Teoria populacional neomalthusiana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Teoria Populacional Neomalthusiana, ou neomalthusianismo, é a atualização da Teoria populacional malthusiana, criada pelo demógrafo, economista e polímata iluminista Thomas Malthus.[1] É uma teoria que defende o controle do crescimento populacional[2] tanto através de métodos malthusianos como a abstinência sexual e casamentos tardios, quanto através do uso de métodos anticoncepcionais.[1]

Para os neomalthusianos, o intenso crescimento populacional seria o responsável pelo avanço da fome, da pobreza e da criminalidade (subdesenvolvimento de um país).[3] Com a velha aceleração populacional, voltaram a surgir estudos baseados nas ideias de Malthus, dando origem a um conjunto de formulações e propostas denominadas Neomalthusianas.[3]

Novamente os teóricos explicam o subdesenvolvimento e a miséria ou pobreza pelo crescimento populacional, que estaria provocando a elevação dos gastos governamentais com os serviços de educação e saúde. Isso comprometeria a realização de investimentos nos setores produtivos e dificultaria consequentemente o desenvolvimento econômico.

Para os neomalthusianos, uma população numerosa seria um obstáculo ao desenvolvimento, e levaria ao esgotamento dos recursos naturais, ao desemprego, e à pobreza.[1][3]

Afirmam também que é possível melhorar a produtividade da terra com uso de novas tecnologias, e que é possível reduzir o ritmo de crescimento da população através do planejamento familiar e controle populacional.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Silva, Wellington Souza. «Teoria populacional Neomalthusiana». InfoEscola. Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  2. «Definition of NEO-MALTHUSIAN». Merriam-Webster (em inglês). Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  3. a b c Sunderlin, William D. (2003). Ideology, Social Theory, and the Environment (em inglês). Maryland: Rowman & Littlefield. pp. 121–124. ISBN 978-0-7425-1970-1