Temporada do Clube de Regatas do Flamengo de 2015

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Clube de Regatas do Flamengo
Temporada 2015
Treinador Brasil Vanderlei Luxemburgo
Brasil Deivid (interino)[Int1]
Brasil Jaime de Almeida (interino)[Int2]
Brasil Cristóvão Borges
Brasil Oswaldo de Oliveira
Presidente Brasil Eduardo Bandeira de Mello
Posição final
Jogos 59 (34 vitórias, 9 empates, 16 derrotas)
Saldo de gols 36 (89 gols marcados e 53 gols sofridos)
Artilheiro Alecsandro e Marcelo Cirino (11 gols)
◄◄ Rio de Janeiro 2014 Futebol 2016 Rio de Janeiro ►►
editar

O Clube de Regatas do Flamengo em 2015 participou de quatro partidas amistosas: em 18 de janeiro no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, com o Shakhtar Donetsk[1] que terminou empatada em 0–0[2], em 4 de março, na despedida de Léo Moura contra o Nacional, do Uruguai, vencida por 2–0 com gols de Eduardo e Matheus Sávio, este último da base do clube[3], contra o Icasa, em 2 de maio, no Romeirão, em Juazeiro do Norte, como preparação para o Brasileirão — o Flamengo venceu por 1–0 com gol de Gabriel, que, ao lado de Everton, foram as únicos que participaram os 90 minutos —[4][5][6] e contra a Desportiva Ferroviária na paralisação do Brasileiro para a disputa das eliminatórias da Copa do Mundo 2018, vencida por 4–0.[7]

Também participou de um triangular amistoso, "Super Series", com São Paulo e Vasco da Gama entre 21 e 25 de janeiro na Arena da Amazônia.[8] Foi campeão do torneio ao vencer o São Paulo por 1–0, já que havia vencido o Vasco da Gama também por 1–0. Os gols foram marcados por Everton e Samir.[9][10]

Disputou a Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca, sendo vice-campeão e, assim, classificou-se para as semifinais do Campeonato. Após um empate em 0–0 e uma derrota por 0–1 para o Vasco, foi eliminado das finais, ficando com o terceiro lugar na competição mesmo tendo a segunda melhora campanha, já que os finalistas ocupam, obrigatoriamente, as primeiras posições gerais (artigo nono do regulamento do Campeonato Carioca).[10][11]

Disputou também a Copa do Brasil e, após uma derrota e um empate contra o Vasco da Gama, por 0–1 e 1–1, respectivamente, foi eliminado nas oitavas de final.[10][12]

Disputa ainda o Campeonato Brasileiro[10] e possui um amistoso agendado contra a Desportiva Ferroviária.[13]

Até agora disputou 59 partidas, sendo 34 vitórias, nove empates e 16 derrotas e marcou 89 gols e sofreu 53, com saldo de 36 gols. Os artilheiros da temporada, até o momento, são Alecsandro — que deixou o clube, em 5 de junho — e Marcelo Cirino com 11 gols cada, seguido por Everton com sete, Emerson Sheik com seis gols, Alan Patrick, Eduardo — que também deixou o clube, em 9 de julho e retornou ao Shakhtar Donetsk — e Paulinho com cinco, Gabriel, Guerrero, Kayke e Matheus Sávio com quatro, dois futebolistas com três, quatro com dois e mais oito com um gol cada.[10]

Na parte disciplinar, foram 158 cartões, sendo oito cartões vermelhos para oito futebolistas distintos (Anderson Pico, Canteros, Everton, Gabriel, Jonas, Pará, Paulinho e Wallace) e 150 cartões amarelos, sendo: Wallace com 14 cartões, Canteros com 12, Everton e Pará com dez, Emerson Sheik e Márcio Araújo com nove cada e os demais para 24 futebolistas.[10]

Índice

Elenco profissional[editar | editar código-fonte]

Soccerball current event.svg Última atualização: 7 de dezembro de 2015.

Goleiros
Jogador
37 Brasil César
38 Brasil Daniel
39 Brasil Thiago
48 Brasil Paulo Victor
Defensores
Jogador Pos.
3 Brasil César Martins Z
4 Brasil Samir Z
13 Brasil Marcelo Z
14 Brasil Wallace Capitão Z
34 Brasil Rafael Dumas Z
21 Brasil Pará LD
32 Brasil Ayrton LD
2 Colômbia Armero LE
36 Brasil Jorge LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
8 Brasil Márcio Araújo V
15 Brasil Luiz Antônio V
18 Brasil Jonas V
20 Argentina Canteros V
25 Brasil Trindade V
33 Brasil Ronaldo V
10 Brasil Ederson M
19 Brasil Alan Patrick M
22 Brasil Everton M
28 Brasil Almir M
30 Brasil Matheus Sávio M
35 Brasil Jajá M
Atacantes
Jogador
7 Brasil Marcelo Cirino
9 Peru Guerrero
11 Brasil Catar Emerson
17 Brasil Gabriel
26 Brasil Paulinho
27 Brasil Kayke
29 Brasil Nixon
31 Brasil Douglas Baggio
40 Brasil Thiago Santos
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Jayme de Almeida T
Brasil Luiz Alberto AS
Brasil Marcelo Martorelli PF
Brasil Ricardo Henriques PF
Brasil Cantareli TG
Brasil Sérgio Helt CO
Brasil Guilherme Runco MD
Brasil Luiz Baldi MD
Brasil Marcelo Soares MD
Brasil Márcio Tannure MD
Brasil Serafim Borges MD
Brasil Mario Peixoto FT
Brasil Walteriano da Silva FT
Brasil Adenir Silva MA
Brasil Esmar Russo MA
Brasil Jorginho MA
Brasil Leonardo Acro NT
Brasil Sílvia Ferreira NT
Brasil Rodrigo Caetano CEO
Legenda
  • Capitão : Capitão
  • Lesionado : Jogador lesionado/contundido
  • PenalizadoExpulso: Jogador suspenso

Transferências 2015[editar | editar código-fonte]

Legenda

Fatos marcantes[editar | editar código-fonte]

Transferências[editar | editar código-fonte]

Entradas[editar | editar código-fonte]

Armero[editar | editar código-fonte]

Em 10 de abril, o lateral-esquerdo colombiano Pablo Armero foi apresentado na Gávea. Contratado do Udinese, da Itália, por empréstimo, até o final da temporada — e da atual gestão —, mas com opção de compra definitiva ao término do contrato. Assumirá a camisa 2 de Léo Moura.[81][82]

Armero estava emprestado ao Milan, porém não estava sendo aproveitado. Ele conseguiu ser liberado pelo clube de Milão e, depois, pelo Udinese, dono de seus direitos federativos até 2017. A ideia de ser comandado por Vanderlei Luxemburgo novamente, com quem esteve no Palmeiras em 2009, pesou bastante para a decisão de vir para o Flamengo. Como as inscrições no Carioca já se encerraram, só estará disponível para participar da Copa do Brasil e do Brasileiro.[81]

Jaime de Almeida[editar | editar código-fonte]

Em 14 de abril, na reapresentação do grupo após a partida contra o Vasco da Gama, Jaime de Almeida voltou ao clube após quase um ano. Irá dividir a função de auxiliar técnico com Deivid. Porém, tem a sua permanência desvinculada de Luxemburgo, voltando a fazer parte da comissão técnica permanente, como aconteceu entre 2010 e 2014, antes de substituir Mano Menezes.[83]

