Teoria das ideias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A teoria das ideias ou teoria das formas é um corpo de conceitos filosóficos criado por Platão, na Grécia Antiga. Esta teoria assevera que a realidade mais fundamental é composta de ideias ou formas abstratas, mas substanciais. Para ele estas ideias ou formas são os únicos objetos passíveis de oferecer verdadeiro conhecimento. A teoria foi desenvolvida em vários de seus diálogos como uma tentativa de resolver o problema dos universais.

As ideias ou formas residiriam no mundo inteligível, fora do tempo e do espaço, e não no mundo sensível ou material. Sua natureza era perene e imutável. Os objetos do mundo comum organizam suas estruturas conformes a estas ideias ou formas primordiais, mas não são capazes de revelá-las em sua plenitude, sendo apenas imitações imperfeitas. Também princípios abstratos eram considerados ideias ou formas segundo esta teoria, tais como igualdade, diferença, movimento e repouso. A formulação da teoria era intuitiva, e suas limitações foram analisadas pelo próprio Platão no diálogo Parmenides.

Na natureza das ideias, Platão definiu quatro propriedades: A espiritualidade, a realidade, a imutabilidade e a pureza. A espiritualidade é inteligível , ou seja, consiste em ser invisíveis aos olhos humanos e apreendidas pela inteligência. A realidade. Para Platão as ideias não são conceitos abstratos do espírito, nem pensamentos do Espírito divino, mas são realidades subsistentes e individuais, sendo objeto da contemplação científica e fonte das realidades da terra. A imutabilidade e a pureza são derivados da realidade, onde: A imutabilidade, que exclui toda a mudança, pois são eternas e a pureza, pois realiza a essência plenamente e sem mistura, e cada uma na sua ordem é perfeita.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.