Templo do Divino Augusto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Templo do Divino Augusto
{{{legenda}}}
Tipo Templo romano
Construção 37;
Reconstruído: 89/90; Restaurado: anos 150
Promotor / construtor Tibério e/ou Lívia Drusila para Augusto
Geografia
País Itália
Cidade Roma
Localidade VIII Região - Fórum Romano
Coordenadas 41° 53' 30" N 12° 29' 4" E
Templo do Divino Augusto está localizado em: Roma
Templo do Divino Augusto
Templo do Divino Augusto

O Templo do Divino Augusto (em latim: Templum Divi Augusti), também conhecido como Templo do Divino Augusto e Minerva (em latim: Templum Divi Augusti ad Minervam)[1] e Novo Templo do Divino Augusto (em latim: Templum Novum Divi Augusti),[2] foi um grande templo originalmente construído para celebrar o primeiro imperador romano deificado, Augusto (r. 27 a.C.14 d.C.). Foi construído entre o Palatino e o Capitolino, atrás da Basílica Júlia, no sítio da casa que Augusto habitou antes de entrar na vida pública em meados do século I a.C..[3]

Sabe-se por meio das moedas romanas que o templo originalmente foi construído em um estilo jônico hexastilo.[4] Contudo, seu tamanho, proporções físicas e local exato são desconhecidos.[5] Os templos provinciais de Augusto, tal como o Templo de Augusto em Pula, atualmente na Croácia, já tinha sido construído durante sua vida.[6] Provavelmente devido a resistência popular à noção, ele não foi oficialmente deificado em Roma até depois de sua morte, quando o Templo de Nola, na Campânia, onde morreu, parece ter sido iniciado; ele seria dedicado por Tibério (r. 14–37) em 26.[7] Subsequentemente, templos foram dedicados ao imperador por todas as partes do Império Romano.

História[editar | editar código-fonte]

A construção do templo ocorreu durante o século I, tendo sido prometido pelo senado romano logo após a morte do imperador em 14. Fontes antigas discordam se foi construído por Tibério, o sucessor de Augusto, e Lívia Drusila, a viúva do imperador, ou por Tibério apenas.[8] Não foi até a morte de Tibério em 37 que o templo foi finalmente completado e dedicado por seu sucessor Calígula (r. 37–41).[9] Alguns estudiosos sugerem que os atrasos na conclusão do templo indicam que o imperador tinha pouco apresso pelas honras de seu antecessor. Outros argumentam o caso oposto, apontando a evidências de que ele fez sua última jornada de sua villa em Capri com a intenção de entrar em Roma e dedicar o templo. Contudo, o imperador morreu em Miseno, na baía de Nápoles, antes que pudesse zarpar para a capital. Ittai Gradel sugere que a longa fase de construção do templo foi um sinal do esforço meticuloso que envolveu sua construção.[10]

A dedicação muito aguardado ocorreu nos últimos dois dias de agosto de 37. De acordo com o historiador Dião Cássio, os eventos comemorativos ordenados por Calígula foram excepcionalmente extravagantes. Uma corrida de cavalos de dois dias foi realizada ao lado do abate de 400 ursos e "um número igual de bestas selvagens da Líbia", e Calígula adiou todos os processos judiciais e suspendeu todos os lutos "a fim de que ninguém devesse ter uma desculpa por não poder participar".[11] O esplendor e tempo das comemorações foi um ato político cuidadosamente calculado; não foi somente o mês em que Augusto morreu (e que foi nomeado em sua homenagem), mas o clima das celebrações ocorreu no aniversário de Calígula e o última dia de seu consulado. A combinação destes eventos teria servido para enfatizar que Calígula era descendente direto do imperador.[12] Calígula depois ordenou que uma estátua da esposa de Augusto fosse erguida no templo e que sacrifícios em sua honra fossem feitos pelas virgens vestais.[13]

Sestércio com efígie de Calígula (r. 37–41)
Áureo com efígie de Domiciano (r. 81–96)

Durante o reinado de Domiciano (r. 81–96) o Templo do Divino Augusto foi destruído por incêndio, mas foi reconstruído e rededicado em 89/90 com um santuário para sua deidade favorita, Minerva. O tempo foi redesenhado com um memorial para quatro imperadores deificados, incluindo Vespasiano (r. 69–79) e Tito (r. 79–81). Foi restaurado novamente no final dos anos 150 por Antonino Pio (r. 138–161), que foi talvez motivado por um desejo de ser publicamente associado com o primeiro imperador. A data exata da restauração não é conhecida, mas o templo restaurado é mostrado em moedas de 158 em diante,[14] que descreve-o com um projeto octostilo com capiteis coríntios e duas estátuas - presumivelmente de Augusto e Lívia - na cela. O frontão dispôs um relevo com Augusto e foi encimado por uma quadriga. Duas figuras ficaram nos beirais do teto, sendo o da esquerda uma representação de Rômulo e o da direita a de Eneias liderando sua família para fora de Troia, aludindo para a origem-mito de Roma. As escadas do templo foram flanqueadas por duas estátuas da Vitória.[15]