Guerrero[editar | editar código-fonte]

Em 29 de maio, Paolo Guerrero foi anunciado pelo clube como o novo reforço para o ataque. O futebolista deixou o Corinthians e acertou com o clube, mas só será apresentado após a Copa América, que disputará pelo Seleção Peruana.[85] O contrato será de três anos e o atacante receberá 650 mil reais mensais, mais luvas de 16 milhões de reais, totalizando, ao final do contrato, um custo de pouco mais de 41 milhões de reais ao clube.[86]

Emerson Sheik[editar | editar código-fonte]

No final da noite de 16 de junho, a contratação de Emerson Sheik foi anunciada no site oficial do clube. O futebolista foi apresentado em 17 de junho, na sede social do clube, no auditório Rogério Steinberg, na Gávea. O contrato será até o final da temporada e, se a situação contratual for regularizada nesta semana, poderá reestrear já contra o Atlético Mineiro, no Maracanã, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro.[88][89]

Em 17 de junho, foi apresentado pelo vice-presidente Walter D'Agostinho e pelo diretor executivo Rodrigo Caetano, na sede do clube e vestiu a camisa 11.[90]

Saídas[editar | editar código-fonte]

Felipe[editar | editar código-fonte]

Em 27 de janeiro, o empresário Marcelo Robalinho, publicou no Twitter, que Felipe havia sido demitido do clube, depois de ficar afastado desde 20 de julho de 2014. Mesmo depois de uma queda de braços com a diretoria, ele deixou o clube sem litígio, mesmo com o contrato até o fim da temporada. O ex-titular da camisa 1 havia perdido espaço para Paulo Victor e, segundo Luxemburgo, estava fora dos planos para a temporada.[91]

Somente em 24 de abril, o destino do goleiro foi definido: Figueirense. O contrato será até 31 de dezembro de 2015, mas apenas um pré-contrato foi assinado, em função das finais do Campeonato Catarinense e há uma cláusula de confidencialidade.[92]

Léo Moura[editar | editar código-fonte]

Em 23 de fevereiro de 2015, em conjunto com o Flamengo, Léo Moura anunciou a sua saída para o Fort Lauderdale Strikers, dos Estados Unidos após 10 anos e mais de 500 jogos pelo clube, sendo o sétimo futebolista que mais vestiu a camisa rubro-negra.[93]

A diretoria descartou que a despedida de Léo Moura fosse em um jogo oficial, para evitar que o time perca o foco. Festividades em um jogo oficial pode fazer falta no fim da Taça Guanabara e tirar o clube da primeira posição. Por outro lado, Léo conta com apoio da torcida, mesmo com o desgaste com a diretoria pela renovação turbulenta e por ter sido descoberto, pela imprensa, o acerto do jogador com o clube dos Estados Unidos. Uma partida festiva se torna conveniente para as duas partes, mas, de qualquer forma, deverá ser um "adeus morno".[94]

Em 24 de fevereiro, a diretoria anunciou a partida de despedida de Léo Moura: um amistoso contra o Nacional do Uruguai, em 4 de março, no Maracanã. O clube não tinha jogo marcado para o meio de semana e, pelo acordo, a equipe uruguaia jogaria com o time titular. Apenas os setores Norte e Oeste foram disponibilizados, em princípio.[95][96] O Flamengo venceu a partida por 2–0, com o primeiro gol de Eduardo e passe de Léo Moura e o segundo pelo jogador da base, Matheus Sávio. Léo Moura foi homenageado, antes da partida, por Zico. A partida contou com a presença de 30 620 torcedores.[3]

Em 12 de março, Léo Moura esteve na Gávea para se desligar oficialmente do clube e fez uma última despedida:[97]

Alecsandro[editar | editar código-fonte]

Em 2 de junho, o empresário do atleta, Oldegard Filho, anunciou o acerto da saída de Alecsandro para o Palmeiras. Ainda segundo o empresário, o clube já havia liberado o futebolista para negociações há 30 dias — houve, inclusive, uma negociação com o Grêmio, mas ela não se concretizou. O contrato será até o final da temporada de 2016. O jogador continuará no Flamengo nas partidas contra o Cruzeiro, em Belo Horizonte, e contra a Chapecoense, no Maracanã. Ele deve se apresentar ao novo clube na segunda-feira, 8 de junho.[98]

Em 3 de junho, após a derrota para o Cruzeiro por 1–0, revelou que estava chateado com a diretoria rubro-negra e disse que nunca pediu para deixar o clube, mesmo com a chegada de Guerrero, e que não gostaria de ter visto as possibilidades de saída serem divulgadas pela imprensa.[100]

Em 5 de junho, o clube anunciou a rescisão amigável do contrato. Por isso, ele não seria mais relacionado para a partida contra a Chapecoense, no Maracanã, no dia seguinte.[101][102]

Em 11 de junho, já treinando no Palmeiras, divulgou um vídeo em sua página oficial no Facebook, se despedindo da torcida rubro-negra.[103]

José Luiz Runco[editar | editar código-fonte]

Depois de 34 anos no Departamento Médico do clube, José Luiz Runco encerrou seu vínculo, em 10 de agosto. Chefe do Departamento Médico, vinha negociando com a diretoria sua saída desde o ano passado. Ele passará a ser colaborador voluntário sem vínculo empregatício do Departamento, que terá Márcio Tannure — que também é diretor médico da Comissão Atlética Brasileira de MMA (CABMMA) — como novo chefe.[104][105]

Em 14 de agosto, Runco, Tannure, Bandeira de Mello, o diretor-geral Fred Luz e do diretor-executivo Rodrigo Caetano concederam entrevista coletiva confirmando as mudanças no Departamento Médico. O médico fez a sua última participação em campo, na partida contra o Palmeiras.[106]

Campeonato Carioca[editar | editar código-fonte]

Polêmica dos ingressos[editar | editar código-fonte]

Decisão do arbitral

Em 15 de janeiro, em reunião arbitral na sede da FERJ, ficou definido que todas as partidas do Campeonato Carioca terão preços promocionais. A proposta do presidente do Vasco da Gama, Eurico Miranda, teve apoio de todos os clubes "pequenos", do Botafogo e do próprio Vasco. Apenas Flamengo e Fluminense votaram contra a proposta. Assim, apenas bilhetes meia-entrada serão vendido e não haverá venda de ingressos com valor inteiro. Para as partidas entre os clubes "pequenos" os valores serão cinco reais; entre "pequenos" e "grandes", o valor varia de acordo com o estádio e para os clássicos, entre os "grandes", 50 reais. A principal novidade, porém, ficou para as partidas realizadas às 22 horas no meio de semana (quartas e quintas-feiras): de 10 a 20 reais, em qualquer estádio.[107]

Protestos de Flamengo e Fluminense e do Consórcio Maracanã

Um dia depois, em 16 de janeiro, os únicos clubes contrários à proposta, Flamengo e Fluminense, anunciaram que estudavam medidas para reverter a decisão do arbitral. Os sócios-torcedores seriam os principais prejudicados que, segundo o Flamengo, não terão mais direito à meia-entrada.[108]

Resposta da FERJ

Em 24 de janeiro, a FERJ divulgou nota rebatendo as críticas dos dois clubes e do Consórcio Maracanã. A nota não foi assinada pelo Barra Mansa, estreante do Campeonato, e, originalmente pelo Botafogo, mas no começo da noite, a Federação divulgou que o clube aderiu ao texto.[109]

