Teoria hebbiana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A teoria hebbiana descreve um mecanismo básico da plasticidade sináptica no qual um aumento na eficiência sináptica surge da estimulação repetida e persistente da célula pós-sinápticas. Introduzida por Donald Hebb em 1949, é também chamada de regra de Hebb, postulado de Hebb, e afirma:

Vamos assumir que a persistência ou repetição de uma atividade reverberatória tende a induzir mudanças celulares duradouras que promovem estabilidade. (...) quando um axônio da célula A esta próxima o suficiente para excitar a célula B e repetidamente ou persistentemente segue fazendo com que a célula dispare, algum processo de crescimento ou alteração metabólica ocorre em uma ou ambas as células, de forma que aumente a eficácia de A, como uma das células capazes de fazer com que B dispare.

A teoria é frequentemente resumida como "células que disparam juntas, permanecem conectadas", apesar dessa afirmação ser uma simplificação exagerada do sistema nervoso que não deve ser tomada literalmente, bem como não representa fielmente a afirmação original de Hebb sobre as forças de troca na conectividade celular. A teoria é comumente evocada para explicar alguns tipos de aprendizagem associativos no qual a ativação simultânea de células leva a um crescimento pronunciado na força sináptica. Tal aprendizado é conhecido como aprendizagem hebbiana.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hebb, D. O. (1949). The organization of behavior (New York: Wiley). 
  • Hebb, D.O. (1961). «Distinctive features of learning in the higher animal». In: J. F. Delafresnaye (Ed.). Brain Mechanisms and Learning (London: Oxford University Press). 
  • Hebb, D.O.; and Penfield, W. (1940). «Human behaviour after extensive bilateral removal from the frontal lobes». Archives of Neurology and Psychiatry [S.l.: s.n.] 44: 421–436. 
  • Allport, D.A. (1985). «Distributed memory, modular systems and dysphasia». In: Newman, S.K. and Epstein, R. (Eds.). Current Perspectives in Dysphasia (Edinburgh: Churchill Livingstone). ISBN 0-443-03039-1. 
  • Bishop, C.M. (1995). Neural Networks for Pattern Recognition (Oxford: Oxford University Press). ISBN 0-19-853849-9 (hardback) Verifique |isbn= (Ajuda). 
  • Paulsen, O.; Sejnowski, T. J. (2000). «Natural patterns of activity and long-term synaptic plasticity». Current opinion in neurobiology [S.l.: s.n.] 10 (2): 172–179. doi:10.1016/S0959-4388(00)00076-3. PMID 10753798. 
Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.