Tentativa de golpe de Estado nas Filipinas em 1989

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tentativa de golpe de Estado nas Filipinas em 1989
Local Filipinas
Resultado Golpe esmagado por meio da intervenção dos Estados Unidos
Criação da Comissão de Averiguação Davide
Prisão de Honasan e dos golpistas conspiradores, financiadores e líderes, mas alguns seriam anistiados, posteriormente.
Participantes do conflito
Filipinas Governo das Filipinas
 Estados Unidos
Movimento Reforma das Forças Armadas
Soldados do Povo Filipino (SFP)
Líderes
Filipinas Presidente Corazon Aquino
Filipinas Secretário de defesa Fidel V. Ramos
Filipinas General Renato De Villa
Estados Unidos George H. W. Bush
Estados Unidos CAPT Bernard John Smith
Estados Unidos CAPT Harry T. Rittenour
Coronel Gregorio Honasan
General Edgardo Abenina
General Jose Ma. Zumel

A tentativa de golpe de Estado contra o governo da presidente filipina Corazon Aquino foi orquestrada a partir de 1 de dezembro de 1989 por membros das Forças Armadas das Filipinas pertencentes ao Movimento Reforma das Forças Armadas (Reform the Armed Forces Movement - RAM) e soldados leais ao ex-presidente Ferdinand Marcos. A Região Metropolitana de Manila foi abalada por este golpe que quase tomou o palácio presidencial. Seria completamente derrotado pelo governo filipino por 9 de dezembro de 1989.

O golpe foi liderado pelo coronel Gregorio Honasan, pelo general Edgardo Abenina e pelo general reformado José Ma. Zumel, e organizado por uma aliança do RAM, liderado por Honasan, e as tropas leais a Marcos, lideradas por Zumel. [1]

No início do golpe, os rebeldes tomaram a Base Aérea Villamor, o Forte Bonifacio, a Base Aérea Sangley, a Base Aérea Mactan em Cebu e partes de Camp Aguinaldo. Os rebeldes estabeleceram patrulhas ao redor da pista do Aeroporto Internacional Ninoy Aquino efetivamente fechando-o. [2] A partir da Base Aérea Sangley, os rebeldes lançaram aviões e helicópteros que bombardearam e metralharam o Palácio Malacañan, Camp Crame e Camp Aguinaldo. [3] Três horas após a queda da base aérea de Villamor, Aquino dirigiu-se ao seu povo dizendo que "iremos esmagar essa tentativa flagrante mais uma vez". Nesse ponto, o contra-ataque governista começou. Sete caminhões do exército se dirigiram para o Channel 4 e uma luta feroz ocorreu lá. Ramos e Renato de Villa monitoravam a crise de Camp Crame, a sede policial. Com as forças leais duramente pressionadas pelos rebeldes, Aquino solicitou assistência militar das Forças Armadas dos Estados Unidos, a mando de seus comandantes militares, e foi concedida: 120 fuzileiros navais, parte do contingente de 800 estadunidenses estacionados na Base Naval Subic Bay, foram implantados nos terrenos da Embaixada dos Estados Unidos como uma medida defensiva. A presidente Aquino afirmou que as forças leais careciam de habilidade para conter as forças rebeldes. A ajuda estadunidense seria crucial para a causa de Aquino, removendo dos céus as aeronaves rebeldes e permitindo que os lealistas consolidassem as suas forças. Enquanto muitos amotinados se renderam, Aquino declarou: "Nós deixamos duas escolhas; renda-se ou morra". Jatos F-5 do governo saíram e desafiaram aviões rebeldes, o que culminou na destruição dos T-28 Trojan rebeldes. As forças do governo recapturaram todas as bases militares, exceto a Base Aérea Mactan até 3 de dezembro, porém as forças rebeldes em retirada de Fort Bonifacio ocupariam 22 arranha-céus ao longo da área empresarial Ayala em Makati. [4] O governo afirmou que o golpe foi esmagado, mas ferozes combates continuariam durante o fim de semana, com o Camp Aguinaldo incendiado pelos obuses rebeldes. A ocupação de Makati durou até 7 de dezembro, embora os rebeldes entregassem a Base Aérea Mactan em 9 de dezembro.[3] O número oficial de vítimas foi de 99 mortos (incluindo 50 civis) e 570 feridos. [5]

O exército dos Estados Unidos apoiou o governo Aquino durante esse golpe.[6]

Os participantes do golpe de dezembro 1989 mais tarde culparam as deficiências percebidas no governo Aquino em áreas como fraude e corrupção, ineficiência burocrática e tratamento leniente aos insurgentes comunistas como as razões para o golpe. [7] Em resposta, a Davide Commission recomendou várias contramedidas a curto e longo prazo, incluindo o estabelecimento de uma força de polícia nacional civil, uma operação contra a corrupção nas forças armadas, uma revisão do desempenho de funcionários designados pelo governo, reformas no processo de promoções militares, uma revisão das leis eleitorais a tempo para as eleições presidenciais de 1992, e uma declaração definitiva do partido de Aquino sobre sua pretensão de concorrer à reeleição em 1992. [8][9]

Referências

  1. Davide Commission Report, p. 222
  2. Davide Commission Report, p. 222-225
  3. a b Davide Commission Report, p. 229.
  4. Davide Commission Report, p. 224
  5. Davide Commission Report, p. 376
  6. Coup Launched Against Aquino : Philippines: Rebel planes bomb presidential palace in support of revolt by troops. Two military garrisons are taken over, airport is closed. - Los Angeles Times, December 01, 1989
  7. Davide Commission Report, p. 470
  8. Davide Commission Report, pp. 509-530
  9. «Recommendations of the Final Report of the Fact-Finding Commission». Philippine Center for Investigative Journalism. 2003. Consultado em 23 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de abril de 2008  |deadurl= e |urlmorta= redundantes (ajuda)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The Davide Fact-Finding Commission (1990). The Final Report of the Fact-Finding Commission (pursuant to R.A. No. 6832). Makati City: Bookmark Inc. 118 páginas. ISBN 971-569-003-3