Novo arbitral

Em 26 de janeiro, após alguns dias depois das manifestações de Flamengo, Fluminense e até do Consórcio Maracanã, foi convocada uma nova reunião na FERJ para tratar dos preços promocionais dos ingressos no Campeonato Carioca.[110]

Durante a nova reunião, em 27 de janeiro, uma nota divulgada pelo Fluminense - sem o conhecimento do vice-presidente jurídico do clube, Carlos Eduardo Cardoso que participava do arbitral - que continha a assinatura de Flamengo e do Consórcio Maracanã, causou confusão. Ao receber a nota, o presidente da FERJ ordenou a impressão de uma cópia para cada um dos presentes e leu a nota, em voz alta. A questão só poderia ser mudada com unanimidade, mas com a nota, ela se tornou inviável. Presentes a reunião informaram que havia possibilidade de um entendimento até a chegada da nota.[112]

Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo, solicitou ao diretor executivo, Fred Luz, que estava do lado de fora do arbitral, a retirada do nome do clube da assinatura da nota, mesmo concordando com seu conteúdo.[112]

Consórcio Maracanã

Em 28 de janeiro, o Consórcio Maracanã divulgou um comunicado sobre a polêmica do valor dos ingressos. A nota cita principalmente três tópicos: a relação da empresa com o público que frequenta o estádio, com o Estadual e com Flamengo e Fluminense, clubes que mandam seus jogos no local. O Consórcio também explicitou que não teve relação com a nota anteriormente divulgada pelo Fluminense.[113]

Governo do Estado do Rio de Janeiro

Em 29 de janeiro, o secretário estadual da Casa Civil, Leonardo Espíndola, durante evento no MAM, sinalizou que o governo estadual, "dono" do Maracanã, pode intervir na polêmica do preço dos ingressos. Para Flamengo e Fluminense, os custos de operação do estádio são incompatíveis com os preços a serem praticados e são o principal entrave para a solução da polêmica.[114]

Acordo com FERJ determina saída de Bap

Em 3 de fevereiro, em meio a busca de acordo entre Flamengo e a FERJ, Luiz Eduardo Baptista, o Bap, vice-presidente de marketing do Flamengo, anunciou sua saída da diretoria do clube. O empresário era radicalmente contra as imposições da FERJ e, portanto, contra o acordo.[115]

Durante entrevista ao programa Arena SporTV, o presidente do Flamengo fez questão de corrigir quem usou a palavra "acordo" sobre o entendimento entre Flamengo e FERJ para a venda de ingressos na estreia do clube no Campeonato contra o Barra Mansa.[116]

Meia-entrada universal descartada em nota da FERJ

Em 4 de fevereiro, a FERJ divulgou comunicado oficial descartando a universalização da meia-entrada para o Campeonato. O acordo foi costurado entre a FERJ, o Flamengo, o governo do estado e o presidente do Vasco, como citado no comunicado.[117]

Liminar garante meia-entrada

Em 9 de fevereiro, o Tribunal de Justiça deferiu liminar para a ação proposta pelo Ministério Público sobre o valor promocional dos ingressos aos beneficiários da meia-entrada. Segundo a ação, estes beneficiários devem pagar a metade do valor, independentemente deles serem promocionais. Caso os clubes descumpram a liminar, a multa será de 300 mil reais por partida, além de devolverem o valor em dobro e sofrerem ação por dano moral coletivo no valor da arrecadação da partida.[118]

Lei da mordaça[editar | editar código-fonte]

Em 19 de fevereiro, a Justiça do Rio de Janeiro suspendeu a vigência do artigo do "Regulamento das Competições" da FERJ que prevê multas para quem criticar os torneios, incluindo o Campeonato Carioca, que ficou conhecido como "Lei da mordaça".[119]

O juiz do Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos, Marcello Rubioli, concedeu liminar para a ação civil pública que pedia a anulação do artigo, do defensor público Eduardo Chow. O artigo 133 do Regulamento aprovado pela FERJ previa multa de 50 mil reais para atos ou declarações "contrários, depreciativos ou ofensivos aos interesses do campeonato" feitos por pessoas ou instituições (como clubes). O artigo prevê multa em dobro para reincidência.[119]

A assessoria de imprensa da FERJ informou que a entidade vai cumprir a liminar e não pretende recorrer da decisão.[119]

Invasão ao vestiário do Macaé[editar | editar código-fonte]

Pouco antes do início da primeira partida disputada pelo Flamengo no Campeonato — em 31 de janeiro, contra o Macaé, no estádio Moacyrzão, em Macaé — o goleiro Ricardo Berna entrou para o aquecimento com o queixo sangrando e acusou uma torcida organizada do Flamengo de agressão. A agressão teria ocorrido durante uma invasão ao vestiário do Macaé, feita por cerca de 100 pessoas. Berna, relatou que a invasão aconteceu no momento da entrada da delegação do Macaé no estádio. O grupo entrou numa área reservada para profissionais envolvidos na partida por descuido da segurança.[120]

Marcelo Vianna, diretor de competições da FERJ, confirmou a invasão por parte da torcida, mas não especificou qual foi a torcida organizada do Flamengo responsável e ainda revelou que foram levados alguns pertences do Macaé como chuteiras e frutas.[120]

De acordo com o capitão do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (GEPE), Ricardo dos Santos, a ação dos torcedores aconteceu porque um portão de entrada, que não é de responsabilidade da polícia, não foi fechado e, também segundo o capitão, foram apenas 10 pessoas.[120]

Segundo a FERJ, o caso será analisado pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD/RJ), e o "Regulamento Geral das Competições" (RGC-2015), em seu "Capítulo III – Da ordem e da segurança das partidas" estabelece total responsabilidade ao mandante.[120]

No julgamento realizado no TJD/RJ, em 20 de fevereiro, Flamengo e Macaé foram penalizados com perda de um mando de campo e multa de 10 mil reais. A pena sugerida pela relatora, Tatiana Castro, contou com adesão integral dos auditores. Tanto o clube rubro-negro quanto a procuradoria do TJD/RJ não concordaram com a pena aplicada e devem recorrer.[121]

Se o Flamengo não conseguir o efeito suspensivo, terá que cumprir a perda do mando de campo na partida contra o Friburguense, em 8 de março. O Macaé ainda não definiu se irá pedir revisão da pena imposta.[121]

O Macaé cumpriu a pena em partida válida pela sétima rodada, contra o Tigres do Brasil. A partida foi disputada em Nova Friburgo, no estádio Eduardo Guinle em 28 de fevereiro e o Macaé venceu por 1–0. Já o Flamengo teve a partida contra o Friburguense, válida pela oitava rodada, transferida do Maracanã para o Engenhão, ainda dentro da cidade do Rio de Janeiro. A partida foi disputada em 7 de março e o Flamengo venceu por 2–0.[122]

Punição de Luxemburgo[editar | editar código-fonte]

Em 24 de março, Vanderlei Luxemburgo, com muitos desfalques para enfrentar o Bangu em 25 de março, criticou o regulamento por não poder buscar, nas categorias de base, a solução para este problema, já que apenas cinco juniores podem ser escalados por partida.[123]

Em 25 de março, o treinador foi suspenso preventivamente pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD/RJ) por críticas à Federação de Futebol do Rio de Janeiro e ao presidente da entidade, Rubens Lopes.[124] Mas, o Flamengo conseguiu uma liminar no STJD que liberou Luxemburgo para partida diante do Bangu, no Maracanã, no mesmo dia. O julgamento aconteceria em 30 de março, prazo da liminar.[125]

