Teofilacto de Ocrida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Teofilacto de Ácrida)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o patriarca de Constantinopla de mesmo nome, veja Teofilacto de Constantinopla.
Teofilacto de Ocrida
Teofilacto de Ocrida
Nascimento ca. 1055 em Euripo (?)
Veneração por Igreja Ortodoxa
Festa litúrgica 31 de dezembro
Gloriole.svg Portal dos Santos

Teofilacto Hefesto (em grego: Θεοφύλακτος Ηφαιστος; em búlgaro: Теофилакт Охридски; 1055 - 1107), também conhecido como Teofilacto de Ocrida, Teofilacto de Ócrida e Teofilacto de Acrida, Teofilacto da Bulgária ou Teofilacto de Ohrid, foi um arcebispo grego de Ócrida (Ohrid) e um comentarista bíblico.

Vida[editar | editar código-fonte]

Teofilacto nasceu provavelmente em Euripo, na Eubeia, por volta da metade do século XI. Se tornou um diácono em Constantinopla e pupilo de Miguel Pselo e conquistou grande reputação como estudioso, tornando-se tutor de Constantino Ducas, filho do imperador bizantino Miguel VII Ducas, para quem escreveu "A Educação de Príncipes".[1][2][3][4] Por volta de 1078, foi para a Bulgária para se tornar o arcebispo de Ocrida. Era uma das cidades principais da Bulgária, conquistada ao Império Bizantino sessenta anos antes. Na posição de arcebispo de um território conquistado na fronteira com o Império Bizantino, ele levou adiante seus deveres pastorais pelos próximos vinte anos, com uma postura enérgica e precisa. Mesmo sendo um bizantino (grego) de criação e aparência, foi um diligente pastor da recém-nascida Igreja da Bulgária, defendendo seus interesses e autonomia (do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla). Agiu com vigor para proteger sua arquidiocese dos ensinamentos considerados heréticos dos paulicianos e bogomilos.[5]

Em suas cartas, ele reclama muito sobre as maneiras rudes dos búlgaros e tentou se livrar do cargo, sem contudo ter sucesso. "Suas cartas de Ocrida são uma fonte valiosa para o história política, econômica e social da Bulgária e da prosopografia bizantina. Elas estão repletas de reclamações convencionais sobre o círculo "bárbaro" à volta de Teofilacto, ainda que a realidade fosse a de que ele estava profundamente envolvido no desenvolvimento cultural local, produzindo um encomium de quinze mártires de Tiberiópolis e uma Vita de Clemente de Ocrida."[4] Ele também relatou (em suas cartas) como as constantes guerras do Império Bizantino contra os pechenegues, os magiares e os normandos haviam destruído boa parte do alimento da região e provocado a fuga de muitos da cidade para as florestas da região. Ele morreu depois de 1107.[6] As Igrejas Sérvia, Búlgara, Grega e Russa o consideram como santo e comemoram sua festa em 31 de dezembro.[7]

Obras[editar | editar código-fonte]

Seus comentários sobre os Evangelhos, Atos dos Apóstolos, as Epístolas Paulinas e os profetas menores estão fundamentados nos de Crisóstomo, mas merecem o considerável espaço que mantém na literatura exegética por suas sobriedade, acuracidade e sensatez. Suas outras obras que chegaram até nós incluem 530 cartas e várias homilias e orações, uma Vita de Clemente de Ocrida e outras obras menores. Uma edição com quase todas as suas obras, em grego e latim, com uma dissertação preliminar, foi publicada por JFBM de Rossi (4 vols. fol., Veneza) e é esta edição que foi republicada por Migne na Patrologia Grega (PG CXXIII - CXVI, 1869).

No início do século XVI, seus comentários sobre as escrituras tiveram uma importante influência sobre o Novum Testamentum e as Annotationes de Erasmo de Roterdão, embora Erasmo tenha erroneamente se referido a ele como Vulgarius nas primeiras edições de seu Novo Testamento. Traduções contemporâneas dos comentários de Teofilacto estão disponíveis em grego moderno, russo, sérvio, búlgaro e romeno, refletindo a ampla influência que sua obra exegética teve na Igreja Ortodoxa e além dela. Um bispo de Ocrida já nos tempos modernos, Nikolai Velimirovic, escreveu: "Os comentários de Teofilacto sobre os quatro evangelhos e outros livros do Novo Testamento [... ] são as melhores obras do tipo depois de São João Crisóstomo e são lidas até hoje, com benefícios para os leitores". A primeira tradução para uma língua europeia moderna e ocidental foi para o inglês, dos comentários de Teofilacto sobre o Novo Testamento (The Explanation of the Gospels).[8]

Referências

  1. Lawler 2004, p. 286
  2. Kolbaba 2000, p. 185
  3. «Blessed Theophylact - Archbishop of Ochrid and Bulgaria» (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2013. 
  4. a b Kazhdan 1991, p. 2068
  5. Obolensky 1988, p. 34-82
  6. «THEOPHYLACT (d. c.. 1110)» (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2013. 
  7. Velimirovic 1985, p. 393
  8. «Chrysostom Press» (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2013. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kazhdan, Alexander Petrovich (1991). The Oxford Dictionary of Byzantium (Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press). ISBN 0-19-504652-8. 
  • Kolbaba, Tia M. (2000). The Byzantine Lists: Errors of the Latins University of Illinois Press [S.l.] ISBN 025202558X. 
  • Lawler, Jennifer (2004). Encyclopedia of the Byzantine Empire (Universidade da Califórnia: McFarland & Company Incorporated Pub). ISBN 0786415207. 
  • Velimirovic, Nikolai (1985). The Prologue From Ochrid 4 (Inglaterra: Lazarica Press, Birmingham). 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]