembro de 2016, Telmário solicita um licenciamento do mandato de Senador da República até abril de 2017. Em seu lugar assume o primeiro-suplente, senador Thieres Pinto.[6]

Em 17 de janeiro de 2017, Telmário Mota deixou o Partido Democrático Trabalhista[7] (PDT).[8] Em fevereiro, ingressa no Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).[9]

Em novembro de 2015, votou contra a prisão de Delcídio Amaral.[10]

Em dezembro de 2016, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[11] Em julho de 2017 votou contra a reforma trabalhista.[12]

No mesmo mês, votou contra a cassação de Aécio Neves no conselho de ética do Senado.[13]

Em outubro de 2017 votou a favor da manutenção do mandato do senador Aécio Neves derrubando decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal no processo onde ele é acusado de corrupção e obstrução da justiça por solicitar dois milhões de reais ao empresário Joesley Batista.[14][15]

Licenciou-se do mandato de Senador em junho de 2018 para concorrer ao governo do Estado de Rorraima. No seu lugar, assumiu o segundo suplente, Rudson Leite (PV). [16]

Em janeiro de 2019, confirmou o ingresso ao PROS.

Relator de processos para cassações[editar | editar código-fonte]

Delcídio Amaral[editar | editar código-fonte]

Em 2016, foi o relator do Processo de cassação de Delcídio Amaral[17] que foi aprovado por unanimidade no Senado Federal.[18]

Romero Jucá[editar | editar código-fonte]

No mesmo ano, foi relator do processo de cassação de Romero Jucá, porém este foi arquivado pelo Senado, e Telmário Mota não obteve apoio do PT, sob a justificativa de que estavam com "excesso de atividades". A interlocutores, Telmário disse que Jucá sabe das principais "negociações políticas" do País, inclusive as que envolvem o PT, o que teria motivado o recuo dos colegas.[19]

Isenção de impostos para games[editar | editar código-fonte]

Telmário foi o relator que aprovou a Sugestão Legislativa n° 15 de 2017[20][21] na Proposta de Emenda à Constituição n° 51 de 2017[22] que institui imunidade tributária sobre os consoles e jogos para videogames produzidos no Brasil.

A PEC é originária de uma ideia legislativa enviada por Kenji Amaral Kikuchi, do Rio de Janeiro, para o Portal e-Cidadania pedindo a redução dos impostos sobre games dos atuais 72% para 9%.[23][24] A proposta atingiu o número necessário de apoios no mesmo dia em que foi cadastrada no portal[25] e, em dezembro de 2017, a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa aprovou o relatório do senador para transformar a SUG em PEC.[26]

Referências

  1. «Divulgação de dados do candidato». UOL Política. 2014. Consultado em 16 de janeiro de 2015 
  2. «Perfil Político». Telmario Mota. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  3. «Telmário Mota». Época. Globo.com. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  4. «Sistema de Divulgação de Candidaturas - DivulgaCand 2014». TSE. Consultado em 5 de maio de 2015 
  5. «CPI dos Fundos de Pensão». Senado. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  6. «Telmário Mota pede licença do Senado e suplente Thieres Pinto assume». Agência Senado 
  7. «Partido Democrático Trabalhista». Wikipédia, a enciclopédia livre. 22 de maio de 2019 
  8. «Cúpula do PDT decide expulsar senador que votou a favor da PEC do teto». G1 
  9. «Senador Telmário Mota se filia ao PTB e assume o partido em Roraima». Site PTB 
  10. Veja (25 de novembro de 2015). «veja.abril.com.br/politica/confira-quais-senadores-votaram-para-livrar-delcidio-da-cadeia/». Consultado em 16 de outubro de 2017 
  11. Bol (13 de dezembro de 2016). «Confira como votaram os senadores sobre a PEC do Teto de Gastos 155 Do UOL, em São Paulo». Consultado em 16 de outubro de 2017 
  12. Redação - Carta Capital (11 de julho de 2017). «Reforma trabalhista: saiba como votaram os senadores no plenário» 
  13. Redação Carta Capital (6 de julho de 2017). «Por 11 a 4, Aécio é salvo no Conselho de Ética: como votaram os senadores». Consultado em 15 de outubro de 2017 
  14. «Veja como votou cada senador na sessão que derrubou afastamento de Aécio». Consultado em 17 de Outubro de 2017 
  15. «Janot denuncia Aécio Neves ao STF por corrupção e obstrução da Justiça». Consultado em 17 de Outubro de 2017 
  16. «Roraima conta cinco senadores em oito dias». Consultado em 06 de junho de 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  17. Isabela Bonfim (16 de março de 2016). «Senado abre processo contra Delcídio e senador depõe na próxima semana». Guarulhos Web. Consultado em 9 de junho de 2016 
  18. Felipe Amorim (10 de maio de 2016). «Com 74 votos, Senado cassa mandato de Delcídio do Amaral». UOL. Consultado em 9 de junho de 2016 
  19. Isabela Bonfim (9 de junho de 2016). «Com receio da Lava Jato, PT silencia sobre cassação de Jucá». Estadão. Consultado em 9 de junho de 2016 
  20. «Sugestão n° 15, de 2017 - Pesquisas - Senado Federal». www25.senado.leg.br. Consultado em 23 de maio de 2018 
  21. «Senado Federal - Programa e-Cidadania - Consulta Pública». Senado Federal - Programa e-Cidadania. Consultado em 23 de maio de 2018 
  22. «Proposta de Emenda à Constituição n° 51, de 2017 - Pesquisas - Senado Federal». www25.senado.leg.br. Consultado em 23 de maio de 2018 
  23. «Senado Federal - Programa e-Cidadania - Ideia Legislativa». Senado Federal - Programa e-Cidadania. Consultado em 23 de maio de 2018 
  24. «Senado analisa proposta para reduzir impostos sobre games de 72% para 9% - A Tribuna». www.atribuna.com.br. Consultado em 23 de maio de 2018 
  25. «Senado compra ideia de reduzir impostos sobre games no país». Gazeta do Povo 
  26. «Tudo o que você quer saber sobre a isenção tributária da PEC dos Games - Games». Canaltech. 30 de março de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]