No dia seguinte, em entrevista, o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, evitou polemizar e defendeu Luxemburgo:[126]

No julgamento realizado em 30 de março, Luxemburgo foi suspenso por dois jogos no Campeonato Carioca. O treinador não compareceu ao julgamento e foi representado pelo advogado do clube, Michel Assef Filho. Dos cinco auditores, três votaram pela suspensão de duas partidas e os outros dois, por três partidas de suspensão. Prevaleceu, então, a maioria e a punição de duas partidas. Desta forma, Luxemburgo não poderá dirigir a equipe, sequer aparecer no vestiário, nas duas últimas partidas da Taça Guanabara: contra o Fluminense, no Maracanã, em 5 de abril e, em 8 de abril, contra o Nova Iguaçu, no Moacyrzão, em Macaé. O clube vai recorrer ao pleno do TJD/RJ e, se necessário, até ao STJD, segundo o advogado.[127]

Em 31 de março, o clube divulgou uma nota de repúdio ao resultado do julgamento e em defesa do treinador.[128]

No mesmo dia, o clube foi notificado sobre um novo inquérito, aberto contra Luxemburgo, pela procuradoria de Justiça Desportiva com o objetivo de apurar suposta infração em entrevista concedida pelo treinador. A base da investigação seria a crítica feita, em 20 de março, a Rubens Lopes, presidente da FERJ, por ele ter assistido à partida entre Vasco da Gama e Nova Iguaçu no camarote do presidente vascaíno, Eurico Miranda, em São Januário.[129]

Em 1 de abril, o Flamengo conseguiu no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) um efeito suspensivo para que o treinador dirija a equipe no Fla-Flu. Horas antes, o TJD-RJ havia negado a mesma solicitação. De acordo com Flávio Willeman, vice-presidente jurídico rubro-negro, este efeito suspensivo tem validade até o julgamento do mérito em última instância e isso pode acontecer até mesmo depois do Campeonato Carioca. Assim, se a suspensão for mantida, Luxemburgo só cumpriria os dois jogos de suspensão na próxima edição do Carioca.[130]

No dia seguinte, em entrevista, o presidente do clube, Eduardo Bandeira de Mello, ao comentar a suspensão imposta à Luxemburgo, fez duras críticas à FERJ.[131]

À noite, o presidente do Flamengo participou com Peter Siemsen, presidente do Fluminense, de um debate ao vivo no canal ESPN Brasil e com entrada por telefone do presidente da FERJ, Rubens Lopes.[131]

Também à noite, o STJD, a pedido da Procuradoria do TJD/RJ, retrocedeu e caçou a liminar concedida ao Flamengo. Assim, o treinador não poderá participar do Fla-Flu e deverá aguardar o julgamento do recurso no Pleno do TJD/RJ, sem data para acontecer. O auxiliar técnico, Deivid, ex-atacante rubro-negro, é quem deve comandar a equipe no Maracanã. O efeito suspensivo foi concedido pelo vice-presidente do STJD, Ronaldo Piacente, mas o presidente, Caio Rocha, mudou a decisão por ter um entendimento diferente.[132]

Em 3 de abril, o treinador fez um pronunciamento na sala de coletivas do Ninho do Urubu, sem perguntas. Falou como profissional do futebol e como cidadão. E, depois, "amordaçou-se", colocando um esparadrapo na boca e deixou o local. Durante a entrevista, explicou que, em decisão conjunta com Eduardo Bandeira de Mello, não irá ao Maracanã para acompanhar a partida, que terá Deivid no comando da equipe.[133]

Em 22 de maio, o Pleno do STJD, por unanimidade, absolveu o treinador e a própria Procuradoria Geral do STJD se posicionou contrária à punição aplicada.[134][135]

Campeonato Brasileiro[editar | editar código-fonte]

Cusparada[editar | editar código-fonte]

Em 2 de junho, a 4ª Comissão Disciplinar do STJD puniu o Flamengo com uma multa de 20 mil reais por uma atitude mal educada de um torcedor. A cusparada foi flagrada pelas câmeras do SporTV e a atitude foi considerado lamentável pelo departamento jurídico rubro-negro, que argumentou que o torcedor é que deveria ser responsabilizado, mas o relator, Lucas Asfor Rocha Lima, não acatou os argumentos. O clube tem sete dias para cumprir a decisão.[136]

Em 2 de julho, no Pleno do STJD, o clube conseguiu reverter a punição, com empate em quatro a quatro entre os auditores. Como o empate favorece o réu, o clube não terá que pagar a multa anteriormente definida. Foram quatro votos pela absolvição, incluindo o relator do caso, Flavio Zveiter, três pela redução da multa para 2,5 mil reais e um outro para que fosse mantido o valor do julgamento anterior. A anulação da multa provocou protestos do procurador-geral do Tribunal, Paulo Schmidt: "agora está liberado cuspir no árbitro".[137]

Nota de repúdio a arbitragem[editar | editar código-fonte]

Em 7 de setembro, o clube divulgou uma nota de repúdio e descontentamento a respeito da arbitragem nos jogos do Campeonato Brasileiro. A nota indica que a arbitragem do Fla-Flu, de 6 de setembro, manchou o espetáculo. O clube divulgou a nota em função do toque de mão de Wallace no primeiro gol rubro-negro e afirmou também que a posição do clube deve ser marcada não apenas nos momentos em que o clube é prejudicado, mas, igualmente, também quando é favorecido, que foi o caso, mesmo não havendo influência no resultado, na visão do clube.[138]

Punição por xingamento a árbitro[editar | editar código-fonte]

Em 8 de setembro, Emerson Sheik foi punido pelo STJD por xingar o árbitro Wilton Pereira Sampaio em entrevista no intervalo da partida contra o Vasco da Gama, pela Copa do Brasil, em 19 de agosto. O atleta foi denunciado no artigo 243-F do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) e a pena poderia chegar a até seis partidas e uma multa de até 100 mil reais, porém o atacante acabou pegando a pena mínima do artigo 258 (prática antidesportiva) com punição de suspensão de apenas uma partida. Como o Flamengo já foi eliminado da Copa do Brasil, a pena terá que ser cumprida no Campeonato Brasileiro, segundo o artigo 171 do CBJD. Emerson não deve enfrentar o Cruzeiro na partida de 10 de setembro, no Maracanã, mas ainda cabe efeito suspensivo.[139]

Em 9 de setembro, o procurador geral do STJD, Paulo Schmitt, classificou como "ridícula" a sentença recebida pelo jogador. Schmitt informou que vai levar o caso ao Pleno e ainda ironizou dizendo que os auditores deveriam pedir um autógrafo ao jogador.[140]

O advogado de defesa, Michel Asseff Filho, que trabalha pela absolvição, informou que que também vai recorrer ao Pleno.[140]

Em 10 de setembro, o clube conseguiu efeito suspensivo no STJD, assim Sheik pode atuar na partida contra o Cruzeiro e até que o julgamento no Pleno aconteça.[141]

