Teoremas espectrais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Os teoremas espectrais são fundamentais na álgebra linear, por garantirem a existência de uma base ortonormal de autovectores para alguns tipos de operadores. Isto implica que o operador seja diagonalizável, o que facilita bastante os cálculos.

Teorema espectral para operadores auto-adjuntos[editar | editar código-fonte]

Seja um operador auto-adjunto e V um espaço vetorial complexo ou real de dimensão n. Então existe uma base ortonormal de V formada por autovectores de T.

Teorema espectral para operadores unitários[editar | editar código-fonte]

Seja um operador unitário e V um espaço vetorial complexo de dimensão n. Então existe uma base ortonormal de V formada por autovectores de T.

Teorema espectral para operadores normais[editar | editar código-fonte]

Seja um operador linear e V um espaço vetorial complexo de dimensão n. Então T é normal se, e somente se, existe uma base ortonormal de V formada por autovectores de T.

Teorema espectral para operadores compactos auto-adjuntos em espaços de Hilbert[editar | editar código-fonte]

Seja um espaço de Hilbert separável e um operador compacto auto-adjunto, então existe uma família ortonormal de autovetores com autovalores associados tais que:

Ver também[editar | editar código-fonte]