Teoria humoral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O artista Albrecht Dürer representou os humores na obra Os Quatro Apóstolos: os temperamentos melancólico, sanguíneo, colérico e fleumático são incorporados, respectivamente, por São João, São Pedro, São Paulo e São Marcos.
No sentido horário, a partir da figura superior direita: colérico, melancólico, sanguíneo, fleumático).

A Teoria humoral (ou teoria dos quatro humores) constituiu o principal corpo de explicação racional da saúde e da doença entre o século IV a.C. e o século XVII.

Também conhecida por teoria humoral hipocrática ou galénica, segue as teorias dominantes na escola de Kos, segundo as quais a vida seria mantida pelo equilíbrio entre quatro humores: sangue, fleuma, bílis amarela e bílis negra, procedentes, respectivamente, do coração, sistema respiratório, fígado e baço. Cada um destes humores teria diferentes qualidades: o sangue seria quente e úmido; a fleuma, fria e úmida; a bílis amarela, quente e seca; e a bílis negra, fria e seca. Segundo o predomínio natural de um destes humores na constituição dos indivíduos, teríamos os diferentes tipos fisiológicos: o sanguíneo, o fleumático, o bilioso ou colérico e o melancólico.

As doenças se deveriam a um desequilíbrio entre os humores, cuja causa principal seria as alterações devidas aos alimentos, os quais, ao ser assimilados pelo organismo, dariam origem aos quatro humores.

Entre os alimentos, Hipócrates incluía a água e o ar. A febre seria uma reacção do corpo para cozer os humores em excesso. O papel da terapêutica seria ajudar a physis a seguir os seus mecanismos normais, ajudando a expulsar o humor em excesso ou contrariando as suas qualidades.

Teoria humoral moderna[editar | editar código-fonte]

Embora a associação dos temperamentos com fluidos corporais seja obsoleta, a teoria dos quatro humores foi adaptada por outros pesquisadores, muitos sem usar os nomes originais, e muitos acrescentaram a extroversão como um novo fator, que determinaria os relacionamentos interpessoais. Como exemplos temos:

Os quatro humores e seus equivalentes modernos são apresentados a seguir:

Humor Elemento Nome antigo Nome moderno MBTI Características antigas
Bílis Amarela Fogo Colérico Artesão SP Alegre, dinâmico, irresponsável
Sangue Ar Sanguíneo Idealista NF Otimista, sentimental e instável
Bílis Negra Terra Melancólico Guardião SJ Sensato, trabalhador, realista
Fleuma Água Fleumático Racional NT Moderado, frio, lógico
Wikipedia-pt-hist-cien-logo.png Portal de história da ciência. Os artigos sobre história da ciência, tecnologia e medicina.
Ícone de esboço Este artigo sobre História da ciência é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.