O julgamento no Pleno do STJD aconteceu em 22 de outubro e, nesta nova e final decisão, Sheik foi punido com três jogos, o diretor executivo Rodrigo Caetano foi punido com 15 dias de suspensão (por ter dito ao árbitro Igor Junio Benevenuto durante o intervalo da derrota por 4–2 para o Palmeiras: "Você não tem vergonha? Errado não é você, errado é quem colocou você aqui, você está cego? Tá vendo outro jogo?") e o zagueiro Wallace teve a primeira decisão mantida (pela expulsão na primeira partida contra o Vasco da Gama pelas oitavas de final da Copa do Brasil), ou seja, foi absolvido. Como Sheik cumpriu uma partida, contra o Cruzeiro, mesmo com o efeito suspensivo (que o clube abriu mão à época, por ele ter se machucado) deverá ficar mais duas partidas ausente: contra o Corinthians e contra o Grêmio.[142]

Copa do Brasil[editar | editar código-fonte]

Polêmica dos ingressos do Salgueirão[editar | editar código-fonte]

Após a partida contra o Salgueiro, no Salgueirão, o clube não concordou com o público pagante divulgado, 4 900 em 12 mil ingressos colocados a venda, e deixou o estádio sem recolher sua parte na renda, 60% do valor arrecadado, por ter eliminado a segunda partida. O chefe de segurança do Flamengo, responsável por retirar o dinheiro, queria fazer um adendo no borderô, informando esta discordância com o público apresentado, mas o delegado da partida, Paulo Falcão, impediu este adendo. A CBF será responsável por uma definição no caso e, ainda, não divulgou o borderô ou uma solução para o caso.[143][144]

Outros assuntos[editar | editar código-fonte]

Brasileiro de 1987[editar | editar código-fonte]

Em 12 de março, a juíza federal Laurita Vaz divulgou autorização para que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue o caso sobre o campeão do Brasileiro de 1987. A disputa entre Flamengo e Sport pelo título da edição do Brasileiro vem se arrastando há mais de vinte anos. Em abril de 2014, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) apontou, em decisão, o Sport como campeão exclusivo daquela edição, em resposta a uma ação no Tribunal Regional Federal (PE) contestando a resolução de 2011 da CBF reconhecendo ambos os clubes como campeões. O Flamengo argumentou que este acórdão teria violado a Constituição Federal. O julgamento no STF caberá ao pleno e deve acontecer ainda em 2015.[145]

120 anos[editar | editar código-fonte]

Em 17 de novembro deste ano, o clube completará 120 anos. Uma medalha comemorativa será lançada pela Casa da Moeda com a marca definida pelos torcedores durante uma campanha de marketing que acontecerá no Globoesporte.com de 15 a 24 de maio.[146]

Em 25 de maio, o site exibiu a imagem vencedora, com 59% dos votos dos torcedores.[147]

Em 10 de julho, as medalhas foram apresentadas na Gávea por representantes do clube e da Casa da Moeda. A pré-venda das medalhas acontecerá a partir de outubro no site "Clube da Medalha". A tiragem de 30 mil peças é a maior já fabricada pela Casa da Moeda. Serão produzidos seis tipos diferentes:[148]

  • 15 mil medalhas de bronze, ao custo individual de 90 reais
  • 10 mil medalhas de bronze resinadas, por 150 reais
  • 3.500 medalhas de bronze dourado resinadas, por 284 reais
  • 625 medalhas de prata, por 420 reais
  • 625 medalhas de prata resinadas, por 480 reais
  • 250 medalhas de ouro, no valor de 27.303 reais

Ginástica artística[editar | editar código-fonte]

Em 2 de maio, a ginasta do Flamengo Rebeca Andrade conquistou a medalha de prata no Copa do Mundo de Ginástica Artística São Paulo 2015 no salto, com uma média de 14,700 pontos, atrás apenas da chinesa Yalan Deng, com média de 14,962. Letícia Costa, também do Flamengo, terminou na quarta colocação com 14.150, atrás da chilena Franchesca Santi com 14,162, uma diferença de 0,012 pontos.[149][150]

Futebol Feminino[editar | editar código-fonte]

Em 16 de julho, o clube apresentou oficialmente a equipe feminina e o uniforme para a disputa das edições deste ano do Campeonato Carioca e do Campeonato Brasileiro em parceria com a Marinha do Brasil.[151][152]

A equipe terá, entre outras, as jogadoras Tânia Maranhão e Andréia dos Santos, a Maycon, que são medalhistas olímpicas e pan-americanas pela Seleção Brasileira.

Sul-Minas[editar | editar código-fonte]

Em 16 de julho, representantes dos principais clubes do Paraná, Minas Gerais, Santa Catarina, além da dupla Fla-Flu, iniciaram o planejamento oficial do torneio interestadual em um encontro realizado em Curitiba, pelos dirigentes do clube paranaense. Grêmio e Internacional não participaram do encontro, porém afirmaram que estarão presentes na próxima reunião, agendada para 24 de julho, em Balneário Camboriú, Santa Catarina.[153]

A FERJ não aprova a participação da dupla Fla-Flu em uma eventual Copa Sul-Minas. A entidade máxima do futebol carioca "acha improvável que a entidade máxima do nosso futebol acompanhe essa ideia", mas é uma decisão da CBF, ainda segundo a FERJ. Ela ressaltou que uma autorização para participar da Sul-Minas não isentaria os clubes da obrigação de disputar o Campeonato Carioca e que as sanções por esse tipo de infração seriam "extremamente severas".[154]

Mesmo embrionário, a ideia é que o Campeonato siga o formato da UEFA Champions League com 12 times e uma final que pode acontecer fora da cidade dos times envolvidos, previamente escolhida. A competição seria realizada no primeiro semestre em 16 datas, com 12 participantes, sendo dois clubes fixos de cada estado participante e mais duas vagas classificatórias pelo desempenho dos estaduais: Paraná (Coritiba e Atlético), Rio Grande do Sul (Internacional e Grêmio), Minas Gerais (Cruzeiro e Atlético), Fluminense e Flamengo e os dois catarinenses melhores colocados no Campeonato Brasileiro e as duas vagas "extras".[155]

Falecimentos[editar | editar código-fonte]

Treinadores[editar | editar código-fonte]

Vanderlei Luxemburgo[editar | editar código-fonte]

Vanderlei Luxemburgo foi anunciado pela diretoria do clube no mesmo dia da demissão de Ney Franco, 23 de julho. O contrato será até o final da temporada de 2015, final do mandato da diretoria. O auxiliar técnico será o ex-atacante Deivid e Antonio Mello, o preparador físico. A estreia será no clássico contra o Botafogo, no Maracanã.[162]

É a quarta passagem do treinador pelo clube e, na última, há dois anos, terminou em fevereiro durante a gestão de Patrícia Amorim, após uma queda de braço com Ronaldinho Gaúcho.[162]

Em 25 de maio, um dia após a derrota para o Avaí, o treinador foi demitido. A saída, segundo a reunião entre o treinador e dirigentes do clube, seria o melhor em função dos resultados nas três primeiras rodadas do Brasileirão. Também deixam o clube, o auxiliar técnico Deivid e o preparador físico Antônio Mello, que fazem parte da comissão de Luxemburgo.[164][165]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Temp. Competição Jogos Vitórias Empates Derrotas Aprov. Observações Ref
Temporadas anteriores 182 91 56 37 60,3% [167][168]
2014[169] Campeonato Brasileiro 27 13 6 8 55,6% 10º. colocado
Copa do Brasil 6 4 0 2 66,7% Semifinais
Total da temporada 33 15 6 10 51,6%
2015[10] Campeonato Brasileiro 38 15 4 19 43,0% 12º Colocado
Copa do Brasil 5 3 1 1 66,6% Oitavas
Campeonato Carioca 15 10 3 2 73,3% 3º. colocado
Super Series 2 2 0 0 100,0% Campeão
Amistosos 3 2 1 0 77,8%
Total da temporada 63 32 9 21 72,14%
TOTAL 241 123 67 51 60,3%
Última atualização em 25 de maio de 2015.

