Teoria Monetária Moderna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Teoria Monetária Moderna (TMM) (Modern Monetary Theory, MMT, em inglês) é uma teoria macroeconômica que descreve a moeda como um monopólio público e o desemprego como uma evidência de que um monopolista da moeda está restringindo a oferta de ativos financeiros necessários para o pagamento de impostos e satisfazer os desejos de poupança.[1][2][3] Este conceito está fortemente ligado a ideia de demanda agregada, inflação, desemprego e política monetária.[4][5]

A MMT é uma alternativa à teoria econômica neoclássica. Aderentes do mainstream econômico criticam a teoria, mas seus defensores sugerem que ela pode descrever de modo mais eficaz a economia global nos anos seguintes à Grande Recessão.[6][7]

Referências

  1. MOSLER, Warren (19 de março de 2014). «ME/MMT: The Currency as a Public Monopoly» (PDF). University of Bergamo, DAEMQ Department, Lectures of International Monetary Economics. Consultado em 20 de junho de 2020 
  2. Chohan, Usman W. (6 de abril de 2020). «Modern Monetary Theory (MMT): A General Introduction». Rochester, NY (em inglês) 
  3. «Modern Monetary Theory». Wikipedia (em inglês). 14 de junho de 2020 
  4. https://www.youtube.com/watch?v=SWxUyzP190g&feature=youtu.be
  5. https://docs.google.com/document/d/1gvDcMU_ko1h5TeVjQL8UMJW9gmKY1x0zcqKIRTZQDAQ/edit
  6. Goldmark, Alex (September 26, 2018). «Episode 866: Modern Monetary Theory». NPR. Washington DC. Consultado em September 26, 2019  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  7. Cohen, Patricia (April 5, 2019). «Modern Monetary Theory Finds an Embrace in an Unexpected Place: Wall Street». New York Times. New York. Consultado em April 5, 2019  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)