Terceira Batalha do Isonzo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Terceira Batalha do Isonzo
Campanha italiana, Primeira Guerra Mundial
Data 18 de outubro3 de novembro de 1915
Local Rio Isonzo, oeste da Eslovênia
Desfecho Vitória tática austro-húngara
Beligerantes
 Reino da Itália Flag of Austria-Hungary (1869-1918).svg Áustria-Hungria
Comandantes
Reino de Itália Luigi Cadorna
Reino de Itália Emanuele Filiberto
Flag of Austria-Hungary (1869-1918).svg Svetozar Boroević
Flag of Austria-Hungary (1869-1918).svg Eugênio Fernando
Forças
338 batalhões, 130 esquadrões de cavalaria, 1 372 peças de artilharia 137 batalhões (além de 47 batalhões de reforços), 634 peças de artilharia
Baixas
67 100 (incluindo 11 000 mortos) 40 400 (incluindo 9 000 mortos)

A Terceira Batalha do Isonzo foi uma luta travada entre o Reino de Itália e o Império Austro-Húngaro, no contexto do fronte italiano na Primeira Guerra Mundial, entre 18 de outubro e 3 de novembro de 1915.[1]

A batalha[editar | editar código-fonte]

Após dois meses e meio de pausa para se recuperar das sangrentas primeira e segunda ofensivas no Isonzo, o comandante italiano, Luigi Cadorna, planejou usar de artilharia pesada para quebrar as linhas austro-húngaras. Ele trouxe 1 200 canhões para cobrir o ataque. Cadorna pretendia tomar as cidades de Tolmin e Bovec, e, se possível, avançar até Gorizia. Os italianos espalharam suas forças por todo o rio Isonzo, o que se provou um grande erro tático.[2]

Os italianos começaram sua ofensiva em 18 de outubro, bombardeando as posições austro-húngaras intensamente. Eles avançaram até a cidade de Plave, no sul da atual Eslovênia (na época, território italiano). As tropas de Cadorna ainda chegaram até o Planalto de Cársico, com o objetivo de flanquear Gorizia. Contudo, perto das montanhas de San Michele, os austríacos esboçaram feroz resistência. Ambos os lados reforçaram suas linhas e sofreram pesadas baixas. Nos contra-ataques, os austro-húngaros retomaram vários territórios perdidos e a ofensiva italiana empacou. O comando do marechal Svetozar Boroević foi muito elogiado nesta luta.

Mesmo sofrendo muitas perdas, os austro-húngaros resistiram a boa parte dos ataques italianos. Depois de duas semanas, Cadorna desistiu e a luta, parcialmente, cessou.

Referências

  1. Macdonald, John, and Željko Cimprič. Caporetto and the Isonzo Campaign: The Italian Front, 1915-1918. Barnsley, South Yorkshire: Pen & Sword Military, 2011. ISBN 9781848846715.
  2. Schindler, John R. (2001). Isonzo: The Forgotten Sacrifice of the Great War. [S.l.]: Praeger. ISBN 0275972046. OCLC 44681903 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Primeira Guerra Mundial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.