Deivid[editar | editar código-fonte]

Após a suspensão de Vanderlei Luxemburgo por duas partidas, foi anunciado como comandante do time na partida contra o Fluminense.[133]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Temp. Competição Jogos Vitórias Empates Derrotas Aprov. Observações Ref
2015[10] Campeonato Carioca 2 1 1 0 66,7% [171][172]
Total da temporada 2 1 1 0 66,7%
TOTAL 2 1 1 0 66,7%
Última atualização em 12 de abril de 2015.

Jaime de Almeida[editar | editar código-fonte]

Em 26 de maio, após a saída de Vanderlei Luxemburgo, Jaime de Almeida foi confirmado como treinador interino até que fosse decidido o novo treinador. Jaime havia voltado para o clube em abril deste ano e faz parte da comissão técnica fixa do clube.[164] Com a chegada de Cristóvão Borges, continuou na comissão técnica.[173]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Temp. Competição Jogos Vitórias Empates Derrotas Aprov. Observações Ref
Temporadas anteriores 52 28 14 10 62,8% [174][175]
2015[10] Copa do Brasil 1 0 1 0 33,3%
Total da temporada 1 0 1 0 33,3%
TOTAL 53 28 15 10 62,3%
Última atualização em 3 de junho de 2015.

Cristóvão Borges[editar | editar código-fonte]

Em 28 de maio, Cristóvão Borges foi apresentado como o novo treinador do clube. Também dirigiu o Vasco da Gama, o Bahia e o Fluminense, clube que deixou em março e enfrentou na sua estreia (o Flamengo perdeu a partida por 2–3[176]).[173]

Em 20 de agosto, após a derrota para o Vasco da Gama pela Copa do Brasil, sua demissão foi anunciada após uma reunião, pela manhã, entre o treinador e o Conselho Gestor.[177]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Temp. Competição Jogos Vitórias Empates Derrotas Aprov. Observações Ref
2015[10] Campeonato Brasileiro 16 7 1 8 45,8% 13º. colocado [179][180][181]
Copa do Brasil 2 1 0 1 50,0% Oitavas de final
Total da temporada 18 8 1 9 46,3%
Última atualização em 20 de agosto de 2015.

Oswaldo de Oliveira[editar | editar código-fonte]

Ainda em 20 de agosto, pouco mais de cinco horas depois da demissão de Cristóvão Borges, Oswaldo de Oliveira foi anunciado como novo treinador do clube.[182][183]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Temp. Competição Jogos Vitórias Empates Derrotas Aprov. Observações Ref
Temporadas anteriores 18 7 3 4 44,4% [184][185]
2015[10] Campeonato Brasileiro 13 7 0 6 53,8%
Copa do Brasil 1 0 1 0 33,3% Oitavas de final
Amistosos 1 1 0 0 100,0%
Total da temporada 15 8 1 6 55,6%
TOTAL 33 15 4 10 49,5%
Última atualização em 27 de outubro de 2015.

Competições[editar | editar código-fonte]

Campeonato Brasileiro[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Campeonato Brasileiro
Pos. Time PG J V E D GP GC SG %
10 Rio de Janeiro Flamengo 44 32 14 2 16 39 44 –5 45,8
Última atualização em 27 de outubro de 2015.
Segunda fase da Copa Libertadores de 2016
Primeira fase da Copa Libertadores de 2016
Zona intermediária
Zona de rebaixamento à Série B de 2016

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Resultados do primeiro turno
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
São Paulo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Sport
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Avaí
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Fluminense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cruzeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Chapecoense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Coritiba
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Atlético-MG
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Vasco da Gama
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Joinville
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Figueirense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Internacional
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Corinthians
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Grêmio
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Goiás
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Santos
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Ponte Preta
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Atlético-PR
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Palmeiras
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Resultados do segundo turno
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
São Paulo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Sport
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Avaí
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Fluminense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cruzeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Chapecoense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Coritiba
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Atlético-MG
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Vasco
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Joinville
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Figueirense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Internacional
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Corinthians
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo

Desempenho por rodada[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 19ª
16º 15º 17º 18º 19º 17º 16º 17° 17° 15º 15º 13º 15º 14º 11º 11º 13º 12º 13º
Segundo turno 20ª 21ª 22ª 23ª 24ª 25ª 26ª 27ª 28ª 29ª 30ª 31ª 32ª 33ª 34ª 35ª 36ª 37ª 38ª
13º 10º 10º 10º 10º

Copa do Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Copa do Brasil

Primeira fase - Chave 13[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Resultados da primeira fase

O sorteio da primeira fase foi realizado em 16 de dezembro de 2014, na sede da CBF, no Rio de Janeiro. Nessa fase, se o Flamengo vencer por dois gols de diferença elimina o segundo jogo.[187] Algumas mudanças para esa edição é o sorteio que será feito para definir além das oitavas de final, também terá outro para definir as quartas de final. E na final o sistema de gol fora de casa não é válido.[188]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Brasil de Pelotas
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Brasil de Pelotas

Segunda fase - Chave 47[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Resultados da segunda fase

Em 17 de abril, a CBF divulgou o calendário da segunda fase da Copa do Brasil. A primeira partida da segunda fase foi entre Flamengo e Salgueiro, em 22 de abril, às 22 horas, no Salgueirão. As equipes voltariam a se enfrentar no Maracanã, em 13 de maio, caso o Flamengo não vencesse a primeira partida por dois ou mais gols.[190]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Salgueiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo

O Flamengo venceu por dois gols de diferença na casa do adversário e, assim, eliminou a necessidade da partida de volta.[191]

Terceira fase - Chave 64[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Resultados da terceira fase

Em 14 de maio, a CBF realizou o sorteio dos mandantes das partidas da terceira fase. O Flamengo fará a primeira partida em casa, no Maracanã, e a segunda partida na Arena Pernambuco. A partir desta fase, não há mais a regra que classifica o visitante na vitória por dois gols no jogo de ida.[192]

Na 1ª partida, o time foi dirigido interinamente por Jaime de Almeida, auxiliar permanente do clube — Vanderlei Luxemburgo foi demitido em 25 de maio e Cristóvão Borges só assumiria o clube no dia seguinte a partida — um ano e 15 dias depois de deixar o clube, em 12 de maio de 2014.[193]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Náutico
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Náutico
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo

Oitavas de final[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Resultados da fase final

Para esta fase, foi realizado um novo sorteio pela CBF, em 4 de agosto,[195] que definiu os confrontos e os mandos de campo.[196][197] Em 5 de agosto, a CBF divulgou as datas, horários e locais das partidas.[198]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Vasco
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Vasco
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo

Com o resultado agregado de 2–1 para o Vasco da Gama, o Flamengo foi eliminado da competição.[12]

Campeonato Carioca[editar | editar código-fonte]

O Campeonato Carioca de Futebol de 2015 (também conhecido como Cariocão Guaraviton 2015 por questões de patrocínio) foi a 114ª edição da principal divisão do futebol no Rio de Janeiro. A disputa foi organizada pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ).[11]