O Templo do Divino Augusto foi descrito na literatura latina como Templo de Augusto (Templum Augusti) ou Divino Augusto (Divi Augusti), embora Marcial e Suetônio chamam-o Templo Novo (Templum Novum), um nome atestado na Ata Arvália de 36. Há referências a uma livraria erigida por Tibério na proximidade do templo, chamada Biblioteca do Templo Novo (bibliotecha templi novi) ou Templo Augusto (templi Augusti). Diz-se que Calígula mais tarde construiu uma ponte conectando as colinas Palatino e Capitólio, passando sobre o templo. Para além dos cultos bem-atestados às atestados de Augusto e Lívia, pouco se sabe sobre a decoração do templo à exceção de uma referência de Plínio, o Velho de uma pintura de Jacinto por Nícias de Atenas, que foi dado ao templo por Tibério.[16]

A última referência conhecida ao templo foi em 248. Em algum momento depois disso ele foi completamente destruído e suas pedras foram presumivelmente extraídas para obras posteriores. Seus restos não são visíveis e a área que que estava nunca foi escavada.[5]

Referências

  1. Sears 2013, p. 26.
  2. Pollini 2012, p. 89.
  3. Claridge 1998, p. 90.
  4. Kokkinos 2002, p. 96.
  5. a b Fishwick 1992, p. 232-255.
  6. White 2006, p. 206.
  7. Bourne 1946, p. 32.
  8. Jones 1992, p. 91.
  9. Bunson 1991, p. 34.
  10. Gradel 2002, p. 336-337.
  11. Dião Cássio século III, 59.7.4.
  12. Barrett 1998, p. 89.
  13. Fraschetti 2001, p. 117.
  14. Stewart 2004, p. 211.
  15. Sear 2002.
  16. «Antoninus Pius. 138-161 AD. AR Denarius (3.06 gm)» (em inglês). Aulete. Consultado em 9 de outubro de 2014 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Barrett, Anthony A. (1998). Caligula: The Corruption of Power. [S.l.]: Yale University Press. ISBN 0-300-07429-8 
  • Bourne, Frank Card (1946). The Public Works of the Julio-Claudians and Flavians. [S.l.]: Princeton University 
  • Bunson, Matthew (1991). A Dictionary of the Roman Empire. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 0195102339 
  • Claridge, Amanda (1998). Rome: An Oxford Archaeological Guide. Oxford, RU: Oxford University Press. ISBN 0-19-288003-9 
  • Dião Cássio (século III). História romana 🔗. [S.l.: s.n.] 
  • Fishwick, Duncan (1992). «On the Temple of Divus Augustus». Phoenix. 46 (3) 
  • Fraschetti, Augusto (2001). Roman Women. [S.l.]: University of Chicago Press. ISBN 0-226-26094-1 
  • Gradel, Ittai (2002). «Emperor Worship and Roman Religion». Oxford Classical Monographs. [S.l.]: Clarendon Press. ISBN 0-19-815275-2 
  • Jones, Brian W. (1992). The Emperor Domitian. [S.l.]: Routledge. ISBN 0-415-04229-1 
  • Kokkinos (2002). Antonia Augusta: Portrait of a Great Roman Lady. [S.l.]: Libri Publications. ISBN 1-901965-05-8  Parâmetro desconhecido |Nome= ignorado (|nome=) sugerido (ajuda)
  • Pollini, John (2012). From Republic to Empire: Rhetoric, Religion, and Power in the Visual Culture of Ancient Rome. [S.l.]: University of Oklahoma Press. ISBN 0806188162 
  • Sear, David (2002). Roman Coins and their Values, Vol. 2: The Accession of Nerva to the Overthrow of the Severan Dynasty AD 96 - AD 235. [S.l.]: Spink & Son Ltd. ISBN 1-902040-45-7 
  • Sears, Gareth; Peter Keegan, Ray Laurence (2013). Written Space in the Latin West, 200 BC to AD 300. [S.l.]: A&C Black. ISBN 1441161627 
  • Stewart, Peter (2004). Statues in Roman Society: Representation and Response. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 0-19-924094-9 
  • White, Tony (2006). Another Fool in the Balkans: In the Footsteps of Rebecca West. [S.l.]: Cadogan Guides. ISBN 1860111513