Assim como a edição anterior, esta edição foi disputada em turno único, em três fases: fase classificatória (Taça Guanabara), semifinal e final. As equipes fizeram parte de um grupo único, jogando no sistema de todos contra todos em 15 rodadas, classificando-se para as semifinais as quatro primeiras colocadas. As semifinais foram disputadas em duas partidas e as duas equipes melhores colocadas na fase classificatória, jogaram por dois empates. A melhor colocada entre as duas vencedoras, teve o mesmo privilégio na final.[11]

Fase classificatória (Taça Guanabara)[editar | editar código-fonte]

Campeão e classificado para a fase final do Campeonato Estadual
Zona de classificação para a fase final do Campeonato Estadual
Zona de desclassificação
Pos. Time PG J V E D GP GS SG
2 Flamengo 36 15 11 3 1 31 9 +22
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Macaé
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Barra Mansa
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Resende
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cabofriense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Boavista
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Madureira
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Botafogo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Friburguense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Volta Redonda
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Tigres do Brasil
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Vasco da Gama
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Bangu
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Bonsucesso
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Fluminense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Nova Iguaçu
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo

Fase final[editar | editar código-fonte]

Tabela[editar | editar código-fonte]

Em itálico, as equipes que jogaram pelo empate, por ter melhor campanha na fase de grupos (1º e 2º colocados).[11]

  Semifinais Final
                     
 Fluminense 2  
 Botafogo 1  
   Botafogo
   Vasco da Gama
 Vasco da Gama 0 1 1
 Flamengo 0 0 0
Semifinais[editar | editar código-fonte]
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Vasco da Gama
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Flamengo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Vasco da Gama

Torneio Super Clássicos[editar | editar código-fonte]

O Torneio Super Clássicos foi disputado entre os quatro grandes clubes do Campeonato e contabilizadas apenas as partidas entre eles durante o turno único e excluindo-se as partidas semifinais e finais.[200]

Pos. Time PG J V E D GP GS SG
1 Flamengo 6 3 2 0 1 5 2 +3
2 Vasco da Gama 4 3 1 1 1 3 3 0
3 Botafogo 4 3 1 1 1 3 4 –1
4 Fluminense 3 3 1 0 2 3 5 –2
Premiação[editar | editar código-fonte]
Torneio Super Clássicos
Município do Rio de Janeiro
FLAMENGO
Tricampeão
(3º título)

Super Series[editar | editar código-fonte]

O torneio foi um triangular que teve jogos em 21, 23 e 25 de janeiro, na Arena da Amazônia, entre Flamengo, São Paulo e Vasco da Gama. Nesta disputa, a vitória rendia três pontos e, em caso de empate, o jogo iria para disputa por pênaltis: a vitória nos pênaltis valia dois pontos e a derrota um. O clube que conquistasse mais pontos seria o vencedor.[201][202] O Flamengo foi o vencedor após derrotar o Vasco da Gama e o São Paulo por 1–0.[9] Na outra partida, o São Paulo venceu o Vasco da Gama por 2–1, com gols de Luís Fabiano e Souza para o clube paulista e Bruno, contra, para o carioca.[203]

Pos. Time PG J V VP DP GP GC SG
1 Rio de Janeiro Flamengo 6 2 2 0 0 2 0 +2
2 São Paulo São Paulo 3 2 1 0 0 2 2 0
3 Rio de Janeiro Vasco da Gama 0 2 0 0 0 1 3 -2

Premiação[editar | editar código-fonte]

Super Series de 2014
Rio de Janeiro
FLAMENGO
Campeão
(1º título)

Amistosos[editar | editar código-fonte]

Além do torneio "Super Series", duas partidas amistosas foram disputadas: contra o Shakhtar Donetsk, em 18 de janeiro, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília[1][2] e a despedida de Léo Moura contra o Nacional, em 4 de março, no Maracanã.[3] Uma nova partida amistosa como preparação para o Campeonato Brasileiro foi realizada, contra o Icasa, em 2 de maio, no Romeirão.[4][5]

Em 17 de setembro, a Desportiva Ferroviária confirmou o amistoso contra o Flamengo, em 11 de outubro, durante a paralisação do Brasileiro para a disputa das eliminatórias da Copa do Mundo 2018.[13]

Em 27 de outubro, o Flamengo anunciou o acerto para a partida contra o Orlando City, em 15 de novembro, durante a nova paralisação do Brasileiro para a disputa das eliminatórias da Copa do Mundo 2018.[205]

Partidas disputadas[editar | editar código-fonte]

O clube disputou 59 partidas, sendo 24 como mandante, 22 como visitante e 13 clássicos[CLAS]. Foram 34 vitórias, nove empates e 16 derrotas. A equipe marcou 89 gols e sofreu 53, com saldo de 36 gols.

Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Legenda:      Vitória —      Empate —      Derrota —      Clássico[CLAS]

Primeira partida[editar | editar código-fonte]

Última partida[editar | editar código-fonte]

Próxima partida[editar | editar código-fonte]

Campanha[editar | editar código-fonte]

Essa é a campanha na temporada:[10]

Mandante Visitante Clássicos[CLAS] Total
Jogos 24 23 12 59
Vitórias 16 14 4 34
Empates 4 3 2 9
Derrotas 4 6 6 16
Gols marcados 42 34 13 89
Gols sofridos 20 21 12 53
Saldo de gols 22 13 1 36
Aproveitamento (%) 72,2% 65,2% 38,9% 62,7%
Última atualização em 13 de outubro de 2015.

Confrontos[editar | editar código-fonte]

Sudeste[editar | editar código-fonte]

Clássicos[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro 4 1 0 3 6 7 -1 25,0
Copa do Brasil 2 0 1 1 1 2 -1 16,7
Campeonato Carioca 5 2 1 2 5 3 +2 46,7
Amistosos 1 1 0 0 1 0 +1 100,0
Total 12 4 2 6 13 12 +1 38,9
Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Botafogo[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro
Copa do Brasil
Campeonato Carioca 1 0 0 1 0 1 -1 0,0
Amistosos
Total 1 0 0 1 0 1 -1 0,0
Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Fluminense[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro 2 1 0 1 5 4 +1 50,0
Copa do Brasil
Campeonato Carioca 1 1 0 0 3 0 +3 100,0
Amistosos
Total 3 2 0 1 8 4 +4 66,7
Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Vasco da Gama[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro 2 0 0 2 1 3 -2 0,0
Copa do Brasil 2 0 1 1 1 2 -1 16,7
Campeonato Carioca 3 1 1 1 2 2 0 44,4
Amistosos 1 1 0 0 1 0 +1 100,0
Total 8 2 2 4 5 7 -2 33,3
Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Demais clubes do Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro
Copa do Brasil
Campeonato Carioca 12 9 3 0 26 5 +21 83,3
Amistosos
Total 12 9 3 0 26 5 +21 83,3
Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Clubes de São Paulo[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro 6 1 1 4 7 13 -6 22,2
Copa do Brasil
Amistosos 1 1 0 0 1 0 +1 100,0
Total 7 2 1 4 8 13 -5 33,3
Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Clubes de Minas Gerais[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro 4 1 0 3 3 7 -4 25,0
Copa do Brasil
Amistosos
Total 4 1 0 3 3 7 -4 25,0
Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Clubes do Espírito Santo[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro
Copa do Brasil
Amistosos 1 1 0 0 4 0 +4 100,0
Total 1 1 0 0 4 0 +4 100,0
Última atualização em 13 de outubro de 2015.

Sul[editar | editar código-fonte]

Clubes do Rio Grande do Sul[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro 2 2 0 0 3 1 +2 100,0
Copa do Brasil 2 2 0 0 4 1 +3 100,0
Amistosos
Total 4 4 0 0 7 2 +5 100,0
Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Clubes de Santa Catarina[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro 8 5 0 3 12 7 +5 62,5
Copa do Brasil
Amistosos
Total 8 5 0 3 12 7 +5 62,5
Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Clubes do Paraná[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro 2 2 0 0 4 2 +2 100,0
Copa do Brasil
Amistosos
Total 2 2 0 0 4 2 +2 100,0
Última atualização em 13 de outubro de 2015.

Nordeste[editar | editar código-fonte]

Clubes de Pernambuco[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro 2 1 1 0 2 2 0 66,7
Copa do Brasil 3 2 1 0 5 1 +4 77,8
Amistosos
Total 5 3 2 0 7 3 +4 73,3
Última atualização em 13 de outubro de 2015.
Clubes do Ceará[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro
Copa do Brasil
Amistosos 1 1 0 0 1 0 +1 100,0
Total 1 1 0 0 1 0 +1 100,0
Última atualização em 13 de outubro de 2015.

Centro-Oeste[editar | editar código-fonte]

Clubes de Goiás[editar | editar código-fonte]
Competição J V E D GP GC SG %
Campeonato Brasileiro 1 1 0 0 1 0 +1 100,0
Copa do Brasil
Amistosos
Total 1 1 0 0 1 0 +1 100,0
Última atualização em 13 de outubro de 2015.

Internacionais[editar | editar código-fonte]

Competição J V E D GP GC SG %
Amistosos 2 1 1 0 2 0 +2 66,7
Total 2 1 1 0 2 0 +2 66,7
Última atualização em 13 de outubro de 2015.

Artilharia[editar | editar código-fonte]

A artilharia da temporada:[10]

# Futebolista Total Amistoso Super Series Campeonato
Carioca
Copa do
Brasil
Campeonato
Brasileiro
01 Alecsandro 11 0 0 9 1 1
Marcelo Cirino 11 0 0 9 1 1
03 Everton 7 0 1 2 0 4
04 Emerson Sheik 6 1 0 0 0 5
05 Alan Patrick 5 0 0 0 0 5
Eduardo 5 1 0 1 1 2
Paulinho 5 0 0 1 1 3
08 Gabriel 4 1 0 0 0 3
Guerrero 4 0 0 0 1 3
Kayke 4 0 0 0 0 4
Matheus Sávio 4 2 0 2 0 0
12 Canteros 3 0 0 1 0 2
Ederson 3 0 0 0 0 3
14 Arthur Maia 2 0 0 1 1 0
Pará 2 0 0 1 1 0
Samir 2 0 1 1 0 0
Wallace 2 0 0 0 1 1
18 Anderson Pico 1 0 0 1 0 0
Ayrton 1 0 0 0 0 1
Bressan 1 0 0 1 0 0
César Martins 1 1 0 0 0 0
Douglas Baggio 1 1 0 0 0 0
Jonas 1 0 0 1 0 0
Jorge 1 0 0 0 1 0
Luiz Antônio 1 0 0 0 0 1
Gols contra[GC] 1 0 0 0 1 0
TOTAL 89 7 2 31 10 39
GC. ^ Madson (Vasco da Gama)
Em itálico os futebolistas que não atuam mais pelo clube
Última atualização em 13 de outubro de 2015.

Pênaltis sofridos[editar | editar código-fonte]

Estes são os pênaltis a favor do Flamengo:

Futebolista Pênalti Mandante Placar Visitante Data Competição Etapa
1 Alecsandro (1) Gol marcado aos 72 minutos de jogo 72' Resende 1 – 2 Flamengo 7 de fevereiro Taça Guanabara 3ª rodada
2 Alecsandro (2) Gol marcado aos 53 minutos de jogo 53' Flamengo 2 – 1 Vasco da Gama 22 de março Taça Guanabara 11ª rodada
3 Everton (1) Gol marcado aos 85 minutos de jogo 85' São Paulo 2 – 1 Flamengo 10 de maio Campeonato Brasileiro 1ª rodada
4 Emerson Sheik (1) Gol marcado aos 22 minutos de jogo 22' Desportiva Ferroviária 0 – 4 Flamengo 11 de outubro Amistoso
Última atualização em 13 de outubro de 2015.

Gols contra[editar | editar código-fonte]

Estes são os gols contra feitos pelos futebolistas do Flamengo:

Futebolista Gol contra Mandante Placar Visitante Data Competição Etapa
1 Anderson Pico (1) Gol contra marcado aos 75 minutos de jogo 75' Resende 1 – 2 Flamengo 7 de fevereiro Taça Guanabara 3ª rodada
2 Pará (1) Gol contra marcado aos 32 minutos de jogo 32' Flamengo 2 – 3 Fluminense 31 de maio Campeonato Brasileiro 4ª rodada
3 Samir (1) Gol contra marcado aos 21 minutos de jogo 21' Flamengo 0 – 2 Atlético Mineiro 20 de junho Campeonato Brasileiro 8ª rodada
4 Samir (2) Gol contra marcado aos 58 minutos de jogo 58' Palmeiras 4 – 2 Flamengo 16 de agosto Campeonato Brasileiro 19ª rodada
5 Marcelo (1) Gol contra marcado aos 16 minutos de jogo 16' Atlético Mineiro 4 – 1 Flamengo 20 de setembro Campeonato Brasileiro 27ª rodada
Última atualização em 13 de outubro de 2015.

Cartões[editar | editar código-fonte]

Os cartões amarelos e vermelhos recebidos durante a temporada:[10]

# Futebolista Expulso Penalizado com cartão amarelo
01 Wallace 1 14
02 Canteros 1 12
03 Everton 1 10
Pará 1 10
05 Jonas 1 8
06 Paulinho 1 7
07 Anderson Pico 1 4
08 Gabriel 1 1
09 Emerson Sheik 0 10
10 Márcio Araújo 0 9
11 Jorge 0 8
12 Bressan 0 6
Marcelo Cirino 0 6
14 Cáceres 0 4
Eduardo 0 4
Guerrero 0 4
17 Alan Patrick 0 3
Alecsandro 0 3
Arthur Maia 0 3
César Martins 0 3
Luiz Antônio 0 3
Marcelo 0 3
Paulo Victor 0 3
24 Armero 0 2
Kayke 0 2
Lucas Mugni 0 2
Matheus Sávio 0 2
Samir 0 2
29 César 0 1
Thallyson 0 1
TOTAL 8 151
MÉDIA (61 partidas) 0,1 2,5
Em itálico os futebolistas que não atuam mais pelo clube
Última atualização em 22 de outubro de 2015.

Cartões vermelhos[editar | editar código-fonte]

Futebolista Cartão Mandante Placar Visitante Data Competição Etapa
1 Paulinho (1) Expulso a 87 minutos 87' Flamengo 2 – 1 Vasco da Gama 22 de março Taça Guanabara 11ª rodada
2 Anderson Pico (1) Expulso a 87 minutos 87'
3 Gabriel (1) Expulso a 85 minutos 85' Salgueiro 0 – 2 Flamengo 22 de abril Copa do Brasil 2ª fase - Ida
4 Canteros (1) Penalizado a 84 minutosPenalizado a 90+1 minutosExpulso a 90+1 minutos 84', 90+1' Flamengo 2 – 3 Fluminense 31 de maio Campeonato Brasileiro 4ª rodada
5 Jonas (1) Penalizado a 33 minutos